Redação Pragmatismo
Compartilhar
Direita 30/Oct/2015 às 17:52
113
Comentários

Vereadores de Campinas aprovam “moção de repúdio” a Simone de Beauvoir

“Como pode alguém ser homem de manhã e mulher à noite?”. Câmara Municipal de Campinas aprova moção de repúdio contra questão do ENEM que cita Simone de Beauvoir. Vereador Campos Filho (DEM), autor da moção, diz que “a iniciativa [de citar a filósofa] é demoníaca”

Enem Campinas Simone de Beauvoir
O vereador Campos Filho (DEM)

A Câmara Municipal de Campinas (SP) aprovou, na noite de quarta-feira, uma moção de repúdio dirigida ao Ministério da Educação em protesto contra a inclusão na prova do Enem deste ano de uma questão que reproduz um trecho de um texto da filósofa e escritora francesa Simone de Beauvoir sobre a condição da mulher.

A questão reproduzia texto do livro O Segundo Sexo, de 1949, segundo o qual: “ninguém nasce mulher: torna-se mulher. Nenhum destino biológico, psíquico, econômico define a forma que a fêmea humana assume no seio da sociedade; é o conjunto da civilização que elabora esse produto intermediário entre o macho e o castrado que qualificam o feminino”.

Para o vereador Campos Filho (DEM), autor da moção, a questão contraria a Constituição Federal e o Plano Nacional de Educação, ao incluir a “ideologia de gênero” na prova do Enem. O parlamentar exige, ainda, do Ministério da Educação, a anulação da questão, por supostamente “afrontar esse conjunto de fundamentos jurídicos e o próprio Estado Democrático de Direito”.

“A iniciativa é demoníaca”, disse o vereador. “Foram buscar informações com uma filósofa lá em mil trocentos e pôco (sic) para impor a nós a discussão de gênero. Como pode alguém ser um homem de manhã e mulher à noite?”, questionou ele. “Dizem que isso acontece porque as pessoas sentem uma pulsão (sic). Mas eu digo. É preciso tomar cuidado com essa pulsão, porque isso pode te levar para cadeia”, disse ele.

“Se Deus quisesse que não tivesse diferença entre homem e mulher, faria Adão com dois órgãos genitais”, concordou o vereador Jaírson Canário (SD). “Eu defendo o princípio que homem é homem; mulher é mulher e filho é filho. E que homem e mulher fazem filho; que também são homem e mulher”, reforçou o vereador Cid Ferreira (PMDB).

“A esquerda raivosa acha que pode falar o que quiser, mas quando a gente fala deles ficam todos delicadinhos. Eu que quero que respeitem a nossa opinião, porque uma coisa é certa: homem é homem e mulher é mulher”, defendeu o vereador Prof. Alberto (PR).

Bem Paraná

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Denisbaldo Postado em 30/Oct/2015 às 19:16

    Se existe um lugar pior do que a cidade de São Paulo, este se chama interior do estado de São Paulo. Falo com conhecimento de causa. É o Texas brasileiro. Não é à toa que o PSDB já ganhou 6 vezes seguidas as eleições estaduais por aqui.

    • luis Postado em 30/Oct/2015 às 21:17

      Se eu escrevesse isso sobre o Nordeste, ia ter que aturar um monte de mimimi. Aliás, vou falar: "Se tem algum lugar pior do que a cidade de São Paulo, este se chama Bahia."

      • Pedro Postado em 02/Nov/2015 às 04:59

        Ahf, se equivalem em atraso mental. A diferença é que economicamente o interior de Sao Paulo vai bem. Mas não ha traços de progresso intelectual no interior nem do nordeste, nem do sul, muito menos no rico interior de são paulo.

      • Francisco Ramos Postado em 04/Nov/2015 às 13:14

        O kara tá defendendo a famíla. Cimone de Bovuá quer distruir Deus e a famila. Os anafabeto funcional não sabe pronunciar o nome da escritoira. Pior, não sabem nem sabe se e homes ou muié.

      • eu daqui Postado em 06/Nov/2015 às 16:09

        É verdade, Luís, sou baiana e conheço os dois: especialmente o entorno do Reconcavo tem a mentalidade pior do que o interior de SP. Lá pelo sertão baiano é que tem mais seriedade.

    • Vinis Postado em 30/Oct/2015 às 22:11

      Infelizmente é isso mesmo, Denisbaldo. Na minha cidade ainda elegeram como prefeito o candidato do PSDB com mais de 70% dos votos.

    • Denisbaldo Postado em 30/Oct/2015 às 22:16

      Eu só falo isso porque nasci no interior de São Paulo e muito cedo mudei para a cidade de São Paulo onde moro atualmente. Não me atrevo a falar mal da terra dos outros de graça, não acho certo. Eu conheço muito bem o meu território e tenho o direito de falar bem ou mal dele.

      • Rogerio Postado em 31/Oct/2015 às 09:52

        Presidente Prudente então deveria se chamar Springfield. Só tem Simpson. Aqui até beneficiário do bolsa família e PASMEM, morador do Minha Casa Minha Vida falam absurdos do Mais Médicos.

      • enganado Postado em 01/Nov/2015 às 21:37

        Caro Denisbaldo, nota 10! Com louvor. Avisa aos analfabetos que os texanos querem separar-se dos EUA , são arrogantes/prepotentes/e ainda não esqueceram a guerra de Secessão, lógico, ninguém sabe os podres da matriz da canalha/ordinária/vagabunda rede gRoubo porque a Imprensa Empresa Press_tituta Anglo-Semita não permite este tipo de comentário chegue aos ouvidos da plebe ignara. Meu caro Denisbaldo, faço críticas não a S. Paulo em si, mas TUCANALHA que habita por essas bandas=FHC=çERRA=Picolé de Chuchu=Aloysio ""Trezentinha"" Nunes= ... , espero que vc há de compreender. Não uma vírgula do seu comentário, porque daqui o Rio de Janeiro temos também os canalhas que são defendido pela vagabunda rede gRoubo: Boçalnaro-CÚnha-César Maia (pai e filho)- ... ( o que não falta são nomes ). Abraços, enganado.

      • Denisbaldo Postado em 02/Nov/2015 às 08:50

        Caro enganado, infelizmente está cada vez mais difícil defender São Paulo ultmamente. Estão demonstrando um ódio fora do comum, parece que absorveram com muita vontade essa propaganda antiPT da Globo e demais. Vamos ver por quanto tempo isso vai durar...Abrx!!!

      • eu daqui Postado em 06/Nov/2015 às 16:10

        É, se é pra malhar é melhor malhar o que a gente conhece. É mais responsável.

    • poliana Postado em 31/Oct/2015 às 12:33

      "texas brasileiro". kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk...n me contive denisbaldo. pior q se vc falar isso pra eles, eles vão achar um elogio e uma honra tal comparação! rsrs

      • Denisbaldo Postado em 31/Oct/2015 às 16:21

        Eu comprei uma passagem só de ida pra você Poliana...kkkkkkkkk...ida pro inferno! hahahaha! Talvez você encontre o Pereira por lá! Hahahaha!

      • Denisbaldo Postado em 02/Nov/2015 às 01:11

        Foi brincadeira Poliana, eu nunca faria isso com você! Mas pode ser que o Pereira esteja por lá heim! rsss

      • Anderson Postado em 02/Nov/2015 às 16:23

        kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Realmente Poliana, eles vão achar que é algo positivo e de um tremendo progresso, "nossa ! Ser o Texas, um sono" kkkkkkkk

    • Eduardo Ribeiro Postado em 31/Oct/2015 às 12:38

      se o interior de SP é pior que a a cidade de São Paulo, a Boçalandia, esse antro de zumbis debilóides em que eu vivo, pior cidade do Brasil, eu faço bem em desconhecer o interior...porque pelo amor de deus...pior que aqui deve ser quase que literalmente o inferno.

    • Thiago Teixeira Postado em 31/Oct/2015 às 14:09

      Faço minhas as suas palavras. Interior Paulista é o reduto do reacionarismo, machismo, racismo e tudo que há de ruim em termos de intolerância ao próximo. Nasci em Campinas e tenho total liberdade para dizer o quanto a Cidade é um antro de coxinhas fascistas, e 99% das discriminações raciais que sofri na vida foram lá. Seja negro, e entre numa loja em Campinas para ver se algum vendedor (a) te atende? Atende sim, primeiro o segurança do estabelecimento te perguntando se quer alguma coisa ou se o carro que está lá fora é seu.

      • Denisbaldo Postado em 31/Oct/2015 às 16:00

        E olha que Campinas tem 2 milhões de habitantes, tenho muitos amigos roqueiros lá super gente boa, mas são coxinhas também, mas pelo menos não são extremistas. Mas eu nasci em Capivari, a 30 km de Campinas, uma cidade de 50 mil habitantes. Eles são tão atrasados que nem sabem que são racistas, machistas, reacionários, etc. Eles não têm ideia do que isso significa, para eles suas atitudes são completamente normais. O Clube de Campo da cidade nunca teve negros como sócios e acredito que até hoje seja assim. O único que entrou lá um dia foi o ex-jogador de futebol do Palmeiras e da seleção, Amaral, que nasceu na cidade, para receber uma homenagem quando estava no auge da carreira e provavelmente nunca mais pisou lá. Graças a Deus que me mudei daquela cidade com 1 ano de idade, mas ainda tenho contato com parentes que ainda moram lá e outros que estão na região metropolitana de SP. Eu tenho primos com 30 anos de idade que moram em São Caetano e são fãs do Hitler e do Mussolini. É mole?!?!?!? E ao mesmo tempo nós temos primos judeus e negros em comum!?!?! Velho, o barato é loko! Mas loko ruim, loko palha. Gente sem noção, que pratica o ódio como diversão e para se autoafirmar na sociedade. O problema é que se uma pessoa dessa pega uma arma na mão acaba fazendo besteira. E aí aparece um Bolsonaro da vida para botar mais gasolina nas ideias deles...Por mais que ele diga que não é racista, eu não acredito nem um pouco. Conheço o conteúdo. Por isso fico puto da vida com pessoas que minimizam o racismo no Brasil, é muita cara de pau ou ignorânica.

      • Trajano Postado em 31/Oct/2015 às 21:36

        "Gente sem noção, que pratica o ódio como diversão e para se autoafirmar na sociedade". Pronto. Muito foda. Síntese abrangente, simplicidade bem articulada com o momento sociopolítico e urgentemente pertinente. Obrigado, Denisbaldo. Sim, concordo plenamente. Somente quando existe a supervalorização de certos estilos de vida através de ataques e medidas segregadoras para reafirmar uma dada ordem hierárquica social é que não somente se anuncia a ignorância em massa aos valores democráticos, como o total desprezo à civilidade e, claro, do orgulho da consolidação da própria inépcia.

      • Denisbaldo Postado em 31/Oct/2015 às 22:37

        Obrigado Trajano. Fico feliz em poder colaborar. Você é disparado um dos mais inteligentes, conscientes e articulados frequentadores do PP. Complementando o meu raciocínio com relação ao racismo no interior de São Paulo, gostaria de lembrar que o Neto, ex-jogador do Corinthans, cuspiu na cara de um árbirtro negro nos anos 90. Será que ele faria o mesmo se o tal árbitro fosse branco e de olhos azuis? Esse ex-jogador é do interior de SP.

      • Trajano Postado em 02/Nov/2015 às 22:22

        Não, Denisbaldo! Texas brasileiro é de uma genialidade ímpar. Ri alto pensando nos cowboys paulistanos metidos à nova-iorquinos. Classifica com muita propriedade. Aliás, querem tanto que o Brasil vire Estados Unidos, mas se depender dos rumos da direita brasileira viraremos uma sombra sucateada da China, no máximo.

      • Rodrigo Postado em 05/Nov/2015 às 16:41

        (Outro Rodrigo) Não posso negar que o racismo seja uma realidade. Agora vamos fazer o quê? Ficar a generalizar, a prejulgar, mediante "pré-conceitos" (grafia proposital) a dizer que "são um bando disso e daquilo", "nós e eles" e coisa e tal? Já tive episódio de discriminação em SP (colega da faculdade de Direito), em razão de minha origem (Bahia), assim fui bem tratado por tantos outros lá e como sou maltratado em Salvador por ser visto como turista (sou de lá, mas moro no interior - já chegou ao ponto de eu ouvir de uma atendente, na rodoviária, um "e é o quê é que você quer?"; em minha cidade, chegando em barzinho com amigo e esposa dele, esta, muito branca e com cabelos tingidos de loiro, foi alvo de olhares incisivos e incessantes de uma mesa próxima, o que foi constrangedor), mas nem por isso vou desistir e generalizar. Inclusive acabo de voltar de SP capital e Campinas, em viagem para um casamento e ver a família, podendo relatar que fui muito bem tratado em diversos lugares (bares/lanchonetes/restaurantes, oficinas mecânicas, mercados e congêneres), nem meu sotaque diferente, nem minha cor parda tendo me levado a ser destratado. E, fazendo justiça ao povo japonês (os noivos e família, como os comerciantes e comerciários do Bairro da Liberdade), digo que na Liberdade recebi o melhor tratamento em muitos anos (educação, sorrisos, gentileza - o que deveria ser o mínimo e a tônica). Sei que há pessoas que se incomodam com minhas intervenções aqui, mas só podemos concluir é que o extremismo, combatido com extremismo, não gera equilíbrio algum (como outro comentarista já disse, não se combate escuridão com mais escuridão, mas sim e apenas com luz). Em que pese tantos não aceitem, somos iguais e não devemos medir nossas atitudes e respostas pelo comportamento criminoso, extremista alheio, sob pena de apenas nos igualarmos ao alvo de nossa crítica. Desde o princípio o ser humano, na busca pelo poder, escolhe um critério qualquer (racial, religioso, étnico, filosófico, econômico etc.) para afirmar sua suposta superioridade, buscando a dominação do outro, o que deve ser rechaçado, mas não copiado. Então, que sejam denunciados os criminosos, que seja exigida sua punição, mas que não incorramos na mesma generalização e ódio que tanto sabemos criticar.

      • Rodrigo Postado em 05/Nov/2015 às 16:45

        (Outro Rodrigo) Ah, em adendo, ouvi notícia sobre isso justamente em Campinas e o locutor da rádio questionou: "A Câmara de Campinas está querendo concorrer com o 'Sensacionalista'?"

      • eu daqui Postado em 06/Nov/2015 às 16:12

        Uma cidade jovem e universitaria como Campinas é reaça? Então esse país tá perdido!!!!!!

      • Denisbaldo Postado em 06/Nov/2015 às 17:59

        Caro Rodrigo, o meu comentário é baseado em algo mais profundo do que somente experiências vividas ou presenciadas. Tenho como base as origens étnicas da sociedade paulista e paulistana. Por isso que tenho autoridade para criticar o meu próprio ambiente e não poderia fazer o mesmo a respeito de outros. O interior do Estado de SP é basicamente povoado por imigrantes italianos, árabes (sírios libaneses) e por negros. A cidade de São Paulo já conta com portugueses e japoneses também, em menor número do que os outros. O Palmeiras é italiano, o São Paulo FC é árabe e o Corinthinas é todo mundo junto e misturado (espanhol, negro, italiano, árabe, português, japonês, marciano, evangélico, etc). Os árabes nunca foram racistas assumidos, na verdade sempre odiaram o governo e seus impostos. Os portugueses também não. Já os italianos sempre foram e ainda são racistas assumidos sem a mínima vergonha de demonstrarem isso. Sou descendente de italianos e árabes (sírios) e posso lhe dizer abertamente que meus ancestrais italianos mais distantes (avós) como tantos outros que conheço sempre odiaram os negros e isso ainda é verdade. Os árabes não se pronunciam mas também não são fãs, posso afirmar. A torcida do Palmeiras é apelidada em SP de porcos fascistas e meus primos que citei acima são palmeirenses. Não preciso te falar que existe preconceito contra nordestinos aqui também. Eu quero que você entenda que não estou afirmando que 100% da população é racista, mas que esse problema é grave e deve ser encarado e solucionado. Não podemos simplesmente olhar para aqueles que não são e nos conformar com isso, temos que olhar para o outro lado que insiste em disseminar essa cultura de ódio. Todos somos seres humanos de direitos e obrigações. Não temos que agradecer por sermos bem tratados, isso é o mínimo, é a regra. Temos que denunciar o oposto. E me desculpe, mas a sua experiência recente é turística e de pouco vale como referência. Se quer conhecer um lugar e seu povo, more lá, arrume um emprego, alugue uma casa, frequente a escola, igreja e etc para poder opinar com maior precisão. Parece que fez isso no passado, não sei. Mas um homem pardo baiano (você) que alugue um apartamento na Avenida Paulista não seria tratado como um branco paulista, disso eu tenho certeza absoluta. Com relação a outros Estados do Brasil, tenho pouco conhecimento e seria arbitrário da minha parte criticá-los, mas tenho certeza que problemas parecidos como este também existem, em menor ou maior grau. A Bíblia já dizia: "A verdade te libertará". Não tenhamos medo da verdade, enfrentemos-la. Devemos sim colocar o dedo na ferida.

      • Denisbaldo Postado em 06/Nov/2015 às 18:12

        Só concluindo o meu raciocínio. Acredito que mais da metade da população branca paulista é de origem italiana. O sotaque paulista/paulistano é italiano. Por isso a minha preocupação e revolta com a proporção de tal conduta tão desprezível. É cultural, muito poderosa.

      • Fabio Postado em 08/Nov/2015 às 19:29

        Mas olha que Campinas não elege PSDB faz muito tempo. E São Paulo Capital tem sequencias de governos do PT. A coisa é feia mesmo no interior, de onde eu venho. Ainda bem que saí do interiorzão há 27 anos (moro em CPS).

      • Rodrigo Postado em 09/Nov/2015 às 19:07

        (Outro Rodrigo) Eu morei por quase 10 anos, em Ribeirão Preto e Campinas, cidades às quais retorno mais de uma vez ao ano - tenho uma vivência e experiências consideráveis para dizer o que digo. Da mesma forma que digo do preconceito que vejo na Bahia, partindo de quem não deveria partir. E não agradeci a ninguém pelo ótimo tratamento recebido, mas sim elogiei a boa postura e boa recepção que experimentei, assim como lamento a má recepção que tenho em meu próprio Estado de origem e cidade natal. E, como disse, isso não me leva a desqualificar meus conterrâneos, mas apenas a sempre me "armar" com um sorriso, uma gentileza, a cada abordagem ou conversa a ser iniciada - nem sempre dá certo, claro, o que lamento, mas não me dobro ao grosseiro e nosso não me igualar a ele, tendo de evitar o "pré-conceito" e a generalização.

    • Pereira Postado em 03/Nov/2015 às 10:03

      E todos os que buscam oportunidades, como os nordestinos vão para lá. Os nordestinos sofrem com a falta de capitalismo na sua terra e vão para são paulo do PSDB.

      • eu daqui Postado em 06/Nov/2015 às 16:14

        Não, o Nordeste sofre com a falta dos dois: capitalismo e socialismo. Isso aqui ainda é feudal.

  2. Grace Diniz Postado em 30/Oct/2015 às 19:19

    É muita ignorância. Eu assisti ao vídeo. Mais de 20 minutos de sandices... Inacreditável! Fiquei envergonhada por eles. Mico internacional. Eles não tem a decência de ler; não tem ideia do que é história, literatura, filosofia. São demasiadamente ignorantes. O preocupante é que tem quem vote nesses tipos...

  3. Eber Prado Postado em 30/Oct/2015 às 19:39

    Mico total!...Motivo de vergonha nacional!...parece piada, mas infelizmente não é!!Isso sim mostra-se como uma ditadura, a ditadura dos costumes...e o Estado Laico vai se afundando!!!

  4. Michele Postado em 30/Oct/2015 às 19:46

    Socorro! Tenho medo desse tipo de politico no Brasil, que usa a sua religião em tudo. Parece que estão querendo voltar a idade média.

    • Altair Silva Postado em 30/Oct/2015 às 21:50

      Que falta do que fazer. Cadê a independência dos poderes.

  5. Vinis Postado em 30/Oct/2015 às 20:13

    "Eu que quero que respeitem a nossa opinião, porque uma coisa é certa: homem é homem e mulher é mulher" E tem a cara de pau de dizer que isso é opinião...

    • Eduardo Postado em 30/Oct/2015 às 22:46

      mas não nascem assim filosoficamente falando..... ambos se tornam.... ou nunca ouvistes dizer "esse cara é um monstro", "isso não é mulher isto é um cobra"..... Com o passar dos anos, com as experiências da vida tanto um quanto o outro se tornam mulheres e homens.... que são aqueles que sabem respeitar o direito alheio, sabe o que significa humanidade, o que é vida em comunidade etc.... é mais profundo que isto, muito mais profundo.... do que ter uma vagina é mulher ter um pênis é homem.... ledo engano, pois qualquer animal e somos animais, os tem.

    • Filipe Postado em 31/Oct/2015 às 00:45

      Pesquisa o termo mulher no dicionário, depois volta aqui e comenta de novo

  6. Vitor Luiz Postado em 30/Oct/2015 às 20:17

    Chega a ser uma piada! A questão busca avaliar a seguinte competência e habilidade : Competência de área 3 – Compreender e usar a linguagem corporal como relevante para a própria vida, integradora social e formadora da identidade. H15 – Estabelecer relações entre o texto literário e o momento de sua produção, situando aspectos do contexto histórico, social e político. Bom é saber que muitos dos meus alunos possuem essas competências e habilidades. Já os vereadores se dependesse dessa questão para conseguir uma vaga em uma universidade...

  7. Daniel Martins Postado em 30/Oct/2015 às 20:17

    Ainda ter dentre os nobres parlamentares alguém com a alcunha de "professor" e que defende essa asneira é de entristecer qualquer professor de verdade.

  8. Eduardo Postado em 30/Oct/2015 às 22:41

    O GRANDE PROBLEMA AQUI É QUE O DOUTO EDIL QUER SER MAIS MAJESTADE QUE O REI.... concordo com a filosofa em parte, visto que nem a mulher nem o homem nascem feitos.... se tornam com o passar do tempo..... vejam ele como exemplo.... para atacar o governo, isto mesmo o governo pois o ENEM é fruto deste governo, ele diz que a filosofa afirma que a mulher antes de ser mulher ela seria homem.... em momento nenhum é neste sentido.... o sentido e muito mais amplo para os dois casos, pelo que parece ele ainda não é um homem completo, pois seus pensamentos são mesquinhos e preguiçosos e perigosos pois induzem a outros suas falhas, como foi o caso da aprovação pela câmara de uma cidade respeitada em todo o país.... Será que eles não tem nada mais importante para fazer sem ser implicar com uma questão filosófica....

  9. Guilhermo Postado em 30/Oct/2015 às 23:05

    A Simone de Bonvoyeur era gatona. '-'

  10. Bernardo Postado em 30/Oct/2015 às 23:30

    O texto da Simone de Beauvoir não fala de sexo biológico ou de identidade de gênero, mas da construção social na qual a mulher é inserida, BANDO DE JUMENTOS DO CARALHO!!!!

    • Filipe Postado em 31/Oct/2015 às 00:46

      Pois é.... Acho que tinha que ter enem para político também. Se o infeliz nã consegue interpretar um texto simples desse, não tem condições de ser vereador.

    • Adalberto Postado em 07/Nov/2015 às 13:59

      Esses analfabetos funcionais dos partidos falso moralistas foram eleitos por outros totalmente analfabetos.

  11. josé brasileiro Postado em 31/Oct/2015 às 10:24

    Prezados Comentaristas. Para se alinhavar o juízo de valor sobre algo, deve-se conhecer em profundidade as premissas que alicerçam a teoria, tese, dissertação; além de suas peculiaridades. Deve-se acima de tudo, estudar o conteúdo e o contexto em que ele foi produzido. Desconhecer Simone de Beauvoir e Jean Paul Sartre, seu marido; enfim a Filosofia, já é uma falha abissal -- que esses Srs. se esforçaram em demonstrar. A crítica ao ENEM traz, também, notoriedade a políticos pouco conhecidos; além de continuar, isso já a nível mundial, a cruzada contra a educação laica e cidadão. Deve-se arguir quais os escopos pedagógicos que a questão pretendia aferir. O que mais me assombra é que esses Srs. foram eleitos; ninguém fiscaliza o que os Doutos Srs. têm votado na Câmara, e seus projetos de lei. A pergunta é o que de concreto, dentro de sua esfera de atuação,eles têm trazido de beneficio para o povo da cidade? Aí, o povo informado pela grande mídia conclui que todos os males gerados são oriundos do governo federal! Quando colocou-se um fragmentos de texto da Vanessa Pop. não constatei nenhuma moção de desagravo; nem tampouco, quando textos nada edificantes sobre temas por assim dizer irrelevantes foram inseridos no Exame. Enfim, é a apregoada tecnologia da informação, dando voz democraticamente, a todos, por enquanto, principalmente às pessoas que não têm conhecimento sobre o que escrevem, falam, e/ou opinam; portando-se com simples torcedores de futebol em fúria; e produzindo situações extravagantes e espinhosas para a real Democracia.

  12. Eduardo Ribeiro Postado em 31/Oct/2015 às 12:35

    Na outra matéria sobre De Beauvoir, tinha lá uma filósofa especialista no assunto, e ela já gabaritou. Esses asnos de Campinas deveriam entrar numa biblioteca e estudar um pouco: "Vamos parar com desonestidade e de tratar obras tão sérias como fla flu ideológico ou pra fazer sensacionalismo pseudo crítico (…). Vocês entram num imediatismo absurdo para querer provar quem tem razão, para ganhar likes e desrespeitam todo um trabalho, um sistema filosófico”."

  13. Thiago Teixeira Postado em 31/Oct/2015 às 14:05

    Meu dia acabou com esse vídeo. Sou de Campinas, nascido e criado lá, meu título de eleitor mantenho naquela cidade apesar de viver no trecho fazendo obras, mas ao ver o Vereador Canário votando a favor da Moção ... acabou com meu dia. Eu votei nele, não porque ele era do PT (descobri agora que esse cidadão mudou para a escória do Solidariedade, partido de puxa sacos da Direita Golpista) mas pelo fato dele ser NEGRÃO como eu. Eu só voto em NEGRÃO (ONA). Tristeza, humilhação, repúdio e muito luto para um Homem que mora (será que mora ainda? Deve ter se mudado para o CAMBUÍ) na maior comunidade de CAMPINAS, Parque Oziel, meu falecido pai trabalhava com ele em seus projetos sociais nas periferias, tenho a camisa dele com uma estrela enorme do PT onde gosto de causar vestindo ela nas passeatas ou encontros fascistas. Vou continuar usando a camisa do Canário, mas esse troca de partido é o maior desrespeito que um político pode fazer com seus eleitores.

  14. Camila Nogueira Postado em 31/Oct/2015 às 15:05

    Minha nossa, que lindo isso! Eles estão lá pra trabalhar pelo bem de todos, mas falam sempre em primeira pessoa. Grande Campinas, grande SP! Iniciativa demoníaca mesmo foi pensar que eles seriam capazes de interpretar qualquer texto, ou mais: de pensar em bom senso e bem estar geral acima do que leem e não são capazes de interpretar na Biblia...

  15. irineu Postado em 31/Oct/2015 às 15:05

    esse idiota só soube da existência da obra agora com a prova do ENEM... fariseu, aproveita q seu cargo está no fim

    • Luciano Postado em 24/Nov/2015 às 15:51

      Não deve ter feito nada para o município e agora quer aparecer pra ser lembrado nas urnas.

  16. zepires Postado em 31/Oct/2015 às 15:10

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK... A capital do Babaquistão é Campinas e eu achei que era o Estado de São Paulo...

    • Thiago Teixeira Postado em 31/Oct/2015 às 17:01

      kkkkkkk Babaquistão foi fóda!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  17. Galvão Postado em 31/Oct/2015 às 16:15

    POBRE DO BRASIL. Quantos políticos de merda como esses vereadores estão eleito pelo país afora. Sem o mínimo de cultura, de discernimento, agindo pela ignorância, sempre pensando em conseguir voto de mais ignorantes do que eles. Me da nojo e vergonha saber que pessoas como estas estão governando nosso país e nossas cidades. Seria Bom se estão notícias não fossem espalhadas pelo mundo afora, pois a comunidade mundial vai rir muito de nós. Outra coisa que estes ignorantes bradam aos berros é que somos uma nação cristã. Somos porque fomos colonizados por cristãos, e a força, lembrem dos nossos nativos. ou aceitavam a catequese dos jesuítas ou eram mortos em nome de Deus. Será que se tivéssemos sido colonizados por muçulmanos, nós seríamos Cristãos? Religião e uma questão geográfica. Eu Sou Cristão porque nasci em um país cristão, se tivesse nascido em país de outra religião,sido criado por uma família de outra religião ou crescido em uma comunidade de outra religião eu teria outra crença, e isto é normal. Minhas sinceras desculpas a memória da escritora, intelectual, filosofa existencialista, ativista política,FEMINISTA e teórica social Simone de Beauvoir, pela ignorância e estupides desses nossos políticos.

    • João de Carvalho Postado em 01/Nov/2015 às 16:30

      Esses sujeitos só são cristãos porque fomos colonizados por cristãos, e você só defende essas ideias de gênero porque nasceu nos últimos 100 anos da civilização ocidental.

  18. Galvão Postado em 31/Oct/2015 às 16:15

    POBRE DO BRASIL. Quantos políticos de merda como esses vereadores estão eleito pelo país afora. Sem o mínimo de cultura, de discernimento, agindo pela ignorância, sempre pensando em conseguir voto de mais ignorantes do que eles. Me da nojo e vergonha saber que pessoas como estas estão governando nosso país e nossas cidades. Seria Bom se estão notícias não fossem espalhadas pelo mundo afora, pois a comunidade mundial vai rir muito de nós. Outra coisa que estes ignorantes bradam aos berros é que somos uma nação cristã. Somos porque fomos colonizados por cristãos, e a força, lembrem dos nossos nativos. ou aceitavam a catequese dos jesuítas ou eram mortos em nome de Deus. Será que se tivéssemos sido colonizados por muçulmanos, nós seríamos Cristãos? Religião e uma questão geográfica. Eu Sou Cristão porque nasci em um país cristão, se tivesse nascido em país de outra religião,sido criado por uma família de outra religião ou crescido em uma comunidade de outra religião eu teria outra crença, e isto é normal. Minhas sinceras desculpas a memória da escritora, intelectual, filosofa existencialista, ativista política,FEMINISTA e teórica social Simone de Beauvoir, pela ignorância e estupides desses nossos políticos.

  19. julia Postado em 31/Oct/2015 às 22:37

    Que burro, dá zero para eles....

  20. João de Carvalho Postado em 01/Nov/2015 às 16:51

    Os esquerdistas questionam os religiosos argumentando que eles tomam o pensamento cristão como fonte de autoridade, mas eles próprios fazem algo semelhante ao citar Simone de Beauvoir. Esta pensadora ignorava pesquisas científicas e tirou suas ideias de filosofias duvidosas do século 20. É verdade que ela estava em sintonia com uma importante corrente da psicologia científica da época, o behaviorismo, mas isto foi meio século atrás; esta corrente foi superada pela atual psicologia cognitiva. Citar Simone de Beauvoir como autoridade, ignorando todo o progresso científico que ocorreu nos últimos 50 anos, não é muito diferente de citar Moisés ou Jesus Cristo. Mas esta bancada religiosa tem um ponto: A maior parte da população brasileira acredita nestas coisas. Como os esquerdistas conciliam a imposição de ideias que a população não concorda com os ideais democráticos?

    • luis Postado em 02/Nov/2015 às 10:43

      "Como os esquerdistas conciliam a imposição de ideias que a população não concorda com os ideais democráticos?" Ora, através da repressão e da censura,obviamente...

      • Eduardo Ribeiro Postado em 02/Nov/2015 às 16:35

        """""""""Ora, através da repressão e da censura,obviamente...""""""""""""....de qual óbvia repressão estamos falando? De qual óbvia censura? Vocês estão bostejando fortemente faz 1 semana sobre uma mulher fantástica e sobre um sistema filosófico sobre o qual vocês sequer haviam ouvido falar até domingo passado. A Simone mais famosa que vocês, iletrados, conhecem, é a cantora que enche nosso saco todo fim de ano. Absolutamente tudo que vocês sabem sobre SdB se resume a prova do ENEM, e vocês se acham no direito de cagalhar o país e repudiar uma pensadora e todo um sistema filosófico importantissimos por questões ideológicas, flaxflu ideológico...por 1 semana ininterrupta...e ninguem prendeu vocês, ninguem enforcou vocês, ninguem chibatou vocês por conta desse comportamento adolescente rebelde...de que censura e repressão falamos mesmo, me esclareçam por gentileza, meninada iletrada...

      • luis Postado em 03/Nov/2015 às 22:19

        Então, Eduardo Ribeiro, a pergunta que eu respondi era de outro assunto, tenta ler um pouquinho antes de sari distribuindo sapiência e maturidade...

      • Eduardo Ribeiro Postado em 04/Nov/2015 às 08:49

        Você que não leu. O assunto é o uso de SdB enquanto autoridade, na visão do outro néscio. Segundo ele, os esquerdistas do Brasil precisam impor idéias que a população não concorda. E nós sabemos de quais esquerdistas ele fala. Você pinçou este trecho e disse que os esquerdistas brasileiros fazem isso, a imposição de idéias que a população não concorda, via "óbvia repressão" e via "óbvia censura". De modo que, antes de voltar pras aulas de interpretação de texto do terceiro ano primário, responda a pergunta, menino...de qual óbvia repressão e de qual óbvia censura estamos falando? Já são quase 2 semanas bostejando sobre uma pensadora da qual 99,98% de vocês sequer havia ouvido falar até a prova do ENEM. No entanto, voces se sentem a vontade pra bostejar sobre ela, reduzindo o valor de todo um sistema filosófico estruturado, e ninguém enforcou vocês nem pendurou vocês no pau-de-arara...só responda: que censura? Que repressão?

      • luis Postado em 04/Nov/2015 às 17:52

        Indica aí o texto em que eu bostejo sobre a SdB (gostei da sigla!), que minha interpretação de texto ridícula está me impedindo. Sobre a censura, serve as páginas de humor anti-pt que caíram esse fim de semana no facebook por "discurso de ódio"?

      • luis Postado em 04/Nov/2015 às 18:03

        Censura é esse site que me faz escrever mais de três vezes a mesma coisa para finalmente poder publicar. Será que se eu escrever que dou a bundinha pro Lulla todo dia, eles publicam?

      • luis Postado em 04/Nov/2015 às 19:25

        publicaram!!! HAUAHAUHAUAHUAHAU

      • Denisbaldo Postado em 04/Nov/2015 às 22:40

        Acorda luis, no site do MBL, retardados online, etc, eu já fui BLOQUEADO por fazer comentários. Aqui você está sempre comentando, assim como muitos outros contrários ao governo. Todos sabemos que autoritária é a direita no Brasil. a esquerda brasileira não se incomoda nem um pouco com as groselhas que vocês falam constantemente. Agora o que nós falamos é constantemente BLOQUEADO.

      • luis Postado em 04/Nov/2015 às 23:33

        A direita brasileira só é mais autoritária que a esquerda porque esta chegou primeiro. A esquerda está indo no mesmo caminho de criminalização de opinião através do "shaming" ao contraditório, discurso vitimista e falso moralismo.

      • Eduardo Ribeiro Postado em 05/Nov/2015 às 10:24

        Eu não disse "você, luis"....eu disse vocêSS...manja a letra "S"? Estou jogando você no balaio dos direitosos..."estou jogando" não, estou apenas dando o reconhecimento a um fato, uma vez que somente um mentecapto fascista faria um comentário tão sem sentido quanto o que você fez, sobre repressão e censura...e são somente os mentecaptos da direita fascista brasileira que estão dando pulos por causa de SdB até hoje, duas semanas após terem tomado conhecimento de sua existência...se você em específico está puto com SdB eu francamente não sei, mas o grupelho em que você se insere está...até isso vou ter que desenhar? Sobre as páginas: era humor ou era ódio e mentira? Sua geração de moleques mijados da internet confunde humor com crime. Sua geração idolatra um canalha que usa de um suposto humor para destilar todo tipo de preconceito e desinformação. Crime tem que ser punido com rigor mesmo. Semear ódio tambem. Mentira tambem. Enquanto você está apenas bostejando, tudo bem. Bostejar é um direito de todos. Ninguem é obrigado a não ser um completo imbecil iletrado. E humor feito por um completo imbecil iletrado ainda pode. Mas ódio e mentira é outra coisa, não é humor, é crime. Nesse caso não vou desenhar.

      • luis Postado em 05/Nov/2015 às 13:36

        Ora, assim é muito fácil: vou te inserir no grupo de pessoas que estão foragidas da polícia, assim sendo, você deveria estar preso e não esquerdando na internet. Gostou do meu argumento?

      • Eduardo Ribeiro Postado em 05/Nov/2015 às 15:10

        Gostaria de ter lido um. A diferença é que você É um coxinha, um menino fascistinha. A partir do momento em que você delira e afirma que "a esquerda trabalha com imposição de idéias através de repressão e censura", você SE COLOCA na laia dos canalhinhas da direita analfabeta brasileira, você está AFIRMANDO que está entre eles. Eu não afirmei que estou "no grupo dos foragidos da polícia", para permitir esse seu...err..."raciocinio", se é que podemos chamar essa jumentice que você escreveu de "raciocinio". Mas você afirmou que está entre os fascistinhas, e fez isso quando falou de "repressão e censura esquerdistas". Se você afirma, eu apenas posso concordar e respeitar sua afirmação. Se eu não afirmo, você deixa de ter o direito de "concluir coisas". Pra fechar com chave de merda, foi incapaz de dar um mísero exemplo, por mais pífio que fosse, de "repressão e censura esquerdistas" no cenário brasileiro atual. Trace um paralelo melhorzinho da próxima vez. Um que faça sentido. Esse negócio de "foragido" aí, você não foi feliz, não deu certo...passou vergonha...

      • luis Postado em 05/Nov/2015 às 22:49

        HUAHAUAHUAHAU não respondo a foragidos da polícia. Daqui pra frente, você trate de conversar com o bátima.

    • Trajano Postado em 02/Nov/2015 às 13:57

      Os esquerdistas questionam os religiosos argumentando que eles tomam o pensamento cristão como fonte de autoridade, mas eles próprios fazem algo semelhante ao citar Simone de Beauvoir”. Não entendi. Beauvoir não é código dogmático, bíblia não é Constituição e o Estado é laico. Explique antes as equivalências e dê oportunidade ao interlocutor de entender o que você está dizendo – tente retirar a sua subjetividade do discurso. ----- “Esta pensadora ignorava pesquisas científicas e tirou suas ideias de filosofias duvidosas do século 20”. ----- Filosofia (bem como a teologia) é do campo do infalseável, porém a construção da vulnerabilidade da mulher pode ser observada através das tradições socioculturais, políticas, pedagógicas, de mercado, etc. A mesma mulher que antes era considerada por séculos como inaptas cognitivamente passaram a assumir uma postura ativa nas sociedades capitalistas dada a urgência, por exemplo, de mão de obra e formação de mercado consumidor. Com isso o voto, formação acadêmica, participação política, autonomia do controle corpo, mas, claro, para tanto precisou inúmeros movimentos sociais organizados e multiplicidades de pensamentos filosóficos, sociológicos, psicológicos, científicos, enfim, pensamentos como de Beauvoir para que discursos dissonantes encontrassem seu lugar por vias democráticas e distanciamento dos discursos religiosos – estes, igualmente infalseáveis, mas mais correlacionados com a origem histórica da subjugação da mulher no ocidente do que qualquer outro pensamento – negar isso é negar a história ocidental. ----- “É verdade que ela estava em sintonia com uma importante corrente da psicologia científica da época, o behaviorismo, mas isto foi meio século atrás; esta corrente foi superada pela atual psicologia cognitiva”. ----- Não, sua preposição está errada. A psicanálise e o existencialismo estão presentes nos discursos da Beauvoir – não o behaviorismo. O diálogo com os comportamentalistas estadunidenses é realizado artificialmente em análises acadêmicas. Skinner e Beauvoir possuem em comum discussões sobre a ontogênese, mas se baseiam em matrizes filosóficas bem diferentes, por vezes, opostas entre si. E o behaviorismo – Err... Qual corrente você se refere exatamente??? - não foi superado pela atual psicologia cognitiva (até porque a psicologia cognitiva não é tão atual assim) e existem inúmeras escolas de pensamento behaviorista na América, ainda que a crítica de Chomsky a Skinner tenha sido bastante abrangente, principalmente no que se refere à linguagem. Favor não confundir Sartre com Skinner, existencialismo com behaviorismo ----- “ Citar Simone de Beauvoir como autoridade, ignorando todo o progresso científico que ocorreu nos últimos 50 anos, não é muito diferente de citar Moisés ou Jesus Cristo. Mas esta bancada religiosa tem um ponto: A maior parte da população brasileira acredita nestas coisas. Como os esquerdistas conciliam a imposição de ideias que a população não concorda com os ideais democráticos?” ---- Quem está citando Beauvoir como autoridade é você em uma tentativa até então frustrada de equipará-la a uma suposta autoridade tal como a suposta autoridade do pensamento cristão. Sobre os progressos científicos, qual seriam eles que destituem os aspectos políticos, socioculturais e psicossociais na constituição de gênero do indivíduo? Óbvio que marcos biológicos devem ser levados em conta, mas não existe evidência científica de que a programação genética é fatalmente determinante para a construção da subjetividade e a própria plasticidade cerebral vai contra esse conceito. E não são somente os esquerdistas que apresentam pensamentos dissonantes – movimentos sociais não estão somente à esquerda. E a história de que a população não concorda com ideais democráticos é tão absurda que vou me dar a licença de não comentar sobre isso.

      • João de Carvalho Postado em 02/Nov/2015 às 19:52

        "Beauvoir não é código dogmático." As pessoas citam esta famosa frase de Beauvoir como se fosse verdade. Ok, ela não é a única responsável por esta ideia; outros contribuíram para sua formação, mas muitos de fato acreditam que não se nasce mulher, torna-se mulher, e citam Simone de Beauvoir como se ela fosse autoridade sobre o assunto. Afinal, você acredita nesta afirmação da Beauvoir ou não? "Filosofia (bem como a teologia) é do campo do infalseável." Filosofia pode sim ser falseável. A ciência atual mostra que frase de Beauvoir, por exemplo, está errada. "A mesma mulher que antes era considerada por séculos como inaptas cognitivamente passaram a assumir uma postura ativa nas sociedades capitalistas dada a urgência, por exemplo, de mão de obra e formação de mercado consumidor. Com isso o voto, formação acadêmica, participação política, autonomia do controle corpo, mas, claro, para tanto precisou inúmeros movimentos sociais organizados e multiplicidades de pensamentos filosóficos, sociológicos, psicológicos, científicos, enfim, pensamentos como de Beauvoir para que discursos dissonantes encontrassem seu lugar por vias democráticas" Você está dizendo que uma nova situação socioeconômica demandava ideias para justificá-la. Existe um nome para isto: ideologia. Simone de Beauvoir não procurava conhecer o ser humano, e sim justificar o novo papel da mulher nas sociedades de mercado. "Sua preposição está errada. A psicanálise e o existencialismo estão presentes nos discursos da Beauvoir – não o behaviorismo." Não estou dizendo que as duas correntes estejam diretamente ligadas, mas ambas fazem parte de um movimento típico do século 20 de negar determinantes inatos e acreditar que o ambiente é o único responsável pela formação dos indivíduos. Esta ideia apareceu no relativismo cultural da antropologia, no existencialismo de Sartre, na psicologia behaviorista, entre outras áreas. "O behaviorismo não foi superado pela atual psicologia cognitiva (até porque a psicologia cognitiva não é tão atual assim) e existem inúmeras escolas de pensamento behaviorista na América" A grande maioria do estudo da mente e do cérebro adotou a psicologia cognitiva como seu novo paradigma (que juntamente com a neurologia forma as neurociências cognitivas). Ok, ela não é muito nova, mas é o paradigma dominante atual. "Sobre os progressos científicos, qual seriam eles que destituem os aspectos políticos, socioculturais e psicossociais na constituição de gênero do indivíduo?" O conhecimento científico das diferenças entre homens e mulheres não destitui os aspectos políticos e sociais. Seria um grande erro fazer isto, pois o ser humano é, por natureza, um ser político e social. Não é possível fazer uma boa análise do comportamento sexual sem levar em conta esses fatores (isto não é válido somente para humanos, mas para qualquer mamífero social). Tudo que posso citar, portanto, são exemplos que explicam as diferenças incorporando na teoria as relações políticas. É uma teoria elegante que representa uma das maiores realizações em todo o estudo dos comportamentos político e sexual. Mas leva um tempo para explicá-la. Você quer realmente conhecer a assimetria fundamental que é responsável pelas diferenças físicas e comportamentais entre homens e mulheres? "Óbvio que marcos biológicos devem ser levados em conta" Você seria capaz de citar alguns marcos biológicos que devem ser levados em conta? “mas não existe evidência científica de que a programação genética é fatalmente determinante para a construção da subjetividade e a própria plasticidade cerebral vai contra esse conceito." É a velha discussão nature vs nurture. Isto está meio ultrapassado. Esses dois aspectos se entrelaçam para gerar o comportamento. Como observou Steven Pinker, discutir se um determinado comportamento é produto da genética ou do ambiente é o mesmo que discutir se a música é produto do aparelho de som ou do CD. "a história de que a população não concorda com ideais democráticos é tão absurda que vou me dar a licença de não comentar sobre isso." Você não entendeu. O que eu disse foi que a maioria da população brasileira não concorda com essas ideias de gênero. Como, então, conciliar a imposição dessas ideias com os ideais democráticos?

      • julia Postado em 02/Nov/2015 às 19:54

        Excelente argumentação, apesar de lembrá-lo que, infelizmente, o pessoal da bancada conservadora não vai entender patavina nenhuma, mas sua contribuição é valiosa e construtiva para aqueles que vem aqui observar e refletir. Obrigada.

      • Trajano Postado em 02/Nov/2015 às 22:15

        "As pessoas citam esta famosa frase de Beauvoir como se fosse verdade”. ----- Bom, eu estou falando com você, não com “as pessoas”; eu não sei quem são essas pessoas que você disse, se isso não passa de uma constatação sua ou coisa equivalente. Além disso, incluir existencialismo como a verdade ou é sarcasmo, intenções pejorativas ou ignorância de quem não sabe se filosofia existencialista é de comer ou de passar no cabelo. Neste ponto, cabe uma observação pertinente: não sei se você viu o vídeo dos vereadores de Campinas, mas o discurso deles não teve nada de Beauvoir, nada de existencialismo, nada de violência contra a mulher, tsc, teve nada, convenhamos: apenas idosos falando de seu mundo repleto de demônios, contra gays (o ato falho deles, já que o tema em questão do ENEM não é homossexualidade), de reafirmação de sua cultura familiar, de um tal “Sodoma e Gomorra” fora de contexto, etc. O que aconteceu ali foi apenas oportunismo de políticos que subverteram o assunto em prol dos seus interesses, nada mais velho, nada mais secular do que já existe na política de “trocentos” anos. ------ “Ok, ela não é a única responsável por esta ideia; outros contribuíram para sua formação, mas muitos de fato acreditam que não se nasce mulher, torna-se mulher, e citam Simone de Beauvoir como se ela fosse autoridade sobre o assunto. Afinal, você acredita nesta afirmação da Beauvoir ou não?” ----- Novamente as tais “pessoas”. Não sei quem são elas. Mas não me parece incoerente citar Beauvoir em questões de gênero, da mesma forma que não é incoerente citar Sartre, Husserl, Heidegger, Foucault, enfim. Na verdade me parece muito pertinente... Pra você não? Oras, dependendo do grau de articulação de quem fala, torna-se possível articular até com cristianismo (ambíguo por excelência), vide Maria Magdalena, sem perder a compostura e coerência. Em tempo: não é questão de acreditar ou não, novamente, quem está querendo colocar Beauvoir como dogmática é você. Não é crença: numa abordagem existencialista de que se olha o ser com o distanciamento das classificações, com as desconstruções em análises, sem uma suposta metalinguagem, não somente a mulher, como o homem, ou como tudo que pode ser percebido nos humanos, não parte de um parâmetro classificatório como verdadeiro, um sistema de causa fatal, mas, sim, um ser dotado de possibilidades infinitas que só pode se caracterizar por suas escolhas. Não sou simpático ao existencialismo, ainda que a fenomenologia seja interessantíssima, mas ou nos esforçamos minimamente para entender o que lemos, ou então ficaremos batendo cabeça como os vereadores de Campinas. Sim, concordo que as características sociais que definem a mulher são construídas culturalmente e não definidas biologicamente. Do contrário, assumiria a existência de uma metalinguagem, uma verdade “suspensa”, ideal, tal como filosofias e teologias antigas... E eu estou velho demais para isso. ------- “Você está dizendo que uma nova situação socioeconômica demandava ideias para justificá-la. Existe um nome para isto: ideologia. Simone de Beauvoir não procurava conhecer o ser humano, e sim justificar o novo papel da mulher nas sociedades de mercado”. ------ Não. Você quem está forçando a barra desde o início para sustentar uma Beauvoir-Platão-Cristo e um discurso sustentado no conceito de ideologia. Me parece existir um impasse semântico no seu discurso entre filosofia e ideologia. Para além de definir o papel da mulher na sociedade, o beauvoirismo ganha força em uma época de destruição em massa do pós-guerra, onde não apenas a mulher passou a ser pensada de diferentes formas, como o próprio estar no mundo – visões de mundo, visão de existência, de sociedade -, imerso nos escombros de uma Europa em reconstrução. Isso não é ideologia. ------ A grande maioria do estudo da mente e do cérebro adotou a psicologia cognitiva como seu novo paradigma (que juntamente com a neurologia forma as neurociências cognitivas). Ok, ela não é muito nova, mas é o paradigma dominante atual”. Não. A neurociência cognitiva não é a interdisciplinaridade entre neurologia e psicologia cognitiva, mas, sim, neurociências e psicologia cognitiva. As neurociências incluem diversas disciplinas, das médicas, como a neuropsiquiatria e neurologia as do campo psicológico, como neuropsicologia cognitiva e neuropsicologia comportamental, além de muitas outras disciplinas científicas. Você está confundindo uma vertente interdisciplinar com um paradigma inteiro; o paradigma que você se refere na verdade é o neurocientífico, que não exclui outras disciplinas e abordagens intradisciplinares em seu campo experimental e clínico. Prosseguindo com o que escreveu, colocarei apenas uma parte representativa, porque parece que concordamos por aqui: “ O conhecimento científico das diferenças entre homens e mulheres não destitui os aspectos políticos e sociais. Seria um grande erro fazer isto, pois o ser humano é, por natureza, um ser político e social.” bom, me parece que, misteriosamente, estamos de acordo. E não quero conhecer a assimetria funcional da diferença entre homens e mulheres sob uma abordagem biológica, mas gostaria que você me explicasse qual seria essa assimetria funcional que leva a diferenças comportamentais. Se for abordagem evolucionista, não precisa. ------ “ É a velha discussão nature vs nurture. Isto está meio ultrapassado. Esses dois aspectos se entrelaçam para gerar o comportamento.” ---- Não... Olha, você está sendo novamente subjetivo ou não compreendeu o que eu falei. Não estou discutindo o ovo ou a galinha aqui, mas a integração entre filogênese, ontogênese, desenvolvimento neural, programação genética, plasticidade cerebral, enfim, a necessidade de um aparato neurobiológico que carece da experiência para seu desenvolvimento e, como tal, as conexões neurais moduladas pela experiência – o que destitui o pensamento dogmático, afasta o pensamento mágico religioso e pode ser articulado com a construção das características femininas como sendo sociocultural, não que isso não seja determinante – nada o é -, mas comporta evidências consistentes sobre as amplas participações do ambiente no desenvolvimento cognitivo, emocional, moral, intelectual como característica ontogenética dos humanos. ------ “Você não entendeu. O que eu disse foi que a maioria da população brasileira não concorda com essas ideias de gênero. Como, então, conciliar a imposição dessas ideias com os ideais democráticos?” ----- Bom, bem-vindo ao século XXI... Da mesma forma que no século passado profundas transformações aconteceram nas visões de mundo da população, os próprios ideais democráticos que citou compõem a melhor resposta à sua pergunta. E reduzir gênero a uma ideia é reducionismo de sua parte e o seu discurso não precisa disso.

      • Pereira Postado em 03/Nov/2015 às 13:44

        "E não quero conhecer a assimetria funcional da diferença entre homens e mulheres sob uma abordagem biológica, mas gostaria que você me explicasse qual seria essa assimetria funcional que leva a diferenças comportamentais". Sob o ponto de vista biológico até uma criança de 3 anos sabe a diferença. Meninos tem pinto e meninas pererca, esse dado básico está sendo desconstruído pelo lobby gay e feminista. Sob o aspecto comportamental, posso concluir que você deva ser contra a lei maria da penha então. Essa lei existe para, entre outros fatores, porque em tese a mulher é mais frágil fisicamente que o homem, portanto essa disparidade física acarreta diferenças de comportamento e expõe uma fragilidade que o estado deva proteger.

      • João de Carvalho Postado em 04/Nov/2015 às 01:08

        Oi. Vamos lá. "Mas não me parece incoerente citar Beauvoir em questões de gênero, da mesma forma que não é incoerente citar Sartre, Husserl, Heidegger, Foucault, enfim. Na verdade me parece muito pertinente... Pra você não?" Só se for por motivos históricos, isto é, para mostrar como os intelectuais do século 20 pensavam sobre o assunto. Afinal, se Beauvoir não achava que estava proclamando uma verdade quando disse que não se nasce mulher, torna-se mulher, o que ela achava que estava proclamando? Primeira hipótese: uma meia-verdade. Algo como: não se nasce mulher, se nasce criança do sexo feminino. Esta criança vai se desenvolver e, quando amadurecer, se tornará uma mulher. Segunda hipótese: uma verdade. Isto é, crianças de ambos os sexos nascem iguais e a educação, ou algum outro fator que não está contido na criança original, as faz se diferenciar entre homens e mulheres. Terceira hipótese: não é verdade. Isto quer dizer que Beauvoir estava enganada, portanto, citar o seu argumento só tem valor histórico, e não nos é útil quando tentamos entender a formação dos gêneros. Se eu disser que o que faz alguém ser mulher é tomar muito sorvete quando criança isto deve ser levado em conta em discussões de gênero? Não. Por quê? Porque isto não é verdade. Pode ser meio off-topic, mas estas correntes relativistas dão um tiro no pé ao proclamar que não existe verdade, pois eles caem em um paradoxo de autorreferência semelhante àquele no qual um cretense diz: Todos os cretenses só dizem mentiras. Quando um sujeito afirma que não existe verdade, ele está falando uma verdade? Se estiver, então existe pelo menos uma verdade, portanto ele nega a sua própria afirmação. Para contornar este paradoxo ele tem que admitir que não existem verdades, com exceção daquela que ele está afirmando – a única verdade é aquela em que ele acredita. Quando você diz que "não somente a mulher, como o homem, ou como tudo que pode ser percebido nos humanos, não parte de um parâmetro classificatório como verdadeiro, um sistema de causa fatal, mas, sim, um ser dotado de possibilidades infinitas que só pode se caracterizar por suas escolhas" você está fazendo duas afirmações. A primeira: tudo que pode ser percebido nos humanos não parte de um parâmetro classificatório como verdadeiro, um sistema de causa fatal. A segunda: o ser humano é dotado de possibilidades infinitas que só pode se caracterizar por suas escolhas. Estas duas afirmações são verdadeiras? Se não forem, o que são? ------------- "Sim, concordo que as características sociais que definem a mulher são construídas culturalmente e não definidas biologicamente. Do contrário, assumiria a existência de uma metalinguagem, uma verdade “suspensa”, ideal, tal como filosofias e teologias antigas..." Mas você próprio está afirmando uma verdade quando diz que as características sociais que definem a mulher são construídas culturalmente e não definidas biologicamente. Como podemos saber se o que você afirma é verdade? Só há uma forma. Temos que olhar para os fatos, para a natureza, para os resultados experimentais. São essas coisas, e não nossas ideias, que dão a última palavra. ----------------- Você diz que o pensamento de Beauvoir não é ideologia, mas na mensagem anterior você disse que com as transformações socioeconômicas pelas quais passou a mulher com o advento do capitalismo (entrada no mercado de trabalho, conquista do poder de voto, formação acadêmica, etc.) foram necessários movimentos sociais, filosóficos, sociológicos, psicológicos e científicos que estivessem em sintonia com a nova situação. Esta é a própria definição de ideologia – um sistema de ideias e valores que surge para justificar, e reforçar, uma realidade socioeconômica. Na mensagem posterior você diz que "o beauvoirismo ganha força em uma época de destruição em massa do pós-guerra" e em meio aos "escombros de uma Europa em reconstrução." Isto é, submete a definição das identidades de gênero ao processo histórico. Não nego que realidades históricas exerçam influência sobre a formação das identidades de gênero, mas acreditar que possam ser a força determinante destas identidades é praticamente assumir que se trata de um discurso ideológico. Caso contrário não veríamos tantas semelhanças de comportamentos masculino e feminino não apenas nas diferentes épocas da história ocidental, como de todas as outras culturas e, até mesmo, outros animais. --------------------- Sim, a assimetria fundamental que diferencia machos de fêmeas, e homens de mulheres, tem suas bases no evolucionismo. E não poderia ser de outra forma, já que foi o processo evolutivo que nos fez ser da forma que somos (a não ser que você acredite em um deus criador, ou outra entidade intencional equivalente). E ela é bastante elegante, pois, com um único princípio somos capazes de derivar praticamente todas as diferenças entre homens e mulheres. O princípio é muito simples: A fêmea é aquela para a qual os custos da reprodução são mais elevados. --------------- "Não estou discutindo o ovo ou a galinha aqui, mas a integração entre filogênese, ontogênese, desenvolvimento neural, programação genética, plasticidade cerebral, enfim, a necessidade de um aparato neurobiológico que carece da experiência para seu desenvolvimento e, como tal, as conexões neurais moduladas pela experiência – o que destitui o pensamento dogmático, afasta o pensamento mágico religioso e pode ser articulado com a construção das características femininas como sendo sociocultural, não que isso não seja determinante – nada o é -, mas comporta evidências consistentes sobre as amplas participações do ambiente no desenvolvimento cognitivo, emocional, moral, intelectual como característica ontogenética dos humanos." Deixa eu ver se entendi: Você está dizendo que, além da programação genética, é necessário um imput ambiental para que as estruturas mentais se desenvolvam? Não discordo disto. A programação genética, para se desenvolver corretamente, necessita de constantes imputs ambientais. Isto não é válido apenas para estruturas mentais, mas para tudo abaixo até o nível das proteínas. Os mecanismos visuais responsáveis pela visão em profundidade (3D), por exemplo, recebem a informação capturada por cada um dos olhos e as integra em uma única experiência visual que é capaz de determinar a distância de coisas relativamente próximas. Este mecanismo se forma nos primeiros meses de vida. Se você tampar um dos olhos de um bebê neste período, ele não desenvolverá a capacidade de ver em profundidade, pois para o mecanismo se desenvolver ele necessita do input ambiental capturado por ambos os olhos, e não apenas um deles. E o fato de alguma coisa ser de origem genética não quer dizer que ela não demonstre plasticidade ambiental. Algumas plantas, por exemplo, se desenvolvem de uma forma quando estão na planície, e de outra quando estão na montanha – cada uma apropriada à sua situação ambiental. No caso dos humanos, e de um estímulo ambiental de natureza social, existem evidências de que os programas de comportamento sexual são ajustados de formas diferentes caso a razão entre o número de homens e mulheres presentes na sociedade seja diferente. Em sociedades nas quais as mulheres são a maioria, os homens sentirão maior propensão à promiscuidade, enquanto em sociedades nas quais os homens são a maioria, eles tenderão a ser mais fiéis. Em outro caso, em sociedades nas quais há abundância de recursos materiais, as mulheres tenderão a ser mais independentes, enquanto naquelas nas quais os recursos são escassos, elas tenderão à submissão. Estes comportamentos podem ser claramente entendidos sob a luz do evolucionismo, portanto, têm origem em programações genéticas. ------------ "Da mesma forma que no século passado profundas transformações aconteceram nas visões de mundo da população, os próprios ideais democráticos que citou compõem a melhor resposta à sua pergunta." O que a imposição de uma visão de gênero de uma pequena elite intelectual sobre uma população que não concorda com isto tem a ver com ideais democráticos?

      • Trajano Postado em 04/Nov/2015 às 13:50

        Olá! “Só se for por motivos históricos, isto é, [citar Beauvoir] para mostrar como os intelectuais do século 20 pensavam sobre o assunto. Afinal, se Beauvoir não achava que estava proclamando uma verdade quando disse que não se nasce mulher, torna-se mulher, o que ela achava que estava proclamando? Afinal, se Beauvoir não achava que estava proclamando uma verdade quando disse que não se nasce mulher, torna-se mulher, o que ela achava que estava proclamando ”. Não considero que beauvoirismo em questões de gênero seja somente por interesse histórico porque torna-se implícito nesse tipo de discurso que o assunto encerrou-se no século XX, o que acaba suplantando a filosofia à análise histórica, coisas completamente diferentes, em que se corre o risco de empobrecer o debate, subjuga a filosofia, a importância para o debate científico e possibilita a esquiva do tema (o interesse de alguns passa a assumir viés político, não filosófico). Cabe ressaltar que Beauvoir não fundou o feminismo e que o Brasil está longe de ser um país com igualdade de gênero. Beauvoirismo não é ideologia; beauvoirismo é matriz filosófica articulada em ideologias de grupos e movimentos sociais organizados, nada mais coerente, não acha? Sobre contradições do existencialismo, acho que você se equivocou: do ponto de vista existencial até onde sei, verdade não é um lugar comum, verdade de todos, eterno como nas filosofias antigas. A verdade é individual, é verdade de si. Beauvoir estava escrevendo sobre suas verdades, o que o ambiente e o outro lhe diziam, e de mais ninguém. A atribuição de sentido aos seus escritos é individual, diferente entre as pessoas. E fazer sentido não se dá apenas no plano do racional, como também do emocional, moral, intelectual, simbólico, etc. A verdade no outro nunca será a mesma verdade, opa, agora estamos falando um pouco de existencialismo. Como por exemplo a frase nietzschiana “O Evangelho morreu na cruz”: com a morte de Cristo, morreu com ele a sua verdade. Existencialismo é muito mais complexo do que isso, mas como pode perceber, até a noção de verdade se implica no plano das escolhas e do homem incapaz de ser o outro em sua existência. Não sou existencialista de qualquer forma, hahaha. Sobre a frase que citou, dessa forma fica fora de contexto quando isolada. Complementando com o exposto no ENEM: “Nenhum destino biológico, psíquico, econômico define a forma que a fêmea humana assume no seio da sociedade; é o conjunto da civilização que elabora esse produto intermediário entre o macho e o castrado que qualificam o feminino”. Esse pode ser um enunciado de “O Segundo Sexo” de Beauvoir que tratou longamente sobre a construção da mulher como ser secundário na sociedade sob diferentes perspectivas – biológica, econômica, política, cultural, histórica, psicanalítica. Beauvoir não desconsiderou a existência da mulher – isso é aberração interpretativa ou cinismo político. Sem me ater a todos os aspectos, Beauvoir citou como ponto de partida, por exemplo, o fato da reprodução humana não estar condicionada à maior importância do macho ou da fêmea, mas de ambos igualmente; homens e mulheres estão subordinados igualmente às forças filogenéticas e ontogenéticas para a reprodução – ambos “escravos” da programação genética para a reprodução. Existe aí uma clara desconstrução da maior importância do macho para a perpetuação da espécie. O avanço tecnológico possibilita a destituição da reprodução à exclusividade do ato sexual, mas para além, a biotecnologia artificializa a mecânica celular da reprodução sem “privilégios” cromossômicos. Beauvoir não discutiu XX ou XY: apenas apresentou que XY e XX são subordinados à reprodução, esta subordinada as características da espécie. Do ponto de vista reprodutivo, não existe a distinção de mais ou menos funcionalidade de machos ou fêmeas. Claro que a fêmea humana arca com os maiores custos na reprodução – gestação e parto, por exemplo -, mas isso a rebaixa frente ao macho na sociedade? A mulher não é uma coisa, um compartimento para que o homem se reproduza. Beauvoir (e não somente ela) apresentou uma crítica consistente à filosofia grega antiga, bem como da mitologia cristã da “costela de Adão”. As características ontogenéticas da fêmea humana do ponto de vista normativo só podem ser encaradas como diferenças quando a análise baseia-se em um modelo - o do macho como parâmetro; as diferenças entre fêmea e macho são características evolutivas da espécie em que todos estão subordinados à programação genética, aos marcos filogenéticos. Não há, portanto, justificativa da hierarquização em que a mulher assume papel secundário na sociedade tendo como base diferenças sexuais biológicas. Bom, isso é Beauvoir, o resto é vereador de Campinas e seus demônios. Além disso, este ponto do beauvoirismo se restringe ao zeitgeist do século passado ou está em consonância com o paradigma científico atual (que é o mesmo da maior parte do século passado)? Esta constatação pode ser fácil hoje em dia, mas não foi assim nos ciclos históricos, da mesma forma que não o é para os misóginos de hoje em dia ou dos adeptos do pensamento mágico, da metalinguagem (não metalinguagem cognitiva, mas filosófica, um lugar de realidade perfeita x uma realidade imperfeita), da força ideal extraterrena ou extra-humana que manipula os corpos. --------------- “ Não nego que realidades históricas exerçam influência sobre a formação das identidades de gênero, mas acreditar que possam ser a força determinante destas identidades é praticamente assumir que se trata de um discurso ideológico. Caso contrário não veríamos tantas semelhanças de comportamentos masculino e feminino não apenas nas diferentes épocas da história ocidental, como de todas as outras culturas e, até mesmo, outros animais”. ------ Mas aí você mingua o seu próprio discurso. Nos ciclos históricos existem várias sociedades humanas fundamentadas no matriarcado, em que mulheres assumiam não somente o controle político, como também trabalhos braçais. Atualmente existe evidências baseadas em achados arqueológicos de que até na sociedade dos populares Vikings as mulheres não somente participavam dos ditames sociais como também participavam ativamente das expedições, ao contrário do que a imagem pop do nórdico patriarcal simboliza. E no reino animal a trama se complica muito mais: inúmeras espécies têm como figura de liderança de fêmeas – desde insetos até mamíferos – ao extremo de compor grupos familiares inteiros de fêmeas e suas crias e só recorrerem ao macho para a reprodução, já que clínicas de inseminação artificial não é um recurso que as leoas e algumas espécies de primatas podem utilizar, por exemplo (rs), mas a reprodução é instrumentalizada de tal forma entre as abelhas e alguns aracnídeos, que a vida do macho acaba quando o seu papel de reprodução se conclui. A natureza não é hegemônica nos comportamentos animais, muito pelo contrário, mesmo em intraespécie, muito menos aos humanos que tendem a assumir um lugar ideal abstrato – coisa que a natureza está pouco se lixando. Em tempo: Acredito que minhas falas anteriores já entraram em discussão com as hipóteses que apresentou, bem como suas observações do ponto de vista evolucionista e sobre os fragmentos que usou de psicologia do desenvolvimento, creio que estamos de acordo. Só o seu exemplo do sorvete que não somente foi off-topic, como também non sense mesmo, convenhamos... ------ “O que a imposição de uma visão de gênero de uma pequena elite intelectual sobre uma população que não concorda com isto tem a ver com ideais democráticos?” ------- Olha, já estou muito satisfeito por você enriquecer o discurso ao substituir “ideia” por “identidade”. As reflexões tornam-se mais amplas pois irá se pensar o que é identidade e o que é gênero, coisa que já é um ganho por si mesma, com ou sem Beauvoir. Sobre seu questionamento, novamente, um dos aspectos da democracia é justamente este: liberdade de expressão, que não é uma via de mão única. Ninguém está impondo nada, não há voto de obediência a coisa alguma. As pessoas são livres para discordar, mas se deve ter o mínimo de honestidade intelectual e civilidade para construir uma coisa nova, algo diferente e contextualizado com a realidade brasileira. Já que minha opinião não está surtindo o efeito dada a repetição da pergunta com outros termos, devolvo ela pra você: O que a imposição de uma visão de gênero de uma elite boçal sobre uma população que não concorda com isto tem a ver com ideais democráticos?. Não sei quanto a sua resposta, mas a minha seria a mesma.

      • julia Postado em 06/Nov/2015 às 14:11

        Será que a solução para próximo Enem será Citar Paulo Coelho ou Roberto Shinyashiki?!

      • João de Carvalho Postado em 06/Nov/2015 às 17:51

        Olá. "Não considero que beauvoirismo em questões de gênero seja somente por interesse histórico porque torna-se implícito nesse tipo de discurso que o assunto encerrou-se no século XX, o que acaba suplantando a filosofia à análise histórica." O tema ainda é atual, mas sim, a filosofia é muito influenciada pela situação histórica. Por exemplo, só podemos entender Tomás de Aquino no contexto da emergência da escolástica na alta idade média, e Hobbes e Locke, no contexto da emergência da burguesia e consolidação dos estados nacionais. -------------------- "Beauvoirismo é matriz filosófica articulada em ideologias de grupos e movimentos sociais organizados" As fronteiras entre filosofia e ideologia são tênues. Hobbes e Locke, por exemplo, surgem para justificar uma nova situação socioeconômica na qual a burguesia, e não mais a nobreza, detinha o poder econômico, e clamava por um sistema que estivesse em maior sintonia com esta situação. -------------------- "verdade não é um lugar comum, verdade de todos, eterno como nas filosofias antigas. A verdade é individual, é verdade de si. Beauvoir estava escrevendo sobre suas verdades, o que o ambiente e o outro lhe diziam, e de mais ninguém." Mas aí a situação complica. O exemplo que eu citei do sorvete como determinante do que faz alguém ser mulher foi para explicitar as contradições desta visão. Um sujeito pode até acreditar que tomar sorvete faz alguém se tornar mulher, mas ninguém vai levá-lo a sério. Por que? Porque simplesmente isto não é verdade. A negação de uma verdade objetiva coloca tudo que possa ser dito em igualdade de condições. Talvez você diga que tem que haver alguma coerência no que é dito (algo que pode não haver no caso do sorvete), mas mesmo isto não garante que uma afirmação deva ser levada a sério (a filosofia está cheia de pensamentos coerentes, porém errados). Uma vez discuti com uma menina relativista e ela disse que na idade média o sistema verdadeiro era aquele no qual o Sol gira em torno da Terra, e com o advento da modernidade uma nova verdade, de que é a Terra que gira ao redor do Sol, passou a ser adotada. Portanto, concluiu ela, a verdade muda com o tempo. Mas o fato é que, embora os homens da idade média tomassem o sistema ptolomaico como verdade, eles estavam enganados. Acreditar que uma coisa é verdade não a faz se tornar verdade. Uma coisa é você acreditar que sua esposa está te traindo, outra é ela de fato estar te traindo. O mesmo é válido para a afirmação de Beauvoir. Quando ela disse que não se nasce mulher, torna-se mulher, ela podia até acreditar no que estava dizendo, mas o fato é que estava enganada, assim como todos aqueles que até hoje ainda acreditam nesta afirmação. ------------------- "Não há, portanto, justificativa da hierarquização em que a mulher assume papel secundário na sociedade tendo como base diferenças sexuais biológicas. (...) Além disso, este ponto do beauvoirismo se restringe ao zeitgeist do século passado ou está em consonância com o paradigma científico atual (que é o mesmo da maior parte do século passado)?" Na verdade, eu diria, o paradigma científico atual diz o oposto do que Beauvoir pensou. Como já falamos, a fêmea é aquela para a qual os custos da reprodução são mais elevados. Outra forma de colocar isto é: a fêmea é o fator limitante da reprodução (um macho pode inseminar 100 fêmeas, mas uma fêmea não pode ficar grávida de 100 machos). E quando temos dois elementos necessários para a formação de um produto final, o mais escasso terá maior valor. No mercado do sexo, a moeda da fêmea vale muito mais que a do macho. Por isto são os machos que se aproximam das fêmeas, fazem a corte e até mesmo pagam por seus favores sexuais (sim, isto acontece em várias espécies, não somente humanos). Machos, nas sociedades humanas, são descartáveis, feitos para morrer no campo de batalha (especialmente os jovens, que são os de menor valor). No naufrágio do Titanic, por exemplo, as mulheres embarcaram nos botes, e os homens ficaram no navio para morrer. Portanto, se Beauvoir partiu da premissa básica de que o valor reprodutivo da mulher é menor, ela já começou errado, e todo seu edifício teórico está comprometido. ---------------------- "Nos ciclos históricos existem várias sociedades humanas fundamentadas no matriarcado, em que mulheres assumiam não somente o controle político, como também trabalhos braçais." A maior parte destes dados não é confiável. Antropólogas feministas manipularam os dados (ou talvez, impregnadas ideologia feminista e determinismo cultural, nem sequer tenham os enxergado). Várias delas defenderam teses sobre culturas do passado distante nas quais existia igualdade entre os sexos, ou mesmo algum tipo de ginecocracia. Margaret Mead, a mais famosa delas, ficou famosa ao divulgar seus estudos de Samoa e dos Tchambuli. No primeiro caso, ela concluiu, existia igualdade entre os sexos, no segundo, um matriarcado. Posteriormente antropólogos sérios contestaram as pesquisas de Mead, e sua reputação como grande etnógrafa. Mas vamos supor que de fato existam sociedades nas quais as mulheres dominam a vida pública. Você quer selecionar uns poucos exemplos para fazer generalizações a respeito da estrutura social dos humanos? Como explicar, então, que a maioria esmagadora de todas as culturas conhecidas são dominadas por homens? De fato, eu conheço um caso, documentado pela National Geografic, de uma sociedade dominada por mulheres: o distrito de Meghalaya, na Índia. Mas isto apenas ocorreu nos últimos tempos, com a modernização da região (quando o comércio, controlado pelas mulheres, ganhou mais importância que a guerra, controlada pelos homens). Nas montanhas da região, longe dos centros de comércio, os homens ainda dominam. "E no reino animal a trama se complica muito mais: inúmeras espécies têm como figura de liderança de fêmeas", Sim, é verdade. E nesta onda anti-macho atual, até mesmo o primatologista Franz de Waal, famoso por suas pesquisas em política de chimpanzés, propôs substituir os chimpanzés (dominados por machos) pelos bonobos (dominados pelas fêmeas), como o referencial ancestral dos humanos. Como ele próprio escreveu: "Mesmo que a escolha dos chimpanzés [ao invés dos babuínos] como um marco na evolução dos humanos tenha sido um grande avanço, pelo menos um aspecto do modelo anterior não precisou ser revisado: a superioridade dos machos permaneceu o estado natural das coisas." Situação que, para de Waal, era um problema resolvido com a descoberta dos bonobos, cuja estrutura social dominada pelas fêmeas parece lhe agradar mais. Hoje em dia, no entanto, é consenso (o próprio de Waal admite) de que os chimpanzés são nosso padrão ancestral, enquanto os bonobos são um padrão derivado que se separou e evoluiu rapidamente, se diferenciando em seu próprio caminho. ----------------------------- "um dos aspectos da democracia é justamente este: liberdade de expressão, que não é uma via de mão única. Ninguém está impondo nada, não há voto de obediência a coisa alguma." Sim, liberdade de expressão, e debates sobre as questões ditas, são importantes. Existe, no entanto, um problema neste modelo democrático, que tem a ver com a notícia que motivou esta discussão. Quem controla o que será ensinado, ou não, pelo sistema educacional?

      • Trajano Postado em 10/Nov/2015 às 04:47

        Oi João. Olha, vou ter que mudar a forma como estou escrevendo porque não estou sendo compreendido ou não o compreendo, sei lá. Serei mais direto, prometo. Em tempo: você falou uma coisa em mensagem anterior que me causou estranhamento: que história é esta que “Temos que olhar para os fatos, para a natureza, para os resultados experimentais. São essas coisas, e não nossas ideias, que dão a última palavra. Meu filho... a matematização da natureza partiu de uma ideia. A percepção, observação, empirismo resultam em... ideias. Ideias refletem conhecimentos e conhecimentos são provenientes das experiências. As coisas não nos definem, nós é que definimos as coisas. Eu hein. ------ O tema ainda é atual, mas sim, a filosofia é muito influenciada pela situação histórica”------ E daí? Não é porque Darwin é do século XIX que devemos desconsiderar a teoria da evolução; não é porque Newton é do século XVII que seu conhecimento sobre Física deve ser abandonado; não é porque Tomás de Aquino é do século XIII que sua filosofia deve ser ignorada; não é porque Cristo data de milênios que sua filosofia deve ser esquecida. A atemporalidade é característica do conhecimento desde que a tecnologia da escrita foi disseminada entre grupos humanos e a genialidade reside no fato de se pensar a experiência, a existência, parametrizado pelo humano que permanece a mesma espécie há milênios. Você está tendo uma visão anacrônica, pra dizer o máximo, reducionista para dizer o mínimo. Está confundindo crítica científica com mitificação teórica para sustentar sua defesa de que a história suplanta a filosofia, mas o máximo que está conseguindo é tropeçar nos próprios cadarços. ------ O exemplo que eu citei do sorvete como determinante do que faz alguém ser mulher foi para explicitar as contradições desta visão. Um sujeito pode até acreditar que tomar sorvete faz alguém se tornar mulher, mas ninguém vai levá-lo a sério. Por que? Porque simplesmente isto não é verdade ----- João, continua non sense. Parece papo de adolescente que ouviu o galo cantar mas não sabe onde. O “Segundo Sexo” trata longamente sobre a construção da mulher como ser secundário na sociedade sob diferentes perspectivas – biológica, econômica, política, cultural, histórica, psicanalítica. Beauvoir não partiu do nada à filosofia. O “sorvete” está na sua cabeça: favor limpar a sua testa. ------ Na verdade, eu diria, o paradigma científico atual diz o oposto do que Beauvoir pensou. Como já falamos, a fêmea é aquela para a qual os custos da reprodução são mais elevados. Outra forma de colocar isto é: a fêmea é o fator limitante da reprodução------ O QUÊ??????? Sorvete de novo??? ------- Machos, nas sociedades humanas, são descartáveis, feitos para morrer no campo de batalha ------- EIN??????????????? -------- Mas vamos supor que de fato existam sociedades nas quais as mulheres dominam a vida pública. ---------- Supor? Veja o exemplo da história da Finlândia até os dias atuais e seja feliz, com ou sem sorvete. --------------- Como explicar, então, que a maioria esmagadora de todas as culturas conhecidas são dominadas por homens? --------------- Será por causa da ampla difusão histórica e mundial de religiões cujas figuras de autoridade são homens (a própria divindade é masculina) ao passo que a mulher é vista como uma “costela” ou uma coisa simplesmente? Será que não é isso que estamos discutindo? Até os protagonistas da matéria estão falando disso. E religião é uma das variáveis, todas questionáveis. Em tempo: não está se discutindo aqui que sociedades matriarcais ou patriarcais sejam melhores ou piores que outras porque entramos na falácia de que um dado sexo dominante é o que determina a prosperidade da sociedade. O que está se discutindo é que não existe sexo superior ao outro e que ambos devem ter igualdade de direitos e deveres. Qual a sua dúvida, afinal? ------ E nesta onda anti-macho atual ------- Sorvete novamente? Não estou falando disso, o ENEM não abordou isso, não está se discutindo isso na matéria e é você, de novo, que coloca termos expressivos que não se articulam com a discussão apresentada pelo interlocutor, recheados de subjetividade para sustentar seu discurso. Ah, e novamente falando de animais? Sério?? ------ Sim, liberdade de expressão, e debates sobre as questões ditas, são importantes. Existe, no entanto, um problema neste modelo democrático, que tem a ver com a notícia que motivou esta discussão. Quem controla o que será ensinado, ou não, pelo sistema educacional? ------- Que bom que não é você. Vou só repetir uma parte que escrevi e você meio que deu uma ignorada: As características ontogenéticas da fêmea humana do ponto de vista normativo só podem ser encaradas como diferenças quando a análise baseia-se em um modelo - o do macho como parâmetro; as diferenças entre fêmea e macho são características evolutivas da espécie em que todos estão subordinados à programação genética, aos marcos filogenéticos. Não há, portanto, justificativa da hierarquização em que a mulher assume papel secundário na sociedade tendo como base diferenças sexuais biológicas. Bom, isso é Beauvoir, o resto é vereador de Campinas e seus demônios... E agora, me parece que o sorvete de João também.

      • João de Carvalho Postado em 11/Nov/2015 às 20:35

        Olá. "você falou uma coisa em mensagem anterior que me causou estranhamento: que história é esta que 'Temos que olhar para os fatos, para a natureza, para os resultados experimentais. São essas coisas, e não nossas ideias, que dão a última palavra.'" Sim. É por seguir este princípio que a ciência moderna é tão bem sucedida. Temos sempre que estar perguntando à natureza se estamos no caminho certo, caso contrário o pensamento se perde em divagações. O boson de Higgs, por exemplo, foi previsto por físicos teóricos na década de 1960, mas só pôde ser confirmado quando detectado pelo acelerador de partículas do CERN. O mesmo ocorreu com o top quark. O modelo padrão da física de partículas identifica 3 classes de matéria, cada uma com 2 quarks e 2 leptons. Por que? Não se sabe, mas o modelo observado é este, e tem a elegância de apresentar um padrão. Na terceira classe de matéria, porém, eram de fato observados 2 leptons, mas apenas 1 quark. Se não conseguissem descobrir um segundo quark, o modelo inteiro teria que ser revisto. São os fatos, e não a teoria, que dão a palavra final. Você disse que "a matematização da natureza partiu de uma ideia." Sim, mas foi antes observada no mundo. Pitágoras, talvez o primeiro a matematizar o mundo, observou que os harmônicos das cordas dos instrumentos musicais correspondiam à razões simples, como 1/2 e 1/3. Galileu, que adotou estas ideias na era moderna, viu padrões matemáticos no movimento dos corpos. "A percepção, observação, empirismo resultam em... ideias." Sim, em geral primeiro vem a observação e o empirismo, depois as ideias. Mas pode ocorrer o oposto também, como no caso do boson de Higgs. Um sujeito tem uma ideia, e depois se vai ao mundo procurar por suas evidências. Se não a encontra, a ideia é descartada. Em ambos os casos, as ideias estão submetidas aos fatos. ---------------------- "[Sobre a filosofia ser muito influenciada pela situação histórica] E daí? Não é porque Darwin é do século XIX que devemos desconsiderar a teoria da evolução; não é porque Newton é do século XVII que seu conhecimento sobre Física deve ser abandonado." A ciência é diferente. Ela tem uma história própria, que é relativamente independente da história das outras coisas humanas. Sobre Tomás de Aquino: sim, não devemos ignorá-lo, mas não podemos citar o conhecimento que ele produziu como autoridade. Ele deve apenas ser compreendido de acordo com sua situação histórica. O ocidente estava descobrindo as ideias de Aristóteles, e era necessário integrá-las ao pensamento cristão. O sistema de Tomás de Aquino, embora belo e elegante, deve ser visto apenas como uma tentativa de integrar estas duas filosofias aparentemente inconciliáveis. "[Você] está confundindo crítica científica com mitificação teórica para sustentar sua defesa de que a história suplanta a filosofia". Esta parte eu não entendi direito. ------------------ "O 'Segundo Sexo' trata longamente sobre a construção da mulher como ser secundário na sociedade sob diferentes perspectivas – biológica, econômica, política, cultural, histórica, psicanalítica." Uma coisa é a ideia de que a mulher é um ser secundário, outra, a ideia de que não se nasce mulher, torna-se mulher. Para esta segunda afirmação provavelmente ela partiu do existencialismo de Sartre, que negava qualquer determinante inato na mente humana. Realmente, desta perspectiva é uma consequência inevitável acreditar na afirmação de Beauvoir. Hoje, no entanto, sabemos que Sartre estava errado; existem vários princípios inatos na mente humana, algo que em 1950 era uma ideia fora de moda. (Na verdade existia uma corrente da ciência evolutiva, que vai de Darwin a Konrad Lorenz, passando por William James, que estava em sintonia com esta ideia, mas era periférica e pouco conhecida. Em um episódio que tem a ver com aquilo da ciência ter sua própria história, um jornalista disse a Lorenz que ele havia sido muito corajoso ao conduzir seus estudos "instintivos" em meio a um mundo dominado pelo behaviorismo. A resposta de Lorenz foi que ele nunca havia ouvido falar de behaviorismo, estava apenas fazendo aquilo que seu professor lhe disse para fazer). Já falei da assimetria fundamental entre os sexos. Em termos reprodutivos, a condição de um homem é radicalmente diferente da de uma mulher. Condições reprodutivas diferentes demandam estratégias reprodutivas diferentes, que demandam comportamentos diferentes, que demandam cérebros diferentes, que demandam genes diferentes. ------------------------ "[o sorvete] continua non sense." Por que? Sim, é uma afirmação falsa. Mas assim também é a de Beauvoir. Como já disse, estamos lidando com duas coisas diferentes. Uma é as mulheres assumirem um papel secundário na sociedade, e este papel ser imposto a elas desde criança de forma que elas acabam por internalizá-lo. Outra é acreditar que, ao nascer, homens e mulheres são mentalmente iguais e todas as diferenças desenvolvidas posteriormente se devem ao condicionamento social. A primeira está sujeita ao debate, a segunda não. ------------------------ Eu disse: "a fêmea é aquela para a qual os custos da reprodução são mais elevados. Outra forma de colocar isto é: a fêmea é o fator limitante da reprodução." Sua resposta: "O QUÊ??????? Sorvete de novo???" Não há como você negar minha afirmação. Se você não a entendeu, deixe-me torna-la evidente: Se tivermos uma população de 1 mulher e 100 homens, a mulher ficará grávida de um único homem e na próxima geração teremos 1 novo indivíduo. Se tivermos 100 mulheres e 1 homem, este homem engravidará as 100 mulheres e na nova geração teremos 100 novos indivíduos. Por ser o fator limitante da reprodução, o gargalo reprodutivo está na fêmea. Portanto, em termos reprodutivos, o valor de uma fêmea é muito maior que o de um macho. O fato dos machos pagarem às fêmeas para fazer sexo, e não o oposto, é uma evidência clara do alto valor sexual que elas têm. Este comportamento não é exclusivo de humanos, ocorrendo em diversas espécies animais (com pagamento em comida, é claro). ---------------------- "Supor? [que existam sociedades nas quais as mulheres dominam] Veja o exemplo da história da Finlândia até os dias atuais" Pode estar havendo na Finlândia uma tomada de poder pelas mulheres, e na verdade eu sou bem mais radical e acredito que em todo o mundo desenvolvido as mulheres são o novo sexo dominante. Mas não podemos extrapolar esta situação atual para o passado (quais são suas fontes para afirmar o caso do passado finlandês?). Você disse que entre os vikings as relações entre os sexos eram mais igualitárias, mas daí concluir que era uma sociedade dominada por mulheres, ou mesmo sexualmente igualitária, é forçar a barra. -------------------------------- "[Como explicar que a maioria esmagadora de todas as culturas conhecidas são dominadas por homens?] Será por causa da ampla difusão histórica e mundial de religiões cujas figuras de autoridade são homens?" Você está apenas transferindo a causa, e não a explicando. Transfiro, então, a pergunta: Por que houve uma ampla difusão histórica e mundial de religiões cujas figuras de autoridade são homens? --------------------------- "O que está se discutindo é que não existe sexo superior ao outro e que ambos devem ter igualdade de direitos e deveres. Qual a sua dúvida, afinal?" Na verdade, a questão inicial não era a igualdade entre os sexos, e sim os processos que levam um bebê a se tornar mulher, como também a competência de Beauvoir para abordar este assunto. Mas dei uma olhada na questão, e nela a afirmação de Beauvoir não é apresentada como autoridade. A pergunta é: "Na década de 1960, a proposição de Simone de Beauvoir contribuiu para estruturar um movimento social que teve como marca:" Cuja resposta correta deve ser: "a organização de protestos públicos para garantir a igualdade de gênero." No gabarito, no entanto, fica parecendo que eles concordam com o que ela disse: "Simone de Beauvoir foi escritora e ativista feminista. Preocupou-se, sobretudo, em desnaturalizar o conceito de 'feminino', mostrando tratar-se de uma construção social num contexto de dominação do gênero masculino." Seja como for, esta última parte não está na prova. A questão foi colocada de uma forma que não pode ser atacada, da mesma forma que não podemos discordar do fato de que Tomás de Aquino influenciou a escolástica. ------------------------ "Ah, e novamente falando de animais? Sério??" Sim, animais. Qual é o problema? Você acha que o ser humano é o que? Um semideus? ------------------------- "As características ontogenéticas da fêmea humana do ponto de vista normativo só podem ser encaradas como diferenças quando a análise baseia-se em um modelo - o do macho como parâmetro" Como assim? As diferenças entre homens e mulheres independem de tomarmos o macho como parâmetro. "as diferenças entre fêmea e macho são características evolutivas da espécie em que todos estão subordinados à programação genética" sim, isto mesmo. "Não há, portanto, justificativa da hierarquização em que a mulher assume papel secundário na sociedade tendo como base diferenças sexuais biológicas." Não entendi como podemos deduzir esta última afirmação sua da anterior.

      • Trajano Postado em 15/Nov/2015 às 00:09

        Olá, João. Suas respostas foram muito boas. Não concordo em parte com seu discurso, identifico alguns estranhamentos, mas sua articulação é bem diferenciada. Começo aqui pedindo que analise esta fala ”Temos que olhar para os fatos, para a natureza, para os resultados experimentais. São essas coisas, e não nossas ideias, que dão a última palavra” com a de agora: “Temos sempre que estar perguntando à natureza se estamos no caminho certo, caso contrário o pensamento se perde em divagações. O boson de Higgs, por exemplo, foi previsto por físicos teóricos na década de 1960, mas só pôde ser confirmado quando detectado pelo acelerador de partículas do CERN. O mesmo ocorreu com o top quark. O modelo padrão da física de partículas identifica 3 classes de matéria, cada uma com 2 quarks e 2 leptons. Por que? Não se sabe, mas o modelo observado é este, e tem a elegância de apresentar um padrão. Na terceira classe de matéria, porém, eram de fato observados 2 leptons, mas apenas 1 quark. Se não conseguissem descobrir um segundo quark, o modelo inteiro teria que ser revisto. São os fatos, e não a teoria, que dão a palavra final. Você disse que "a matematização da natureza partiu de uma ideia." Sim, mas foi antes observada no mundo. Pitágoras, talvez o primeiro a matematizar o mundo, observou que os harmônicos das cordas dos instrumentos musicais correspondiam à razões simples, como 1/2 e 1/3. Galileu, que adotou estas ideias na era moderna, viu padrões matemáticos no movimento dos corpos. "A percepção, observação, empirismo resultam em... ideias." Sim, em geral primeiro vem a observação e o empirismo, depois as ideias. Mas pode ocorrer o oposto também, como no caso do boson de Higgs. Um sujeito tem uma ideia, e depois se vai ao mundo procurar por suas evidências. Se não a encontra, a ideia é descartada. Em ambos os casos, as ideias estão submetidas aos fatos”. Bom, a minha impressão é que você utilizou o termo “última palavra” de forma subjetiva, um conceito que resume uma preposição sua, ao passo que, de forma robusta, apresentou uma nova explicação sobre a matematização da natureza sem desconsiderar que todas elas partem de ideias – desde a interpretação atribuída à percepção, ao refinamento do método científico, em especial, a replicação e universalidade submetidos à experimentação. Ciência não está acima do humano; Não é algo exterior ao homem. Não é uma força extraterrena, metafísica, que se apossa dos corpos. O próprio Bóson de Higgs parte de um referencial teórico, seu desenvolvimento baseia-se em metodologia científica e, ainda que de caráter exploratório, o princípio, desenvolvimento e dissertações futuras sobre o assunto requerem interpretações e discussões científicas. Tudo parte das ideias, dos conhecimentos, do humano e para o humano. E então cabe a contextualização com o assunto da matéria: conforme eu disse, Simone de Beauvoir não é considerada uma das mais importantes pensadoras contemporâneas por partir do nada para chegar a determinadas conclusões. Era seria no mínimo louca e no máximo charlatã. O livro “O Segundo Sexo” possui amplas científicas, como o biológico, que não se alteraram do século passado até hoje. É uma interpretação de Beauvoir a um conhecimento dado, em que sua contribuição maior é a de que o destino biológico não é o que define o lugar da mulher na sociedade. Quando grupos sociais organizados e democráticos de uma época de profundas transformações e urgências multifacetadas nas questões de gênero e sexualidade, como exemplo, os dados assustadores do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) sobre violência contra a mulher, filosofias como a de Beauvoir ganham espaço, pois a diferença histórica de décadas da publicação da obra não retira a validade do seu conhecimento e encontra um terreno para novas discussões, como a que estamos fazendo agora. --------- “A ciência é diferente. Ela tem uma história própria, que é relativamente independente da história das outras coisas humanas”. -------- Como? Me parece que você coloca a ciência, novamente, como algo exterior ao humano, como uma coisa, como algo à parte da história. João, isso não existe e é aberrativo ao próprio discurso científico como se fosse uma coisa que se desenvolveu em paralelo à história. É uma concepção sua e me surpreende que você apresente esse tipo de argumento. Eu não me surpreenderia se um religioso político de Campinas me falasse isso, afinal, o conhecimento mitológico cristão (e não somente do cristianismo) e a ideia mágica de um livro escrito por inspiração extraterrena, fora do homem, fora da história, no campo do ideal, do perfeito, ou seja, uma coisa, pode apoiar-se amplamente nesses discursos, mas o científico não, se torna contraditório, se torna uma coisa. O seu discurso científico por vezes assume um viés quase que religioso e o insere em um lugar que não é o da ciência – é o da religião. -------------- Sobre a parte que não me fiz entender – crítica científica x mitificação teórica: uma coisa é você criticar uma teoria, outra é você refutá-la. Como exemplo, os conceitos behavioristas de aquisição de linguagem: hoje é tratado como mito após críticas chomskyanas, ou seja, foi refutado; ainda que tenha se baseado em premissas teóricas, não encontraram em outros referenciais teóricos científicos robustez e abrangência suficientes. A aquisição de linguagem por mecanismos de condicionamento é como uma suposta evidência que confirma e retroalimenta a própria teoria, mas somente funciona dentro do próprio behaviorismo. Pode ser que futuramente as escolas comportamentalistas refutem o argumento de Chomsky, mas até o momento isso não foi possível. Aproveito para dizer que a história não é linear e que teorias são revisitadas constantemente e quem critica também pode ter o seu discurso refutado. Em tempo: não é apenas existencialismo e os comportamentos inatos não destituem certas matrizes filosóficas. Dizer que diferenças sexuais e características genéticas determina o plano das escolhas, dos comportamentos, da construção subjetiva, enfim, é um reducionismo que não encontra parâmetro na própria ciência; esta ideia não corresponde ao paradigma neurocientífico atual. Influência não é o mesmo que determinismo. E no campo das diferenças sexuais do ponto de vista biológico, óbvio que elas existem. Ninguém, nem Beauvoir, desconsiderou isso, mas daí a considerar que a mulher exercerá um papel secundário na sociedade tendo como plano de fundo concepções puramente biológicas não somente é um salto teórico, como não encontra replicação nas sociedades modernas em que mulheres podem assumir postos de liderança ou forte influência política, econômica, social, institucional, tal como os homens, em um plano micro e macro, independentemente dos marcos ontogenéticos. Assim, quando Beauvoir considera que o destino biológico não define o papel da mulher na sociedade, isso pode ser comprovado nas sociedades atuais através da observação sistemática em uma gama de incontáveis exemplos. Diferenças genéticas existem – é até redundante dizer isso -, mas, conforme exposto, não é essa a discussão. -------- “ Uma coisa é a ideia de que a mulher é um ser secundário, outra, a ideia de que não se nasce mulher, torna-se mulher”. -------- Não, João. Entenda: não são coisas diferentes. Agora compreendi o seu discurso. Você partiu desse ponto para tecer uma crítica de que, sim, diferenças sexuais existem. A frase isolada, como você sabe e conforme longamente você e eu comentamos, torna-se ambígua ou até mesmo provocativa, política. Ok. A partir daí você configura sua crítica a reservando ao campo ideológico. Certo... bom, desse ponto, você está sendo bem coerente, mas está equivocado por ficar fora de contexto; estamos falando de Beauvoir: os marcos biológicos, aproveitando o ensejo, não definem que a mulher assumirá um papel secundário na sociedade, ou seja, a mulher que submente sua existência em múltiplas esferas da vida à vontade do homem é uma construção que não parte da ontogênese – não se nasce assim. ------------- “na verdade eu sou bem mais radical e acredito que em todo o mundo desenvolvido as mulheres são o novo sexo dominante”. ------------------- Gostei de sua humildade em opinar de forma tão pessoal. Bom, eu não concordo com isso, não acredito que exista um sexo dominante; este discurso inverte a polaridade, mas mantém a essência do que está sendo discutido aqui, enfim, vou precisar criticar a sua filosofia carvalhiana, rs! -------- Quanto à fêmea ser o fator limitante da reprodução, isso é uma interpretação sua. Por exemplo, uma outra interpretação: uma vez que os processos de gestação são exclusivos do corpo da mulher – o homem participa apenas do coito -, o homem então pode ser o fator limitante dada sua pouca participação; o próprio conceito de limitação pode ser interpretado como um termo equivocado, já que as sociedades humanas mostraram-se capazes de colonizar inúmeros territórios pelo planeta e se, por exemplo, as fêmeas humanas tivessem vários filhos de uma só vez, como ocorre com outros mamíferos, talvez a conta evolutiva não ficaria equilibrada – muitos indivíduos de uma mesma espécie competindo pelos recursos naturais que possibilitem sua sobrevivência. Enfim, do ponto de vista da reprodução da espécie, atribuir limitações entre os sexos é apenas uma forma interpretação. ---------------- “Você está apenas transferindo a causa, e não a explicando. Transfiro, então, a pergunta: Por que houve uma ampla difusão histórica e mundial de religiões cujas figuras de autoridade são homens?” Olha, não quero discutir difusão de religiões monoteístas patriarcais porque, como você sabe, isso seria uma discussão longa, ampla, enfim. Sério que você quer isso? Seria uma monografia! Se somente do ponto de vista evolutivo já estamos quebrando recordes de comentários longos, imagina se a discussão descambar para esse lado. Por fim, reafirmo a influência religiosa e filosófica nos sistemas políticos, sociais e econômicos para a segregação da mulher. É uma das causas, não a causa primeira, não sei se essa relativização ajuda a responder sua pergunta. ----------- “ Na verdade, a questão inicial não era a igualdade entre os sexos, e sim os processos que levam um bebê a se tornar mulher, como também a competência de Beauvoir para abordar este assunto.” --------- Os processos que levam um bebê a se tornar mulher? Aí é um problema de interpretação, meu querido, tal como o equívoco na interpretação dos vereadores de Campinas, Feliciano, Bolsonaro e simpatizantes, nestes últimos casos, mais oportunismo político do que real interesse de se discutir realmente alguma coisa. Além disso, cabe destacar que, de um ponto de vista puramente biológico, o assunto também está longe de estar encerrado. Você já ouviu falar dos guevedoces? Uma condição genética identificada em uma cidade da República Dominicana em que a genitália desenvolve-se somente na adolescência o que, para além dos cromossomos, as especificidades genéticas deles, tão humanos quanto nós, revelam que a sexualidade é mais complexa do que supõe o discurso mais amplo; as concepções ontogenéticas difundidas estabelecem padrões normativos, não universais, como nos casos do hermafroditismo e pseudo-hermafroditismo, e ainda que restrita a um discurso biológico, a existência dos transexuais amplia as discussões de gênero para além da biologia. Em tempo: na Alemanha, por exemplo, as políticas públicas de gênero são muito mais progressistas do que a nossas e não me parece que se baseiam em achismos. Em tempo(2): se eu disser que existe uma espécie de tabu em discussões de gênero porque as políticas públicas ainda são influenciadas pela religião, você conseguiria refutar? Isso não é um desafio, é que eu não consigo dissociar o porquê de tanto barulho em assuntos de gênero e sexualidade, se não ao correlacionar a influência institucional das religiões, o que representa uma grande contradição para um país laico ---------------- “Sim, animais. Qual é o problema? Você acha que o ser humano é o que? Um semideus?” Não... Ein? Cara, você entendeu errado, saiu do contexto de novo. Err... Simplesmente porque o discurso de que a fêmea ocupa posição inferior ao macho através de uma suposta evidência quando comparado com outras espécies não se sustenta, na verdade, vai contra ele. A pluralidade de sistemas sociais em outras espécies incluem tanto machos quanto fêmeas em altas posições do bando e por vezes o macho só ocupa a responsabilidade reprodutiva, enquanto as fêmeas são elementos centrais – e vice e versa. Não serve como parâmetro e já conversamos sobre isso. ----------------- “ Como assim? As diferenças entre homens e mulheres independem de tomarmos o macho como parâmetro”. As diferenças que supostamente justificariam uma posição hierárquica inferior na sociedade entre machos e fêmeas. --------------- “ Não entendi como podemos deduzir esta última afirmação sua da anterior”. Como assim? Não existe maior ou menor importância de machos ou fêmeas ao ser analisado a necessidade de ambos para a perpetuação da espécie. É claro que as diferenças biológicas existem, novamente, não se está discutindo se existe macho e fêmea, isso seria loucura, o que se está discutindo é porque determina-se que a fêmea humana terá um papel secundário por causa do seu sexo. Isso não encontra mais espaço nas sociedades modernas e como você mesmo considera que atualmente as mulheres são o sexo dominante – indo mais além do que eu posso concordar -, não sei qual a sua dúvida. João, entenda o significado do próprio título do livro: “O Segundo Sexo. Talvez atualmente esse discurso de fêmea em posição secundária não encontre o mesmo espaço como no século passado – graças às contribuições como a de Beauvoir, mas não quer dizer que ele deixou de existir e que é muito perigoso quando existe a subjugação da mulher em um país com altos índices de violência, o fato de mulheres, no geral, receberem menos do que homens ao ocuparem mesmos cargos, a pouca participação de mulheres na política brasileira quando analisado desde as esferas municipais, estaduais, federais, enfim. O pior é que estou falando isso, mas me parece que você concorda comigo, isso é estranho. De qualquer forma, é indiscutível que o uso de uma citação de Beauvoir no ENEM provocou debates e discussões para além do vestibular que dificilmente o acadêmico responsável e menos ainda certos políticos escroques poderiam prever. Um abraço!

      • João de Carvalho Postado em 22/Nov/2015 às 18:58

        Olá. "O livro “O Segundo Sexo” possui amplas científicas, como o biológico, que não se alteraram do século passado até hoje." Com que conhecimentos biológicos Beauvoir estava sintonizada quando escreveu seu livro? Não sei o que você está chamando de "biológico", mas acreditar que ele não se alterou de 1950 até hoje é um grande engano. A ecologia comportamental e a sociobiologia só se desenvolveram a partir da década de 1960. A assimetria fundamental entre os sexos da qual falei só foi bem entendida na década de 1970 com os trabalhos de Robert Trivers sobre investimento parental. Bom, eu dei uma olhada e a ideia foi proposta inicialmente em 1948 por um sujeito chamado John Bateman, mas apenas com Trivers ela foi consolidada. ------------------- "[Eu disse] A ciência é diferente. Ela tem uma história própria, que é relativamente independente da história das outras coisas humanas." Bom, isto foi algo que um famoso epistemólogo (não me lembro agora qual deles) disse, mas faz sentido. Não estou dizendo que o empreendimento científico não seja humano, e sim que, pelo fato de estar submetido à natureza, é menos influenciado pelo contexto histórico. ------------------------- "os conceitos behavioristas de aquisição de linguagem: hoje é tratado como mito após críticas chomskyanas, ou seja, foi refutado" Bom que você admita que a psicolinguística refutou o behaviorismo. De forma mais geral, no entanto, quem fez isto foi a psicologia cognitiva. A psicolinguística é apenas um de seus ramos. --------------------------- "os comportamentos inatos não destituem certas matrizes filosóficas." Grande parte da filosofia do século 20 tinha como paradigma um ser humano destituído de determinantes biológicos e moldado apenas pelas condições socioculturais. Eu lembro que lá pela década de 1980 grande parte das pessoas de formação, como dizer... progressista, acreditava que homens e mulheres, quando nascem, são iguais, e o único responsável pelas diferenças é o ambiente cultural. O ocidente acreditou ter alcançado um grau de sabedoria sexual que nenhuma outra civilização jamais alcançou, e em seu nome promoveu uma radical reforma social. Todo o sistema educacional foi reformulado de acordo com a nova visão. O que acontece, então, quando se prova que o paradigma está errado? A resposta: Nada. As políticas educacionais e legais continuam na mesma direção, independente de todo seu arcabouço teórico ter colapsado. ------------------------ "Dizer que diferenças sexuais e características genéticas determina o plano das escolhas, dos comportamentos, da construção subjetiva, enfim, é um reducionismo que não encontra parâmetro na própria ciência; esta ideia não corresponde ao paradigma neurocientífico atual. Influência não é o mesmo que determinismo." Mas sob essa bandeira – influência não é determinismo – desconsideram qualquer tipo de influência. O fato de não serem determinismo não significa que influências desempenhem um papel sem importância nos seres humanos. Muito pelo contrário, seu papel é enorme. Mas estava aqui pensando: Você admite que existem diferenças entre homens e mulheres que são dadas pela natureza, mas até agora não vi você relatar sequer uma. Que diferenças naturais são estas? ------------------------- "mas daí a considerar que a mulher exercerá um papel secundário na sociedade tendo como plano de fundo concepções puramente biológicas não somente é um salto teórico, como não encontra replicação nas sociedades modernas" Você tem seus olhos voltados para um modo de vida dos últimos 200 anos de uma civilização específica, enquanto o ser humano tem uns 300 mil anos e foi forjado ao longo de mais de um milhão. É verdade que a ideologia desta civilização está se espalhando por todo o planeta, mas apenas pelo fato de o modelo ocidental ter sido o mais bem sucedido economicamente, levando esta cultura a se espalhar pelo mundo. Hoje em dia, mesmo em potências culturais como China e Índia, vemos esta ideologia progressista se alastrando sobre todos os deuses e civilizações. Tradições milenares são destruídas em nome de uma ideologia desses últimos 2 ou 3 séculos. --------------------------- Sobre a questão do papel secundário da mulher, eu diria que homens e mulheres têm trabalhos e funções diferentes na sociedade, e é complicado dizer que uma seja superior ao outro – seja lá o que se queira dizer com isto. Mulheres são mais voltadas para relações pessoais e familiares, enquanto homens, para a vida pública e política. O problema é que, com o advento das sociedades de mercado, todas as diferenças sociais foram achatadas em uma multidão de trabalhadores(as) que são, ao mesmo tempo, produtores(as) e consumidores(as). As únicas diferenças são as nações às quais eles(as) pertencem, e a idade que eles(as) têm ¬ – alguns(mas) ainda são crianças, e outros(as), adultos(as). Neste contexto, ser homem ou mulher já não faz nenhuma diferença. ------------------------ "Assim, quando Beauvoir considera que o destino biológico não define o papel da mulher na sociedade, isso pode ser comprovado nas sociedades atuais através da observação sistemática em uma gama de incontáveis exemplos." Você pode ter incontáveis exemplos de mulheres se comportando de formas não condizentes com seu destino biológico, mas, em primeiro lugar, esses incontáveis exemplos podem, ainda assim, significar uma pequena percentagem. Em segundo, você está apenas olhando para as sociedades modernas, que são as mais artificiais de todas (o que levou a psicologia a criar o termo WEIRD – western, educated, industrial, rich and democratic societies). Habitantes deste tipo de sociedade não são bons representantes da espécie humana. ------------------------ "Quanto à fêmea ser o fator limitante da reprodução, isso é uma interpretação sua." Não se trata de interpretação minha, e sim de uma teoria muito sólida da ecologia comportamental. "Por exemplo, uma outra interpretação: uma vez que os processos de gestação são exclusivos do corpo da mulher – o homem participa apenas do coito -, o homem então pode ser o fator limitante dada sua pouca participação" Não entendi o argumento. Pelo fato do homem contribuir apenas com o coito, ele seria o fator limitante? Você não está entendendo a teoria. Quando estamos discutindo homens e mulheres, entender esta assimetria é fundamental. Sem ela não temos fundações teóricas sobre as quais possamos explicar as diferenças sexuais. ----------------------- "Além disso, cabe destacar que, de um ponto de vista puramente biológico, o assunto também está longe de estar encerrado." Ninguém nega que o atual conhecimento sobre o comportamento sexual seja incompleto. Na verdade, conhecemos muito pouco sobre o assunto. ------------------------ Você citou os indivíduos de uma condição genética identificada em uma cidade da República Dominicana em que a genitália desenvolve-se somente na adolescência e hermafroditismo para argumentar que a sexualidade é mais complexa do que se pensa. Não me lembro de algum cientista ter falado sobre o quão complexa é a sexualidade. A utilização de anomalias genéticas pode até ser útil para a compreensão desses processos, desde que tomemos o cuidado para tratá-las como tal. ---------------------- "Em tempo(2): se eu disser que existe uma espécie de tabu em discussões de gênero porque as políticas públicas ainda são influenciadas pela religião, você conseguiria refutar?" Não nego. Mas os tabus não vêm apenas da religião, como também das ideologias progressistas. Assim como os primeiros, estes segundos acreditam estar do lado certo e qualquer um que vá contra eles é considerado conservador, machista e patriarcal – forças do lado negro que devem ser eliminadas pela luz do progresso. ----------------------- "é que eu não consigo dissociar o porquê de tanto barulho em assuntos de gênero e sexualidade, se não ao correlacionar a influência institucional das religiões." Este é apenas um lado. O outro é a ideologia progressista desses últimos 300 anos, que defende a liberdade e a igualdade entre todos os seres humanos. O barulho vem do choque dessas duas visões, cada uma clamando para si a verdade. Eu recomendo a você dar uma olhada nas pesquisas do cientista moral Jonathan Haidt. Ele olha para a situação de forma bem neutra. ------------------------- "Simplesmente porque o discurso de que a fêmea ocupa posição inferior ao macho através de uma suposta evidência quando comparado com outras espécies não se sustenta, na verdade, vai contra ele. A pluralidade de sistemas sociais em outras espécies incluem tanto machos quanto fêmeas em altas posições do bando". Sim, mas você não pode utilizar a diversidade interespecífica para justificar a diversidade intraespecífica. Cada espécie social tem o seu padrão. Em algumas os machos dominam, em outras, as fêmeas. Qual o sexo dominante nas sociedades humanas? --------------------------- "Não existe maior ou menor importância de machos ou fêmeas ao ser analisado a necessidade de ambos para a perpetuação da espécie." Se apenas o fator reprodutivo fosse levado em conta, as mulheres seriam o sexo dominante pois, como tenho tentado mostrar, a moeda sexual da mulher vale muito mais que a do homem. Mas não é apenas isto que define qual dos sexos dominará. Cada espécie tem seu próprio caminho evolutivo e chegou a sua própria solução sobre como organizar a sociedade. Não quero dizer com isto que não existam semelhanças. Quatro espécies, pelo menos, são importantes para entendermos a estrutura social dos humanos: babuínos, gorilas, chimpanzés e bonobos. Mesmo orangotangos, que não são sociais, nos fornecem alguns insights sobre o comportamento sexual de machos humanos. ------------------------ "e como você mesmo considera que atualmente as mulheres são o sexo dominante – indo mais além do que eu posso concordar -, não sei qual a sua dúvida." A tomada de poder pelas mulheres é consequência do estado moderno, que reprime a agressividade e sua sublimação por meio da política (que é a esfera na qual o homem é superior), mas libera o sexo (que é a esfera na qual a mulher é superior). Esta situação, no entanto, é artificial e dificilmente poderá levar a uma vida saudável. O liberalismo está cavando sua própria cova, pois manter a sociedade neste estado se tornará cada vez mais insustentável. Na verdade, eu até considero este processo interessante, pois o novo apenas pode surgir após a destruição do velho. Para implementarmos sistemas sociais mais saudáveis teremos que destruir as velhas civilizações e seus deuses. O movimento progressista atual, portanto, é necessário como força destruidora. O que ele não pode é se autointitular o novo – algo que sempre procurou fazer. Onde está o novo? Eu não o vejo. Vejo apenas a destruição do velho, e nada para tomar o seu lugar.

    • Thiago Lopes Postado em 04/Nov/2015 às 23:34

      Joãozinho, quem é vc pra falar da Simone de Beauvoir? Vc vai ter que ler uns livrinhos aí na sua vida até chegar no nível de entender o pensamento dela, pior ainda criticar o pensamento dela. O mesmo vale pros vereadores da matéria.

  21. Roberto Pedroso Postado em 02/Nov/2015 às 12:35

    Em tempo não existe repressão alguma por parte da esquerda o fato é que as bancadas legislativas tanto no âmbito municipal estadual e federal contam com a organização solida dos setores conservadores que elegem seus representantes e assim impõe as suas pautas e suas vontades,bancadas que representam setores religiosos conservadores ex militares e que tais, bancadas estas que muitas vezes estão sim dissociadas dos interesses da maioria e sem ouvir a voz real da população legislam para o seu eleitorado retrogrado e reacionário subvertendo a ordem democrática transformando as câmaras legislativas não em uma instancia de representação da vontade popular mas em uma instancia da defesa dos conceitos e ideias de uma minoria retrograda mas muito bem organizada,basta acompanhar o modelo de ação de Eduardo Cunha como presidente da câmara dos deputados o mesmo ocorre nas câmaras legislativas municipais .

    • João de Carvalho Postado em 02/Nov/2015 às 19:56

      O que você está dizendo é que a maioria da população é a favor dessas ideias de gênero. Tem alguma pesquisa para sustentar sua posição? Porque até onde sei, a grande maioria da população brasileira é cristã.

      • Roberto Pedroso Postado em 04/Nov/2015 às 10:08

        Não de fato João Carlos a maioria da população é realmente contra o aborto e contra o casamento gay,mas isso se deve ao fato da influencia religiosa no âmbito da politica ser tão agressiva e patente,os eleitores /fieis compõe um eleitorado forte e consolidado e com o perdão do trocadilho realmente "fiel",pois como o senhor mesmo disse a maioria da população segue a doutrina cristã e isso se revela também no âmbito da politica, o que eu quis dizer é que a influencia nefanda e nefasta dos setores religiosos conservadores se faz presente em um estado que equivocadamente é classificado como um estado laico.....a influencia religiosa de setores conservadores se faz presente e isso a meu ver é uma ameaça ao estado democrático de direito.

      • luis Postado em 04/Nov/2015 às 19:28

        Menos quando o PT ganha, aí é barra limpa...

      • João de Carvalho Postado em 06/Nov/2015 às 18:15

        Roberto Pedroso: É uma questão complicada. Como argumentar, por exemplo, que os ideais da esquerda devam prevalecer sobre os da cristandade, mesmo quando a grande maioria da população segue os ideais cristãos? Poderíamos, por exemplo, utilizar a autoridade científica. Como alguém uma vez disse: "Se 9 ou 99 por cento das pessoas acredita na evolução é irrelevante. A verdade não é uma democracia." Porém, os ideais da esquerda nem sempre são científicos. Isto se vê, por exemplo, quando defendem o casamento gay. Não sei até que ponto o casamento foi bem entendido pela ciência, mas esta instituição não é a celebração pública de duas pessoas que se amam, é um contrato social firmado entre duas famílias para, juntas, criarem uma prole. O ocidente esqueceu o que esta instituição significa, e aí surgem afirmações insanas como "eu e meu cachorro somos uma família", "eu sou uma família single."

  22. julia Postado em 02/Nov/2015 às 19:48

    Com toda tecnologia que temos hoje, se qualquer censura existisse ou se retornasse a tão sonhada ditadura que os coxinhas tanto apregoam, estaríamos todos ferrados porque o nosso amigo "google" tudo sabe e tudo vê estaria a serviço "deles", aliás, até está, mas este é outro debate. Através dos IP´s de cada computador é tão fácil encontrar os censurados para receber a disciplina oriunda da "vara da disciplina". Censura é? Falem mais sobre isso... A coitada da Simone deve estar se revirando no túmulo...descanse em paz!

    • Roberto Pedroso Postado em 07/Nov/2015 às 11:53

      Senhor João de Carvalho a questão é a seguinte questões politicas não deveriam ser influenciadas por dogmas religiosos e doutrinários,mas infelizmente é o que ocorre no Brasil,deveria-se legislar seguindo o principio de evolução da sociedade e não obedecendo preceitos(pré conceitos?)religiosos que só tem a ver com questões de fé e foro intimo e particular,quando a esquerda, como o senhor se refere, defende o direito de união entre pessoas do mesmo sexo está em primeira analise defendendo o direito de todos serem reconhecidos e conhecidos como cidadãos com os mesmos direitos,é disso que se trata ao final; sendo algo bem mais complexo que meramente uma questão de fé algo que vai mais além se tratando de uma questão de ética e princípios.

      • João de Carvalho Postado em 07/Nov/2015 às 15:58

        Não estou falando que devemos tomar dogmas religiosos como autoridade. O que estou falando é que, antes de tudo, devemos ouvir o que a ciência tem a dizer. Você disse que deveríamos legislar segundo o "princípio de evolução da sociedade". Nunca ouvi falar deste princípio, não sei que corpo de conhecimento o formulou, nem qual é a fonte de sua autoridade. Parece que tem a ver com todos terem direitos iguais. Esta é uma ideia individualista que ignora o organismo social e tenta achatar sua estrutura em uma massa politicamente homogenia. Isto não apenas é impossível, como também agride a estrutura social. Homens e mulheres, crianças e adultos, jovens e velhos, são seres diferentes. Como seria possível conceder-lhes direitos iguais? Outra coisa: Você não estaria tomando o princípio de evolução da sociedade como um dogma inquestionável?

  23. Argemiro Postado em 02/Nov/2015 às 21:36

    É no que dá cortar as aulas de Filosofia do currículo do ensino fundamental.

    • Roberto Pedroso Postado em 08/Nov/2015 às 14:51

      Voltando uma vez mais senhor João de Carvalho quando me refiro ao conceito abstrato de evolução da sociedade não me refiro a um conceito de ideias ou ideais filosóficos conceituais baseado em qualquer proposição cientifica ou modelo social politico filosófico, me refiro tão somente ao refinamento das instituições pela via democrática como instrumento com o qual se pode garantir que todos os indivíduos sejam iguais garantindo assim que seus direitos sejam respeitados,não me refiro a um sistema filosófico ou mesmo a um conceito cientifico e sim me refiro a necessidade de se tentar alcançar o ideal do principio democrático em sua essência,fazendo com que todos os cidadãos sejam iguais,tendo seus direitos respeitados e reconhecidos,do contrario teremos uma sociedade que não irá diferir do principio de democracia ateniense no qual somente os homens proprietários de terra possuíam voz e direto de votar e decidir.Espero ter conseguido ser mais claro e objetivo na defesa de meu argumento.

      • João de Carvalho Postado em 09/Nov/2015 às 02:13

        Olá. O que você está dizendo é que as instituições devem ser instrumentos para garantir que todos os indivíduos sejam iguais, mas que tal proposição não tem fundações em sistemas filosóficos ou científicos. Então ela tem fundações em que? Em sua opinião? Simplesmente pelo fato de você achar que as coisas devem ser de uma determinada forma, devemos tomar isto como princípio fundamental? Não é meio arrogante acreditar que aquilo que você acha ser o melhor para a sociedade deva se sobrepor ao conhecimento filosófico ou científico?

      • Roberto Pedroso Postado em 09/Nov/2015 às 09:53

        Senhor João não sei ao certo se o senhor não esta conseguindo me entender ou eu que estou explicando de forma equivocada meu raciocínio o principio do estado democrático de direito não se baseia,entre outros conceitos,no principio de que todos devem ser iguais perante a lei?e justamente isso isso que defendo, que todos os cidadãos sejam iguais perante a lei não é o que se apregoa em em uma democracia? o respeito as instituições e a garantia de que todos os cidadão tenham seus direitos respeitados um principio fundamental do direito,é nisso que eu acredito,na democracia e na garantia de que todos os cidadãos tenham seus direitos respeitados......espero ter sido mais claro.

      • João de Carvalho Postado em 11/Nov/2015 às 20:49

        Roberto Pedroso: Sim, igualdade e liberdade estão entre os princípios fundamentais da ideologia atual. A fraternidade também fazia parte, mas foi descartada posteriormente, pois o individualismo é crescente e as pessoas nunca estiveram tão sozinhas. Nosso fracasso com este último princípio deveria ser um alerta para o fato de que existe algo de errado com este sistema.

  24. John J. Postado em 03/Nov/2015 às 00:38

    Vereadores = embusteiros. PORQUE A MÍDIA É CONTRA LULA E PRESERVA O MAIOR BANDIDO, FHC? Porque o ex-presidente do Brasil, FERNANDO HENRIQUE CARDOSO, chefão do PSDB, em sociedade com seus filhos, possuem um emprêsa AGROPECUÁRIA para criação de gado e cultivo de plantações, na cidade de OSASCO, mesmo sabendo que essa cidade, OSASCO, não tem ZONA RURAL? ? ? ? ESSE É UM MISTÉRIO QUE ATÉ AGORA NENHUM ÓRGÃO DA IMPRENSA INVESTIGATIVA BRASILEIRA, QUE INVESTIGA ATÉ O CHÃO QUE OS PETISTAS PISAM, AINDA NÃO TIVERAM A ÉTICA JORNALISTICA PARA INVESTIGAR. OU SERÁ QUE SABEM E NÃO TIVERAM A ÉTICA E A MORAL PARA DIVULGAR? Comprovem no link: - http://www.redebrasilatual.com.br/blogs/helena/2015/08/fhc-tem-agropecuaria-dentro-da-cidade-931.html

    • Thiago Teixeira Postado em 03/Nov/2015 às 07:02

      PSDB .... pódi!!!!!!!

  25. George Postado em 03/Nov/2015 às 09:02

    dá pra entender a desgraça política que vive o país. Analfabetos políticos assistidores de globo e leitores de veja elegendo idiotas desse naipe. Duvido muito se um deles não perguntou o endereço da Simone na França, pra mandar essa ridícula 'moção'.

  26. Pereira Postado em 03/Nov/2015 às 09:41

    Olá meus bovinos esquerdistas ! Voltando de Viagem hoje. Alguém da crédito para Simone de bouveir? Uma pedófila que aliciava meninas adolescentes para fazer suruba com sartre. Já denunciei essa picareta por aqui muito antes da maioria dos esquerditas ir conhecer ela depois do Enem desse ano.

  27. Pereira Postado em 03/Nov/2015 às 09:42

    Só para constar estava em Israel, o terra bem boa. O que estraga é o terrorismo palestino !

    • enganado Postado em 04/Nov/2015 às 16:29

      PereiraX. Concordo em gênero, número e grau, pois os Palestinos de hoje foram os judeuSS nas mãos do Bigode, que impediam a ascensão heroica do III Reich. Acho até que todos os nazistas ainda vivos deveriam solicitar serem enterrados em iSSraHell, cujo local que mais se parece com Alemanha de 1933 até 1945. Chego até pensar que o tal ___"""terrorismo palestino"""___ se assemelha ao judeuSS que lutaram no famoso levante, o "Gueto de Varsóvia" contra a Wehrmacht. Gostaria de parabeniza-lo pela sua nova orientação política e quem sabe, num futuro próximo VC venha reconhecer que o ""Corno da Amante"" FHC=Aópio=juizeco MORO foram e estão sendo considerados os ___MAIORES LADRÕES na História do BRASIL__. Juiz Moro? Sim, claro, foi o juiz do Inquérito da falência do BANESTADO, ou seja, 132 bi DÓLARES (132 BI DÓLARES) ENVIADOS P/OS BANCOS """"""ANGLO-SEMITAS""""" INSTALADOS, NOS ___"""eua"""___. Aliás ninguém foi preso! Dá para entender? Que honestidade deste JUIZ! Em suma, aguardo VC do lado da verdade. Boa sorte.

    • Francisco Ramos Postado em 10/Nov/2015 às 05:01

      O que estraga é o terrorismo de Estado de Israel. Seus crimes de guerra e crimes contra a huma nidade, sua descarada grilagem de terras palestinas, ao arrepio de todas as resoluções da Organização multilateral que o criou , leia-se, ONU. Ensempre contando com o veto americano no Conselho de Segurança. Enfim, um povo millenarmente perseguido, consegue, com justiça o seu país e julga-se no direito de transformar Gaza num gueto miserável. Tem medo do programa nuclear iraniano é possui cerca de cem bombas atômicas operacionais e o vetor Jericó III, com raio de ação de 5.000 km. O seu objetivo, enfim, é "O Grande Israel". Pegou mal, não é verdade Charám?

  28. Pereira Postado em 03/Nov/2015 às 11:09

    Parabéns a nota de repúdio. Alguém ainda tem respeito pelos estudantes no Brasil. Qualquer dia aparece che guevara. mao tse tung e kim jong un na prova do enem.

    • Filipe Postado em 05/Nov/2015 às 19:09

      Que latam o quanto quiserem, a passos lentos a gente continua evoluindo.

  29. Rosendo Postado em 03/Nov/2015 às 17:15

    Bando de babacas,eles e seus apoiadores

  30. Denisbaldo Postado em 03/Nov/2015 às 22:48

    tem gente aqui que dá uma preguiça só de ler o nome do cidadão...vai ficar falando sozinho pelo jeito...

  31. George Postado em 04/Nov/2015 às 08:10

    a única simone que a turma da moção e asseclas conservadores conhecia até a última prova do ENEM era aquela que canta as músicas de natal no fim de ano. kkkkkkkk

  32. George Postado em 04/Nov/2015 às 08:11

    e eu tô rindo de um conservador que usa rédea e viseira de burro chamando alguém de "bovino". LOL

  33. Guilhermo Postado em 07/Nov/2015 às 10:08

    Se houvesse um prêmio para atualização de sites, o PP com certeza não ganharia nenhum. Mais de uma semana sem atualização? Really?

  34. Morgana Postado em 07/Nov/2015 às 17:49

    Estou preocupada, vocês vão parar? Sem atualizações...

  35. Stella Postado em 09/Nov/2015 às 06:27

    Nossa, o que está acontecendo???? Por que não tem mais atualizações?????