Redação Pragmatismo
Compartilhar
Dilma Rousseff 30/Sep/2015 às 10:54
30
Comentários

Dilma tem 69% de desaprovação, revela nova pesquisa Ibope

10% aprovam e 69% reprovam governo Dilma, diz Ibope. Segundo pesquisa, reprovação da presidente ficou na margem de erro. Levantamento foi realizado entre 19 e 21 de setembro

dilma aprovação pesquisa Ibope

A desaprovação do governo da presidente Dilma Rousseff chegou a 69% segundo pesquisa Ibope encomendada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) e divulgada nesta quarta-feira (30).

O índice é o maior já registrado pelo instituto desde que a pesquisa começou a ser realizada, em 1986. Em julho deste ano, o índice era de 68%.

Como a pesquisa tem margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos, não é possível dizer que a desaprovação do governo subiu. O levantamento entrevistou 2.002 pessoas em 140 municípios e tem um nível de confiança de 95%. A pesquisa foi realizada entre os dias 18 e 21 de setembro.

Já a aprovação do governo Dilma chegou a 10%. Na pesquisa anterior, o índice era de 9%.

O índice de aprovação é medido pelo percentual de entrevistados que avaliam o governo como “ótimo” ou “bom”. A reprovação é medida pelo percentual de entrevistados que avaliam o governo como “ruim” ou “péssimo”.

O índice de aprovação mais baixo já registrado pela pesquisa foi de 7%, também durante o governo de José Sarney, entre os meses de junho e julho de 1989.

A pesquisa CNI/Ibope também pesquisou o índice de aprovação da maneira de governar da presidente Dilma. Em julho, 15% dos entrevistados aprovaram a maneira como a presidente governa. Em setembro, este índice ficou em 14%. Já os que reprovam a forma de governar de Dilma, esse índice saiu de 83% em julho para 82% em setembro.

O índice de confiança na presidente Dilma variou um ponto percentual. Em julho, 78% dos entrevistados afirmavam não confiar na presidente. Em setembro, esse número chegou a 77%. Já o índice de entrevistados que afirmam confiar na presidente se manteve em 20% entre julho e setembro.

ABr

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. junior maia Postado em 30/Sep/2015 às 11:04

    Por que entrevistaram apenas 2.002 pessoas, quando o Brasil tem quase 142 milhões de eleitores aptos a votar? Essas pesquisas levam em conta os eleitores de todo o Brasil ou só de uma parte? E o eleitores do Acre?

    • Bruno Postado em 30/Sep/2015 às 11:40

      Você não precisa entrevistar 142 milhões de pessoas para fazer uma inferência estatística, existem diversos métodos de cálculo de tamanho de amostra para representar a média populacional.

      • Rodrigo Postado em 30/Sep/2015 às 16:07

        (Outro Rodrigo) Se o cenário fosse inverso, a pesquisa teria credibilidade. Simples assim.

    • poliana Postado em 30/Sep/2015 às 12:10

      pra eles o brasil se resume ao morumbi, leblon, moema, barrada tijuca...por isso...pior q tem gente q acredita...

      • Pedro Accioli Postado em 30/Sep/2015 às 14:41

        A manipulação da opinião pública é gigantesca, pode ter certeza que estes 2002 entrevistados, quase todos os entrevistados moram em locais como Aldeia da Serra e Leblon, os entrevistadores variam os locais para entrevistar, de acordo com o interesse dos patrões.

      • Bruno Postado em 30/Sep/2015 às 14:47

        Se você tiver o mínimo de interesse é só ir na página e tem os dados estratificados por região, idade, renda, sexo e escolaridade. Também você encontra as perguntas e as avaliações feitas, por meio de respostas simples. A não ser que você considere tudo uma grande conspiração, especialmente dos "campeões nacionais", que mais ganham do que perdem com este governo, todos os dados desmentem a sua afirmação Poliana.

      • Trajano Postado em 30/Sep/2015 às 14:55

        Então, Bruno, favor disponibilizar a proporção de voluntários por municípios desta pesquisa para refutar o que a Poliana disse. Em qual parte do estratificado e do relatório de divulgação você localizou a lista dos municípios? Sério, eu não vi. Me ajude a localizar. Antes de chamar a menina de desinteressada, favor demonstrar o seu interesse aqui e favorecer o debate.

      • Eduardo Ribeiro Postado em 30/Sep/2015 às 15:17

        Por enquanto localizei: sexo, idade e grau de instrução. Por municipio, achei nada.

      • Bruno Postado em 30/Sep/2015 às 15:27

        Eu não disse municípios, eu nem preciso escrever muito pra mostrar que você inventa coisas descaradamente Trajano. Eu sim, é desinteressada porque só fez uma afirmação por base no achismo, e você por base na mentira.

      • Trajano Postado em 30/Sep/2015 às 15:43

        A Poliana questionou a origem dos voluntários. Você respondeu que se ela tivesse o mínimo de interesse conseguiria resolver o impasse acessando os dados estratificados e finalizou com todos os dados desmentem a sua afirmação, Poliana. Então, Bruno, você se inseriu no contexto. Você se mostrou como o detentor do “mínimo interesse”. Onde estão os dados que desmentem a afirmação da Poliana? Se possível, mostra pra gente, com o mínimo de interesse, a proporção da amostra por municípios. Indique em qual parte do site da CNI podemos verificar esta informação. E Bruno, favor não dar chilique. Tenha concentração antes de escrever. Assim você evita atos falhos como o presente em sua mensagem Eu sim, é desinteressada.

      • Eduardo Ribeiro Postado em 01/Oct/2015 às 08:41

        Nada ainda sobre os municipios envolvidos? Tem um monte de gente com o mínimo de interesse esperando esse dado que disseram aí ser fácil de encontrar e tal...disseram que era só ir a página, disseram que tem "dados estratificados por regiao"....deram a entender que era a maior moleza do mundo pegar esses dados...cade?

    • Trajano Postado em 30/Sep/2015 às 14:50

      É inviável do ponto de vista funcional (tempo consumido e alto custo financeiro) realizar uma pesquisa com milhões de pessoas. Mas concordo: é necessário transparência na divulgação dos dados, principalmente disponibilizar a proporção de voluntários por municípios. Enriqueceria a análise dos dados estatísticos. Em minha opinião, fundamental.

  2. irineu Postado em 30/Sep/2015 às 11:56

    e quem acredita nessa merda do ibope?

    • Thiago Teixeira Postado em 30/Sep/2015 às 19:06

      Coxinhas.

  3. Gustavo0 Postado em 30/Sep/2015 às 11:56

    Esses índices ainda irão variar muito até o final do mandato dela. As pesquisas dessa natureza só comprovam o quão volátil é a opinião do eleitorado. Certo mesmo só o fato de que este governo parece não se importar em nada com a opinião popular, não fazem nada á serviço do povo, Dilma não acerta uma!

  4. José Ferreira Postado em 30/Sep/2015 às 13:34

    Eu estou bastante surpreendido. Não por causa dos índices de rejeição, mas pelo fato dessa notícia ter sido divulgada nesse portal.

  5. Trajano Postado em 30/Sep/2015 às 14:35

    Rodrigo, jamais se conseguirá o mesmo resultado ao entrevistar 142 milhões de pessoas e comparar com o estratificado de 2 mil voluntários. Favor não comparar realidade amostral com realidade populacional total. A estatística possibilita o estabelecimento de inferências. Números isolados precisam de interpretação, análise de coorte, controle de variáveis, identificação de covariáveis, enfim. A pesquisa da CNI foi até mais abrangente que a de outras instituições. Não acredito que o resultado estatístico desta pesquisa mereça descrédito; não acredito que exista um erro que a invalide. Agora, você, Rodrigo, está completamente equivocado ao tentar corrigir um usuário o orientando a “estudar” ao passo que oferece em troca um despautério que só não foi maior que sua arrogância. Se quer orientar que estudem, favor realizar primeiro o seu dever de casa.

  6. felipe Postado em 30/Sep/2015 às 15:20

    TB não estou surpreso, e acho engraçado que quando a pesquisa é a favor ela vale, quando não ela não tem credibilidade, só olhar as pesquisas das eleições, o ibope acertou nos resultados, é estatística tem margem de erro e nem precisa ser um gênio matemático para saber que muitos desaprovam a forma que a Dilma tem governado.

  7. Trajano Postado em 30/Sep/2015 às 16:05

    O relatório de divulgação do CNI apresenta um dado interessante: entre os que avaliam o governo como ótimo ou bom representava 12% dos eleitores do tucano e 63% dos eleitores da petista em dezembro de 2014. Em março de 2015, queda livre: de 12% para 2% dos eleitores do Aécio e de 63% para 22% dos eleitores da Dilma. Interessantíssimo. Em um intervalo de três meses, uma queda brusca histórica. O que aconteceu nesse curto período para que a Dilma fosse do céu ao inferno em um estalar de dedos? Vamos analisar os eventos peculiares noticiados entre janeiro, fevereiro e março? O que diabos um governo faz em qualquer lugar do planeta para, em apenas três meses após o pleito, derrapar no conceito do eleitorado de forma tão exagerada? O que aconteceu naquele período de 2015 de diferente? Me surpreende que o PT até o momento não tenha utilizado estes dados a seu favor. Aliás, o PT deveria investir mais em políticos do estilo Haddad do que aquelas peças de museu do estilo Sibá Machado. E enquanto a Dilma não se convencer que o executivo requer também politicagem, continuará no mais do mesmo.

    • Denisbaldo Postado em 30/Sep/2015 às 17:25

      Em janeiro e fevereiro de 2015 o Jornal Nacional dedicou 90% de seu programa à Lava Jato, eram de 30 a 40 minutos diários de propaganda anti-PT. Muito me impressiona a Dilma ainda estar viva para ser sincero.

      • Trajano Postado em 30/Sep/2015 às 22:59

        Pois é, nunca podemos subestimar o poder midiático hegemônico do Brasil. O PSDB e o seu irmão esquisitão PFL jamais conseguiriam este feito. Bonequinhos oposicionistas com prazo de validade. Entretanto as famílias bilionárias da mídia “concessão pública” quando querem (ou quando precisam) são capazes de demonstrar sua força, como esta demonstração de poder vulgar, histórica e acachapante que em poucos meses desestabilizaram um governo. Em qual outro país civilizado isso seria possível? Vimos isso na ditadura, na eleição presidencial de 1989 e agora, em 2015. Dezembro/2014-Março/2015: histórico!

    • Eduardo Ribeiro Postado em 30/Sep/2015 às 17:45

      Pra começar, vocês veem que o que o povo mais lembra em termos de mídia é o binômio Lava-Jato/Impeachment, e algo que esteja em voga no momento da pesquisa, no caso CPMF e impostos. O período Dezembro/2014-Março/2015 é onde todas as curvas começam a se afastar, a iniciar um movimento de abertura em todos os gráficos. Porque neste momento, todas as aprovações ao governo Dilma caem drasticamente, e todas as reprovações sobem acentuadamente. Mais que isso: Dilma é a única dos ultimos 3 presidentes - que tiveram 2 mandatos - que estava com sua reprovação em queda na transição primeiro-segundo mandato, e é a que teve, no período imediatamente após a transição, o aumento na reprovação mais intenso, brutal e cavalar destes 3. A REPROVAÇÃO ESTAVA EM QUEDA, e imediatamente após vivenciou o maior aumento da série histórica. E tudo isso acontece no período Dezembro/2014-Março/2015. De fato, é de surpreender que ela tenha chegado (1) viva e (2) ainda presidenta em abril e assim esteja até agora.

      • Trajano Postado em 30/Sep/2015 às 23:26

        Eduardo, cara, por que o PT não usa a seu favor os dados do período Dezembro/2014-Março/2015? Sério, onde já se viu um índice de reprovação de um presidente cair tão drasticamente em um país democrático, que não está em guerra e não sofreu uma calamidade natural em larga escala? A presidente deu um tapa na cara do Papa? Saiu seminua dançando ragatanga no Palácio do Planalto? Deu banda em imigrante haitiano? Oras! Lava-Jato é seríssimo, mas não justifica a queda livre em três meses, uma vez que o Partido Progressista sozinho tem atualmente o quádruplo de políticos na lista de suspeitos desta operação em comparação com o Partido dos Trabalhadores. E não vamos esquecer do escândalo denunciado na operação Zelotes e do Suiçalão, que não respingou aqui como no resto do mundo por causa do guarda-chuva midiático, mas que envolvem bilhões a dar com o pau. Lembra que na primeira ou na segunda micareta dos coxinhas saiu uma pesquisa apontando que os participantes sequer sabiam quem era o Michel Temer? E em outra que achavam que se a Dilma saísse o Aécio assumiria? E na última agora, o vexame “somos milhões de Cunha” e selfie com polícia dias após chacina que chocou o país todo? Essas são as pessoas altamente politizadas que não concordam com o governo Dilma ou são as pessoas altamente manipuladas pelo bombardeio midiático iniciado após o pleito de 2014 que, sim, sem dúvida, desestabilizou o governo? Existem três grandes forças políticas no Brasil: PMDB, PT e Globo/SBT/Record/Band. Está vencendo de 7 x 1 aquela que possui sua agenda própria, particular, antiga enquanto o PMDB assiste da arquibancada, muito tranquilo por sinal. Você concorda comigo?

      • Eduardo Ribeiro Postado em 01/Oct/2015 às 08:43

        Concordo e sei porque o PT não usa os dados a seu favor. Porque o PT é frouxo. Eu digo isso quase todo dia: o PT é FROUXO.

  8. André Nelson Postado em 30/Sep/2015 às 17:27

    Que a Dilma tá feia na foto nem precisa de pesquisa, mas, fazer uma pesquisa e dar um número é um bom jeito de criar casos. Não acredito nessas pesquisas, na última que me lembro, Celso Russomano seria o prefeito de São Paulo e ficou em terceiro lugar, justamente onde figurava o Haddad.

  9. Paulo Figueira Postado em 30/Sep/2015 às 18:56

    Pesquisa que não pode ser comprovada. A última pesquisa feita com comprovação foi em outubro de 2014 e o resultado foi Dilma 54 milhões, Aécio 51 milhões, o resto é o velho golpismo de nossas elites em ação.

  10. Thiago Teixeira Postado em 30/Sep/2015 às 19:11

    Fica fácil. Coloca o Bonner, o Boechato, o Boris, Alexandre Garcia, Waak, Sheranazi, 24 horas por dia no ar falando mal do governo, repercutindo notícias negativas que até a presidenta começa a acreditar que tudo está um fracasso, visto o visível abatimento físico dela nos últimos meses.

  11. Douglas Postado em 01/Oct/2015 às 09:40

    Os dados são coesos apenas quando estão a favor do ParTido. hahahaah

  12. velhos baianos Postado em 02/Oct/2015 às 21:56

    E essas pesquisas colocam cidades do interior de São Paulo como "capitais"...Pra não dar voz ao norte do país. Tá ligado ?

  13. sidney Postado em 26/Oct/2015 às 18:39

    EU voto nela de novo, mas não voto no PSDBosta.