Redação Pragmatismo
Compartilhar
Racismo não 06/Aug/2015 às 23:24
26
Comentários

A lição que fica do caso Fernanda Lima e as babás negras

Não dá para afirmar que houve racismo no ato de Fernanda Lima, mas em meio aos questionamentos gerados a partir da publicação da apresentadora há uma certeza: ou as “celebridades” aprendem que a democracia racial brasileira é uma balela ou seguirão sendo contestadas na internet

fernanda lima babás negras

Marcos Sacramento, DCM

Em meio aos questionamentos se o post das babás da modelo Fernanda Lima no Instagram foi ou não racista há uma certeza: ou as “celebridades” aprendem que a democracia racial brasileira é uma balela ou continuam a levar pancadas na internet.

Ao publicar as fotos das funcionárias Angela e Tayane Dias, a modelo foi criticada por uma seguidora, que lembrou do peso histórico representado pela imagem das duas babás negras. “O mais triste desse país não é o fato de estarem vestidas de branco ou não, é o fato de sempre vermos pelo passado escravocrata esse tipo de foto, a sinhá branca falando ‘olha, minhas negras não vivem na senzala, são da casa’. Pode até tratar bem, mas infelizmente elas sempre serão as babás e a sinhá sempre será a boazinha, tipo Princesa Isabel. Um dia, neste, país ainda vamos ver os negros no poder e não só subalternos como essa foto”, escreveu.

Com a popularização das redes sociais, acabou o tempo em que insinuações racistas ou postagens reveladoras sobre as tensões raciais passavam despercebidas.

As críticas contra a campanha oportunista “Somos Todos Macacos”, o infeliz “blackface” de Michel Teló e o comentário grotesco de Fausto Silva a respeito do cabelo da dançarina da funkeira Anitta estão aí para comprovar.

Se fosse mais atenta, Fernanda Lima evitaria o post que elogia o estilo das funcionárias e se orgulha de que elas não usam uniforme branco, mas em vez disso agiu com ingenuidade, como se nunca tivesse se envolvido em uma polêmica de teor racista antes.

Em 2013, surgiram especulações de que o casal Lázaro Ramos e Camila Pitanga, cotado para apresentar o sorteio dos grupos da Copa do Mundo de 2014, foi substituído por Fernanda Lima e e Rodrigo Hilbert.

Na época, a modelo manifestou sua indignação em um depoimento asséptico e despolitizado à jornalista Mônica Bergamo. “Eu sou funcionária, uma comunicadora. Fui convocada e como tal aceitei e vou fazer o meu trabalho. O que eu tenho a ver com isso? Só porque eu sou branquinha? Não discrimino ninguém. Também não levanto bandeiras. Simplesmente acho que a gente tem que ser respeitado, sem violência. Eu não alimento esse tipo de coisa”.

Quase dois anos depois, a modelo manteve o mesmo tom na resposta à internauta que a chamou de “Sinhá Fernanda”. “Querida, essas meninas são filhas de uma grande amiga e não trabalhavam. Quando tive meus meninos, liguei pra ela perguntando se elas queriam uma oportunidade de trabalho porque eu estava disposta a ensinar, já que saquei que, apesar de difícil, a profissão de babá pode ser muito rentável. Desde então elas convivem com nossa família, comemos na mesma mesa, conversamos e trocamos confidências como amigas e ainda as remunero muito bem. Sem queixas, nem crises por parte de ninguém”.

Como se dividir a mesa anulasse a hierarquia entre patroa e empregada e o abismo de oportunidades entre negras e brancas. Trabalhando há 24 anos como modelo, atriz e apresentadora, Fernanda Lima teria que ser muito distraída para não perceber a escassez de colegas negros.

Formada em jornalismo, provavelmente sabe que o biotipo dela e da maioria das companheiras de profissão não representa o fenótipo predominante dos brasileiros. O que talvez ela ainda não perceba é que o mundo está mudando em direção ao reconhecimento dos direitos das chamadas minorias. Piadas que antes faziam graça hoje são ofensivas, situações outrora vistas como naturais são passiveis de críticas e a internet amplificou a voz do cidadão comum, que não reluta em futucar os armários alheios em busca de esqueletos.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Danila Postado em 07/Aug/2015 às 09:40

    PQP que coisa chata. Quem foi que disse que a moça acredita na democracia racial no Brasil? É muito mimimi pra pouca coisa.

  2. João Postado em 07/Aug/2015 às 09:55

    Caramba, não teve nada de racista no post dela. Em nenhum momento ela falou que não tem diferença histórica racial... racismo tá ficando igual feminismo, tem causas certas mas ultimamente parece que está sem o que lutar e inventa qualquer besteira.

  3. B. Ferreira Postado em 07/Aug/2015 às 10:06

    Belíssima reflexão do texto! Eu tenho por mim que a intenção de Fernanda não foi ser racista em colocar suas babás em evidência na foto postada. Mas, como uma mulher inteligente que ela é, faltou sensibilidade em entender que existem mazelas sociais ainda mascaradas, porém, hoje, com a disseminação de conteúdo que a internet porporciona, os temas pautados às ditas 'minorias' (isso pq o negro é o fenótipo em maioria no país, hein?) ganham cada vez mais força e esse tipo de post que ela fez precisa ser evitado. Faltou bastate consciência em entender o contexto no qual grande maioria dos negros são colocados na sociedade e, a partir disso, ter evitado uma polêmica desncesária que, penso eu, não foi aquilo que era queria.

  4. B. Ferreira Postado em 07/Aug/2015 às 10:15

    Cara, ninguém colocou o ponto que ela deve reverter a condição histórica hierarquica. Só foi colcoado que faltou a ela uma reflexão em entender um condicionalismo que perdura na sociedade há muito tempo, demonstrado na foto que ela postou, mesmo afirmando não ter havido intenção de polemizar.

  5. Eduardo Ribeiro Postado em 07/Aug/2015 às 10:20

    "Olhem minhas mucaminhas pretas...trato-as muito bem, não vestem branco, comem na mesa e são praticamente da família". É a colona achando-se a Madre Teresa, a melhor pessoa do mundo, apenas por tratar suas empregadas de forma correta. E isso depois do "só porque eu sou branquinha?". E depois da dancinha do "cada macaco no seu galho". No mínimo, sendo gentil, faltou prudência. Saiu merecidamente como a errada da história. E que foto lamentavelmente ridicula e lamentavelmente tambem elucidativa, didática e lapidar.

    • Deisi Postado em 07/Aug/2015 às 14:56

      Não entendi até agora qual a necessidade de postar fotos das babás, e explicar que não usam uniforme branco. Filhas da amiga, como se fosse da família, praticamente minhas irmãs, confio meus filhos a ela como confiaria a minha mãe, senta a mesa com a família. Quantos argumentos racistas, acho essa moça linda, mas o que tem de linda tem de babaca. Até acho que ela não é racista, mas com a foto, dizendo que serviçais dela não usam uniforme branco e sim "roupas normais", passou a impressão, que é. Não consigo entender o porque a pessoas se expõem tanto nas redes sociais, principalmente pessoas publicas, Dá nisso, polemica!

      • Eduardo Ribeiro Postado em 07/Aug/2015 às 17:16

        É a mesma necessidade de todo mundo que bota foto feito louco em rede social: construir um personagem. Ela acha que merece profunda admiração por...tratar suas empregadas com dignidade. E bota as fotos unicamente pra isso. Ela esperava aplausos e confetes e luzes coloridas. "Vejam como trato bem minhas mucamas pretinhas, sou boazinha...sou generosa...não chicoteio nem deixo passar fome". Como já disse, soa como um "até tenho amigo gay, não sou homofóbico" ou "já namorei uma mulatinha até, não sou racista não". Enfim...se expôs desnecessariamente e como efeito colateral expôs mais do que devia (porque ninguem consegue esconder a própria natureza), e foi criticada por isso. E o histórico dela complica-a demais. É o terceiro episódio em que ela se envolve. E outra coisa: ela MENTE quando diz que suas empregadas/babás não vestem branco. Uma guria linda, deve ser talentosa, competente, porem completamente indefensável.

  6. felipe Postado em 07/Aug/2015 às 10:28

    Quanta babaquice não teve nada de mais na situação, hoje em dia pessoal cheio de dedos se fala é porque fala se nao fala é porque não falou que chatice.

  7. Rodrigo Postado em 07/Aug/2015 às 10:56

    (Outro Rodrigo) "Olha, a gente sabe que a etiqueta de racista não colou, mas vamos criar uma "liçãozinha", pois vai que... Né? Já dá uma balançada, né?"

  8. Markz Postado em 07/Aug/2015 às 11:18

    Ou ela não posta fotos de seus momentos intimos, ou ela não contrata pessoas de confiança que podem ganhar uma grana porque são negras e ela sendo popular pode sair de preconceituosa. Preconceito seria ela ter que obrigatóriamente, por causa de um grupo extremista, contratar só brancos.

  9. Viviane Postado em 07/Aug/2015 às 11:52

    Afff gente chata demais! Reclamariam também se as babás fossem brancas... iam falar que ela é racista por não contratar negros.... na verdade o povo gosta de criticar, esteja vc fazendo o certo ou não... o mimimi é cansativo e o choro é livre....

  10. iran bayma Postado em 07/Aug/2015 às 11:55

    Que o racismo existe no Brasil existe. Não há dúvidas. O sentido deste texto qual é? Isso eu não entendi. É chamar a atenção para o fato de que somente negras são babás no Brasil? E se as babás fossem brancas germânicas, ao lado de crias loiras, diriam o que : Que Fernanda Lima pratica uma espéicie de eugênia laboral, preterindo negras, bucando mão-de-obra ariana para cuidar de seus filhos descendentes de alemães? Ainda assim ela seria racista? Não dá pra entender o sentido desta matéria. Não dá mesmo.

    • felipe Postado em 07/Aug/2015 às 11:59

      PP mando muito mau nessa matéria e a única lição que se aprende é que as pessoas colocam racismo até onde não existe.

    • mauro Postado em 07/Aug/2015 às 15:25

      Mandou muito bem nas suas colocações. Parabéns! Depois esse mesmo povo vem com a aquele discursinho xarope de "ódio".

  11. deisi Postado em 07/Aug/2015 às 14:58

    A madame da marcha dos coxinhas, também levou babá, mas a dela usava uniforme branco!

  12. Felipe Postado em 07/Aug/2015 às 15:05

    A solução é só contratar gente branca para evitar o racismo. Não, péra...

  13. Ecthor Postado em 07/Aug/2015 às 15:11

    para acabar com o burburino por que ela não demite as duas e contrate duas empregadas Brancas !!?!?!?

  14. José Teodoro Costa Postado em 07/Aug/2015 às 19:23

    Antes de ler esta postagem - https:[email protected]/eu-racista-2c19106d1c63 - eu tinha imensa dificuldade em compreender o comportamento racista de brancos contra negros. Aconselho àqueles que desejam sinceramente aprender sobre as formas diferentes pelas quais negros e brancos vêem o "racismo contra negros" que também leiam esta postagem. Sei que o assunto exposto foi pensado para a realidade norte-americana, mas, tanto lá quanto no Brasil OS PRINCÍPIOS QUE REGEM AS PRÁTICAS RACISTAS CONTRA NEGROS SÃO AS MESMAS.

  15. Maurício Postado em 08/Aug/2015 às 01:31

    De fato quando se olha pra foto e se tem um pensamento crítico vem na cabeça a imagem da sinhá branca e suas escravas negras, porém, ainda seguindo com o pensamento crítico sabemos que é errado preferir a contratação de brancos aos negros levando em consideração apenas o seu tom de pele, não temos nenhuma informação se essas trabalhadoras negras estariam recebendo um salário inferior por serem negras, neste caso, pode se tornar perigoso este tipo de acusação de racismo, pois não contratar negros para não ser acusado de racismo pode ser um contra-combate ao racismo. A vdd é que sou branquinho tbm então gostaria de saber a opinião do movimento negro a este respeito, ainda não fui atrás disso e nem topei com nenhum posicionamento deles enquanto leio matérias sobre isso na internet, com certeza a opinião deles é mais válida que a minha que não sofro na pele o preconceito que eles sofrem.

  16. Sérgio Postado em 09/Aug/2015 às 03:09

    Gente, pega mais leve aeh. Deixemos a truculência pra turma do lado de lá. Apesar de não me simpatizar muito com a moça, isso aqui foi um exagero!

  17. Eduardo Postado em 10/Aug/2015 às 17:54

    Se as babás fossem brancas iriam chama-la de racista do mesmo jeito.

  18. Nicolau Postado em 16/Aug/2015 às 17:42

    Nos Estados Unidos o presidente é o negro Obama, mas os negros vivem na mesma merda como antes!

  19. sergio ribeiro Postado em 21/Aug/2015 às 16:18

    A lição que fica é "O Brasil está muito chato". Como já disseram acima, se contratasse brancas, era racista; como contratou negras, é racista; se paga mal é racista e se paga bem e come na mesa com elas é racista porque as explora. Se levantasse a bandeira contra o racismo, seria oportunista; como não levanta, é alienada. Sugiro que a bela Fernanda peça demissão de seu belo emprego e vá vender artesanato; ou melhor, não sugiro para que não a chamem de comunista.

  20. Cristiano Bruno Postado em 02/Sep/2015 às 10:12

    Esse site fala muita merda, mas essa eu não podia deixar de comentar.... Racista é quem ainda faz o q esse site faz, descrimina tudo até onde não pode. Resume-se todo o texto com um pequeno trecho. "Negros não tem oportunidades iguais - Ela está dando oportunidade a 2 negras, mas é racista" Foi isso o q disseram nesse texto ridicularmente preconceituoso. É pq é branca e famosa q as babás dela têem q ser brancas ou se forem negras tem q vestir preto e ficar longe dela? Preconceituoso e RACISTA foi esse post..... Ridículo, completamente 'coxinha reacionário racista' esse post.

  21. Manuella Costa Postado em 30/Jan/2016 às 09:56

    Eu acjo que é exagero. Ora, a mulher contrata quem ela quiser, a pessoa aceita se quiser, v6 deviam postar aqui coisas mais relevantes. Ninguém deve ser obrigado a criar filho de ninguém, mas se a pessoa trabalha e ganha, qual o problema, as atrizes negras tbm precisam de babás, se contratarem uma branca, estarão discriminando as negras que não contrataram? Se contratarem uma negra, estarão, sendo algozes de sua própria raça? Me poupe. E realmente,Fernanda é contratada de uma empresa, a decisão era deles de chamar quem quisesse, mas o funcionário tem que comparecer.

  22. Maria Célia Postado em 04/Mar/2016 às 11:03

    Ela tem de perceber a falta de colegas negros nos desfiles. Nós que não somos deficientes físicos deveríamos denunciar todas as construções que não levam acessibilidade aos deficientes. Nós que não somos obesos deveríamos perceber que os bancos dos coletivos e dos automóveis particulares não possuem a medida suficiente para acomodar quem está muito acima do peso. Alguém faz isto, preocupar-se com o que não é a sua realidade?