Redação Pragmatismo
Compartilhar
Política 01/Apr/2015 às 22:30
25
Comentários

PM espanca manifestante que defendia democracia em ato pró-ditadura

víctor santana ditadura militar

por Marco Blog

Não chores, Víctor. Nós vencemos!

O jovem ator Víctor Santana caminhava com uma mochila nas costas. Estava a caminho do trabalho, nesse sábado dia 28 de março. Na porta do Comando Militar Leste do Exército, ao lado da Central do Brasil, foi surpreendido com bandeiras integralistas, saudações nazistas e um grupo que pedia golpe militar. Eram cerca de 70 pessoas, alguns visivelmente transtornados e agressivos. Olhei pro Vitor e vi que chorava. Muito. Quem sabe pensando em um parente desaparecido ou morto pela ditadura. Não sei.

Também passava por ali, depois de uma manifestação em comemoração aos 93 anos do Partidão e em um gesto solidário segurei no braço dele – ‘Não fique assim, essa gente não significa nada’ – justifiquei. Vitor seguiu em direção ao grupo e eu o acompanhei já prevendo confronto. Disse ao policial que escoltava o grupo que era inconstitucional e criminosa aquela manifestação. Um rapaz se aproximou e gritou a centímetros do meu rosto: ‘você é um viado maconheiro’ e ‘Comunista tem que morrer’. Respondi no mesmo tom e intensidade e chamei atenção do policial: ‘Quero o mesmo direito deles e vou ficar aqui protestando contra a manifestação’.

Lembrei ao policial: ‘Não há intervenção militar com consentimento da Constituição, que define as atribuições das Forças Armadas, subordinadas ao Presidente da República, eleito pelo povo e dono do poder’. Me dirigi aos manifestantes com o megafone: ‘Prestem continência para esse povo que passa aqui em direção a Central, esse povo é que paga seus salários e o das forças armadas’, concluí. ‘É pra eles que vocês devem continência!’

Sob ameaças de agressão física e morte por muitos homens e mulheres da marcha solicitei novamente proteção policial. Victor se negou a sofrer a revista – por que ele e não a mim também que estava com mochila? Minha cor de pele influenciou? Em alguns minutos Vitor foi cercado e levado pela policia. Foi injustamente preso com uso de uma força desproporcional, tendo sido alegado desacato. Um absurdo.

Tentei negociar sua libertação mas ele extremamente nervoso reagiu a violência. Fiquei sozinho e sem saber o que fazer, apenas tomado pela indignação. Victor desapareceu em meio a dezenas de policiais, foi colocado em um camburão e sob aplausos do grupo. Munido de um megafone que havia trazido na mochila do ato que promovemos em Teresópolis naquela manhã, comecei então a enfrentar a marcha, que foram cercados e isolados pelos policiais. Eu é que sou apenas um e eles é que ganham proteção?, me perguntei.

Comecei a convocar e a explicar aos trabalhadores que passavam em direção à Central do Brasil o que estava acontecendo. Uma dezena pelo menos parou. Uma transexual na calçada também enviava gestos e gritos ao grupo. Começamos aos poucos a sufocar e paralisar a manifestação fascista. Cercados pelo cordão de isolamento, alguns faziam gestos obscenos para nossa direção, outros exibiam faixas. Conseguimos depois de uma hora de intenso confronto verbal calar o grupo, que foi se dispensando.

Embora não intencional – não sabia da manifestação e nem conhecia Vitor – a mobilização deu uma resposta aos fascistas. Assanhados pelo êxito das manifestações contra Dilma de algumas semanas atrás, acreditavam que poderiam empurrar a multidão a pauta do golpe. O tom anticomunista dominou o ato, com cantos militares, hinos e os gritos de ordem contra bandeiras vermelhas.

Nasci meses após o golpe militar de 1964 e, quando jovem, a ditadura já estava deteriorada e a esquerda em ascensão. Nunca tinha ouvido ou sofrido agressão por ser de esquerda ou por ser comunista, muito pelo contrário, acostumado ao reconhecimento por tantos anos de ilegalidade e tantas lutas que vencemos. Foi um batismo cruel ver e ouvir que eu era o inimigo que precisa ser destruído e eliminado. Minha geração de militantes jamais viveu essa situação e com sinceridade não sei como enfrentá-la. A direita saiu do armário, está empoderada pelas manifestações, pela bancada que elegeram, pelo crescimento do apoio popular a sua pauta conservadora. Tudo que ganhamos nos últimos trinta anos – esses poucos avanços – está sob risco de desaparecer.

Nossas bandeiras atacadas, nossos militantes atônitos diante do ódio. Eu nunca havia experimentado o olhar do ódio anticomunista, antes sempre adormecido, envergonhado, tímido e trabalhando na escuridão. Minha geração está ainda anestesiada, achando que esses grupos são ainda minoritários e sem futuro. Como já disse Bertolt Brecht, ‘a cadela do fascismo está sempre no cio’. Jamais devemos subestimar esses grupos e seus líderes. A última vez que assim fizemos, amargamos uma grande derrota para a humanidade que foi o nazismo. Hoje foi um dia de comemoração pelos 93 anos do partido em minha cidade.

Hoje foi um dia que aprendi o que outras gerações viveram. E viver esse Partido é viver sua história e entender como foi difícil vencer o fascismo em todas suas versões e roupagens. Retroceder jamais.Vou tentar achar Vitor (só descobri seu nome depois que li a denúncia de sua prisão feita por Chico Alencar) e dizer que vencemos aquela batalha. E que estou à disposição para testemunhar e processar aqueles policiais violentos. E todas as outras que virão vai depender também dele e de todos os camaradas. Vamos enfrentar esse neofascismo com inteligência, estratégia e mobilização. Vamos vencer porque somos a humanidade e eles, a barbárie.

Cenas da prisão de Victor:

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Teixeira Postado em 01/Apr/2015 às 22:45

    É besteira dialogar com fascistas. Agora me entristece muito a polícia ficar do lado dos coxinhas, mal sabem que policial é lembrado por eles só na hora do B.O.

    • André Postado em 01/Apr/2015 às 23:47

      Thiago, não de esqueça que quem odeia a polícia eh a esquerda q tu faz parte...

      • Marcelo Postado em 02/Apr/2015 às 01:48

        mamãe disse para que nos amássemos, não que nos amassemos.

      • Iran Postado em 02/Apr/2015 às 01:50

        A esquerda não odeia a polícia André. A esquerda contesta a polícia. Ódio é coisa de imbecil como você André. A esquerda defende o Estado de Direito.

      • Bruno Postado em 02/Apr/2015 às 01:55

        A esquerda não odeia a polícia.A esquerda reivindica uma polícia que não seja racista,machista e homofóbica.Que aprenda a respeitar e defender a democracia eos direitos humanos.Que prenda a todos os bandidos sem exceção,porém dentro da legalidade democrática.Não uma polícia de moral seletiva que só extermine o pobre,negro e morador da periferia e alivie pro playboyzinho branco,riquinho e mimado.

      • Eduardo Ribeiro Postado em 02/Apr/2015 às 09:35

        Burrice demais achar que a esquerda ODEIA a polícia. Pior que essas lendas, essas mentiras ficam impregnadas, ganham força, aí até explicar que ninguém odeia coisa nenhuma o cara já está te chamando de PTralha, de "defensor de bandidos", mandando aquela baboseira terceiranista de "direitos humanos pra humanos direitos" e mandando você pra Cuba.

      • Eduardo Ribeiro Postado em 02/Apr/2015 às 11:48

        É a cruel e malvadinha "ditadura do proletariado", fala aí..."ditadura bolivariana", não é isso? Tá sertinho.

      • André Postado em 02/Apr/2015 às 23:42

        Aí Iran, ofensa gratuita tb eh coisa de esquerdista, como vc. Depois, eu q sou o imbecil. Dó!

      • Jefferson Michel Postado em 03/Apr/2015 às 07:57

        tu és muito simples pra entender que quem comanda o país é o PMDB, independente de quem estiver no poder

  2. jarau Postado em 02/Apr/2015 às 00:15

    Covardia, assim é que agiam na Ditadura. Policia militar mal preparada ou outra coisa.

  3. Eduardo Ribeiro Postado em 02/Apr/2015 às 09:40

    Imagine o que não acontece longe das câmeras e dos smartphones de centenas, na periferia, na calada da noite. E isso é hoje, 2015. Imagine no auge da ditadura militar o que não acontecia.

  4. Pereira Postado em 02/Apr/2015 às 10:21

    Outro "coitadinho". Indenização já para o provocador !!! Assim como já têm quase 20 mil pessoas mamando de indenizações no governo alegando torturas fictícias durante o regime militar.

    • Pereira Postado em 02/Apr/2015 às 10:22

      Pobijinho !!!!! dá até peninha.... A políica malvada prendeu o anjinho.

    • poliana Postado em 02/Apr/2015 às 11:01

      "torturas fictícias durante o regime militar"!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! caramba, pereira...vc se supera acada dia. qdo eu penso q nada mais me chocará vindo de vc...meu deus..."torturas fictícias durante o regime militar"...ok!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

      • Daniel Postado em 02/Apr/2015 às 11:09

        O cara escreveu outro dia que jesus inventou a propriedade privada. O que esperar?

      • Pereira Postado em 02/Apr/2015 às 11:17

        Dilma nunca foi torturada, nunca fez um exame de corpo de delito. O meu pai que foi radialista nos anos 70 ficou preso 1 dia, numa sala com ar condicionado. houve algumas torturas principalmente de militantes armados. Tem algum exame de corpo de delito disso ? Alguma cicatriz que prove? A única coisa que se tem é a morte de Vladimir Herzog que ainda está mal explicada(muito embora eu acredite que tenha sido por tortura mesmo). Se eu fosse um fingido de esquerda eu iria chorar e me vitimizar por uma indenizaçãozinha do estado porque meu pai ficou preso 1 dia. Isso basta para se configurar tortura ? para esquerdistas sim.

      • Nayara Postado em 02/Apr/2015 às 15:12

        Como é possível tamanha falta de caráter por parte desse Pereira?? É muito desumano negligenciar o sofrimento das pessoas dessa maneira! "Houve algumas torturas.." Por favor né??

      • Jefferson Michel Postado em 03/Apr/2015 às 08:01

        Esse Pereira é um paga pau de zé ruela, pode ver que é coxinha ou filho de um...

    • Eduardo Ribeiro Postado em 02/Apr/2015 às 11:42

      "...torturas fictícias durante o regime militar...". Olha isso. Pereira deve assustar até os próprios reacinhas comuns com esse discurso. É um reaça de outro patamar, um negócio mais hardcore mesmo. É um Bolsonaro 2.0.

      • poliana Postado em 02/Apr/2015 às 14:50

        eduardo, o pereira faz o bolsonaro parecer de esquerda! ele é a pessoa mais ultra direita q eu já conheci (mesmo q virtualmente) na vida. impressionante!

      • Vinicius Postado em 04/Apr/2015 às 22:21

        Ele só quer aparecer, escreve linhas e linhas de sem conteúdo para criar polêmica, e chamar a atenção, exemplos de outros usuários temos José Ferreira,maria, Naro Solbobo,André, Luís e outros. Esse Pereira mesmo já tropeçou nos próprios argumentos várias vezes, vai adiantar argumentar com um indivíduo desse? Sinceramente, as vezes acho que esse pessoal só finge ter esses pensamentos, porque é cada coisa padrão Veja aqui! Cheguei a solução é ignora-los pois só estamos alimentando o ego deles, se os comentários desse Pereira não tivesse tanta repercussão ele já teria vazado daqui a muito tempo. *Outro VInicius

    • Matheus Postado em 02/Apr/2015 às 13:14

      PEGA E LÊ SEU PARASITA http://www.cnv.gov.br/index.php/laudos-periciais

  5. Nayara Postado em 02/Apr/2015 às 15:31

    De toda a bizarrice do vídeo, o que mais me espanta é a falta de conhecimento histórico de quem está com o megafone. "Na china um comunista parou uma linha de tanques.." Oi? Será que ele sabe do que ele está falando?? Vamos lá, né? O chinês que "parou", ou melhor, desafiou uma linha de tanques estava lutando contra uma ditadura dita comunista! Está faltando um pouquinho de história para esses líderes! Mas o mais bizarro de toda a cena é ver o povo aplaudindo, e ler aqui que "Burrice é acreditar nessas lendas de que a esquerda quer democracia e estado de direito. Agora democracia é ditadura e ditadura é democracia." Gentee, se vivessemos em uma ditadura de esquerda, não haveria esse tipo de protesto. E se houvesse, seria como no massacre na praça da paz celestial! E quem sabe o próximo a enfrentar uma linha de tanque não seria o tal Pereira ou Carlos Prado, essas pessoas geniais!

  6. Roger Postado em 02/Apr/2015 às 19:35

    Tinha fdp fazendo saudação nazista e a Polícia agride o rapaz que tá sozinho?! São uma cambada de incompetentes, mesmo! Será que não sabem que apologia ao nazismo é crime?

  7. rosa Postado em 02/Apr/2015 às 22:12

    tá legal, mas o brado pela justiça acabou por aí, ou seguiu para nos informar se ele ainda está preso, se foi solto, se vai ser indenizado, acionaram um advogado para ele? que a imprensa ñ seja passiva!