Redação Pragmatismo
Compartilhar
Saúde 05/Jan/2015 às 17:44
31
Comentários

Mortalidade infantil chega a zero após Mais Médicos no Piauí

Programa ‘Mais Médicos’ zera a mortalidade infantil em municípios do Piauí. Médicos cubanos Olívia Rodriguez Gonzalez e Omar Diaz, professores da Universidade Che Guevara, em Cuba, comemoram o feito e pacientes brasileiros se dizem satisfeitos: “O médico cubano dá atenção a gente, pergunta, fica ouvindo, explica o que gente deve fazer, orienta os exames. Eu achei melhor do que os outros, já fui atendido por vários”

médicos cubanos piauí
Os médicos cubanos Olívia Rodriguez Gonzalez e Omar Diaz (Imagem: MeioNorte)

Os médicos cubanos Olívia Rodriguez Gonzalez e Omar Diaz, professores da Universidade Che Guerava, em sua cidade natal, Pina del Rio, em Cuba, estão trabalhando há um ano no do Posto de Saúde de Barras, na região Norte de Piauí, e sorriem quando falam da conquista em vida que obtiveram no trabalho da atenção básica.

“Há um ano não registramos nenhuma morte de criança e de gestante. Estamos sem mortalidade materna e infantil”, afirmam Olívia Rodriguez Gonzalez e Omar Diaz, no Posto de Saúde de Barras, atuando no Programa Mais Médicos, do Governo Federal.

Esta realidade de redução com a capacidade de zerar a mortalidade infantil e materna se espalhou nos municípios onde o Programa Mais Médicos foi implantando para oferecer atenção básica de saúde onde era difícil a permanência de médicos ou de número suficientes de médicos brasileiros para atender a população.

“Tem sido uma experiência muito boa. Encontramos uma comunidade muito carente, mas acolhedora, pessoas muito sensíveis, muito boas e necessitadas”, relata Olívia Rodriguez.

Segundo ela, as doenças mais frequentes são doenças respiratórias, doenças parasitárias, hipertensão, diabetes. Olívia Rodriguez e Omar Diaz fazem visitas domiciliares aos pacientes de Barras, que são programas e os pacientes atendidos são pessoas que não podem ir ao posto de saúde. São crianças com hidrocefalia, puérperas (mulheres que tiveram bebês recentemente), gestantes, hipertensos e idosos.

“Nós não temos mortalidade infantil, nem mortalidade materna. Temos registros de crianças e mães doentes, mas nenhuma chegou a óbito”, enfatiza Olívia Rodriguez, de tem 30 anos trabalhando como médica. “Isso é uma vitória”, comemora Omar Diaz.

Olívia Rodriguez e Omar Diaz afirmam que trabalhar é diferente de onde trabalharam antes com atenção básica na Venezuela, Paraguai e Paquistão, que não tinham uma rede constituída de atenção primária. “Na Venezuela não tínhamos nada, tudo era precária.

No Paraguai igual, não tinha rede implantada. No Brasil, nós temos uma rede de atenção básica de saúde, não temos médicos, mas temos uma rede criada. Nos outros países foram nós que criamos a rede de atenção primária”, falou Olívia Rodriguez.

Omar Diaz, 23 anos de formado em Medicina, sendo que oito anos trabalhando na Venezuela, avalia como muito boa a sua experiência de um ano em Barras.

“Temos encontrado uma população muito necessitada de atenção médica e todos são muito receptivos porque a população é muito receptiva com os médicos cubanos, fica muito contente com o nosso trabalho, muito compreensiva porque nós estamos ajudando a melhorar a saúde dessa população que estava carente de atenção”, falou Omar Diaz, que encontra crianças com baixo peso e desnutrição, mas não com desnutrição extrema.

Abraços e atenção ajudam na cura dos pacientes

Omar Diaz percebeu que muitos pacientes ficam curados mais rápido com um abraço, um cuidado mais afetuoso e fraterno. As pessoas ficam muito agradecidas.

Omar Diaz afirma que quando estão fazendo visitas domiciliares, os pacientes dizem que nunca um médico foram em suas casas. Pedem desculpas porque não podem oferecer refeição melhor, mas Omar Diaz e Olívia Rodriguez avisam que as famílias estão se alimentando com as mesmas refeições com que se alimentam.

“São pessoas muito carentes e quando vemos as pessoas acamadas e não podem caminhar, elas ficam muito contentes porque elas falam dos problemas de saúde que têm e nós também falamos muitas coisas. Essas pessoas ficam muito agradecidas”, fala Omar Diaz.

Omar Diaz afirma que abraçar e ouvir o paciente ajuda psicologicamente os doentes e em sua cura.

“As pessoas que estão acamadas ficam depressivas. A gente fala com elas, falamos que vão melhorar a saúde. Essas pessoas ficam psicologicamente animadas, é a palavra do médico animando o paciente. Isso ajuda na cura”, diz Omar Diaz.

“Tem pacientes que dizem que bastou o médico olhar e já melhoraram. Dizem: ‘esse médico me olhou e eu já me senti bem”, afirma Olívia Rodriguez.

“Quando o médico fala, conversa é muito importante para o paciente e também é muito importante o médico escutar o que o paciente fala. Isso é muito importante para a recuperação e melhorar ao paciente”, falou Omar Rodriguez.

Médica cubana faz terapia contra vício em medicamentos

A médica cubana Olívia Rodriguez Gonzalez iniciou um trabalho com 42 mulheres de uma comunidade da periferia de Barras com atividades fisioterápicas com 42 mulheres para que rompam o ciclo fármaco, vício de medicamentos para dormir, medicamentos ansiolíticos usados como tranquilizantes e contra ansiedade.

O ciclo fármaco é formado por medicamentos como o diazepan, rivotril, contra insônia, antidepressivos e ansiolíticos.

“O resultado é que as mulheres não tomam mais cinco medicamentos que tomavam, estão mais alegres, perderam peso. São 42 mulheres integradas nas atividades fisioterápicas”, falou Olívia Rodriguez.

O trabalho é realizado com mulheres do bairro Residencial Morada de Barras. São realizadas atividades físicas com as mulheres. A coordenadora de Atenção Básica de Barras, Saara Serafim, disse que o trabalho dos médicos cubanos é muito positivo no município.

“Foram muito bem recebidos pela comunidade. Hoje nós temos médicos pela manhã e tarde de segunda-feira a quinta-feira atendendo os pacientes da maneira adequada e a população está muito satisfeita.

Já estamos até ampliando a rede de atenção básica. Nós começamos com 17 equipes e nós estamos com 19. Graças a Deus estamos conseguindo isso porque, antes, nós tínhamos dificuldades com médicos porque eles só atendiam duas vezes na semana”, falou Saara Serafim, adiantando que chegou a ficar seis meses sem médicos para atender a população na atenção básica. Hoje Barras tem seis equipes do Programa Mais Médicos.

“A médica pergunta, fala e sorri”, diz vendedora em Piripiri

A lavradora e vendedora Maria Aparecida Ferreira, de 48 anos, estava sendo atendida no Posto de Saúde João Mariano dos Santos, no bairro Caixa D´Água, em Piripiri.

Ela vinha sendo atendida por um médico cubano que viajou de volta para Cuba e foi substituído por outra médica cubana, Maritza Duquen Labore.

Maria Aparecida Ferreira diz que os médicos cubanos dão atenção ao paciente, fazem perguntas, ficam ouvindo o que o paciente tem a dizer e sorriem.

“O médico cubano é melhor, ele dá atenção a gente, pergunta, fica ouvindo, o explica o o que gente deve fazer, orienta os exames. Eu achei melhor do que os outros, já fui atendido por vários médicos.

Os outros médicos não falavam, nem olhavam para a gente, não dava atenção, só escrevia no papel. O médico cubano ouve a gente, fala, sorri. Foi melhor, eu adorei”, falou Maria Aparecida.

A estudante do curso de Administração na Universidade Estadual do Piauí (Uespi) Laiana Moreira, de 25 anos, faz acompanhamento e controle de sua diabetes no Posto de Saúde no bairro Caixa D´Água, em Piripiri, e é atendida por médico cubano do Programa Mais Médico.

“O tratamento é mais adequado, o médico cubano dá atenção, avalia o nível de glicemia (taxa de açúcar no sangue), faz exames. A diferença entre os médicos cubanos e os outros é grande.

Eles são mais atenciosos. Dão mais atenção, perguntam o que a gente está sentindo, já os outros não, só passam os exames. Os médicos cubanos perguntam antes de pedir e autorizar os exames”, fala Laiana Moreira.

Efrem Ribeiro, Meio Norte

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Vinicius Postado em 05/Jan/2015 às 18:38

    Os médicos Brasileiros só estão interessados no poder deles e no dinheiro, com raras exceções. O Cubano já não se preocupa com o dinheiro e sim com o bem estar do paciente. Poderia ter uma segunda fase dos " Mais Médicos" além de melhorar o atendimento médico da população , queria ver os Médicos Brasileiros e mídia enlouquecendo.

    • Eduardo Postado em 05/Jan/2015 às 20:36

      http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2015/01/mafia-das-proteses-coloca-vidas-em-risco-com-cirurgias-desnecessarias.html Até concordo que a tebela SUS pode até ser insuficiente, mas prescrever cirurgias sem necessidade para ganhar mais, é jogar com a vida alheia, isto é crime doloso.... vamos ver o desfecho....

      • walter Postado em 06/Jan/2015 às 18:22

        Eduardo, concordo, mas como expliquei abaixo. Nossos médicos são melhores que os Cubanos e AMBOS trabalham por prazer E POR DINHEIRO. Agora não sejamos preconceituosos, péssimos profissionais existem em TODAS as profissões. Essa máfia deve ser contida e punida, mas jamais devemos generalizar uma classe pelo erro de alguns. Abraço

    • walter Postado em 06/Jan/2015 às 18:13

      Cubanos trabalham por dinheiro, muito dinheiro, basta saber que a cotação da nossa moeda comparada a falida cuba faz com que a família do médico consiga viver muito bem com o pouco que sobra do dinheiro que não é retido por cuba. Quanto ao valor gasto pelo brasil, 10 mil reais, porque o governo não oferece o mesmo aos médicos brasileiros já que melhoraria a balança comercial, nossos médicos são mais capacitados e, enfim, são brasileiros? Pergunto respondendo. Cuba não tem tribunal de contas, quanto vai para lá e fica no bolso de fidel ou de seus companheiros ninguém saberá.

      • Raimundo Postado em 09/Jan/2015 às 20:10

        Acredito que deveriam incluir na grade a disciplina de humanização, para ensinar nossos alunos que eles trabalharão com pessoas doentes e emocionalmente fragilizadas. Já fizemos campanha para humanização do parto , então deveríamos fazer algo para a humanização dos médicos brasileiros.

      • Geraldo Fraga Postado em 07/Feb/2015 às 11:37

        As vagas só foram oferecidas a estrangeiros porque os brasileiros não queriam ir para estas cidades. O valor era o mesmo 10 mil reais.

      • Mauricio Taveira Postado em 29/Mar/2015 às 11:31

        De que planeta você vem? Os brasileiros ganham o mesmo salário que recebem os cubanos. E dizer que a premiada medicina cubana é pior do que a nossa medicina mostra somente a sua ignorância nesse quesito.

  2. Eduardo Postado em 05/Jan/2015 às 20:34

    "Abraços e atenção ajudam na cura dos pacientes Omar Diaz percebeu que muitos pacientes ficam curados mais rápido com um abraço, um cuidado mais afetuoso e fraterno. As pessoas ficam muito agradecidas." Carinho, nos momento de dor o carinho é um senhor remédio, e esses médicos sabem disto.

  3. Luna Postado em 05/Jan/2015 às 21:08

    O que temos de fazer é agradecer a esses "anjos cubanos", muito obrigado por cuidarem desses bravos brasileiros!!!

  4. Claudio Postado em 05/Jan/2015 às 21:23

    Enquanto isso, os médicos da elite , os coxinhas e o povo metido a besta, criticando e achando que pobre não tem direito à saúde.

    • poliana Postado em 06/Jan/2015 às 13:49

      Quem vive de mimimi eh o eleitorado tucano moço..so vc n enxerga isso. Típico. E o mimimi (de sua parte tb) continua...

  5. Jane Silva Postado em 05/Jan/2015 às 21:54

    Não dá para acreditar em qualquer informação sem fundamentação. Onde está a estatística oficial sobre o assunto?

    • Thiago Teixeira Postado em 06/Jan/2015 às 08:22

      Tomara que seja mentira, não é mesmo? Uma boa taxa de mortalidade infantil para o Piauí seria 200 mortes por mil nascimentos e Cubanos trancafiados em Cuba e apodrecendo, ai sim. Correto?

  6. carlos Postado em 06/Jan/2015 às 09:58

    Nossa, esses médicos cubanos são melhores que os pastores da Universal. Em vários casos, como relata a reportagem, basta um olhar ou um abraço para que os enfermos melhorem e até nem precisem mais tomar medicamentos. Esse tipo de assistência é fundamental para países subdesenvolvidos, como Brasil, Venezuela, Paraguai etc

    • poliana Postado em 06/Jan/2015 às 13:48

      Naro, nem diante dessa noticia vc consegue reconhecer um ponto positivo de um programa social criado pelo pt!? Vc acha o q? Q essa noticia eh mentira? Q n houve qq redução da mortalidade infantil no piauí? O q vc quer? Torcer pra q tudo dê errado msmo? A pobreza tem q continuar e pobre n merece qq direito? Eh isso o q vc quer? N pode agir de forma racional nem um momento e reconhecer q uma determinada politica publica está dando certo? Vc n consegue ao menos reconhecer isso?

    • poliana Postado em 07/Jan/2015 às 10:57

      Naro, se vc ler o texto direito, verá q a materia diz q a mortalidade infantil foi zerada em alguns municípios do piauí, e n em todo o estado! Inclusive o municipio em questão, e barras, uma cidade q fica no norte do piauí! Em nenhum momento diz q foi erradicada a mortalidade infantil em todo o estado. Vc me chama de eskerdopata, mas sua ojeriza ao pt eh tão grande q vc acha q qq merito do partido eh uma invenção, uma maquiagem nas estatisticas. Vc e todos os eleitores tucanos simplesmente acham q o gov do pt n tem qq merito e tudo eh invenção dos sites de esquerda. Pelo amor de deus...custa reconhecer, mesmo diante de tantos problemas, q algo esta dando certo? Custa ne? Eh tudo mentira..

    • Anilton Moccio Postado em 08/Feb/2015 às 14:37

      Você é mais daqueles que tiraria zero no ENEN.

  7. Rosali Cantlin Postado em 06/Jan/2015 às 17:53

    Naro, é nossa opção acreditar, como é sua opção duvidar. Os médicos cubanos são melhores para o povo ,sim. Porque conhecem a pobreza de perto, estudaram por amor, não para fazer dinheiro e ter status. A cultura deles é diferente. Eles são mais comprometidos com o trabalho que fazem e tratam os pacientes como seres humanos, porque se sentem iguais. Não têm complexo de superioridade em relação aos pacientes, como a maioria da máfia branca brasileira. Se você não sabe que, para uma pessoa triste e deprimida, um abraço é o melhor remédio, azar o seu. Você não sabe o que é o verdadeiro amor. Viva a com sua amargura e descrença e seja feliz!(se conseguir)

    • walter Postado em 06/Jan/2015 às 18:30

      Rosali, eles não trabalham por amor aos brasileiros, mas por amor a sua família que mora em Cuba que precisa deles para sobreviver e com a valorização do real frente a moeda cubana, o pouco que resta do que não cai no bolso do Fidel ou de seus companheiros de Cuba ou fora dela consegue fazer com que vivam uma vida digna. Ou seja, para eles, mil pesos cubanos valem os mesmos 10 mil reais.

      • Marco Postado em 09/Jan/2016 às 17:05

        Se não fosse o dinheiro que fica retido para "o Fidel' não haveria o sistema de saúde cubano como ele é, servindo ao povo cubano e ao mundo. Como disse o comandante " me condenam, não importa, a história me absolverá".

    • walter Postado em 06/Jan/2015 às 18:38

      Só trabalha por amor quem não precisa de dinheiro ou não tem quem dependa de sua renda. O resto, nós do baixo clero e assim como os médicos, precisam de dinheiro para sustentar os seus filhos e dar a eles o que a corrupção deste governo tomou: saúde, segurança e educação de qualidade.

  8. Antônio Carlos Postado em 06/Jan/2015 às 21:28

    Esse site já foi melhor... Uma simples procura no DATASUS - que recomendo que todos olhem os dados com os próprios olhos - já mostra uma redução no município de Barras em 1950% da mortalidade infantil entre 97 e 2008, época que não havia nenhum cubano. De 38 em 1997 mortes foi para apenas 2 em 2008. O impacto maior foi dos médicos brasileiros aí... vamos dar o braço a torcer.

    • Patric Postado em 13/Jan/2015 às 13:50

      'Redução de 1950%' doeu eim! Isso chega a ser mais feio que a pergunta que o autor da reportagem fez para a Dilma sobre a sua sexualidade. Chega a ser mais ignorante que ele dizer que os cubanos curam pacientes com abraços e chega a ser mais sensacionalista que dizer que os cubanos curam pacientes 'só de olhar pra eles' E eu, na minha ignorância, achando que depois que se reduz 100% de alguma coisa, não sobraria mais nada para reduzir ou para qquer outra coisa... O autor da postagem acaba de reinventar a matemática e a estatística! Mitou!

    • Patric Postado em 13/Jan/2015 às 16:42

      Feita a simples procura no DATASUS, achei curioso o autor dessa postagem excluir 1996 dessa 'estatística pessoal' que ele criou, pois, no ano de 1996 o número de mortes infantis também foi de 2. Isso deve ter bugado a cabeça do colega, vai saber quanto isso daria nesses cálculos percentuais fantasiosos que ele faz! Olhando os dados COMPLETOS do DATASUS, conforme recomendou o autor da postagem, descobrimos que além de "sansacionalisticamente" reinventar a matemática e a estatística, ele MENTIU sobre os números! Está lá para qualquer um acessar: - Mortalidade Infantil em Barras, ano a ano (segundo o DATASUS): 96: 2 97: 35 98: 15 99: 15 2000: 28 2001: 27 2002: 25 2003: 24 2004: 11 2005: 17 2006: 22 2007: 18 2008: 12 2009: 11 2010: 9 2011: 13 2012: 9 Mau caratismo desse cara, não?! E seguindo a matemática dele mesmo, creio que de na realidade, no período que ele salienta, a mortalidade infantil teria sim aumentado em 34223094094 vírgula 600% !

    • Anilton Moccio Postado em 08/Feb/2015 às 14:40

      Redução de 1950%? você derrubou todos os matemáticos de todos os tempos, rsrsrsr, brincadeira, hoje é domingo.

  9. GustavAB Postado em 08/Jan/2015 às 19:54

    o índice de mortalidade infantil não é zero nem no país com o melhor índice DO MUNDO e vcs ainda soltam um título totalmente manipulador desse.Sério, chega a ser sacanagem.Vamos ver se vcs aceitam liberdade de expressão deixando que meu post apareça. Aqui está o link dos países por mortalidade infantil: http://en.m.wikipedia.org/wiki/List_of_countries_by_infant_mortality_rate

  10. Ana Cordeiro Postado em 09/Jan/2015 às 09:56

    A mortalidade infantil já vem diminuindo conforme citou o colega com os médicos brasileiros não foi o PT quem diminuiu . O PT mente e manipula notícias para se autopromover e vcs petistas caem como um patinho. Notícia sem fonte, sem credibilidade só um blá blá blá é isso. Eu torço para que o Brasil dê certo sim apesar do PT. Pq estamos de olho e não vamos permitir mentiras e roubalheiras.

  11. Gustavo Horta Postado em 31/Mar/2015 às 07:49

    Eita! Dá-lhe fascistas da direita!! Não se pode relaxar ou descuidar pois os estadunidenses estão a patrocinar com gente da CIA toda a sacanagem! >> http://www.diariodocentrodomundo.com.br/o-lider-do-vem-pra-rua-trabalhou-para-uma-especie-de-cia/

  12. Sérgio César Júnior Postado em 31/Mar/2015 às 12:36

    Ninguém que critica ou é a favor de investimentos na saúde deve proibir, ou obstruir a presença dos médicos Cubanos, pois são os únicos que além de não discriminar por orgiem social e nem por racismo, algum ser humano que precisa de seu atendimento. No contrário muitos dos médicos Brasileiros, não são capazes de usar o seu ofício, para salvar pessoas e animais ou prevenir doenças, as pessoas que vivem em regiões distantes das capitais. A perversidade dos srs. Eduardo Cunha (PMDB-RJ), Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) e Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) é acabar com os mais médicos e o SUS, para favorecerem a lucratividade dos planos privados de saúde. Muita gente se ilude de ser atendida num convênio e no entanto, quando realmente precisam de ser tratadas, operadas e internadas, os convênios transferem estas pessoas para os hospitais públicos do País. Alegando carência no pagamento e que o plano não cobre esta tal carência. Ninguém percebeu isso?

  13. Luiz Parussolo Postado em 13/Aug/2015 às 23:39

    Agora ficou fácil tem aborto acompanhado. Também, né!

  14. Léo Bold Postado em 22/Aug/2015 às 14:24

    Bom... Tem lugares que não nasce ninguém pois não tem hospital. Mas um lugar que não morra ninguém, é difícil....