Redação Pragmatismo
Compartilhar
Corrupção 25/Nov/2014 às 18:35
8
Comentários

A Operação Abafa dentro da Lava Jato

aecio neves fhc psdb corrupcao

Antonio Lassance, Carta Maior

Primeiro, foi o mensalão. Agora, é o “petrolão“. Em ambos os casos, o esquema de desvio de dinheiro público foi inventado desde o governo tucano de FHC – pelo menos -, mas só descoberto quando vieram os petistas.

Estamos aguardando Aécio Neves, que além de Senador é agora comentarista político do Jornal Nacional, aparecer no estúdio para confessar que continua com a ideia fixa de que tudo o que o PT fez e ampliou começou com FHC.

Há gente muito otimista quanto ao desfecho do atual escândalo, na linha de que não sobrará pedra sobre pedra e que todos serão tratados igualmente pela Polícia Federal do Paraná, pelo Ministério Público e pela Justiça.

Poderíamos citar Dante e sua Divina Comédia para recomendar a todos que deixem a esperança na porta, ao entrar; mas a situação combina mais com o bordão do compadre Washington (aquele do “sabe de nada, inocente”).

Pouco adianta a constatação do Ministério Público de que o esquema que assaltou a Petrobras existe há pelo menos 15 anos.

Se não houver a devida investigação para dar nome aos bois do período FHC, a constatação cai no vazio – ou melhor, na impunidade.

O problema não é se vai sobrar pedra sobre pedra, mas para onde serão dirigidas as pedradas, se é que alguém ainda tem alguma dúvida.

A apuração feita pela Operação Lava Jato não é neutra. Os investigadores da PF encarregados do caso não são neutros, muito pelo contrário.

A maioria é formada por um grupo de extremistas que foram flagrados em redes sociais vomitando comentários raivosos e confessando suas opções partidárias.
Se dependermos dessa gente diferenciada, não teremos Estado de Direito, mas Estado de direita.

O Código de Ética da associação nacional dos delegados da PF proíbe a seus membros a manifestação de preconceitos de ordem política. Mas alguém acha que esses vão sofrer qualquer reprimenda?

Alguém imagina que os deslizes, considerados ao mesmo tempo graves e primários por gente séria da própria PF, terão a punição que foi aplicada ao ex-delegado Protógenes Queiroz, que cometeu o crime hediondo de prender um banqueiro?

O PSDB tem sido zelosamente preservado nessa “investigação” que deveria feita na base do doa em quem doer. Balela.

A operação Lava Jato é só para petistas e, no máximo, para os peemedebistas. Para tucanos, impera a Operação Abafa.

O senador Álvaro Dias e o deputado Luiz Carlos Hauly, ambos tucanos do Paraná, citados por delatores, até agora estão absolutamente preservados.

O nome de Sérgio Guerra, ex-presidente do PSDB, já falecido, apareceu menos como uma revelação do que como um “boi de piranha”. Guerra já não pode confessar nada nem sob tortura.

PT e PMDB têm seus operadores. O PSDB também, mas onde estará o infeliz? Certamente, por aí, limpando sua conta e seus rastros.

Quase metade da lista de políticos citados pelos delatores é formada por apoiadores da campanha de Aécio Neves em 2014.

A sina persecutória dos delegados paranaenses chegou ao ponto de incriminar o atual Diretor de Abastecimento da Petrobras, José Carlos Cosenza, sem qualquer prova, sem sequer testemunho. O crime do diretor estava apenas na pergunta dos investigadores.

Até mesmo um ex-diretor da PF nomeado por FHC considerou o episódio contra Consenza o cúmulo do absurdo, conforme relatado pelo jornalista Ilimar Franco em sua coluna.

Isso não se faz, a não ser com segundas e terceiras intenções. Não foi erro material”, como os investigadores alegaram, nem mera trapalhada, foi obra do comitê eleitoral da campanha tucana de terceiro turno.

As tartarugas do ministro da Justiça

Das duas tartarugas que o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, tinha que cuidar, uma já fugiu; a outra está escondida debaixo de seu nariz.

A defesa da autonomia da Polícia Federal, que é de uma obviedade gritante, não resolve uma dúvida crucial: a PF do Paraná tem autonomia para varrer a sujeira do PSDB para debaixo do tapete, ao sabor da preferência partidária de alguns investigadores?

Está claro que o comando da PF no Paraná tem autonomia suficiente para não ser aparelhada pelo PT, nem pelo PMDB, mas pode gozar de autonomia para ser aparelhada pelo PSDB?

Se depender do ministro Cardozo, claro que sim – é para isso que serve a autonomia – para que qualquer órgão público faça o que bem entender, com base nas conveniências de seus servidores.

Por sorte, ao alargarem o tamanho do escândalo, para que ganhasse ares superlativos – suficientes para serem aproveitados por uma oposição que, incapaz de ganhar eleições presidenciais, só vê saída no impeachment -, os investigadores cometeram um erro crasso. Comprometeram todo o sistema político. Excelente ideia.

A rigor, todo aquele que recebeu doações de qualquer dos envolvidos no escândalo deveria ter seu mandato cassado.

Considerando que a Polícia Federal paranaense chegou à conclusão de que não existe almoço grátis, de cada 10 parlamentares eleitos, pelo menos 4 deveriam ser impedidos de assumir o mandato. Agora, ou vai ou racha.

A investigação que Gilmar Mendes determinou que se faça contra as contas da campanha de Dilma, com uma força tarefa formada por TCU, Receita Federal e Banco Central, deve ter uma similar para Aécio e todos os demais candidatos, à exceção dos do PSOL, PSTU e PCO – os únicos que se livraram do pavoroso expediente de receber “doações” de empresas.

É uma pena que o anticomunismo dos investigadores encarregados da operação os impeça de chegar à conclusão, em seu relatório, de que ninguém presta na política nacional, salvo os comunistas. Todos os demais partidos, nessa lógica, estão infestados de ladrões.

Se negarem vinculação com o PSDB e continuarem a recusar simpatia aos comunistas, aos delegados paranaenses restará apenas o movimento Punk – se for essa a opção, contarão doravante com meu respeito.

Anedotário do Gilmar

Em qualquer escândalo, quem quer desviar para longe o faro da imprensa precisa dar carne aos leões. Só assim se consegue conduzir o olhar para longe de quem se quer proteger e em direção a quem se quer atacar.

Pela milésima vez, uma operação-abafa é feita para esconder a sujeira da corrupção praticada pelo PSDB para debaixo do tapete, tal como foi feita com os mensalões do PSDB e do DEM, com o apoio do oligopólio midiático.

No STF, o ministro Gilmar Mendes vai na mesma linha. Mantém trancada há sete meses uma decisão que já conta com maioria do STF para abolir o financiamento empresarial de campanhas. Com Natal, Ano Novo e Carnaval, a decisão sequestrada por esse pedido de vistas fará aniversário em breve.

Não satisfeito, o ministro ainda se deu ao luxo de nos brindar com a piada, contada com sua voz de coveiro, de que o mensalão deveria ter ido para o juizado de pequenas causas.

A gracinha ocupou as manchetes como se fosse um desabafo, quando não passa de deboche com as instituições.

O anedótico Gilmar Mendes finge que o problema não é com ele, nem com o financiamento de privado, nem com empreiteiras, nem com corruptos que são sócios de políticos e partidos. O único problema – dele, pelo menos – é com o PT. O resto pouco importa.

No exato momento em que Gilmar fazia sua graça, a segunda tartaruga sob os cuidados de José Eduardo Cardozo fugia velozmente em plena Esplanada dos Ministérios.

Enquanto isso, tucanos e democratas continuam se fazendo de freiras castas pregando no bordel, mas sem dispensar as notas dobradas das empreiteiras, presas em suas apertadas calcinhas.

Mas que fique bem claro: não são calcinhas vermelhas, são pretas. Aí pode, sem problema.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Jefferson Vingador Postado em 25/Nov/2014 às 23:11

    Belo texto! Os dois últimos parágrafos me fizeram rir tanto, mas logo depois veio a tristeza por perceber que essas pessoas abomináveis estão afundando cada vez mais nossa pátria. Esse Gilmar Mendes e a própria visão do diabo, lamentável como este elemento ainda ocupe tão importante cargo!

  2. Nilson Postado em 26/Nov/2014 às 08:28

    Texto impecável, Antonio Lassance foi muito feliz e claro em sua reportagem, mostrando de maneira muito fácil como as coisas se desenvolvem no submundo.

  3. Rodrigo Postado em 26/Nov/2014 às 09:15

    Gostei do "dar carne aos leoes". Texto irretocavel, parabens pelas metaforas, pelo talento e lucidez.

  4. Fernando Postado em 26/Nov/2014 às 10:48

    Se a corrupção fosse extinta em todo o país e só sobrassem os corruptos Paranaenses, ela se espalharia novamente, mais forte, mais articulada, mais dissimulada, mais hipócrita. Lá é a terra da bandidagem de colarinho branco metida à besta. Juram qye são europeus embora passem muito mais por colonos de tamanco e nouveau riches sem aplombe. Há poucos anos todos os deputados estaduais - com exceção de uma meia dúzia e todos ligados ao PT ou à esquerda - estavam enrolados em desfalques que vinham se acumulando há anos naquela casa. O Banestado foi a maior lavanderia de dinheiro sujo do país capitaneada por Jaime Lerner e sua máfia judaico-sionista que assaltaram o poder do estado de 1996 a 2002. Foi no Paraná, nesta época, que os trens da Petrobras descarrilaram, que os navios e oleodutos da Petrobras foram sabotados no Porto de Paranaguá e na serra do mar para desmoralizar a empresa e jogar o valor das ações no ralo, tudo na época em que FHC - "cumpanheiro" de Lerner - entregou o comando da estatal nas mãos de seu genro, também judeu sionista, encarregado de fazer o serviço sujo da privatização forçada pela sabotagem. É no Paraná que pessoas, especialmente crianças, desapareciam misteriosamente e em cujo desaparecimento estavam envolvidas autoridades de todos os escalões e cujo destino destas criaturas foi o pior possível: seus corpos eram comercializados por contrabandistas de órgãos humanos israelenses. Sem contar os inúmeros desaparecimentos de crianças e jovens sacrificados em rituais de magia negra encomendados por... autoridades. Os crimes nunca foram plenamente solucionados. Foi o senador Álvaro Dias que melou a CPI da CBF no início dos anos 2000 porque a sujeira estouraria no Atlético Paranaense - time do coração de Lerner e Álvaro Dias e uma das grandes lavanderias do dinheiro sujo da CBF na época - cujo presidente Petraglia (é assim mesmo o nome do sujeito, não é brincadeira, não!) está envolvido em toda sorte de falcatruas envolvendo o clube e dinheiro público. Foi no Paraná que o rabino da sinagoga de Curitiba publicou há alguns anos, após descobrir que alguns milhões do fundo de amparo aos velhinhos tinha desaparecido nas mãos de senhoras de políticos de alta estirpe, que daria nomes e fatos que mudariam o curso da história da cidade, do estado e do país devido ao seu caráter nebuloso se por acaso o dinheiro não fosse desenvolvido. Corrupção, pretensão e provincianismo naquela terra vicejam mais que os enormes campos de soja. E adoram falar mal do restante do país...

    • Alexandre Postado em 26/Nov/2014 às 11:12

      Atletico Paranaense time de coracão do Lerner ? Tá sabendo bem hein!!! Lerner é coxa branca rapaz!!! Tanto que na inauguracão da arena "meio-estádio" em 1999 a torcida interrompeu o discurso de lerner cantando "atirei o p nos coxa!!!" E que ódio é esse em relacão aos paranaenses ? não é questão de jurar ser europeu, é mero acaso de grande parte da população, sou neto de poloneses mesmo, casado uma baiana filha de espanhóis... e definitivamente isso não significa muita coisa pra mim, afinal de contas sou Brasileiro. Pelo jeito andou lendo a "privataria tucana" para falar com tanta propriedade do Paraná. Desculpe a curiosidade, de qual estado perfeito que o senhor nasceu ? Queria conhecer esse estado que deve ser livre de corrupção... É pra acabar mesmo, fanaticos politicos sofrem de verborréia aguda na grande maioria das vezes!!!

  5. Alexandre Lopes Postado em 26/Nov/2014 às 11:06

    De fato, texto muito bem escrito . Com elegância e comprometimento com os fatos .

  6. Alves Postado em 26/Nov/2014 às 11:57

    Aqui o remédio é paredão ate a 4ª geração. Pegar e matar os filhos desses safados pra não aproveitarem heranças e produtos de roubos de suas famílias ou pra gangue que trabalharam! Se condena pessoas por roubo de migalhas e por cumprirem a LEI, e no entanto não querem cumprir e ainda usam de artifícios adquiridos por força da mesma ressalvas criadas por eles para poder garantir fórum privilegiado! É muita cara de pau desses caras.

  7. Mallu Postado em 26/Nov/2014 às 12:19

    Texto maravilhoso, todos deveriam ler este estudo sobre a operação lava-jato e sua irmã renegada, a operação Abafa.