Redação Pragmatismo
Compartilhar
Eleições 2014 26/Oct/2014 às 10:43
17
Comentários

Revista Veja publica direito de resposta de Dilma

Revista Veja cumpre decisão judicial e publica direito de resposta após divulgação de reportagem caluniosa contra Dilma Rousseff e Lula. Leia a íntegra do texto do direito de resposta

A revista Veja publicou na madruga deste domingo 26 o direito de resposta concedido ao PT pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em relação à reportagem de capa da semanal desta semana. A matéria afirma que a presidenta Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula sabiam do esquema de corrupção da Petrobras.

O ministro Admar Gonzaga, do TSE, concedeu na noite de sábado 25 o direito de resposta por considerar que a publicação não teve “qualquer cautela” e transmitiu a acusação de “forma ofensiva” e em “tom de certeza”. “Fácil perceber que a revista Veja desbordou do seu direito de bem informar para, de forma ofensiva e sem qualquer cautela, transmitir ao seu grande público, em tom de certeza, acusação de que Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva tinham ciência de fato criminoso sobre um dos badalados temas desta campanha presidencial”, afirmou na liminar.

Mais cedo, o mesmo ministro decidiu atender outra liminar que proíbe a Editora Abril, responsável pela publicação da revista Veja,de veicular publicidade da última edição em rádio, televisão, outdoor e propaganda paga na internet. “Tendo em vista que a Representada (revista Veja) antecipou em dois dias a publicidade da revista, entendo que a propagação da capa, ou do conteúdo em análise, poderá transformar a veiculação em verdadeiro panfletário de campanha, o que, a toda evidência, desborda do direito/dever de informação e da liberdade de expressão”, justificou Gonzaga.

Leia a íntegra do direito de resposta de Dilma Rousseff:

VEJA veicula a resposta conferida à Dilma Rousseff, para o fim de serem reparadas as informações publicadas na edição nº 2397 – ano 47 – nº 44 – de 29 de outubro de 2014.

“A democracia brasileira assiste, mais uma vez, a setores que, às vésperas da manifestação da vontade soberana das urnas, tentam influenciar o processo eleitoral por meio de denúncias vazias, que não encontram qualquer respaldo na realidade, em desfavor do PT e de sua candidata.

A Coligação “Com a Força do Povo” vem a público condenar essa atitude e reiterar que o texto repete o método adotado no primeiro turno, igualmente condenado pelos sete ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), por terem sido apresentadas acusações sem provas.

A publicação faz referência a um suposto depoimento de Alberto Youssef, no âmbito de um processo de delação premiada ainda em negociação, para tentar implicar a Presidenta Dilma Rousseff e o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva em ilicitudes. Ocorre que o próprio advogado do investigado, Antônio Figueiredo Basto, rechaça a veracidade desse relato, uma vez que todos os depoimentos prestados por Yousseff foram acompanhados por Basto e/ou por sua equipe, que jamais presenciaram conversas com esse teor.”

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. David Postado em 26/Oct/2014 às 11:29

    A Veja ao cavar a sua própria cova está fazendo um grande favor à população brasileira.

  2. KARINA BB Postado em 26/Oct/2014 às 11:40

    Quem acessar o site da veja tera a impressao de estar acessando o site de campanha d Aecio,vergonhoso o que essa revista faz,minha indignaçao é a seguinte : pq a veja nao declara sua preferencia pelo candidato abertamente,pronto !!!seria muito mais honesto agir assim,nesse caso as pessoas nao teriam mais a veja como fonte de informacao,e ,logicamente,so os adeptos de tal candidato a teriam como parâmetro,sinceramente ,é revoltante e cada vez mais dificil obter informacoes isentas,gostaria de abrir a ceja (eu nao compro esse lixo) e ver estampado:aecio é processado por desvio d verbas na saude de minas,junto às denuncias contra o PT

  3. KARINA BB Postado em 26/Oct/2014 às 11:47

    So mesmo uma pessoa louca pra achar que vai estar bem informado lendo essa revista e assistindo a Globo,engraçado que a armaçao é previsivel,sai na veja,a globo reproduz e o candidato da entrevista " indignado " ahhh vao pra PQP q mania de subestimar a inteligencia das pessoas,Ciro Gomes deu um belo exemplo desmoralizando o constantino,,é tipo dos direitistas "tem que enxugar a maquina publica",,,,enxugar como,onde !!!!!!! Se faltam funcionarios publicos,extinguir ministerios !!!! Quais ??????????????? Porra depois o eleitor do PT que é burro

  4. sergio pinto Postado em 26/Oct/2014 às 12:25

    Carlos Prado, pelo ser argumento então sua opinião não serve por ser você eleitor de Aecio? Atenha-se aos argumentos, meu caro.

  5. KARINA BB Postado em 26/Oct/2014 às 12:27

    Carlos prado,FDSE vc e a veja ,quero mais essa revista va à falencia e leve a globo junto,coloque o psdebosta la e tu vai ver o que é ditadura ,,,sabe d nada inocente,vc vai estar se fudendo e a imprensa noticiando o mundo maravilhoso dos tucanalhas,tudo cor de rosa,enqyanto isso o pivo tomando do rabo sem vaselina e sem direito d reclamar

    • kymura Postado em 26/Oct/2014 às 13:59

      De uma maneira bem menos eloquente, kkkkkkk, faco minhas as suas palavras...

  6. cleide Postado em 26/Oct/2014 às 12:34

    nossa em pensá, que uma das maiores revista vem jogando sujo com a população. só pra acharia voto pro aecio. lembramos que o dono da emmpresa que faz a manutenção das maquina eleitoral é marque tiro da campanha de aecio. com certeza essas máquinas vieram adulterada.

  7. Kymura Postado em 26/Oct/2014 às 13:57

    Liberdade de imprensa n e libetdade para mentir, tentar manipular ou ainda inventar. Globo, Abril(veja), folha e estadaun sao responsaveis, sim, por veiculacao eleitoreira. Acho q vcs 45 n entendem q quem conhece aquele sujeito n vota nele, as urnas disseram isso em MG.

  8. sem de souza pinto Postado em 26/Oct/2014 às 14:20

    Karina, Na epoca da ditadura, chamavam qualificavam o comportamento da imprensa hj de esquerdista, imprensa marron e etc.... e saber que estamos vivendo em pleno periodo do "direito democratico e respeito aos direitos constitucionais", imagine só a bandalheira wue seria esse gente, novamente, no poder...Deus é justo e espero, brasileurissimo, portanto essa pretensão deles, felizmente será abortada hj, 26. Que predomine o brm sobre o mal e Deus sobre o Satanás (cominidade financeira internacional, elite burguesa brasileira, imprensa marron-falada, escruta e tv, além dos politicos e politicas segregacionistas e etc).... Tá perto da máscara oposicionista cair de vez e finalmente termos revelado quem são todos os anti-patriotas...

  9. Juliano Postado em 26/Oct/2014 às 14:55

    Uma coisa é liberdade de imprensa. Outra coisa é "liberdade de ofensa", tal como pleiteado pela mídia conservadora.

  10. Luna Postado em 26/Oct/2014 às 15:15

    A revista veja que preconizou toda esta confusão, deve-se dar por feliz. As coisas poderiam ser piores para eles. Imaginem se estivessem na França ou Inglaterra, com certeza não haveria dinheiro para pagar a multa que lhe cabe como direito. É revista VEJA, não reclame pela punição que lhe foi imposta, saiu barato por tudo que você fez.

  11. Rogério Postado em 26/Oct/2014 às 15:27

    Quem negou o primeiro direito de resposta foi Gilmar Mendes, nomeado por FHC.

  12. Jaime Pela Honestidade. Postado em 26/Oct/2014 às 15:31

    Qdo uma revista se ao trabalho de prejudicar um candidato,por prazer é preciso fechar ela ou colocar os profissionais na rua. Isto é se os profissionais tivessem desculpas para agir assim. Porque ser um jornalista deste tipo nem precisa demitir este já é um fracasso pela vida inteira.Orgulho de ser brasileiro.Agir em nome de um corrupto para garantir seu salário é uma miséria. Que equipe presunçosa.

  13. Rui Chaves Postado em 26/Oct/2014 às 15:50

    É extremamente lamentável que fato como este aconteça em um País que conviveu com a censura por um longo e tenebroso período. Na minha opinião (pensando na liberdade de imprensa), todos os veículos de imprensa têm o direito de defender "A" ou "B", ou "C/Z" como queiram, mas respeitando o direito de cada um, de entender devidamente qual seria a opinião de cada um. Já que o VEÍCULO X defende o candidato "tal", diga que o representa. Só não concordo é como "jornalista", que assume (por trás de uma "cortina de fumaça" como diz VEJA), tenha uma postura encima do muro e publique matérias que podem influenciar pessoas menos esclarecidas a optarem por um determinado candidato, em detrimento de outro. Isso não é justo. Se o código de ética prega o direito de resposta ao acusado, porque ele não foi ouvido?. Se todo acusado é considerado inocente até que se prove o contrário, porque publicar matéria sem conceder o direito ao acusado de resposta (isso na empresa em que trabalho é regra básica) - "você não pode publicar que o MONSTRO X devorou o MONSTRO Y" sem ter ouvido o outro lado (mesmo devorado, ou seja; quem o representa pode responder por ele), isso é básico! Muitas vezes (nesse caso), o direto de resposta pode ter vindo tarde demais. A democracia pode estar sendo "usada" (no sentido amplo da palavra), de forma incorreta, para beneficiar "A", em detrimento de outro (veja como a malícia funciona)! - Quem sabe jogar, usa seu melhor e quem não sabe perde o jogo - simples assim! Palavras são mágicas. Vamos pensar um pouco mais. As entrelinhas são cruéis e podem detonar pessoas inocentes, assim como levar outras a ocupar posições pelas quais sabemos, são totalmente contrárias aos interesses daqueles que eventualmente não entenderam o recado! Este é o "jogo das letras", por isso a Imprensa é o Quarto Poder"!.

  14. poliana Postado em 26/Oct/2014 às 18:23

    Carlos prado..e por acaso vc acha q diante da capa da veja na vespera da eleição, n caberia dir de resposta????? Ahh váaaaa!!!

  15. poliana Postado em 26/Oct/2014 às 18:24

    Quero ver se o fantastico vai ler a resposta publicada no site dessa revista!

  16. eu daqui Postado em 27/Oct/2014 às 11:41

    Se já foi revista um dia, então já foi. Hoje é um caderno doutrinário sem escrúpulos. Liberdade de imprensa não é libertinagem de imprensa.