Redação Pragmatismo
Compartilhar
Eleições 2014 21/Oct/2014 às 12:41
23
Comentários

Evento de intelectuais e artistas com Dilma reúne multidão em São Paulo

Artistas, intelectuais e comunicadores lotam Teatro da PUC de São Paulo para receber Dilma. Milhares de apoiadores ficam de fora. Evento foi marcado pela euforia da possibilidade de reeleição da atual presidente

O Teatro da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), o Tuca, foi palco na noite de ontem (20) de um ato político histórico, marcado pela euforia e pela confiança da militância petista, que, na última semana de campanha, já se acredita próxima de uma vitória de Dilma Rousseff, o que chegou a parecer improvável. Na companhia do ex-presidente Lula e de aliados do próprio partido, como o prefeito paulistano Fernando Haddad; do ex-presidente do PSB, Roberto Amaral; do ex-candidato do Psol ao governo de São Paulo, Gilberto Maringoni; do economista e fundador do PSDB Luiz Carlos Bresser-Pereira; de artistas, intelectuais e milhares de pessoas que lotaram o histórico teatro e a rua Monte Alegre, na zona oeste da capital, a candidata do PT, Dilma Rousseff, fez um discurso veemente, que inflamou e emocionou a militância.

O ato político foi tomado pela euforia com o anúncio, pelos microfones, pouco depois das 20 horas, de que pesquisas recém-divulgadas dão vantagem à candidata à reeleição, por 52% a 48%.

Vídeo:

Dilma voltou a rebater as declarações do adversário tucano Aécio Neves, que tem tentado atribuir responsabilidades ao governo federal pela crise de falta de água em São Paulo, governado pelo tucano Geraldo Alckmin. Ela também criticou de maneira contundente a “incapacidade de gestão” do PSDB tanto na questão da água em 2014 como na do apagão elétrico de 2001 e 2002, no governo de Fernando Henrique Cardoso. Atacou a política neoliberal tucana contra o emprego e a renda, e a visão de política externa tucana de “interesse dos Estados Unidos”. Coube ao ex-presidente Lula falar da indignação pelo que chamou de “desrespeito” de Aécio Neves contra a presidenta na campanha e em debates na televisão.

“Quando eles (PSDB) foram governo, deixaram esse país às escuras, porque fizeram uma privatização maluca, olharam o país e não viram os interesses da população, mas os interesses de alguns poucos grupos econômicos. No caso da água, esta é a crônica de uma morte anunciada. Ninguém da imprensa hoje pode ficar surpreso pelo fato de estar faltando água em São Paulo”, disse. Segundo Dilma, a grave crise de abastecimento de água se deve à “incapacidade de gestão absolutamente às claras de um grupo político que pretende dirigir o país, que pretende, porque nós não vamos deixar”.

Dilma destacou a falta de planejamento do governo tucano no estado de São Paulo. “Aqui em São Paulo, mais uma vez, se mostram as consequências da visão contra o investimento planejado, que não tem responsabilidade com a questão pública do abastecimento fundamental para a população. A energia elétrica é um caso, a água é outro”, disse.

Além disso, ela apontou as responsabilidades dos níveis de poder no país, para deixar claro que a escassez de água em território paulista é responsabilidade do governo estadual. “Eu acho que essa é uma questão do final dessa campanha. Não há como confundir os fatos. A água é uma atribuição de estados e municípios. Não é atribuição constitucional da União”, lembrou.

A presidenta afirmou também que a maneira “irresponsável” com que os governos tucanos governam se reflete também na política de emprego. De acordo com ela, no período de 1995 a 2002, nos dois governos de FHC, “eles usaram um conceito chamado empregabilidade”. “(Para eles) Tem gente que tem empregabilidade, tem gente que não tem. É o maior álibi para uma política de destruição do emprego neste país.”

A política externa do programa de governo de Aécio Neves “é a velha política de se atrelar aos países desenvolvidos, nunca afirmando o Brasil como potência; querem voltar com a Alca e menosprezar o Mercosul e a América Latina”, enfatizou Dilma. “Não olham a importância dos Brics nem as relações que o Brasil diversificou. Eles pensam o Brasil pequeno.”

A candidata petista também criticou a “manipulação absolutamente irresponsável que fazem com o mercado de ações”. Desde agosto, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) tem oscilado ao sabor dos números das pesquisas eleitorais e dos fatos que marcam a eleição. Naquele mês, em que, no dia 13, morreu o então candidato do PSB Eduardo Campos, a Bovespa teve forte valorização de 9,78%.

A indignação de Lula

O ex-presidente Lula demonstrou indignação com a maneira como o tucano e seus aliados “tratam uma mulher”. “Eu achava que eu era o cara que mais apanhava no mundo. Eu achava que o ódio era comigo. Eu jamais teria a coragem, a petulância de chamá-la de leviana ou mentirosa, por mais que eu discordasse dela. Essas coisas a gente não aprende na universidade, a gente aprende de berço”, disse Lula. “Esse rapaz deve ter um problema que eu não vou explicar qual é porque não sei. Deve ter gente que pode explicar”, acrescentou, sobre Aécio.

Lula lembrou que o ódio ao PT é um dos elementos marcantes do processo eleitoral deste ano. “Eu nunca vi o ódio disseminado contra um partido político como o que eu vejo contra o PT. Um negócio que eu não via mesmo no tempo do regime militar. Não poderia imaginar que o neto do doutor Tancredo Neves fosse utilizar tanto ódio contra o PT. Porque ele (Aécio) fala que quer acabar com o PT, tirar o PT do governo. Eles não vão tirar porque o povo é mais sábio do que as pessoas imaginam. Houve um tempo em que a Globo falava e as pessoas achavam que era verdade. Isso acabou.”

O prefeito Fernando Haddad engrossou o coro de indignação contra os ataques tucanos a Dilma. “Eles imaginavam que ela não ia aguentar. Só que mexeram com a pessoa errada”, ressaltou. A ex-prefeita Marta Suplicy chamou a atenção para a importância dos próximos dias na luta pelos votos. “Estamos talvez no momento mais decisivo do nosso partido e talvez mais decisivo do nosso país.”

A disputa eleitoral tem sido marcada por agressões sistemáticas, morais e até físicas, de simpatizantes do candidato tucano contra militantes petistas e pessoas que usam símbolos do partido. Em 15 de junho, na abertura da Copa do Mundo, a presidenta da República foi vaiada e xingada na abertura da Copa do Mundo, na Arena Corinthians (Itaquerão), em São Paulo.

No palco do Tuca, a escritora e artista plástica Raquel Trindade fez discurso emocionado, no qual clamou pelo Estado laico, pela diversidade cultural e direito de culto. Ela contou que viveu um momento difícil quando da ascensão da ex-candidata Marina Silva (PSB) nas pesquisas. “Entraram no meu quintal e quebraram os assentos dos meus orixás. Todas as religiões têm de ser respeitadas. Nós vivemos num país laico”, declarou.

Segundo Dilma Rousseff, em 2014 “o confronto começou bem antes, num processo que misturava desinformação e a meia verdade” e se manifestou nos meses que antecederam a Copa do Mundo. “O nível de desqualificação do Brasil pela imprensa foi estarrecedor. O Lula falava ‘nunca antes na história deste país’. Eu uso estarrecedor, porque meu caso é de estarrecimento”, brincou, usando a palavra que tem marcado sua participação nos debates.

O jurista Celso Antonio Bandeira de Mello falou da inconsistência, a seu ver, da candidatura de Aécio . “Entre os dois candidatos, um deles é quase uma folha em branco, que não tem história pessoal.”

O ex-candidato do Psol ao governo paulista, Gilberto Maringoni, discursou pelo apoio à candidatura petista ao Palácio do Planalto. “Tenho críticas ao governo, mas vou deixar para depois. Agora vamos falar do que nos une, especialmente porque do lado de lá está Aécio Neves, o neoliberalismo heavy metal. É uma escolha entre a democracia e o abismo”, disse Maringoni.

Apoteose

O ato político no teatro da PUC de São Paulo ocorreu em um lugar emblemático. A universidade foi palco do dramático episódio da invasão pelas forças policiais comandadas pelo coronel Antonio Erasmo Dias, então secretário de Segurança Pública do estado de São Paulo, no governo de Paulo Egídio Martins, em 22 de setembro de 1977.

Naquele ano, o presidente da República era o general Ernesto Geisel, que a Comissão da Verdade do Estado de São Paulo, presidida pelo deputado Adriano Diogo, demonstrou ser o mais violento do regime militar, o que mais matou e torturou.

Algumas imagens do ato político:

dilma teatro puc
Apoiadores que não conseguiram entrar ficaram na parte externa do Teatro
dilma rappers são paulo
Além dos rappers Dexter e Thaíde (foto), Emicida também esteve no evento e declarou apoio a Dilma. “O hip hop tem lado, e estamos com Dilma”, afirmou
Parte interna do Teatro
Parte interna do Teatro

Eduardo Maretti, RBA

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Rafael Postado em 21/Oct/2014 às 13:04

    Graças a Deus privatizou o telefone! Hoje qualquer jumento tem telefone, antes era só os magnatas! O meu sonho de consumo é privatizar os Correios, ai sim eu seria Feliz! Dilma é o meu OVO!

    • André Postado em 21/Oct/2014 às 13:23

      Graças a Deus que venderam a Vale também! Agora, ao invés de dar lucro para o país, o minério de ferro retirado do solo brasileiro é controlado por meia dúzia de mega investidores... !!!! Sério que vocês seguem acreditando que o PSDB privatizou pensando no bem de vocês?

    • Rafael Postado em 21/Oct/2014 às 14:15

      Dane-se o Vale! Ainda bem que privatizou se não era outra estatal na mão destes corruptos! Tem que privatizar tudo! Quanto menos Estado, melhor para todos! Não aguento mais ver milhares de servidores mamando nas tetas do Estado!

    • André Postado em 21/Oct/2014 às 14:56

      Esse pensamento do "dane-se" ao patrimônio público é típico do pensamento do PSDB. Gente que prefere que as estatais sejam controladas por meia dúzia ao invés de servirem à população. Por essas e outras vão perder outra eleição!

    • eu daqui Postado em 21/Oct/2014 às 16:28

      Quem mama e quer mamar mais ainda é vc: parasita tucano de rapina. Vai viver dos seus esforços e pare de querer servilizar o outro, seu incapaz. Quem seu sustenta o estado brasileiro é o servidor honesto e heroico que passa a vida sofrendo assedio moral por se recusar a se corromper: é desse que vc quer tirar a estabilidade, seu corrompido frouxo.

    • rafael Postado em 21/Oct/2014 às 16:50

      "eu daqui". Acorda Zé roela! Ninguém que trabalha para o Estado deseja resolver alguma coisa! Minto, somente os professores tem méritos! De resto só tem os mamadores! E não sou tucano seu esquerdinha de merda! Acorda para cuspir, que este governo vai levar o povo a verdadeira merda! O dólar vai para uns R$100,00 se a porcaria da Dilma ganhar!

    • poliana Postado em 21/Oct/2014 às 17:17

      rafael, vc é um imbecil retardado, q n tem o mínimo respeito pelo próximo, muito menos pelos servidores públicos! experimenta ficar um único dia sem qq serviço público e vc vai ver o caos q o estado se tornará! n há estado democrático de direito q sobreviva sem o serviço público e seus servidores! honramos o serviço público e vc deveria procurar conhecer melhor a respeito antes de sair por aí falando merda! experimenta, queridinho, experimenta ficar 1 único dia sem qq serviço público pra ver se vc sobrevive...

    • Celio Bernstein Postado em 21/Oct/2014 às 19:25

      "Hoje qualquer jumento tem telefone(...)" Rafael, você tem telefone? (é só uma pergunta)

  2. Tiago Postado em 21/Oct/2014 às 13:19

    Quem não cansou desse exemplo da telefonia???? Tudo é a questão do celular hj é barato, antes era mil e pouco, blá, blá ,blá. Por que não usam o exemplo da VALE quando falam de privatizações? Se não fossem as privatizações, hoje o minério de ferro retirado do solo brasileiro geraria dividendos ao país, e não à meia duzia de estrangeiros e magnatas brasileiros (que compraram uma estatal por um montante inferior ao que a empresa gerava de lucro em um ano!) como acontece hoje. Infelizmente, ainda tem muitos incautos que acreditam que o PSDB privatizou para melhor o serviço para o povo. Privatizou por que privilegia uma política para o mercado, mesmo que a consequência desta seja prejudicial ao povo. E sobre a SABESP, ela é, na prática, privatizada, ainda que não o seja aos olhos da maioria. Ou você acha que, durante um período que já apontava para a estiagem (2013), uma empresa que fosse pública de fato iria, ao invés de investir na melhoria do sistema, distribuir 4 bilhões de lucros entre seus acionistas?

    • André Postado em 21/Oct/2014 às 15:50

      Com base em que você afirma isto? A vale hoje só gera dinheiro grosso à grandes fundos de investimentos, e à uma minoria que especula no mercado financeiro. Sem contar que foi vendida a preço de banana.

  3. Poliana Postado em 21/Oct/2014 às 14:25

    Lindo de se ver! Me emociono quando vejo um ato desse sendo extremamente bem sucedido, contando com o apoio dos seus eleitores...se eu pudesse estaria lá também! Foi igualzinho ao evento que o senhor lobão & cia fizeram em MIAMI, pró Aécio, não!? kkkkkkk

  4. Marly Postado em 21/Oct/2014 às 14:43

    Gostei do "neoliberalismo heavy metal" :)

  5. Deisi Postado em 21/Oct/2014 às 15:02

    Foi lindo demais! Eu com 53 anos já vi muitas coisas, fiquei muito emocionada, Lembrei-me que em 1979, para votar em uma eleição da UNE, todos os portões dos curssinhos e universidades tinham um cordão de homens do DOPS impedindo estudantes de votarem. O movimento das Diretas JÁ que conseguiam reunir 1 milhão de pessoas na praça da sé, sem rede sociais, tudo para que a democracia voltasse a existir. O que vejo hoje é muito triste, jovens que pregam o ódio, porque foram criados por pessoas que não conseguiram entender que a luta foi valida, que repete feito papagaios o que leem e veem na internet. Mas Valeu! Lula, Ulisses Guimarães, Osmar Santos, Fafá, Chico Buarque e muitos outros. Eu como mãe, sinto orgulho dos meus filhos, pois conseguiram assimilar muito bem o que é viver sobre a pata de um coronel e uma democracia.

    • Tiago Postado em 21/Oct/2014 às 16:08

      Que orgulho ler suas palavras, Deisi!

    • poliana Postado em 21/Oct/2014 às 17:18

      vc foi a esse encontro deise?!

    • Anderson Postado em 21/Oct/2014 às 17:40

      Parabéns Deisi, por suas palavras, comecei a entender sobre politica exatamente com os CARAS PINTADAS, agora fico triste em ver essa nova geração falar tanta asneiras. Jovens que foram manipulados como verdadeiros fantoches nos protestos de 2013. Ainda hoje não sabem o que foram fazer nas ruas.

      • Deisi Postado em 21/Oct/2014 às 18:29

        Anderson, os jovens de caras pintadas também fazem parte da história democrática do Brasil, Foi lindo esse movimento, de jovens que tinham causa, não representam nem um pouquinho os jovens de 2013 nas manifestações. Foram para ruas para fazerem baderna, destruírem bens públicos e privados. Infelizmente sem ideologia, instigados pela nossa mídia golpista, como disse fantoches uteis, rebeldes sem causa. Tanto é a realidade que não durou nada e muitos não sabiam porque estavam ali. Parabéns a você, que conseguiu formar sua consciência politica com esse belo exemplo. Que não queimavam bandeiras, não destruíam bens e mesmo sem redes sociais sabiam exatamente o que queriam e buscavam. Tenho pena dessa geração e fico ainda mais preocupada em saber que eles terão filhos a tendência é piorar muito.

      • Celio Bernstein Postado em 21/Oct/2014 às 19:42

        Anderson, infelizmente a nova geração de jovens usam a atual democracia (que foi conquistada anteriormente pelos jovens de caras pintadas) para dizerem asneiras por aí. É simplesmente vergonhoso ver alguns jovens de hoje se posicionarem a favor da ditadura militar ou apoiarem políticos que defendem esse tipo de regime.

      • Anderson Postado em 22/Oct/2014 às 15:41

        Mas que eles não esqueçam que nos ainda estamos aqui!!!! E não deixarei que nosso suor amargo seja perdido. Hoje ainda faço minha parte, que é mostrar para os jovens nosso caminho das pedras, não deixar que nossa luta fique apenas em nossas memorias, vejo muitos deles com sede de compreender o sentido de tudo isso, fico feliz quando não por manipulação, mas com os fatos históricos que ajudamos a escrever eles agradecem por tudo. Hoje sou pai, e ensino minhas filhas a buscar o conhecimento através de fontes seguras e confiáveis. Sei que estou ajudando elas a se tornarem cabeças pensantes e não manipuláveis.

    • Deisi Postado em 21/Oct/2014 às 19:16

      Errata! Sob a pata de um general.

    • Deisi Postado em 21/Oct/2014 às 19:43

      Cometi um erro no comentário, Sob a pata de um coronel!

  6. eu daqui Postado em 21/Oct/2014 às 16:30

    Só privatização fraudulenta, não ! Houve mensalão e todo tipo de improbidade. Além de desemprego com barateamento de mão de obra como quer todo senhor feudal........

  7. Deisi Postado em 21/Oct/2014 às 17:35

    Infelizmente não Poli, estou em Blumenau mas confesso que passou um filme pela minha cabeça.Deisi