Nádia Amaral
Colaborador(a)
Compartilhar
Eleições 2014 31/Oct/2014 às 19:32
16
Comentários

A eleita e a ressaca pós eleição da ala oposicionista

Na eleição 2014, presenciamos notícias com informações explícitas ou implícitas (aquelas dirigidas diretamente ao subconsciente), onde cada veículo deixou clara sua posição governista ou oposicionista.

merval pereira eleicao dilma
O jornalista Merval Pereira, da Globo News, foi um dos que lamentaram a vitória de Dilma (Reprodução)

Nádia Amaral*, Pragmatismo Político

Após a vitória para Presidenta Dilma Rousseff, aguardada nervosamente pelos brasileiros, em especial os cardiopatas, a oposição apresenta os primeiros traços de sua ressaca. É possível constatar claramente os atos de
“birra” dos revoltosos e a incitação pela violência.

Como toda eleição presidencial, em qualquer país do mundo, os brasileiros puderam presenciar um agressivo embate relativo às questões de cunho econômico, político, social e psicológico. Algumas das questões foram programadas pelos candidatos e outras criadas e administradas pelos psicólogos midiáticos.

Na eleição 2014, presenciamos notícias com informações explícitas ou implícitas (aquelas dirigidas diretamente ao subconsciente), onde cada veículo deixou clara sua posição governista ou oposicionista. Não esqueçamos que enquanto veículo midiático, as empresas precisam de recursos e enquanto homo sapiens, os jornalistas estão sob influência de suas próprias convicções.

Em contraposição à questão da “liberdade” de imprensa, vimos jornalistas impondo suas próprias convicções pessoais sobre cada candidato, alguns com classe outros nem tanto.

Quem assistiu o canal GloboNews, no domingo de eleição, pôde presenciar um clima estranho, para dizer o mínimo, entre a equipe formada por Gerson  Camarotti, Cristiana Lôbo, Dony De Nuccio, Merval Pereira e sua coordenadora, Renata Lo Prete.

Merval estava visivelmente vermelho (embora provavelmente desejasse estar azul), chocado e decepcionado com a reeleição. Renata, não pôde conter-se em chamá-lo à realidade traçando defesa à candidata e a inequívoca verdade, apertada ou não, o povo escolheu. Já Cristiana Lôbo, desconfortável com a agressividade do debate dos dois colegas, não levantava a cabeça e seus olhos podiam ser vistos apenas por cima dos óculos, enquanto Merval afundava seus dedos no aparelho celular.

Contudo, ultrapassada a overdose de embates políticos, e mediante a impossibilidade de alegar-se ilegitimidade no processo eleitoral, batem à porta os efeitos devastadores da abstinência para os oposicionistas.

Na terça-feira, dia 28/10, com o país já sonolento para notícias políticas, a Câmara dos Deputados “decidiu” pela conveniência de julgar a sustação do Decreto nº 8.243, de 23 de maio de 2014, que institui a Política Nacional de Participação Social – PNPS e o Sistema Nacional de Participação Social – SNPS.

O referido Decreto objetiva organizar e dar transparência quanto às esferas e respectivas instâncias de participação popular, só isso. O texto não cria cargos, não acarreta majoração orçamentária, não cria conselhos, não transfere competências de um poder a outro ou cria quaisquer pessoas jurídicas.

Os deputados, bem como os membros da sociedade civil que efetivamente leram o texto do Decreto, dados os argumentos acredito que uma parcela não leu, podem verificar que a intenção do texto é dar efetividade à participação popular prevista constitucionalmente, por meio de instrumentos de controle social.

Entre outros argumentos fornecidos, durante um estado aparentemente alucinógeno, os oposicionistas declararam que o Decreto pretendia golpear o Estado Democrático de Direito; que o Executivo queria usurpar a competência do legislativo; que se tratava de um golpe de natureza “bolivarianista” ou “bolchevique”.

Ora, em que pesem as fragilidades e o notório desconhecimento histórico das analogias empregadas pela oposição, o telespectador pôde testemunhar alguns governistas e aliados, pedirem inutilmente que a matéria fosse melhor discutida; que fosse travado diálogo mais amplo com os representantes da sociedade civil frisando que a própria OAB não teria verificado qualquer inconstitucionalidade no texto.

Houve gritos e discussões acaloradas, o presidente da casa debilmente tentava agilizar o processo e nervosamente “cortava” seus colegas chamando atenção para o tempo regimental, coincidentemente todos os interrompidos eram governistas ou aliados.

Interessante constatar a fragilidade dos argumentos apresentados, afinal, para o bem e para o mal, o regime democrático não exige qualquer sapiência ou formação acadêmica, seja histórica, política ou jurídica.

Ocorre que, sob nenhuma ótica o texto atacado pode ser interpretado como usurpador de competência. Os Conselhos permanentes de políticas públicas bem como os setores organizados da sociedade civil já estão lá, já existem e inclusive alguns são antiquíssimos, e pasmem! Tais Conselhos não são controlados pelo governo!

É vexatório e cobre-nos com uma sensação de “vergonha alheia”, constatar a instrumentalização da “birra política”, nada infantil, pela Câmara dos Deputados.

Todo o alarde deveu-se à previsão, trazida pelo Decreto, de que os Órgãos da Administração passem a “considerar” as reivindicações da sociedade civil quando da formulação, execução e monitoramento de políticas públicas.

Ora, não foi exatamente isso que a sociedade civil exigiu nas passeatas e manifestações dos últimos meses? Ter sua voz ouvida, ter sua opinião considerada quando da análise de suas reais necessidades e de modo mais efetivo.

Notoriamente, é razoável concluir que o “golpe de estado” alardeado pela ala oposicionista, contraditoriamente, será dado por aqueles que intencionam restringir ou cercear o direito de participação social nos temas de seu interesse.

Ora, sejam movidos pela ambição por mais controle político, seja por mero exercício de seu jus esperneandi contra vitória da Presidenta, é necessário que a oposição apresente argumentos mais sólidos e com o mínimo de pesquisa histórica, de modo à evitar às “gafes” desse gênero.

Quanto aos 402 parlamentares “presentes” na noite de terça (28/10), em especial aqueles que estabeleceram analogia do Decreto da Presidenta com as Revoluções de Bolívar e Lênin, solicito atuação com bom senso e preservem a boa imagem intelectual, ainda que fictícia, da Câmara dos Deputados.

Ainda que coubesse a analogia realizada, não seria proveitoso ou sequer pertinente utilizá-la, uma vez que os parâmetros sócio-políticos nem de longe tem aplicabilidade hoje.

Enquanto isso, nós sociedade, devemos escolher nossos jornalistas, digo, nossas posições, e ficarmos atentos às notícias. Afinal, a verdade e a mentira dependem da construção e da psicologia midiática agregada a um mesmo fato.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. KARINA BB Postado em 31/Oct/2014 às 19:50

    Trensalao bombando hoje e nao vi nenhuma mençao escandalosa,se fosse com PT PQP iam encher o saco dia e noite com isso,gente eu desisto,,,..com o psdb blindado pela midia,eles vao continuar pagando de santos no Brasil

    • Thiago Teixeira Postado em 01/Nov/2014 às 10:34

      Triste Karina, é que nossa elite, a alta sociedade ou medidos a tal, os "intelectuais", acreditam em tudo que passa no noticiário. Mas o povo não é besta, este está menos susceptível as falácias e achismo dessa mídia golpista. Ainda bem.

    • KARINA BB Postado em 01/Nov/2014 às 15:02

      Gostaria que os eleitores do psdb fizessem uma inversao dos fatos,e que fosse o PT QUEM TIVESSE FRAUDADO PESQUISAS,FIZESSEM FACTOIDES DE FRAUDE NAS URNAS E QUE PEDISSEM O IMPEACHMANT DE AECIO,DENTRE OUTRAS SACANAGENS QUE FEZ E VEM FAZENDO O PSDB,E SEFOSSE O PT,,,,AH ,MAIS O PSDBOSTA PODE FRAUDAR PESQUISAS NEH

  2. Rodrigo Postado em 31/Oct/2014 às 23:38

    O mais interessante é o destaque que a mídia idiota dá a uma votação importante como esta para representatividade popular (vide que deputados não representam ninguém senão eles próprios). O foco da mídia fica na derrota do governo, leia-se neste caso: do povo. E esquecem de ao menos informar aos incautos que assistem a TV que a lei seria boa para o povo ter mais representatividade e poder ser ouvido em suas reclamações, isto foi solicitado pelo próprio povo que foi às ruas. Não, definitivamente informar não é a missão destes meios de comunicação, a missão é desorientar e conduzir gansos enchendo bem seus fígados com lixo para que possam virar patê.

  3. enganado Postado em 01/Nov/2014 às 00:15

    Merdal, Merdal te cuida, abra teu olho porque sua batata está assando. Basta mais uma vitória do PT e o Merdalzinho-Camarotti toma o seu lugar. Até agora as suas mentiras estão piores que a do FHC e Aecínico juntos.

  4. AQUINO Postado em 01/Nov/2014 às 01:13

    ESSE TIPO DE GENTE, BABÃO, SÓ TEM UMA SAÍDA, DEIXAR DE ENVERGONHAR UMA PROFISSÃO TÃO DIGNA QUE É A DE JORNALISTA, FAZ VERGONHA TER PESSOAS COMO ELES NESSA PROFISSÃO. SÃO LIXOS.

  5. Deisi Postado em 01/Nov/2014 às 08:05

    No Brasil está difícil achar profissionais jornalistas que não envergonham a profissão, também médicos não fogem a regra.

    • stella Postado em 01/Nov/2014 às 11:20

      Concordo plenamente!

    • Thiago Teixeira Postado em 03/Nov/2014 às 11:52

      Tucano de Araque, isso sim!

  6. testemunha binocular Postado em 01/Nov/2014 às 09:32

    E por falar nisso... Que tal a falta de vergonha e cara-de-pau explícitas do Boechat ? Tentando colocar a culpa da crise da água na Dilma, blindando o "Geraldo" de todo jeito !!! Vai tomar banho Boechat !... Toma vitamina de homem !

    • enganado Postado em 01/Nov/2014 às 13:41

      O bOechatO qdo queria defender o Aecínico chama a Dora Kramer para falar batatas a respeito das eleições. O mesmo sabe perfeitamente se bater de frente com Fernando Mitre, ou seja dizer VERDADES, vai ter o mesmo destino do Brasileiríssimo, Patriota, Paulo Henrique Amorim. A saber: PHA foi rifado a mando do FHC/PSDB/DEM. Acredito se todos implorarem ao PHA, ele contará a verdade dos fatos.

  7. Deisi Postado em 01/Nov/2014 às 12:28

    O Boechato está cada vez mais insuportável, se sujeita ao que o patrão manda, muito complicado precisa pagar contas, mas se tivesse um pouquinho de poder dentro da emissora poderia ser diferente.

    • enganado Postado em 01/Nov/2014 às 15:06

      ojênio boechatO explica tanto, ou seja, embroma tanto os ouvidos dos bobos que qualquer dia desses vai dar bom dia a cavalo e nos ensinar a escovar os dentes. Para acalmar o Fernando Mitre desatou a elogiar o Joaquim Barbosa. Absurdo! Pior a falta coragem, também para falar no inquerido 2474, incapaz de contar a verdade dos fatos porque a justiça da Itália soltou o Pizolatto. Ser jornalista no BRASIL, tá muito difícil para os HONESTOS, porque ficam JURADOS pela Direita que os chamam de Imprensa Suja. De Suja não tem nada! Agradeço aos Blogueiros de Plantão que atuam nesta linha de pensamento porque senão a estas horas, garanto que eu estaria atrás das grades torturado pelo cel Telhada-PSDB-Clube Miliar, sou Nacionalista e não abro!

  8. Maria Postado em 02/Nov/2014 às 03:51

    Eu só quero saber se esses fraudadores vão presos, pq se vencemos as eleições de forma justa e honesta e está sendo questionado o que podemos fazer para enquadrar aqueles que já está provado que são os responsáveis por delitos nesta eleição?

  9. Nádia Postado em 03/Nov/2014 às 09:57

    Caro Cesar, à exceção de sua observação quanto à qualquer atributo físico que a Senhora Presidenta possa ter, respeito seu posicionamento. Vivemos em uma democracia e todas as posições devem ser respeitadas, principalmente a do povo, haja vista a supremacia do interesse público. Foi pensando na importância participação, inclusive a sua, que considerei importante falar sobre o Decreto nº 8.243, de 23 de maio de 2014. Sinceras desculpas, o texto é apartidário. Como diria LÊNIN: "O esquerdismo é uma doença infantil do comunismo". Em regimes democráticos maduros, noto que a sociedade tem se posicionado quanto à questões práticas e não ideológicas.

  10. Iuri Reis Postado em 03/Nov/2014 às 17:06

    Que notícia esquizofrênica. Se era para falar do Decreto nº 8.243, de 23 de maio de 2014, por que o texto foi iniciado falando sobre os jornalistas da Globo News? Há uma clara ruptura repentina no texto. Uma aula de redação cairia bem. Ou vocês enfiaram deliberadamente um ataque à Globo News que nada tem a ver com o restante do texto? Acho que a página tem condições de escrever textos melhores. Até tenho concordância com os dois pontos (desconexos) abordados. Mas não dá para levar a sério uma reportagem dessas.