Redação Pragmatismo
Compartilhar
Eleições 2014 22/Sep/2014 às 15:10
23
Comentários

Marina altera programa após pressão do agronegócio

Marina Silva recua novamente e elimina mais um ponto do seu programa de governo: o que impunha índices de produtividade para o setor rural. Desta vez a pressão não foi do pastor Silas Malafaia, mas do agronegócio

marina silva beto albuquerque
Marina Silva e o seu vice, Beto Albuquerque (divulgação)

Desta vez, não foi o pastor Silas Malafaia, mas sim o agronegócio. De qualquer forma, a candidata Marina Silva eliminou mais um ponto do seu programa de governo: o que impunha índices de produtividade para o setor rural. Este critério funcionaria da seguinte forma: se determinada terra não fosse considerada produtiva, seria desapropriada para a reforma agrária.

VEJA TAMBÉM: Malafaia pressiona, Marina recua sobre gays e Jean Wyllys lamenta: “você mentiu a todos nós”

No entanto, ao ser abordada sobre o tema, durante um evento no interior paulista, Marina desconversou. “Os índices de produtividade foram colocados na Constituição de 1988 exatamente para fazer jus à ideia de que nossa régua deve medir para cima, e não para baixo”, disse ele. Coube ao vice, Beto Albuquerque, esclarecer que não haverá mais índices de produtividade. “Quem não tiver produtividade será desapropriado pelo mercado, e não pelo governo”, disse ele.

Ou seja: um eventual governo Marina não irá mais desapropriar terras improdutivas em razão da baixa produtividade. Neste sábado, o ex-ministro Roberto Rodrigues, defendeu mudanças no programa de Marina e condicionou eventual apoio do setor a mudanças no programa.

Leia a seguir a reportagem da Rede Brasil Atual a respeito:

Marina não explica recuo para o agronegócio em desmatamento e reforma agrária

A candidata do PSB à presidência da República, Marina Silva, evitou hoje (20) explicação sobre o recuo em duas propostas de seu programa de governo que eram alvo de críticas do agronegócio. As mudanças costuradas por seu vice, o deputado Beto Albuquerque (PSB-SP), se dão justamente no setor que a notabilizou politicamente, no exercício do cargo de ministra do Meio Ambiente e do mandato de senadora.

“Os índices de produtividade foram colocados na Constituição de 1988 exatamente para fazer jus à ideia de que nossa régua deve medir para cima, e não para baixo”, disse Marina, durante entrevista coletiva em Campinas, no interior paulista, em que foi questionada sobre os acordos buscados por Albuquerque.

Esta semana, o parlamentar, conhecido pelo trânsito entre os produtores rurais, esteve reunido com o ex-ministro Roberto Rodrigues, titular da Agricultura em parte do governo Lula. Hoje, Albuquerque fez letra morta de dois pontos centrais do programa de gestão de Marina para o meio ambiente. Primeiro, confirmou que a meta de desmatamento zero a que se refere o documento diz respeito apenas ao corte ilegal de vegetação, e não ao desmate como um todo. Depois, afirmou que não haverá revisão dos índices de produtividade da terra usados para a reforma agrária.

“Vamos criar um programa para premiar a meritocracia sobre a produtividade. Quem não tiver produtividade será desapropriado pelo mercado, e não pelo governo”, esclareceu Beto, numa afirmação que joga por terra o previsto pelo programa de gestão. A página 58, de um total de 242, prevê “atualizar os índices de produtividade agrícola e acelerar o diagnóstico da função social da propriedade rural nos aspectos produtivo, ambiental e trabalhista, permitindo a rápida desapropriação nos casos previstos em lei ou premiando aqueles que fazem uso correto da terra”.

A atualização dos índices de produtividade é uma demanda antiga de movimentos sociais, que não conseguiram nenhum avanço neste sentido ao longo dos doze anos de governo de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. A bancada de representantes do agronegócio no Congresso sempre obteve sucesso em travar a discussão sobre o grau de utilização da terra (GUT) e o grau de eficiência na exploração (GEE), os dois indicadores que definem se uma terra é ou não improdutiva.

Nenhum dos candidatos com chances de vitória nas eleições de outubro aceitou até aqui firmar compromisso pela revisão do índice. Dilma e Aécio Neves (PSDB) não entregaram até o momento seus planos de governo. A presidenta, em eventos ao lado de agricultores familiares, não fez menção ao tema.

Questionada hoje a respeito das posições de Albuquerque, Marina não confirmou nem desmentiu os acordos com o agronegócio. Preferiu uma resposta de 2 minutos e 40 segundos na qual centra a questão em tecnologia como meio de aumentar a produtividade. “Desde sempre, quando era ministra do Meio Ambiente, quando fizemos o zoneamento agrícola da cana-de-açúcar, quando fizemos o plano de prevenção e controle do desmatamento, fizemos a proposta de combater o desmatamento com base em três eixos: ordenamento territorial e fundiário, combate às práticas ilegais e apoio ao desenvolvimento sustentável. E já naquela época o que propugnávamos é que devemos aumentar a produção por meio do ganho de produtividade. Isso requer tecnologia, inovação, infraestrutura logística”, afirmou.

Em seguida, Marina apostou no elogio ao trabalho desenvolvido pela Embrapa, da qual foi crítica quando ministra de Meio Ambiente, entre 2003 e 2008. Na questão específica do desmatamento, a estatal ligada ao Ministério da Agricultura desenvolveu um tipo de soja que se adapta bem ao cerrado, o que foi fundamental na predação de um ecossistema que hoje se vê sob risco de extinção.

“É fundamental apostar nas tecnologias da Embrapa para aumentar a produção por ganho de produtividade. Aliás, o setor agrícola brasileiro nem precisa se preocupar com isso porque desde a década de 1970 que vem aumentando seu índice de produtividade graças à introdução da pesquisa, da tecnologia, da inovação, de novas práticas agrícolas que precisam ser universalizadas para que não se queira voltar ao tempo de aumentar produção por expansão predatória da fronteira agrícola.”

Este não é o primeiro recuo da candidata do PSB no campo de suas bandeiras históricas. Nesta campanha, Marina classificou como “lenda” a ideia de que é contra o uso de sementes transgênicas.

Um discurso feito em 2002 no plenário do Senado, porém, mostrava visão diferente: “Em Gênesis 21,33, o próprio Patriarca Abraão, com mais de 80 anos, resolve plantar um bosque. Quem planta um bosque com quase 100 anos está pensando nas gerações futuras, que têm direito a um ambiente saudável. Era esse o significado simbólico do texto. No Êxodo 22,6, há determinação explícita no sentido de que quando alguém atear fogo a uma floresta ou bosque deverá pagar tudo aquilo que queimou. Talvez essa regra seja mais rigorosa do que as do Ibama. Com relação aos transgênicos, o livro Levíticos 22,9 expressa claramente que não se deve profanar a semente da vinha e que cada uma deve ser pura segundo a sua espécie.”

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Sonia Divina Postado em 22/Sep/2014 às 15:43

    O recuo do dia! E mudando de assunto: Cadê Novelli Marina Silva?

  2. Cláudio Luiz Pessuti Postado em 22/Sep/2014 às 16:18

    Já virou piada esta senhora.

  3. Aquino Júnior Postado em 22/Sep/2014 às 16:21

    Marina Silva muda toda hora. Não vamos votar em uma pessoa que não sabe o que quer!?! Perigo para o Brasil, temos de ter muito cuidado.

    • Renato Zen Postado em 22/Sep/2014 às 21:11

      Ora ela é a verdadeira candidata da mudança, uma hora ela tem uma opinião, em outra ela muda!

  4. Antonio Nunes Postado em 22/Sep/2014 às 16:23

    Se essa fadinha da floresta for eleita, a onda de privatização será maior ainda que o governo FHC. Fora dizer que ela será uma mera empregadinha dos banqueiros, Silas Malafaia, e do governo norte americano. Por consequência o povo da classe mais pobre desse país, vai voltar a ter dificuldades. Para chegar ao poder ela será capaz de vender a alma, do programa que ela pregava já não existe nem a metade porque grande parte já foi mudado para atender interesses de poderosos, que depois vão cobrar a sua fatia. Com essa inconsequência quem vai pagar caro será o trabalhador brasileiro que verá suas conquistas extintas depois de anos de batalha.

    • Aquino Junior Postado em 22/Sep/2014 às 16:27

      Muito perigosa a presença de um governante que muda toda hora e a todo momento. Temos de ter cuidado.

    • Ramão Postado em 24/Sep/2014 às 00:02

      Ta mais pra bruxinha da floresta!

  5. Poliana Postado em 22/Sep/2014 às 16:24

    Sem palavras! Nada mais vindo dessa oportunista me choca! E tem gente que ainda vem com o discurso, igualmente oportunista, da alternância do poder. Sei não viu... pior cego é aquele que não quer ver!!!! Vai dar tudo certo!

  6. Karina BB Postado em 22/Sep/2014 às 16:29

    Em se tratando de Marina o que mais me incomoda é o fato dela ser religiosa, fundamentalista e eu JAMAIS votaria em EVANJEGUES prefiro ver o Brasil afundando (se acaso isso acontecer) do que dar esse tipo de poder aos evanjegues. Já basta a tal Bancada evangélica. Com relação as mudanças do programa de governo pra agradar a diversos setores, eu acho que isso denota falta de experiência e também um desvio de caráter, muito comum na atualidade. Não existe mais o BEM e o MAL, isso vai depender de QUEM praticou, se for conveniente pra pessoa moldar o mau até ele se tornar bom, isso será feito, mas se o mau for praticado pelo outro, aí é mau mesmo, tudo depende do ponto de vista ou de quem praticou o erro.

    • Deisi Postado em 22/Sep/2014 às 19:07

      Karina, esse fato também me incomoda muito. Inclusive ontem fui a igreja pela manhã e no final da missa o padre que esteve em São Paulo, disse estar muito preocupado com o que viu em um programa eleitoral, onde um pastor clamava que os évangelicos tinham que tomar o poder maior do país. Não é permitido que os padres falem em política nas missas, mas ele desobedeceu, por achar que isso é um perigo. Ele disse: "Onde existe fanatismo religioso cego, existe perseguição e morte" ele completou dizendo vejam o que vocês estão pensando em fazer com seus votos. Até hoje sempre foi respeitado a liberdade de expressão, liberdade religiosa e o Estado é Laico. Não sei continuará assim se o comando for entregue nas mãos de um fundamentalista.Ele terminou falando que com certeza o Bispo chamaria ele para conversar, mas eu corri o risco, seja o que Deus quiser. A igreja estava lotada, ele foi aplaudido por todos. Detalhe, a missa é transmitida pela rádio local e o Bispo ouve, as palmas foi um sinal de apoio com certeza. Fiquei feliz pela sua postura de não se omitir.

  7. Salomon Postado em 22/Sep/2014 às 17:02

    Trata-se de uma mulher fascinante para um estudioso da mente humana. Ela sobredoura a realidade. Tem o poder de restaurar o passado, para tocar a instabilidade das nossas impressões. Marina é uma errata pensante, isso sim. Cada dia brinda o leitor com uma nova edição, que corrige a anterior, e que será corrigida também, até a edição definitiva, que será dada de graça aos vermes.

  8. José Postado em 22/Sep/2014 às 17:02

    Novamente a Marina decepciona removendo coisas interessantes do PG. Está ficando difícil justificar o voto nela. Em compensação, criticar a Embrapa por desenvolver uma variedade semente que "pega" no Cerrado é tão infantil quanto ser contra as sementes transgênicas. A ciência não é boa nem ruim, essas são características das pessoas usando-a.

  9. Natália Postado em 22/Sep/2014 às 17:30

    O que faz uma pessoa frustrada... Marina quer ser presidenta a qualquer custo, por isso quer agradar a todos, mas nem Cristo agradou a todos... Por isso fica nessa vulnerabilidade, e tudo que não é solido desmancha no ar, inclusive os votos.....

  10. Vitor Postado em 22/Sep/2014 às 17:39

    Nem precisa de ataques por parte de outros candidatos, a própria Marina conseguiu cavar sua cova e vai cada vez mais aumentando. Como acreditar em um candidato que recua a cada proposta com a pressão de um determinado setor?

  11. Deisi Postado em 22/Sep/2014 às 18:35

    A Beata das Trevas, é um recuo atrás do outro. Só não recua quando o assunto é a Independência do Banco Central, não pode quebrar o acordo que fez com a Neca do Itaú e a Flexibilização das leis trabalhistas. Você trabalhador que tem direitos trabalhista esqueça, a "nova política" da Tartaruga sem casco é reduzir o 'Custo Brasil" e no fim você pagar a conta. Quanto a independência do Banco Central ela está criando um poder paralelo para que os bancos façam a festa e retornem a eles todo financiamento da campanha da oportunista.

  12. Carlos Santos Postado em 22/Sep/2014 às 22:13

    De novo? Essa mulher é a rainha da mudança, mesmo!

  13. Rita Postado em 22/Sep/2014 às 23:04

    Te decide, Marina!! Impossível agradar a Gregos e Troianos. Aff!!!!! Quero só ver qual vai ser o próximo ponto que Marna vai alterar...

  14. José Martins Postado em 23/Sep/2014 às 00:37

    A mudança não para com a candidata Marina Silva. Agora o agronegócio exigiu e ela mudou o programa de governo. Esse programa da Marina Silva está se transformando numa colcha de retalhos de tantas remendos com as mudanças que faz. Tudo indica que as mudanças vão continuar, assim como a queda dela nas pesquisas.

  15. Poliana Postado em 23/Sep/2014 às 07:52

    É justamente essa postura q vai derrubá-la Natalia. O fenômeno marina silva acabou, foi apenas um momento. Ela ja começou a se mostrar, a revelar um total despreparo pra ser presidente da república. Tenho nojo dessa mulher. Só de pensar q essa fundamentalista religiosa quer se tornar presidente da república, entro em pânico. Ela vai ser uma marionete nas mãos de silas malafaia e toda essa corja assembleana. Com fé em deus, isso n vai acontecer. Vai dar tudo certo em outubro! Nós n merecemos essa escória assembleana governando nosso maravilhoso país!

  16. Leandro Rodrigues Postado em 23/Sep/2014 às 10:11

    Tentando agradar a todo mundo e não agradando ninguém.

  17. Carlos Postado em 23/Sep/2014 às 11:36

    Mudanças óbvias e necessárias. De permanente na vida, só a mudança. Saber reconhecer equívocos e mudar, é característica necessária a quem se propõe governar e administrar. Pelos comentários só reforço a minha opinião de como a esquerda no Brasil degenerou e se igualou à direita: só discursos intelectualmente débeis e passionais.

  18. Arthur Postado em 23/Sep/2014 às 15:58

    Essa é a tua candidata, Marcos Palmeira!

  19. clarice Postado em 30/Sep/2014 às 18:44

    é engraçada a gigante incoerência nessa mulher, pois, para aqueles que não sabem, seu vice - o beto albuquerque, votou a favor de um projeto de lei que quer acabar com as áreas de conservação ambiental - tão arduamente conseguidas. como, meu deus da justiça, uma mulher que prega o amor ao meio ambiente tem como vice um cara que cria um projeto vagabundo desses?