Redação Pragmatismo
Compartilhar
Homofobia 10/Jul/2014 às 10:51
43
Comentários

Mulheres homossexuais são agredidas por homem no meio da rua

Casal de mulheres sofre ataque homofóbico. A estudante de psicologia Carla Ávila foi espancada por um homem quando passava com a sua namorada em frente ao Bar Vinte, no Rio de Janeiro

carla ávila homofobia homossexual

A estudante de psicologia e DJ Carla Ávila foi vítima de mais um ataque motivado por homofobia. Ela passava com sua namorada em frente ao Bar Vinte, localizado na Zona Sul do Rio de Janeiro, quando um homem a espancou por ser intolerante ao casal homossexual. Nenhum funcionário ou cliente do bar prestou socorro às namoradas.

O caso reforça a vulnerabilidade da população LGBT, que constantemente é colocada em risco apenas por exercer seus direitos. Por isso, o deputado federal Jean Wyllys (Psol/RJ) denunciou o ataque em seu Facebook e prestou auxílio às mulheres:

“Mais uma violência dura que se abate sobre a população LGBT em razão da orientação sexual ou identidade de gênero aconteceu na cidade do Rio de Janeiro. Desta vez, a vítima foi Carla Ávila, DJ, que, na última sexta-feira, após deixar o evento em que trabalhava durante um dos jogos da Copa do Mundo, foi espancada covardemente por um homem ainda não identificado ao passar, com sua namorada, em frente ao Bar Vinte, localizado na esquina das ruas Henrique Drummond e Visconde de Pirajá, no bairro de Ipanema, Zona Sul do Rio.

Carla e sua namorada protagonizavam uma briga típica de qualquer casal quando o agressor se levantou da mesa em que estava sentado no bar e, gritando insultos homofóbicos e alegando que não gostava de homossexuais em “sua área”, agrediu Carla inicialmente com um tapa em seu ouvido – forte o suficiente para romper-lhe o tímpano e derrubá-la no chão – e, dando sequência à covarde agressão, com vários chutes em sua cabeça. Carla teve escoriações na cabeça, mãos e cotovelo. Segundo ela, o bar estava lotado e nenhum cliente ou funcionário tentou impedir o agressor, que voltou ao estabelecimento, pagou a conta a saiu normalmente sob o aval da cumplicidade das testemunhas que riram, contribuindo com ofensas, aplausos e filmagens.

Em comunicado oficial em sua página no Facebook, o bar negou que tenha acontecido qualquer tipo de agressão em frente ao estabelecimento.

Várias pessoas procuraram a mim e a meu mandato para denunciar o caso e, imediatamente, coloquei a minha equipe para prestar todo o apoio e orientações necessárias ao casal, para que ele não se intimidasse e soubesse que não está sozinho! A Superintendência dos Direitos Coletivos Individuais e Difusos do Governo do Estado do RJ – SEASDH – RJ – já foi acionada, bem como a Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual/CEDS-RIO, que vai solicitar, à prefeitura, as imagens das câmaras de segurança o mais breve possível para contribuir com o trabalho de investigação da polícia. Carla já fez o registro de ocorrência na polícia civil e, acreditem, está há dias tentando fazer, sem sucesso, o exame de corpo de delito, pois, no dia, não havia um otorrino para atendê-la.

Também estou acionando a OAB e levando mais este caso de agressão contra LGBTs ao conhecimento das comissões de Direitos Humanos da Alerj e da Comissão De Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, da qual faço parte, para que tomem as providências cabíveis. Lembrando a todos os que incitaram e aplaudiram o crime de lesão corporal motivado por homofobia que, quando as imagens forem disponibilizadas (se as moças derem a sorte de elas, as câmeras, terem flagrado a violência e não serem, providencialmente, eliminadas), eles também serão arrolados com criminosos.

É imprescindível que este tipo de violência dura que atinge exclusivamente a população LGBT deixe de ser ignorada pelo poder público em um país que possui o amargo título de ser campeão de assassinatos de pessoas LGBT em todo o mundo. E que as pessoas que aplaudem essa barbárie pensem que, no lugar daquele casal, poderiam estar parentes e amigos seus.”

Fórum

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Teixeira Postado em 10/Jul/2014 às 11:11

    Mais covarde que o agressor são os (as) morféticos (as) que estavam presentes e não fizeram nada. Estamos tomados por uma sociedade individualista e "bundona", e quase sempre estes fatos ocorrem nas grandes cidades. Nós caipiras de cidade pequena podemos ser até fofoqueiros, mas jamais partimos para agressão ou desrespeito as pessoas.

    • Pereira Postado em 10/Jul/2014 às 11:51

      Ó !!! que ótimo !!! Então nos interiores do Brasil não existe violência, nem tráfico e nem nada de ruim ? Que coisa patética esse comentário.

    • Dick Postado em 10/Jul/2014 às 14:05

      Comentário descabido, típico de um mentecapto desses que vivem enfiados no mato.

    • Felipe Batistela Postado em 10/Jul/2014 às 15:36

      Quanta baboseira, e desde quando alguém é obrigado a defender alguém que não conhece?

      • Thiago Teixeira Postado em 10/Jul/2014 às 17:39

        Ótimo. Se um troglodita estiver batendo na sua filha ou na sua mãe na minha frente, vou filmar e rir. Combinado?

      • Denise Postado em 10/Jul/2014 às 18:05

        Felipe Batistela, quem falou a maior baboseira foi vc. Defender as garotas seria um ato de humanidade e sensibilidade, algo que realmente anda em falta, principalmente nas cidades grandes (moro em BH). E Dick, vc é xenófobo.

      • Joker Postado em 11/Jul/2014 às 18:09

        Você não é "obrigado". Defende se quiser. Mas o fato de não defender define muito bem que tipo de pessoa você é. Pobre dos que o cercam. Quanto ao comentário do Thiago Teixeira, foi muito infeliz e "bairrista". Ótimo que onde você mora as coisas sejam assim (se o que diz não é apenas uma afetada defesa pessoal), porém sua generalização é indevida, infantil e, por que não, mal intencionada. Pois além de desconhecer o histórico inegável de violência, racismo, negligência e sexismo presente em cidades menores do interior (e em qualquer cidade, veja bem), ainda determina categoricamente que o "povo do interior" é "menos bundão", numa alusão bastante óbvia a uma superioridade civil, que se assume ser característica de quem não fecha os olhos para o próximo. É evidente que há falta de empatia em populações maiores, e aqui caberia mencionar os incontáveis fatores para isso, entretanto há também o seu oposto, cuja existência já foi observada e registrada (em vídeo, por exemplo) inúmeras vezes. Enfim, definir uma comunidade, uma população por um ato singular é, desculpe-me pelas palavras, bastante estúpido.

    • Renata Postado em 11/Jul/2014 às 14:37

      Thiago, a falta de solidariedade em situações como essa é realmente difícil de entender. Mas, dizer que quem olhava e não fez nada é mais covarde do que quem bateu... talvez não seja por aí também. Eu não daria conta de ver alguém apanhando ao meu lado, não fazer nada e depois voltar pra casa, normalmente. Não mesmo. Aliás, já me meti em situações complicadas por isso. Daí a esperar que outros tenham a mesma postura... Mas pensei muitas coisas a partir dessa sua afirmação. talvez o que choque causado pela apatia em contextos como esse, é que ela subentende uma naturalização da violência contra grupos específicos,né? Apatia que possibilita o linchamento do negro no poste, a menina lésbica apanhar, o "traficante" ser sumariamente executado nas comunidades, a tortura cotidiana de presos nos presídios. E indo além, talvez o realmente intolerável disso tudo é que, em determinado momento, acabamos reconhecendo essa mesma apatia em nós mesmos. E tudo o que somos capazes de fazer é apontá-la no outro produzido em uma e outra manchetes que nos chegam e em que, agressores (homofóbicos) e agredidos (lésbicas) têm uma "classificação". Talvez sejamos apáticos em relação a várias pequenas violências cotidianas sem nome. Talvez seja confortável apontar o agressor-classificável, e poder sentir-se em paz (não sou homofóbico, LOGO, sou legal!) E com isso, acabamos alimentando o círculo do ódio, né? Um monte de talvezes... Talvez isso possa se tornar um diálogo, não?

  2. stanis Postado em 10/Jul/2014 às 11:37

    O cara deve ter ficado brabo porque queria ter uma mulher e não consegue!

  3. [email protected] Postado em 10/Jul/2014 às 11:46

    Não adianta,o povo nunca vai aceitar . As pessoas toleram, eu particularmente acho que devemos respeitar as escolhas de cada um, mesmo eu sendo contra respeito.

  4. JULIO Postado em 10/Jul/2014 às 11:49

    DEUS ACABOU COM SODOMA E GOMORRA. TÁ NA HORA DE ACABAR DE NOVO.

    • Lara Postado em 10/Jul/2014 às 12:15

      Cuidado, Julio. Alguém pode te processar por conta desse comentário homofóbico. Homofobia é crime. Teu IP fica gravado aqui, tem como te rastrear.

      • Marcelo Postado em 11/Jul/2014 às 10:14

        Omophobya não é crime, na verdade omophobya nem existe, isso é só uma palavra inventada pela militância gay para desqualificar quaisquer pessoas que não façam parte da mesma. É direito do Julio não gostar de gay, é direito de qualquer um. Eles escolheram ser gays, e as escolhas acarretam consequências. Aqui no Brasil, por exemplo, quem escolhe ser gay se torna cidadão de primeira classe, protegido pela esquerda política, e cheio de privilégios, porque tudo que se fizer a um gay pode ser considerado omophobya. Se um viado for demitido é omophobya, se levar uma fechada no trânsito é omophobya, se levar um fora de um hétero é omophobya, se levar uma cagada de um pombo é omophobya, se o pedido na lanchonete vier errado é omophobya... Se você for patrão e tiver um funcionário gay, nunca poderá demiti-lo, ou pode ser processado por omophobya, se você estiver concorrendo a uma vaga de emprego com um gay, a vaga é dele ou a empresa será processada por omophobya. Por isso que alguns cidadãos quando se embriagam e estão fora do controle retribuem aleatoriamente ao primeiro gay que vêem na frente pelo que a militância gay causa. Homossexuais agredidos são vítimas da própria militância. OMOPHOBYA NÃO EXISTE!

    • Jon Postado em 11/Jul/2014 às 02:05

      Baseado nesse comentário, dá para ver que você pode ter tudo, menos Deus.

    • Renata Postado em 11/Jul/2014 às 13:21

      Deus está fraco pra acabar tudo por Ele mesmo e anda contratando intermediários?? Ou está de saco cheio dos humanos? (nesse caso, não precisaria perder tempo mandando ninguém sair dando porrada e fudendo tudo por ele...) Sei não, acho q vc precisaria desenvolver melhor seu argumento...

  5. Pereira Postado em 10/Jul/2014 às 11:53

    Deve ser mais um caso de "super homofobia existente no Brasil". Aquela homofobia que entre 56 mil homicídios, menos de 200 são de homossexuais. Mesmo assim mais da metade desses quase 200 cometidos pelos companheiros e garotos de programa. Faz me rir !

    • Pereira Postado em 10/Jul/2014 às 11:56

      É impressionante a tentativa de neocomunistas de transformarem algumas minorias em pessoas dotadas de privilégios. Violência existe contra tudo e quase a totalidade da população está vulnerável contra esse mau. Então eu pergunto ? porque só a violência contra homossexuais, que é pequena, merece destaque e leis especiais ?

      • Adriana Postado em 10/Jul/2014 às 12:58

        Porque essas pessoas são agredidas por serem homossexuais, e não por outro motivo. Sabe o que é um crime de ódio? É um tipo de crime que atenta à dignidade humana e que prejudica toda a sociedade, todas as relações. É comum as vítimas entrarem em depressão e se sentirem vulneráveis, e esse sentimento se espalha a todo o grupo que sofre preconceito, gerando um forte mal-estar coletivo. Entende agora, Pereira?

      • Pereira Postado em 10/Jul/2014 às 13:29

        Eu entendo que tu é no mínimo uma pessoa sem a menor inteligência, ou na melhor das hipóteses mentirosa. Eu sei o que é um crime de ódio, vide os 120 mil cristãos brutalmente assassinados em países muçulmanos e socialistas todos os anos. O número da pretensa homofobia não chega nem perto. A mídia fala isso ? tem algum "intelectual" da ONU preocupado com isso ? Tem leis tramitando para garantir direitos de cristãos ou de liberdade religiosa ? A resposta é um sonoro NÃO !!! E as crianças que sofrem violência por ter cicatrizes, serem baixas, usarem óculos, serem portadoras da síndrome de down, e as crianças gordinhas ? Porque só quem adota comportamento homossexual para sua vida têm direito de leis especiais e melhor atenção da mídia ?

      • Thiago Barros Postado em 10/Jul/2014 às 14:41

        Qual é o propósito de uma lei brasileira para proteger cristãos em países muçulmanos, Pereira? Não seja estúpido, por favor. Eu nunca sofri por ter cicatriz na minha vida (tenho uma bem visível no queixo), e não tenho ideia do que está falando. Sei que crianças são horríveis, mas você está mesmo propondo que se puna crianças que mal tem conhecimento de como é a vida? Voltando aos cristãos massacrados no exterior. Você não vê porque não procura. É óbvio que não verá isso em uma rede nacional de notícias, focada nas notícias nacionais e locais, que quando muito menciona algum evento grande em um país do exterior. Mas se honestamente acredita que não há grupos dos Direitos Humanos (que você provavelmente odeia, né) batalhando para preservar a dignidade de cristãos em países muçulmanos, você está redondamente enganado.

      • Adriana Postado em 10/Jul/2014 às 17:33

        Pereira, veja bem: "crianças gordinhas" ou portadores de síndrome de Down não são perseguidos. Eles não sofrem violência em decorrência de serem quem são. Já homossexuais são agredidos, mortos, espancados e insultados simplesmente por serem homossexuais. Entendeu ou quer que eu desenhe?

    • Comentador Postado em 10/Jul/2014 às 15:29

      Hesitei muito antes de comentar, porque você já tem uma opinião formada a respeito do assunto e aparentemente não está disposto a refletir. Você fala que todos os brasileiros estão sujeitos à violência. É verdade. O problema é quando um brasileiro está sujeito à violência por ser negro, por ser rico, por ser pobre, por ser índio, por ser manco, por ser mulher. E cada grupo deve lutar por seus direitos, não? Então por que é tão ridículo ver um homossexual pedindo respeito? Você não luta por aquilo que acredita ser correto? Então por que homossexuais deveriam ficar caladinhos, aceitando que pessoas como você continuem defendendo a violência contra tudo e contra todos? Homossexuais não pedem direitos a mais, eles pedem OS MESMOS direitos. Tratamento especial seria se heterossexuais fossem proibidos de casar, mas os homossexuais não. Tratamento especial seria se héteros fossem agredidos na rua somente por serem héteros, mas homossexuais não. Enfim, não é difícil de entender. É difícil de aceitar. Só isso. Eu só não consigo entender por que algumas pessoas ainda têm a sensibilidade tão ferida vendo outros tentando ser felizes.

    • Marcelo Postado em 10/Jul/2014 às 17:51

      Burro. Burro. Burro.

      • Bianca Postado em 11/Jul/2014 às 09:53

        Burro demais! Que tristeza

  6. Julia Postado em 10/Jul/2014 às 12:47

    Sinceramente, não sei porque as pessoas que não gostam do site o acompanham só pra criticar!!!!!

  7. Alexandre Rosa Postado em 10/Jul/2014 às 13:39

    Eu achei estranho. Meu ceticismo me diz que algo está mal contado. Além de ninguém fazer nada, as duas mulheres não reagiram (uma ficou olhando a outra tomar chutes na cabeça), o cara entrou no bar, pagou a conta tranquilamente e foi embora... O cara bateu em uma moça e a companheira não fez nada? Acho que não entendi direito : / E, como assim, as pessoas do bar iam ficar todas rindo, filmando e aplaudindo? (duvido muito).

    • Juliana Postado em 10/Jul/2014 às 23:10

      Tem nada estranho ao meu ver. A mídia passa muito a impressão de que não existe racismo, homofobia, preconceito quanto a classe social ocupada pela pessoa e sei lá mais o que mas a gente sabe que na verdade a massa é racista, homofóbica, preconceituosa quanto a classe sim! Globo mesmo adora passar a imagem de que a homofobia está num nível baixíssimo mas em todo canto vejo e escuto gente falando mal, dizendo que tem mais que morrer mesmo e outras atrocidades. Pode ter certeza, Alexandre, que existe animais que acham certíssimo o que esse canalha fez e que diria até que era pra ter matado...

  8. Pereira Postado em 10/Jul/2014 às 13:44

    Para completar, eu e você Adriana estamos estamos sujeitos ao mesmo tipo de violência que essas moças estão. Só que eu sou branco,heterossexual,cristão e monogâmico. Se meu filho sofrer uma violência(psicológica ou verbal) por dizer que lê a bíblia, não terá jeans BBB wilis da vida para levar o caso para a OAB ou para o CN e nem mídia suja para jogar confete. Entendeu agora Adriana ?

    • Geison Postado em 10/Jul/2014 às 15:11

      Seu Pereira, pq ao invés de criticar a posição e atitude do Jean Willys não crias alguma coisa que defenda os teus ideais?? É mais fácil sair criticando e destilando um ódio velado sobre a população LGBT do que por as mãos à obra e fazer alguma coisa pra mudar o que te afeta?? Ah, é cristão e está reclamando de direitos?? por favor, estude a história da sua religião e verás quantos foram mortos pelas mãos da tua igreja, quantas mulheres mortas por serem 'bruxas' sem contar o holocausto que vcs fizeram que não viram... ah, falando em crianças, e os padres pedófilos, não fizeram (e ainda fazem) um mau hediondo a um sem número de crianças pelo mundo todo??? Por favor, faça alguma coisa pela sua vida e pelos seus direitos e não fique criticando quem luta pelos direitos de muitas pessoas.

      • Pereira Postado em 11/Jul/2014 às 14:13

        "estude a história da sua religião e verás quantos foram mortos pelas mãos da tua igreja". Só que a inquisiçaõ(que nem faz parte da "minha igreja") matou 20 mil pessoas em 4 séculos, ja coisa como o comunismo que está a todo o vapor hoje em dia ja matou por baixo 100 milhões em menos de 1 século. No ranking das mortes pode ter certeza que a igreja católica(que eu não faço parte) é a lanterninha disparada.

    • Rodrigo Postado em 10/Jul/2014 às 15:30

      Pereira, deixa eu ver se entendi, então sua lógica é a seguinte, já que você por ser branco heterossexual, monogâmico e cristão, não tem ninguém ou alguma ferramenta que te defenda dos preconceitos sofridos todos os dias no trabalho, em casa, no transporte público, ou quando você simplesmente resolve passear de mãos dadas com sua esposa pela orla, então quem for negro, homossexual , poligâmico ou não cristão também não merece esse tipo de privilégio? Me desculpe mas não foi esse o ensinamento cristão que eu recebi

    • Thiago Barros Postado em 10/Jul/2014 às 15:44

      Não terá mesmo. Porque os direitos do seu filho são respeitados. Se você for em uma delegacia e abrir boletim de ocorrência por intolerância religiosa, pode ter CERTEZA de que será atendido. No caso dos LGBTs, quando sofrem esse tipo de violência, eles dificilmente são atendidos. Seus direitos não são respeitados pelas autoridades, e por causa disso eles precisam de uma """proteção""" de um deputado.

    • Gustavo Postado em 10/Jul/2014 às 15:57

      Pereira, então você argumenta que cristãos são assassinados em países muçulmanos. Sabe por que isso acontece? Isso acontece porque lá o Estado faz uma ESCOLHA religiosa. E, em razão disso, discrimina os outros. Somente em um Estado que NÃO faça escolhas, que acolha a todos, não haverá intolerância religiosa. Seu argumento cai por terra quando você, com argumento religioso, critica grupos agredidos, como os homossexuais. Lá, nos países muçulmanos também é assim. Já pensou se lá o Estado fosse laico? Se ele não pudesse discriminar ninguém por qualquer motivo a partir de uma escolha religiosa? E qual argumento que você usa aqui no Brasil: o argumento contrário a um estado laico. Deixando claro que eu entendo Estado laico como um estado que não tome partido a favor de ninguém, e nem contra ninguém. Ou seja, se existe um cidadão brasileiro sendo agredido, não importa cor, religião, orientação sexual, o Estado, que vê somente o cidadão brasileiro e não quem é (como atualmente acontece) deve se impor e dizer "Ei, temos que investigar o que houve com essa moça. Afinal, NÃO HÁ previsão legal de aceitação de agressão a nenhum brasileiro ou brasileira. Não é isso?

      • Pereira Postado em 11/Jul/2014 às 14:21

        "o argumento contrário a um estado laico. Deixando claro que eu entendo Estado laico como um estado que não tome partido a favor de ninguém, e nem contra ninguém." Primeiro filho, laico é sinônimo de leigo. Os cristãos JAMAIS querem que o estado deixe de ser laico, achamos bom justamente pelo que tu falou. Nós somos defensores da liberdade verdadeira, o problema é que querem cassar nossa liberdade. Sob uma fachada "progressista" que na verdade esconde objetivos neosocialistas sujos como: fim da família tradicional(modelo firmemente estabelecido em todas os povos e civilizações do mundo) desafio a qualquer um me mostrar um povo que não tenha a família tradicional como célula base de sua cultura e religião(seja qual for). Querem cercear nosso direito de defender o que acreditamos(homossexualismo é pecado e vai para o inferno, assim como adultério e promiscuidade). Isso vem da filosofia de antônio gramsci, corroer aos poucos os modelos e padrões existentes mesmo que estes estejam provados que estão dando certo. Para vocÊ entender terá que ler um pouco de gramsci.

    • Juliana Postado em 10/Jul/2014 às 23:21

      Nossaaaa! Como é difícil ser branco, heterossexual e cristão no Brasil... Se tbm for homem e rico aí que fica mais difícil mesmo, né? Na boa, vai ler mais (e sem ser a porcaria da Veja ou algo ligado a Globo e coisas do tipo). Não somente ler mas tbm analisar o que está lendo e ampliando a visão, leia sem se prender a preconceitos e à homofobia velada da religião (que, apesar de falar tanto em amor ao próximo, é outra estimuladora do ódio contra minorias).

    • Renata Postado em 11/Jul/2014 às 13:36

      Pereira, provavelmente um filho de alguém branco,heterossexual,cristão e monogâmico, ao sofrer violência psicológica ou verbal por dizer que lê a bíblia, terá o apoio de toda a comunidade cristã que frequenta. Que, a princípio, ao menos no Brasil, é bem numerosa. E é, de forma geral, quem faz as leis. E que tem mais poder político pra determinar quem deve ou não ser preso, julgado e condenado. Se isso acontecer, realmente não será necessário recorrer ao Jean Willis, mas com certeza, ele será solidário à dor do seu filho. Assim como todas as pessoas que buscam garantir que, ALÉM dos brancos,heterossexuais,cristãos, monogâmicos, classe média/alta , TODOS tenham, também, acesso a direitos e garantia de uma vida digna, da forma que lhes convier.

  9. Ludmila Postado em 10/Jul/2014 às 14:31

    Uma coisa são os casos de bullying, que todos nós estamos expostos e podemos sofrer, em especial as nossas crianças. Ele deve ser tratado com severidade e deve ser repudiado/punido. Outra coisa totalmente diferente são os crimes de ódio. Na Alemanha, os criminosos que mataram milhões de judeus foram submetidos a uma lei especifica, tendo como base o ódio como motivação e o exterminação de um grupo como objetivo. Uma coisa é o assassinato de uma pessoa, seja ela quem for, outra coisa é o assassinato em massa e/ou de grupos específicos. Os dois casos precisam ser punidos, mas sob legislações diferentes, porque as motivações são diferentes. O objetivo disso é evitar o extermínio e/ou assassinatos em massa. A lei que está sendo proposta no Congresso tem o objetivo de evitar exatamente isso, punir os crimes de ódio e evitar um número tão elevado de assassinatos contra grupos homossexuais. Se engana quem acha que esse número é pequeno. E não, ele não é cometido por companheiros em sua maioria. É cometido por pessoas que acham que sua orientação sexual é melhor que as outras e que ela lhe dá o direito de ser Deus e tirar a vida dos outros. Aqui no Brasil os negros e os grays são um dos únicos grupos que se encontram em risco. Homens, mulheres, e cristãos não são assassinados tendo como base a sua condição. Há casos de violência generalizada contra qualquer grupo, mas não há crime de ódios contra eles, como há fora do País. Sendo assim, há necessidade de uma lei especifica sim, para tratar devidamente esses casos. Como cristã, manifesto meu repúdio ao assassinato de cristãos em outros Países. Penso que da mesma forma, nesses países, é necessário uma legislação que punição severa, que aí sim, são crimes motivados por ódio. Sou mulher, heterossexual, casada e cristã, e apoio veemente que todos tenham seus direitos garantidos, independente de sua condição social, raça, cor, credo ou orientação sexual.

    • Pereira Postado em 11/Jul/2014 às 14:30

      "Sou mulher, heterossexual, casada e cristã, e apoio veemente que todos tenham seus direitos garantidos, independente de sua condição social, raça, cor, credo ou orientação sexual." É ? que lindo ! Todos nós defendemos isso. O que não da para ficar quieto é assistir a corrosão causada a célula básica da sociedade(família tradicional) com as mais estapafúrdias desculpas. Dizem querer um mundo melhor e sem violência, mas não sabem ou fingem que não sabe que quanto menos famílias tivermos mais violência(perguntem para qualquer antropólogo honesto). A família tradicional é um sistema que deu certo em qualquer lugar do mundo em qualquer povo ou civilização e agora querem simplesmente da noite para o dia sem nenhum debate acabar com ela para por modelos que não se sabe ainda a desordem social que causará.

  10. paula borges Postado em 10/Jul/2014 às 14:47

    Ora, se seu filho(como no exemplo q vc deu), ou as crianças q sofrem violência por ter cicatrizes, ou as q são baixas, ou as q usam óculos, ou as q são portadores da sindromes de down, ou as gordinhas, dentre tantos exemplos q vc citou...se elas não tem quem as defenda, nós só temos a lamentar. Mas se outros grupos, assim como os dos homossexuais tem pessoas q podem lutar pelos seus direitos e defendê-los na sociedade, lógico q tem q fazê-lo. Se todos esses outros segmentos da sociedade q vc citou não sensibilizou ninguém em suas defesas o q os homossexuais tem haver? Cada um luta pelos seus interesses, e se esses citados por vc não arranjaram ninguém pra lutar pelos seus direitos, só lamento...os homossexuais sim!

    • Pereira Postado em 11/Jul/2014 às 14:36

      "Cada um luta pelos seus interesses, e se esses citados por vc não arranjaram ninguém pra lutar pelos seus direitos". É ???? então por que a cambada de vagabundos militantes gayzistas tenta tirar do ar programas evangélicos sem o menor pudor ? Por que existe uma campanha fervorosa e odiosa contra políticos cristãos ? Estes estão lutando pela causa deles também, não ?

  11. Jon Postado em 11/Jul/2014 às 02:11

    Não me surpreende as pessoas ao redor não terem feito nada. Se você defende uma vítima de homofobia, existe uma imediata acusação de que você está defendendo porque também é gay. São notícias como esta que nos alerta à necessidade urgente de uma lei anti-homofobia. Aqui vai um post sobre o assunto: http://jonparedes.blogspot.com.br/2014/03/importancia-de-uma-lei-anti-homofobia.html

  12. Pereira Postado em 11/Jul/2014 às 14:06

    Pereira, veja bem: "crianças gordinhas" ou portadores de síndrome de Down não são perseguidos. Eles não sofrem violência em decorrência de serem quem são". Sem os menores comentários, uma pessoa que escreve isso não merece o menor crédito.

  13. Pereira Postado em 11/Jul/2014 às 14:40

    Para finalizar de novo. 56 mil homicídios no Brasil em 2013, menos de 200 eram contra homossexuais. desses menos de 200 metade foram cometidos pelo parceiro ou por garotos de programa. E ainda dizem que existe "homofobia monstruosa" no Brasil.