Redação Pragmatismo
Compartilhar
Palestina 20/Jul/2014 às 12:12
13
Comentários

Israel descumpre cessar-fogo e volta a bombardear gaza

Após noite de intenso bombardeio, cessar-fogo fracassa e Israel retoma ataque a Gaza. Poucos minutos após o começo da trégua humanitária, recomeçaram as explosões, causando caos em caravana de ambulâncias

israel gaza palestina ataque
Palestinos fogem de bairro de Gaza durante breve cessar-fogo deste domingo (Agência Efe)

Durou pouco o cessar-fogo humanitário promovido pela Cruz Vermelha para evacuar palestinos de um bairro de Gaza. O governo de Israel e o Hamas tinham combinado neste domingo (20/07) uma trégua humanitária de duas horas no bairro de Shayahía, na cidade de Gaza, que foi intensamente bombardeado na noite de sábado.

No momento em que o exército de Israel confirmou que aceitava o cessar-fogo, uma procissão de ambulâncias e viaturas de resgate se dirigiu ao bairro. Entretanto, poucos minutos após o começo da trégua humanitária, recomeçaram as explosões, causando caos na caravana de ambulâncias.

VEJA TAMBÉM: Hamas propôs 10 condições para paz com Israel um dia antes da invasão

De acordo com o porta-voz do exército israelense, os ataques continuaram porque integrantes do Hamas não cumpriram com o cessar-fogo combinado.

Durante toda a madrugada Shayahía foi atingida por intensos bombardeios. A região é uma das mais populosas de Gaza, com aproximadamente 40 mil habitantes. Segundo o Ministério da Saúde em Gaza, 40 pessoas morreram e 400 ficaram feridas neste bairro em ataques que foram qualificados, em comunicado, de “verdadeiro massacre contra civis”.

Com estes ataques, já são mais de 400 as vítimas mortais em Gaza, enquanto o número de feridos supera os 3 mil, desde o início da operação militar israelense, 12 dias atrás.

Reação do Egito

O governo do Egito condenou neste domingo a última escalada nas operações militares israelenses na Faixa de Gaza, concretamente no bairro de Shayaia, enquanto continua com seus contatos internacionais para conseguir um cessar-fogo definitivo na região. O Ministério das Relações Exteriores egípcio lamentou, em comunicado, a morte de “inocentes” nesse bairro.

O chefe da diplomacia egípcia, Sameh Shukri, reiterou o respaldo do governo do Egito ao povo palestino “nesta crítica etapa que atravessa”. Shukri continuou seus contatos nas últimas horas para analisar a situação em Gaza. Ele conversou por telefone com seus colegas dos EUA, John Kerry; de Omã, Youssef bin Allawi; e do Bahrein, Khaled bin Hamad al Khalifa; assim como com o negociador palestino, Saeb Erekat.

O Egito – tradicional mediador entre Israel e os palestinos – defende que é necessário chegar a uma cessação das hostilidades mediante seu plano. Além disso, há outros países com possibilidades de mediar e que contam com maior boa vontade do movimento islamita palestino.

Por isso, o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, manteve ontem reuniões na Turquia e hoje se dirige ao Catar. Está previsto que se encontre em Doha com o emir catariano, At-Ta’mim bin Hamad al Thani; com o líder do Hamas, Khaled Meshaal, e com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.

Corrida pela vida

Milhares de pessoas tentam abandonar o bairro de Shujaiya, no leste da Faixa de Gaza, objeto desde ontem à noite de intensos e repetidos bombardeios do Exército israelense por terra e ar. Segundo testemunhas, pelo menos uma dezena de pessoas morreu hoje em vários ataques israelenses sobre casas deste populoso bairro, objeto ainda de fortes bombardeios a esta hora do dia.

Responsáveis de saúde temem que o número de mortos possa crescer de forma considerável ao longo do dia, pois a população que foge fala de uma grande destruição. Além disso, os serviços de emergência não podem chegar à zona devido à intensidade dos tiros de canhão, que se repetem a cada dez segundos.

O Exército israelense intensificou esta noite sua incursão terrestre em Gaza, penetrando mais rumo ao interior, depois que em apenas 72 horas cinco soldados morreram em combate.

Cronologia das tensões

A escalada de violência israelense ocorreu após a morte de três adolescentes israelenses na Cisjordânia no final de junho. Como “vingança”, um jovem palestino foi queimado vivo e assassinado em Jerusalém.

Logo após a descoberta dos corpos dos três jovens, Israel iniciou uma ofensiva contra o Hamas. Aviões de guerra passaram a bombardear Gaza destruindo casas e instituições e foram realizadas execuções extrajudiciais. Até agora, quase 600 palestinos foram sequestrados e presos.

A tensão aumentou na região após anúncio, no começo de junho, do fim da cisão entre o Fatah e o Hamas, que controlam a Cisjordânia e a Faixa de Gaza, respectivamente. Israel considera o Hamas um grupo terrorista e por isso suspendeu as conversas de paz que vinham sendo desenvolvidas com os palestinos com a mediação do secretário de Estado norte-americano, John Kerry.

Opera Mundi e Efe

Recomendados para você

Comentários

  1. Gavinho Postado em 20/Jul/2014 às 12:31

    Significado de Massacre s.m. Assassínio de pessoas sem defesa: o massacre da noite de São Bartolomeu. Grande morticínio cruel; carnificina. Fig. Execução desajeitada, insegura: o massacre de uma ópera. Heráld. Galhada de um veado com uma parte do crânio. Sinônimos de Massacre Sinônimo de massacre: carnificina, chacina, fuzilamento, hecatombe, matança e morticínio

  2. Alexandre Lopes Postado em 20/Jul/2014 às 18:17

    Como os Israelenses são covardes , mentirosos , arrogantes e ultra-conservadores !!

    • Gustavo Postado em 21/Jul/2014 às 12:35

      Quem rompeu o tratado foi o Hamas...

      • Paulo Postado em 21/Jul/2014 às 13:36

        Segundo os israelenses... De qualquer forma, dos quase 400 assassinados, quantos eram civis? Mereciam morrer desta forma? Ou para você todo palestino é membro do Hamas?

      • Alexandre Lopes Postado em 21/Jul/2014 às 21:09

        Gustavo , os israelenses são uns mentirosos . Como o Paulo falou, quem disse que o Hamas rompeu o tratado foi Israel . Você acredita no que diz o governo de Israel ?

  3. Thiago Teixeira Postado em 20/Jul/2014 às 18:48

    Isso é ridículo. O Mundo precisa tomar providências, dana-se se são protegidos dos americanos. Eles fazem isso acham que podem tudo e estão acima do bem e do mal. Então Hitler estava certo?

  4. Dinio Postado em 21/Jul/2014 às 09:28

    O ESPÍRITO DE HITLER VIVE EM ISRAEL, JUNTO COM O CAPITÃO AMÉRICA E O HOMEM DE FERRO...POR ONDE ANDARÁ O ESPÍRITO DO "SALVADOR" ???

  5. eu daqui Postado em 21/Jul/2014 às 09:58

    É como se o direito historico a terra desse direto a cometer genocidio. Só cabeça de nazista mesmo !

  6. Pereira Postado em 21/Jul/2014 às 10:40

    Os terroristas palestinos recusaram 2 acordos. É muita canalice.

  7. Isaac Postado em 21/Jul/2014 às 10:53

    Há duas coisas que destroem o mundo: política e religião. Infelizmente estamos rodeados de pessoas que acreditam que a religião é pacificadora ou que nossos políticos se preocupam com a população.

    • Paulo César Postado em 21/Jul/2014 às 18:31

      Calma meu filho, abra a sua cabeça e reveja seu conceito de política. Graças a ela você está postando a sua ideia aqui.

      • Isaac Postado em 21/Jul/2014 às 19:15

        Não há o que rever. A política é um exercício de poder. Atrai as pessoas mais gananciosas dispostas a exercer esse poder.

  8. Ankh Postado em 21/Jul/2014 às 18:39

    Um jovem queimado vivo? Quanta barbárie...