Redação Pragmatismo
Compartilhar
opinião 09/Jun/2014 às 10:05
32
Comentários

Vergonha do Brasil e de ser brasileiro?

charge vitor teixeira
(Charge: Vitor Teixeira)

Marcelo Zero*

Ao contrário de alguns, não sinto nenhuma vergonha do meu país.

Não sinto vergonha dos 36 milhões de brasileiros que conseguiram sair daquilo que Gandhi chamava de a “pior forma de violência”, a miséria.

Agora, eles podem sonhar mais e fazer mais. Tornaram-se cidadãos mais livres e críticos. Isso é muito bom para eles e muito melhor para o Brasil, que fica mais justo e fortalecido. E isso é também muito bom para mim, embora eu não me beneficie diretamente desses programas. Me agrada viver em um país que hoje é um pouco mais justo do que era no passado.

Também não sinto vergonha dos 42 milhões de brasileiros que, nos últimos 10 anos, ascenderam à classe média, ou à nova classe trabalhadora, como queiram.

Eles dinamizaram o mercado de consumo de massa brasileiro e fortaleceram bastante a nossa economia. Graças a eles, o Brasil enfrenta, em condições bem melhores que no passado, a pior crise mundial desde 1929. Graças a eles, o Brasil está mais próspero, mais sólido e menos desigual. Ao contrário de alguns, não me ressinto dessa extraordinária ascensão social. Sinto-me feliz em tê-los ao meu lado nos aeroportos e em outros lugares antes reservados a uma pequena minoria. Sei que, com eles, o Brasil pode voar mais alto.

Não tenho vergonha nenhuma das obras da Copa, mesmo que algumas tenham atrasado. Em sua maioria, são obras que apenas foram aceleradas pela Copa. São, na realidade, obras de mobilidade urbana e de aperfeiçoamento geral da infraestrutura que melhorarão a vida de milhões de brasileiros. Estive no aeroporto de Brasília e fiquei muito bem impressionado com os novos terminais e com a nova facilidade de acesso ao local. Mesmo os novos estádios, que não consumiram um centavo sequer do orçamento, impressionam. Lembro-me de velhos estádios imundos, inseguros, desconfortáveis e caindo aos pedaços. Me agrada saber que, agora, os torcedores vão ter a sua disposição estádios decentes. Acho que eles merecem. Me agrada ainda mais saber que tido isso vem sendo construído com um gasto efetivo que representa somente uma pequena fração do que é investido em Saúde e Educação. Gostaria, é claro, que todas as obras do Brasil fossem muito bem planejadas e executadas. Que não houvesse aditivos, atrasos, superfaturamentos e goteiras. Prefiro, no entanto, ver o Brasil em obras que voltar ao passado do país que não tinha obras estruturantes, e tampouco perspectivas de melhorar.

Tranquiliza-me saber que o Brasil tem um sistema de saúde público, ainda que falho e com grandes limitações. Já usei hospitais públicos e, mesmo com todas as deficiências do atendimento, sai de lá curado e sem ter gasto um centavo. Centenas de milhares de brasileiros fazem a mesma coisa todos os anos. Cerca de 50 milhões de norte-americanos, habitantes da maior economia do planeta e que não têm plano de saúde, não podem fazer a mesma coisa, pois lá não há saúde pública. Obama, a muito custo, está encontrando uma solução para essa vergonha. Gostaria, é óbvio, que o SUS fosse igual ao sistema de saúde pública da França ou de Cuba. Porém, sinto muito orgulho do Mais Médicos, um programa que vem levando atendimento básico à saúde a milhões de brasileiros que vivem em regiões pobres e muito isoladas. Sinto alívio em saber que, na hora da dor e da doença, agora eles vão ter a quem recorrer. Sinto orgulho, mas muito orgulho mesmo, desses médicos que colocam a solidariedade acima da mercantilização da medicina.

Estou também muito orgulhoso de programas como o Prouni, o Reuni, o Fies, o Enem e os das cotas, que estão abrindo as portas das universidades para os mais pobres, os afrodescendentes e os egressos da escola pública.

Tenho uma sobrinha extremamente talentosa que mora no EUA e que conseguiu a façanha de ser aceita, com facilidade, nas três melhores universidades daquele país. Mas ela vai ter de estudar numa universidade de segunda linha, pois a família, muito afetada pela recessão, não tem condição de pagar os custos escorchantes de uma universidade de ponta. Acho isso uma vergonha.

Não quero isso para o meu país. Alfabetizei-me e fiz minha graduação e meu mestrado em instituições públicas brasileiras. Quero que todos os brasileiros possam ter as oportunidades que eu tive. Por isso, aplaudo a duplicação das vagas nas universidades federais, a triplicação do número de institutos e escolas técnicas, o Pronatec, o maior programa de ensino profissionalizante do país, o programa de creches e pré-escolas e o Ciência Sem Fronteiras. Gostaria, é claro, que a nossa educação pública já fosse igual à da Finlândia, mas reconheço que esses programas estão, aos poucos, construindo um sistema de educação universal e de qualidade.

Tenho imenso orgulho da Petrobras, a maior e mais bem-sucedida empresa brasileira, que agora é vergonhosamente atacada por motivos eleitoreiros e pelos interesses daqueles que querem botar a mão no pré-sal. Nos últimos 10 anos, a Petrobras, que fora muito fragilizada e ameaçada de privatização, se fortaleceu bastante, passando de um valor de cerca de R$ 30 bilhões para R$ 184 bilhões. Não bastasse, descobriu o pré-sal, nosso passaporte para o futuro.

Isso seria motivo de orgulho para qualquer empresa e para qualquer país. Orgulha ainda mais, porém, o fato de que agora, ao contrário do que acontecia no passado, a Petrobras dinamiza a indústria naval e toda a cadeia de petróleo, demandando bens e serviços no Brasil e gerando emprego e renda aqui; não em Cingapura. Vergonha era a Petrobrax. Pasadena pode ter sido um erro de cálculo, mas a Petrobrax era um crime premeditado.

Vejo, com satisfação, que hoje a Polícia Federal, o Ministério Público, a CGU e outros órgãos de controle estão bastante fortalecidos e atuam com muita desenvoltura contra a corrupção e outros desmandos administrativos. Sei que hoje posso, com base na Lei da Transparência, demandar qualquer informação a todo órgão público. Isso me faz sentir mais cidadão. Estamos já muito longe da vergonha dos tempos do “engavetador-geral”. Um tempo constrangedor e opaco em que se engavetavam milhares processos e não se investigava nada de significativo.

Também já se foram os idos vergonhosos em que tínhamos que mendigar dinheiro ao FMI, o qual nos impunha um receituário indigesto que aumentava o desemprego e diminuía salários. Hoje, somos credores do FMI e um país muito respeitado e cortejado em nível mundial. E nenhum representante nosso se submete mais à humilhação de ficar tirando sapatos em aeroportos. Sinto orgulho desse país mais forte e soberano.

Um país que, mesmo em meio à pior recessão mundial desde 1929, consegue alcançar as suas menores taxas de desemprego, aumentar o salário mínimo em 72% e prosseguir firme na redução de suas desigualdades e na eliminação da pobreza extrema.

Sinto alegria com esse Brasil que não mais sacrifica seus trabalhadores para combater as crises econômicas.

Acho que não dá para deixar de se orgulhar desse novo país mais justo igualitário e forte que está surgindo. Não é ainda o país dos meus sonhos, nem o país dos sonhos de ninguém. Mas já é um país que já nos permite sonhar com dias bem melhores para todos os brasileiros. Um país que está no rumo correto do desenvolvimento com distribuição de renda e eliminação da pobreza. Um país que não quer mais a volta dos pesadelos do passado.

Esse novo país mal começou. Sei bem que ainda há muito porque se indignar no Brasil.

E é bom manter essa chama da indignação acessa. Foi ela que nos trouxe até aqui e é ela que nos vai levar a tempos bem melhores. Enquanto houver um só brasileiro injustiçado e tolhido em seus direitos, todos temos de nos indignar.

Mas sentir vergonha do próprio país, nunca. Isso é coisa de gente sem-vergonha.

(*) Marcelo Zero é formado em Ciências Sociais pela UnB

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Teixeira Postado em 09/Jun/2014 às 10:12

    Estive em São Paulo neste final de semana a trabalho, parece outra nação. Todos mobilizados no viralatismo, até parentes meus, colegas de trabalho entusiastas no passado, pessimistas e mergulhados num negativismo doentio.

  2. Junior Postado em 09/Jun/2014 às 11:23

    Alguma coisa esta errado então, pois o que o governo faz de investimentos no país é somente alguns por centos, de maneira que há mais falta de investimentos no país...

  3. marco Postado em 09/Jun/2014 às 11:25

    otimo

  4. luisa valdorf Postado em 09/Jun/2014 às 11:33

    Pois é Rodrigo, este "tipo de texto ufanista" será repetitivo enquanto textos de "brasileiros" com complexo de vira-lata como vc, amplamente divulgado pelo PIG forem reproduzidos como mantras da direitona nazifacista.

    • José Ferreira Postado em 09/Jun/2014 às 11:41

      É um texto esquerdista com a linguagem "galvãobuenesca". Do jeito que esse texto fala parece até que somos suecos... Doce ilusão.

    • Rafael Postado em 10/Jun/2014 às 09:29

      Luisa, cada um tem seu próprio jeito de enxergar. Mas vale ler aqui: http://apublica.org/a-copa-e-do-povo/

    • Zélia Maria Sereno Postado em 10/Jun/2014 às 09:53

      Parabéns pela resposta, Luisa!

    • luis Postado em 10/Jun/2014 às 11:37

      José ferreira s eu estudo num instituto federal e tenho grande orgulho de saber que o nosso pais me proporcionou isso gratuitamente(no sentido financeiro),meu biso que precisou de cirurgia no coração foi para o SUS e consegui(a grande espera,mas conseguiu) saiu de la sem pagar um centavoe graças a isso ele ainda esta vivo, minha bisa teve de retirar um cancer do pulmão fez pelo SUS e conseguiu fazer a cirurgia, sim o SUS nao é perfeito mas eu tenho orgulho de viver em um pais aonde somos tratados como pessoas e não como geradores de dinheiro,realmente nao somos um suecia, mas estamos no caminho

  5. Alek Postado em 09/Jun/2014 às 11:55

    Só faltou no final do artigo: "Texto enviado pela Assessoria de Imprensa do Governo"

    • marcelo Postado em 10/Jun/2014 às 12:50

      Perfeito comentário, Alek, resume bem o teor desse texto!

  6. Celio Bernstein Postado em 09/Jun/2014 às 12:08

    O mais incrível é ver alguns brasileiros que eram antes fanáticos por futebol a ponto de partirem para a ignorância, deixaram de gostar do dito esporte da noite para o dia... Ou seja, percebe-se que o complexo de vira-lata é um mal que supera o ufanismo e ao fanatismo.

  7. Adir de Paula Postado em 09/Jun/2014 às 19:44

    O pior cego é o que não quer ver. Tem orgulho daquilo que melhorou no país não nos dá o direito de fechar os olhos para os problemas que nos afligem. Estadios no Amazonas, não é dinheiro jogado fora? Sou da área da saúde, há maisde vinte anos na saúde pública e fico triste com a qualidade do que é ofertado à população. Não sejamos ingenuos. Não estamos no primeiro mundo. Temos muito pouco do que nos orgulhar, menos ainda dis nossos governantes

  8. Bruno Postado em 10/Jun/2014 às 07:12

    Ótimo texto!

  9. Paulo Postado em 10/Jun/2014 às 09:10

    Apesar dos discursos ufanistas a realidade bate á porta todos os dias e mostra que ainda falta muito. Contra fatos não há argumentos, a menos que tenha-se a intenção desonesta de desinformar, utilizando-se de uma mídia onde, felizmente, não é passiva com é a TV. Essa é a única vantagem pois a voz do brasil já não é mais obrigatória mas já tem seus sucessores. É óbvio o caráter ideológico do artigo quando o articulista afirma que "sinto alegria com esse Brasil que não mais sacrifica seus trabalhadores para combater as crises econômicas.". Aonde?

  10. Raphael Bezerra Postado em 10/Jun/2014 às 09:24

    Eu não sei se rio ou se choro lendo esse texto. Não sei se o autor é alienado ou se está na posição de fator alienante. Eu, sinceramente, entristeço-me ao perceber o quanto esta página vem fazendo esforço pra tapar os olhos de todos às muitas distorções que se veem hoje no Brasil. Eu não sinto vergonha de ser brasileiro, até porque é idiotice sentir vergonha de algo tão bobo E que sequer foi escolha minha. Mas daí a ser ufanista ao ponto de tentar de todo modo fechar os olhos para o que está, sim, MUITO errado, não dá pra mim. E falemos aqui claramente: este é um portal da situação. Não sou petista, tampouco tucano, então creio que tenho lido tudo de forma isenta. É ridícula a forma dissimulada (na verdade, bem mal dissimulada) pela qual vocês têm apoiado o atual governo. Seria interessante passarem pontos de vista diversos, e não tentar bitolar o leitor com uma visão deturpada e unilateral dos acontecimentos.

    • marcelo Postado em 10/Jun/2014 às 13:40

      É uma pena que portais e sites se deixem corromper, vendendo-se a quem pagar mais, deixando de lado um compromisso com a ética, a informação e com os leitores. Também não sou PT e muito menos PSDB, minha crítica é, tão somente, a insistente tentativa de convencer o cidadão brasileiro de que tudo vai bem, quando sabemos que não é verdade, junho de 2013 mostrou pra quem quisesse ver isso! Aqui, como na revista Veja, vale tudo, até distorcer a realidade como fazem os articulistas extrema direita Reinaldo Azevedo e Rodrigo Constantino. A Veja age com terrorismo, fazendo o leitor achar que o PT quer transformar o Brasil na Bolívia, Cuba etc. Já o Pragmatismo Político faz uso da estratégia do "reencantamento" do Brasil, como se estivéssemos a um passo de um padrão de qualidade de vida, justo, digno e humano, quando na verdade estamos muito distantes disso. Então podemos dizer que o que muda é apenas o partido apoiado, mas as estratégias, infelizmente são as mesmas, entre elas, a pior que acho é a desinformação. Lamentável!

  11. Johnny Postado em 10/Jun/2014 às 09:50

    O texto é essencial. Quando o PSDB governava, houve crises econômicas em alguns países que foram suficientes para desgraçar a vida dos brasileiros. O desemprego e o arrocho salarial tomaram conta do pedaço na década de 90. Mas aquelas crises eram fichinha perto da atual. Hoje temos a maior crise mundial desde a quebra da Bolsa em 1929 e o Brasil segue com emprego e renda em ascensão. E com enormes investimentos. A frase crucial do texto é esta: o Brasil não mais sacrifica seus trabalhadores para combater as crises econômicas.

  12. lelo Postado em 10/Jun/2014 às 10:06

    é ser realista , o que é bom é bom , o que é ruim é ruim, cada um vive num universo diferente apesar de estar no mesmo pais....esses comentários parece que são para defender sigla,letras (psdb, pt, pmdb), eu não defendo letras , e sim homens , independente de sigla que ele carrega....

  13. Silmara Postado em 10/Jun/2014 às 10:54

    Será que posso viver nesse país, Marcelo Zero? Pois aqui onde vivo passei uma semana em busca de atendimento de Urgência para meu sogro com 72 anos de idade. Nas 3 vezes que conseguimos atendimento por médicos residentes cada um deu um diagnóstico diferente... Voltamos pra casa sentindo a mesma dor que ele, talvez até maior, diante da impotência ante ao nosso eficiente Sistema Público de Saúde. Conclusão: fomos obrigados a pagar pelo atendimento particular, e então obter um diagnóstico preciso e a medicação para tratar. Deixo somente esse exemplo, para não haver mais delongas.

  14. Guilherme Postado em 10/Jun/2014 às 11:04

    Odeio patriotadas. Qualquer um q souber um pouco da história do Brasil saberá q ele foi forjado numa reunião de velhacos. O ideal seria q ele se fragmentasse como aconteceu com o Império Austro-húngaro e o Império Otomano. Eu não tenho nada a ver com o povo do AM, AC, RN, RS, GO, SP, MG, PR, PA.... q cada um tome seu rumo... Seria lindo...

    • Anônimo Postado em 10/Jun/2014 às 13:18

      Entendi. Numa era em que empresas multi-nacionais procuram por meio de aquisições se tornarem cada vez maiores, você acha mesmo que governos tem que se fragmentar. Além disso, vc gostaria de pagar ainda mais caro por produtos que hoje são nacionais, já que eles teriam que passar por uma alfândega pra chegar até você. Só quem sairia ganhando nessa história seriam os donos de empresa.

    • Geise Postado em 10/Jun/2014 às 20:50

      O que você está fazendo aqui? por que não está na Hungria? Bye bye Guilherme...

  15. Wilma César Postado em 10/Jun/2014 às 11:19

    Belíssimo texto. Exatamente o que sinto, o que vejo e o que quero. Parabéns.

  16. Nane Postado em 10/Jun/2014 às 11:56

    Parabéns Luis, fico satisfeita em saber que a sua família foi bem atendida no SUS. Pena que um médico desse sistema receba apenas 10 reais pela consulta, ainda sim a maioria deles presta um bom serviço.

  17. Douglas Postado em 10/Jun/2014 às 12:05

    Faço minhas as palavras do Alek. Esse Marcelo Zero deve ter se formado no sindicato do "barba". Se preza tanto cuba, VAI PRA LÁ, CARA E DEIXA DE ENCHER LINGUIÇA AQUI !

  18. marcelo Postado em 10/Jun/2014 às 12:44

    Puxa, quanta apelação em um texto só!! Se realmente o Brasil estivesse essa maravilha toda, esse texto nem PRECISARIA ser publicado com o intuito de convencimento usando argumentos mais que duvidosos... E ainda tem o descaramento de escrever isso: "Tornaram-se cidadãos mais livres e críticos. Isso é muito bom para eles e muito melhor para o Brasil, que fica mais justo e fortalecido." Como isso é possível,se este e vários outros sites se parecem com o da Veja, só que em vez de defender o PSDB, o "Pragmatismo" insiste em publicar textos meramente ufanistas que não dão subsídios para o leitor refletir criticamente sobre a conjuntura política?? De acordo com esse texto, por exemplo, não nos falta quase nada, estamos quase no primeiro mundo!! Não deve ser coincidência esse partidarismo aqui, da mesma forma que na Veja não é! Ah, pára...já percebemos a estratégia de desqualificar quem apontar irregularidades e corrupção no Governo, tal qual acontecia com o PSDB. É lógico que melhoramos no quesito extrema pobreza, mas quando vamos fazer uma crítica desprovida de "paixonites", apontamos também os problemas de base que insistem em nos envergonhar, como a corrupção que envolve as obras da Copa? As inúmeras famílias (pobres, lógico) que foram despejadas de forma insensível para construção de obras? Porque não diz que os ingressos da copa são superfaturados, agradando assim, apenas ricos e classe média?? Porque não falou no montante gasto em segurança pública apenas nesse período da Copa? Sabemos que depois da copa, a segurança pública voltará a ser a mesma, sem aparatos e sem apoio de exército. Porque não lembrou de falar que a Caixa Econômica e o Banco do Brasil gastaram cerca de 9 milhões em ingressos para clientes VIPS ? Porque não falou que há 2 meses o funcionalismo público das universidades está em greve por melhorias salariais, pelo cumprimento do acordo feito com o governo na última greve? Porque não fala no apoio dado a Maluf, um dos maiores corruptos do mundo, procurado inclusive pela Interpol? Porque não falou da hiper super faturação da Petrobrás na estão Dilma, é mais CONVENIENTE afirmar que as críticas tem objetivo eleitoreiro. Porque não cobrou em seu texto a prometida reforma política, que poderia inibir apadrinhamentos de empresários em campanhas políticas?? Porque não fala da inércia do PT diante do PSC, se rendendo a conservadorismos e abrindo mão desse modo do Estado Laico para atender agendas de conservadores em troca de apoio?? Me desculpe, autor do texto, mas críticas apaixonadas não contribuem muito com a conscientização política de ninguém, só serve para percebermos o quanto tendenciosos podemos ser quando queremos agradar uma determinada assessoria, seja de um órgão ou de um político. Críticas assim, ainda tem a pachorra de colocar o leitor quase em estado de graça e gratidão às poucas conquistas sociais até hoje....Menos, né? Prefiro críticas que nos coloquem no nosso lugar de merecimento, ou seja, de eleitor que tem todo o direito de cobrar por melhorias de qualidade de vida de base e não por seduções ufanistas.

  19. Esdras Pereira Alves Neto Postado em 10/Jun/2014 às 13:49

    É esse o Brasil que estamos tendo e vamos construí-los e aprimora-lo cada vez mais para nós e nossas futuras gerações viver.

  20. Batera Postado em 10/Jun/2014 às 14:37

    Reverenciar os avanços é preciso, mas não podemos tapar os olhos pra desigualdade, violência e impunidade que ainda assola o Brasil. Os avanços sãos inegáveis, mas pelo teor do texto até parece que vivemos na Suíça. Típico texto de Militante Petista!!

  21. fernanda Postado em 10/Jun/2014 às 16:22

    total shame

  22. Reynaldo Postado em 10/Jun/2014 às 17:35

    Para começar, vivemos numa sociedade onde os "patriotas" são favoráveis ao livre mercado rsrsrsrs Viralatismo vá latir em miami

  23. João Paulo F. de Assis Postado em 10/Jun/2014 às 19:30

    Que interessante! Tanta gente vindo aqui acusar o Pragmatismo Político de se governista só porque o PP não concorda com a verdade absoluta propagada pela mídia. Ora se é verdade o que a mídia publica, e verdade é verdade por mais dolorosa que seja, porque vocês vêm aqui acusar o PP de ser governista? Por acaso temos de acreditar em tudo que a mídia fala? Achar verdade verdadeira tudo que ela noticia? Então, porque vocês estão tão incomodados? Será mentira a verdade absoluta que a mídia quer que vigore?

    • marcelo Postado em 10/Jun/2014 às 22:34

      Olhe ao seu redor e se faça essa pergunta, ok?