Redação Pragmatismo
Compartilhar
Eleições 2014 06/Jun/2014 às 20:21
22
Comentários

O fascismo ronda o Brasil em 2014

Ao votar este ano, reflita se por acaso você estará plantando uma semente do fascismo ou colaborando para extirpá-la

Frei Betto

Jean-Marie le Pen, líder da direita francesa, sugeriu deter o surto demográfico na África e estancar o fluxo migratório de africanos rumo à Europa enviando, àquele sofrido continente, “o senhor Ebola”, uma referência diabólica ao vírus mais perigoso que a humanidade conhece. Le Pen fez um convite ao extermínio.

O ex-presidente francês Nicolas Sarkozy propôs a suspensão do Tratado de Schengen, que defende a livre circulação de pessoas entre trinta países europeus. Já a livre circulação do capital não encontra barreiras no mundo… E nas eleições de 25 de maio a extrema-direita europeia aumentou o número de seus representantes no Parlamento Europeu.

A queda do Muro de Berlim soterrou as utopias libertárias. A esquerda europeia foi cooptada pelo neoliberalismo e, hoje, frente a crise que abate o Velho Mundo, não há nenhuma força política significativa capaz de apresentar uma saída ao capitalismo.

Aqui no Brasil nenhum partido considerado progressista aponta, hoje, um futuro alternativo a esse sistema que só aprofunda, neste pequeno planeta onde nos é dado desfrutar do milagre da vida, a desigualdade social e a exclusão.

Caminha-se de novo para o fascismo? Luis Britto García, escritor venezuelano, frisa que uma das características marcantes do fascismo é a estreita cumplicidade entre o grande capital e o Estado. Este só deve intervir na economia, como apregoava Margareth Thatcher, quando se trata de favorecer os mais ricos. Aliás, como fazem Obama e o FMI desde 2008, ao se desencadear a crise financeira que condena ao desemprego, atualmente, 26 milhões de europeus, a maioria jovens.

O fascismo nega a luta de classes, mas atua como braço armado da elite. Prova disso foi o golpe militar de 1964 no Brasil. Sua tática consiste em aterrorizar a classe média e induzi-la a trocar a liberdade pela segurança, ansiosa por um “messias” (um exército, um Hitler, um ditador) capaz de salvá-la da ameaça.

A classe média adora curtir a ilusão de que é candidata a integrar a elite embora, por enquanto, viaje na classe executiva. Porém, acredita que, em breve, passará à primeira classe… E repudia a possibilidade de viajar na classe econômica.

Por isso, ela se sente sumamente incomodada ao ver os aeroportos repletos de pessoas das classes C e D, como ocorre hoje no Brasil, e não suporta esbarrar com o pessoal da periferia nos nobres corredores dos shopping-centers. Enfim, odeia se olhar no espelho…

O fascismo é racista. Hitler odiava judeus, comunistas e homossexuais, e defendia a superioridade da “raça ariana”. Mussolini massacrou líbios e abissínios (etíopes), e planejou sacrificar meio milhão de eslavos “bárbaros e inferiores” em favor de cinquenta mil italianos “superiores”…

O fascismo se apresenta como progressista. Mussolini, que chegou a trabalhar com Gramsci, se dizia socialista, e o partido de Hitler se chamava Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães, mais conhecido como Partido Nazista (de Nationalsozialist).

Os fascistas se apropriam de símbolos libertários, como a cruz gamada que, no Oriente, representa a vida e a boa fortuna. No Brasil, militares e adeptos da quartelada de 1964 a denominavam “Revolução”.

O fascismo é religioso. Mussolini teve suas tropas abençoadas pelo papa quando enviadas à Segunda Guerra. Pio XII nunca denunciou os crimes de Hitler. Franco, na Espanha, e Pinochet, no Chile, mereceram bênçãos especiais da Igreja Católica.

O fascismo é misógino. O líder fascista jamais aparece ao lado de sua mulher. Como dizia Hitler, às mulheres fica reservado a tríade Kirche, Kuche e Kinder (igreja, cozinha e criança).

O fascismo é anti-intelectual. Odeia a cultura. “Quando ouço falar de cultura, saco a pistola”, dizia Goering, braço direito de Hitler. Quase todas as vanguardas culturais do século XX foram progressistas: expressionismo, dadaísmo, surrealismo, construtivismo, cubismo, existencialismo. Os fascistas as consideravam “arte degenerada”.

O fascismo não cria, recicla. Só se fixa no passado, um passado imaginário, idílico, como as “viúvas” da ditadura do Brasil, que se queixam das manifestações e greves, e exalam nostalgia pelo tempo dos militares, quando “havia ordem e progresso”. Sim, havia a paz dos cemitérios… assegurada pela férrea censura, que impedia a opinião pública de saber o que de fato ocorria no país.

O fascismo é necrófilo. Assassinou Vladimir Herzog e frei Tito de Alencar Lima; encarcerou Gramsci e madre Maurina Borges; repudiou Picasso e os teatros Arena e Oficina; fuzilou García Lorca, Victor Jara, Marighella e Lamarca; e fez desaparecer Walter Benjamin e Tenório Júnior.

Ao votar este ano, reflita se por acaso você estará plantando uma semente do fascismo ou colaborando para extirpá-la.

Brasil de Fato

Recomendados para você

Comentários

  1. luis Postado em 06/Jun/2014 às 19:44

    Bem, a Marilena Chauí não gosta de classe média, pois são mais pobres que ela. O PT também não gosta de classe média (quem é pequeno empresário sabe disso), pois quer todo mundo pobre pra receber ajuda do governo. Os pobres não gostam da classe média por que são os patrões deles. Enfim, o pessoal só gosta da classe média na hora de receber o dinheiro do imposto (rico sonega e pobre não paga), aí é uma beleza...

    • Denisbaldo Postado em 06/Jun/2014 às 23:55

      O Roger do Ultraje a Rigor é classe média? O Luciano Huck, o Faustão, a Rede Globo, etc. são classe média? Eles não estão felizes com o PT também. Você já tentou tentar entender o porquê disso? Parece que a sua classe média tem sido manipulada por outra classe que não é tão média assim. Na hora que a coisa pegar fogo porque esses tais "classe média" não dividiram suas rendas, eles têm helicópteros para fugir da baderna, e você? Continue apoiando a "classe média" meu amigo, mas tenha certeza de descolar um helicóptero quando a coisa estourar.

    • luis Postado em 07/Jun/2014 às 10:48

      Denisbaldo, eu sei que eu vou me ferrar quando a coisa estourar, mas vou fazer o quê? Ficar rico ou ficar pobre num lance de mágica? Por que eu deveria dividir ainda mais a minha renda se eu já pago quase 50% do que eu ganho em impostos? Aliás, entre os que vão fugir de helicóptero estão todos os governantes, incluindo os do PT (todos milionários). Antes que venham me encher o saco, estou completamente ciente que o PSDB e o DEM são muito mais corruptos e ladrões que eles.

    • Eronilce Foschiera Postado em 09/Jun/2014 às 00:17

      acho q o emprego no congresso e maior roubalheira contra tds , dar a mao aos pobres acho uma grande virtude . quem tem a barriga cheia quer mais sempre mais e o resto q se exploda , depois vem falar em Deus vivem dentro de Igreja so pra aparecer , pois o coração e d pedra , pobre coitado ,pelo fim q tera.] Agora , uma coisa e certa PSDB ,nunca

  2. Carlos Prado Postado em 06/Jun/2014 às 19:48

    Fascismo nascido do partido comunista, Mussolini como a principal escolha soviética a líder comunista, mesmo ideal de modelar o mundo, mesmo método de modelar a sociedade perfeita pela força das armas(e que outra maneira teriam de impor a igualdade a todos?), racista e discriminatória como toda boa teoria socialista... E ainda querem dizer que é uma extrema-direita, que não é socialista. Pode não ser marxista, isto não é mesmo. Mas Marx não é o pai de todo o socialismo, nem mesmo o criador. Mas o fascismo só pode ser considerado de direita se pensarmos que 3 esquerdas viram para a direita. O fascismo é uma corrente revolucionária que tenta instaurar o seu socialismo e extinguir a "luta de classes" unindo-as todas sob a tutela estatal.

    • Hélio Postado em 08/Jun/2014 às 18:55

      Quanta baboseira confusa você vomitou agora.

    • pedro Postado em 09/Jun/2014 às 08:59

      Cara, sinceramente, que nonsense

    • Felipe P Postado em 09/Jun/2014 às 09:53

      Hahahahaha. Deu problema no cidadão.

    • Bruno Postado em 09/Jun/2014 às 11:17

      Você é coxinha mesmo!!!!!!!!!!!Vai estudar seu ignorante!!!!!!!!!!!!!

    • Danilo Henrique Postado em 09/Jun/2014 às 13:33

      Perfeito comentário. O Fascismo é uma ideologia de cunho socialista. Nega a luta de classes, mas é tão historicista e estadista quanto o comunismo. Para os que criticaram estou aberto a debates

    • Igor Postado em 09/Jun/2014 às 15:28

      não consegui ler até depois do segundo parágrafo, quanto lixo.

      • Carlos Prado Postado em 10/Jun/2014 às 15:08

        Por isso que nunca vai conseguir pensar além do que programaram para você ideologicamente seguir.

  3. Beto Postado em 06/Jun/2014 às 22:35

    "A queda do Muro de Berlim soterrou as utopias libertárias" quase parei de ler aqui, acho até que nao entendi direito, o medo da extrema direita, renascida após a crise, é real. Todavia, o golpe militar era um governo autoritário, o sistema fascista tmb, isso não quer dizer que o primeiro almejava ser como o segundo, assim como o nacionalismo, existe em muitos países que não são fascistas! A figura de Peron e Lula, era e são de lideres próximos ao povo, mas não eram fascistas!

  4. Beto Postado em 06/Jun/2014 às 22:36

    Ao que eu estudei, o liberalismo não era o fazia parte do ideal nazista! De extrema direita eles detinham apenas o conservadorismo!

    • Carlos Prado Postado em 07/Jun/2014 às 17:37

      Não eram nem liberais nem conservadores. De liberais não tinham nada por quererem aparelhar todo o estado e ter tudo sob o controle do estado, mesmo que no papel algo fosse privado. Já de conservador não tinha nada também, estavam mais para uma mistura de reacionários(os esquerdistas podem desconsiderar então, já que nos manuais dos partidos diz que reacionários, conservador e liberal é tudo a mesma coisa) e revolucionários. A parte reacionária vinha do sentimento bucólico de resgatar um suposto volk alemão, um estado anterior onde o homem ariano estivesse livre das instituições ocidentais defendidas pelos conservadores e fosse puro e feliz - teorizava-se até a retomada do paganismo nórdico, mas na hora de por em prática tiveram que ser pragmáticos e não levaram muito adiante esta parte.

      • Danilo Henrique Postado em 09/Jun/2014 às 13:40

        Corretíssimo. A corrente dos idealistas alemães do século XIX propagaram por toda a Europa a ideia de historicismo tal como apregoava Hegel, Fichte e Kant. A diferença é que tal filosofia foi incorporada pelo fascismo de forma totalitária, absoluta, quase religiosa. Schelling talvez tenha sido o primeiro idealista a abordar dessa forma o pensamento historicista devido a sua tendência reacionária a Revolução Francesa É uma corrente que se afasta muito do liberalismo, do conservadorismo e na prática consiste de um "neo-absolutismo" com pitadas de socialismo.

  5. Cassiano Postado em 08/Jun/2014 às 22:19

    Um país atrasado, que passa por transformações como o Brasil, é de se esperar que esses 'conservadores' , para não dizer simplórios, abram a boca e vociferem

  6. Elias Postado em 08/Jun/2014 às 22:44

    O texto é tão idiota que nem tem o que comentar.

    • Fred Postado em 09/Jun/2014 às 11:26

      Um texto tão bom e tantos comentários estúpidos

  7. Thiago Teixeira Postado em 09/Jun/2014 às 12:48

    Eu acho que numa democracia deva existir fascistas, nazistas, esquerdistas, direita, conservadores, radicais comunistas, bonzinhos, maus, lulistas, ruralistas, socialistas ... tudo no mesmo congresso, pois a divergência de ideias enriquece uma nação, já o pensamento único só trás retrocesso, comodismo e lastima total.

    • Carlos Prado Postado em 10/Jun/2014 às 15:10

      O foda é termos somente fascistas, com alguns sociais democratas e um bom tanto de socialistas. Assim não dá para ter um enriquecimento de ideias.

  8. Luís Postado em 09/Jun/2014 às 20:16

    Concordo com o Thiago.. Vai existir fascismo em 2014, 2015, 2016, 2215, etc. Qual o problema? Esse tipo de texto acaba legitimando a polícia do pensamento. Ironicamente, esse texto contra o fascismo tem um subtexto fascista. Nesse sentido, o Frei Betto fez mais para divulgar o fascismo com esse texto do que qualquer grupo neonazi. Talvez eu esteja sendo severo demais, mas no Brasil, especialmente numa época em que a polícia do politicamente correto está alerta, é sempre bom ressaltar esse lado. Além disso, os próprios grupos fascistas nunca se vêem como "fascistas". A retórica deles é de que "protegem a ordem", "combatem o mal". Frei Betto faria melhor em desmascarar esse lugares comuns do que simplesmente escrever "fascismo é racista", algo que todo mundo já sabe.