Redação Pragmatismo
Compartilhar
opinião 14/May/2014 às 17:03
14
Comentários

A solução é nascer aposentado

Todos deveríamos vir ao mundo já desfrutando de aposentadorias igualitárias. E poder fazer as coisas boas da vida numa idade mais adequada: a juventude. Depois dos 40, aí sim, ao trabalho

trabalho escraviza homem chaplin

O ditado “O trabalho enobrece e dignifica o homem” é muito utilizado por quem trabalha pouco, e lucra muito com o trabalho alheio. E a gente embarca nessa “ética” patronal como se fosse uma lei divina. Claro que o trabalho é que produz riqueza, mas o problema é que a riqueza nunca vai para as mãos de quem a produziu. Ninguém fica rico à custa do seu próprio trabalho. Por isso, para esse ditado vale mais a sua versão gaiata: “O trabalho empobrece e danifica o homem”.

Ora, o que a humanidade deveria procurar era diminuir o ­trabalho. Para isso é que, teoricamente, foram sendo criadas máquinas e tecnologias. Teoricamente. Se uma máquina produz por 100 homens, o que se deveria fazer era diminuir a quantidade de trabalho deles, mas isso acontece? O capitalismo vive da mais-valia, que os novos direitistas fingem não existir mais. Aos capitalistas não interessa a felicidade humana, a não ser a deles mesmos. Então, quando colocam numa fábrica, num escritório ou seja onde for cinco máquinas que fazem o trabalho de 100 pessoas cada, em vez de diminuir a exploração dos seus empregados, aumentam.

Assim, cada vez que a ciência cria novas máquinas e tecnologias, deveria contribuir para a felicidade humana, mas o resultado é uma degradação maior. Para quê? Para o patrão acumular. E depois culpam pela violência os miseráveis produzidos por esse círculo vicioso.

Bom… E daí? Todo esse discurso é para entrar em propostas que parecem absurdas, mas deveriam nortear todo o desenvolvimento tecnológico: colaborar para a felicidade humana.

Na minha visão anárquica, uma boa proposta seria, como dizia meu amigo Zé Alencar (o jornalista, não o vice-presidente), a gente trabalhar apenas um dia por mês. Por exemplo: eu trabalharia todo dia 20 de cada mês. Todos os dias restantes, tiraria para fazer o que gosto.

No dia 19, véspera do meu dia de trabalho, eu ficaria concentrado, informando a quem me convidasse pra qualquer coisa: “Não. Amanhã é meu dia de trabalho”. E no dia 20 trabalharia alegre para, no final do dia, dizer: “Missão cumprida, este mês”, e voltar à boa vida, à produção artística, às safadezas, à cachaça…

Isso valeria pra todo mundo. Quanta gente tem um baita potencial artístico e vive insatisfeita por não ter condições de desenvolver esse potencial? Isso acabaria. Seriam dadas condições a todos.

Outra proposta, e essa não tem nada a ver com tecnologia: todo mundo deveria nascer aposentado. Todos com os mesmos salários de aposentado, mas com condições de fazer coisas boas, viajar, vadiar, numa idade mais adequada: a juventude. Quando completasse 40 anos, o sujeito seria desaposentado e teria de trabalhar o resto da vida, claro que com uma carga horária decente, direito a férias etc. Aos ricos, sei que esta proposta não seria muito atraente, pois eles já começam a trabalhar tarde mesmo, muitos deles depois dos 30 anos, já pós-graduados e doutorados. Mas para os pobres seria uma baita vantagem, ainda mais que aposentado ao nascer, todos teriam salários iguais… Mais um motivo para os ricos não gostarem, né?

Fora isso, imagino que haveria uma onda de suicídios aos 40 anos, mas eu pergunto de novo: e daí?

Mouzar Benedito, RBA

Recomendados para você

Comentários

  1. André Postado em 14/May/2014 às 18:27

    Q nada! Faço 10 filhos antes dos 40, minha aposentadoria com certeza não vai dar conta de sustentá-los decentemente. Daí viverei no sufoco, ponho a culpa na sociedade, nos coxinhas, nos fascistas e viverei de auxílio do bolsa família. Genial!!!

    • Rafael. Postado em 14/May/2014 às 21:20

      André. Sua ideia é "genial". Explique pra gente quanto você pretende ganhar do Bolsa família para sustentar você e mais seus 10 filhos. Se sua argumentação for boa você até consegue convencer alguém. E aí, qual vai ser sua renda bruta e sua renda per capita a partir dos 40 anos com ajuda do Bolsa família?

      • Gustavo Andrade Ferreira Postado em 16/May/2014 às 16:48

        Rafael, não dê trela pro cara, tá na cara que ele desconhece totalmente as condições do programa assim como seus ganhos respectivos. É o típico brasileiro coxinha que quer opinar embasado no achômetro ou na cópia descarada de opiniões do Olavo e do Constantino. É o famoso reaça burro, o que opina com a bunda e não com informação.

      • Weslley Postado em 16/May/2014 às 23:34

        Somando o valor de 70 reais a renda per capta que o governo paga aos miseráveis do país o gênio teria 770 reais pra sustentar ele e os dez filhos. Que ideia genial vou fazer isso tbm. Jumento

  2. Gustavo Postado em 15/May/2014 às 10:23

    ahhhhhhh realmente... fazer 10 filhos... quero ver alimentar 12 bocas com 770,00

  3. Maria Maria Postado em 15/May/2014 às 10:26

    E quem é que vai conseguir trabalhar depois de ter vivido 40 anos sem fazer nada pela sociedade ou mesmo para si mesmo, apenas enchendo a cara, fumando, cheirando, pintando e bordando ou pichando muro? Sem limites, o ser humano vira monstro. Não vê no que dá filhinho de papai que só quer saber de se divertir? Me poupe!

  4. Bruno Postado em 15/May/2014 às 10:56

    nO TEXTO NÃO FOI DITO QUE AS LEIS SERIAM AFROUXADAS.fOI DITO QUE ATÉ OS 40 ANOS NINGUÉM TRABALHARIA.dEIXE DE ASSOCIAR O TRABALHO COM A "DIGNIDADE DO HOMEM".aS MÁ QUINAS FARIAM ESSE SERVIÇO.sÓ QUEM FOI CRIADO PRA SER ESCRAVO DO SISTEMA QUE NÃO CONHECE O VALOR DA LIBERDADE.obs:Não confunda liberdade com desordem

  5. Gabriela Paula F de Souza Postado em 16/May/2014 às 13:14

    É justamente essa análise rasa diante temas que deveriam confrontar o entendimento da existência humana e seu papel social versus os rumos que estamos tomando que fazem essa sociedade pobre e auto-destrutiva. Alguém já pensou em investigar a essência desse conceito? Vale a pena!

  6. Vinicius Eduardo Postado em 16/May/2014 às 14:12

    Achei o texto exagerado, mas concordo em algumas partes do texto. Concordo que existem muitos que vivem à sombra dos pais até muito tarde. Mas o que discordo com veemência (e inclusive me senti ofendido) foi o trecho: "...pois eles já começam a trabalhar tarde mesmo, muitos deles depois dos 30 anos, já pós-graduados e doutorados". No Brasil ainda há essa distorção de que "quem faz mestrado e doutorado só estuda, não trabalha". Faço doutorado, recebemos bolsas de auxílio ridículas e, sim, isto é um trabalho, trabalhamos muito, inclusive, quando necessário, aos fins de semana e madrugadas. Há pessoas que lutam pela regularização da profissão de cientista, para que os "meros estudantes" sejam reconhecidos como profissionais. Estes que ajudam no desenvolvimento científico e tecnológico do país e não recebem nenhum reconhecimento por isso. Ah, e a maioria está bem longe de ser rico, viu...

  7. marcio Postado em 16/May/2014 às 16:15

    Sendo realista e aproveitando o ensejo: Diminuir a carga horária de 8 para 6 horas diárias já seria um avanço significativo na qualidade de vida, estima e visão de futuro do cidadão moderno. Ah, flexibilidade de horário e liberdade de produção em home office também não seria naaaada mal.

  8. Marcos Postado em 16/May/2014 às 19:02

    Esse tumblr fala sobre isso tudo aí: http://naoexistetrabalhoruim.tumblr.com/ " Como, diabos, pode uma pessoa gostar de ser acordado às 6:30 da manhã, por um despertador, sair da cama, vestir-se, alimentar-se à força, cagar, mijar, escovar os dentes e os cabelos, enfrentar o tráfego para chegar a um lugar onde essencialmente o que fará é encher de dinheiro os bolsos de outra pessoa e ainda por cima ser obrigada a mostrar gratidão por receber essa oportunidade?"

  9. Felipe Postado em 16/May/2014 às 23:55

    Essa idéia das máquinas substituírem mão de obra já está ultrapassada. E a mão de obra necessária para construir a máquina? Elas estão ficando cada vez mais complexas e consequentemente exigindo mais mão de obra em sua construção, e a mão de obra para o planejamento da construção da máquina? Tudo isso custa dinheiro e gera trabalho também, logo a comparação de que uma máquina que faz o trabalho de 100 trabalhadores está gerando 100 desempregados é errada.

  10. teotonio Postado em 17/May/2014 às 10:11

    Quem paga as contas até lá? Quem produz a riqueza?

  11. Elias Postado em 02/Jun/2014 às 18:49

    Sinceramente esse modelo utópico faliria a sociedade em uma geração.