Redação Pragmatismo
Compartilhar
Homofobia 12/May/2014 às 18:11
1
Comentário

O casamento de duas mulheres que se apaixonaram na prisão

Pela primeira vez, duas mulheres se casam em penitenciária de Porto Alegre. As detentas, que se apaixonaram na prisão, celebraram a união no teatro da Penitenciária Feminina Madre Pelletier

casamento homossexual
Valéria e Vera se tornam o primeiro casal de mulheres a se casar nas prisões gaúchas (Foto: Lívia Stumpf / Agência RBS)

Cada detenta que chegava ao auditório da Penitenciária Feminina Madre Pelletier na tarde de sexta vestia a sua melhor roupa e tinha a maquiagem caprichada. Estavam prontas para a festa, mas todas as convidadas sabiam que era muito mais do que isso. Elas estavam prontas para quebrar paradigmas.

Valéria Dias de Oliveira, 27 anos, e Vera Indiana Castro, 33 anos, estavam em trajes de gala. Val, com um terno fino. Já Vera, brilhava no vestido de noiva doado por uma servidora do IGP.

Vera e Val, como são conhecidas no Pelletier, se tornaram o primeiro casal de mulheres a casar nos presídios do Estado. E, de quebra, pela primeira vez em uma cerimônia religiosa porque, como bem define o presidente da Federação Afro Umbandista do RS (Fauers), Éverton Alfonsin, “espíritos não têm sexo”. Foi ele quem celebrou a cerimônia afro umbandista.

O caminho até o altar confirmou um amor à primeira vista, iniciado em 2012, quando Valéria foi presa pela segunda vez, por tráfico.

“Nos cruzamos no corredor e ali já percebemos que ficaríamos juntas” conta ela, que é paulista, mas nos últimos anos vive no Bairro Bom Jesus, na Capital.

Meta é criar uma família

Nos últimos meses, as duas dividem uma cela, que virou uma espécie de casa provisória do casal. E um motivo para planejar a mudança de rumo nas suas vidas. Atualmente, as duas trabalham na prisão. Cada uma é mãe de dois filhos, e agora traçam um objetivo comum: criar uma família juntas com as suas crianças.

“O meu amor me ajudou a repensar toda a minha vida, ser mais madura. Tenho certeza que encaro qualquer desafio se for ao lado da Val” comenta a Vera, que desde 2009 cumpre pena por roubo.

Esperança de vida melhor

As duas já se casaram com uma perspectiva de separação. Valéria calcula que voltará às ruas em dezembro. Já Vera ainda deve cumprir pena até 2016. Nada que perturbe a relação.

“A Val, assim que sair, já vai se cadastrar para me visitar. E lá fora, ela vai montando a nossa casinha” diz a Vera, sem disfarçar a empolgação com a vida nova.

Para a assessora de direitos humanos da Susepe, Maria José Diniz, o casamento faz parte de um processo de valorização para todas as detentas.

“O fato de estarem presas não significa que não podem viver juntas, ter a liberdade de sentimentos e reconstruírem seus caminhos. Sempre digo que o presídio tem uma porta de entrada e precisa ter a saída” diz Maria, que foi uma das madrinhas do casal.

Há cerca de um ano a ideia do casamento começou a ser amadurecida com a participação da assessora. Elas precisavam estar prontas para encarar o preconceito que enfrentarão na rua. As duas garantem: estão preparadas.

Antes da união entre Val e Vera, as cadeias gaúchas só haviam testemunhado casamentos entre homens, em Santa Rosa.

com Diário Gaúcho

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Teixeira Postado em 12/May/2014 às 19:31

    Superação inegável, frente a todo preconceito que uma pessoa possa sofrer quanto a raça, orientação sexual, condição socioeconômica, passagem na polícia, detentas, tudo que a parcela escrota da sociedade adora massacrar. Que seus planos se realizem.