Redação Pragmatismo
Compartilhar
Violência 13/May/2014 às 18:15
2
Comentários

Filha de Fabiane havia feito homenagem para Dia das Mães

Filha da dona de casa Fabiane Maria de Jesus, vítima de linchamento covarde no Guarujá, havia feito uma homenagem para o Dia das Mães

filha fabiane maria de jesus
Filha mais velha de Fabiane Maria de Jesus, vítima de linchamento no Guarujá (SP), fez homenagem à mãe (Reprodução)

A filha mais velha da dona de casa Fabiane Maria de Jesus, 33 anos, vítima de linchamento no Guarujá (SP), havia feito uma homenagem para o Dia das Mães. Yasmin Maria de Jesus, que completa 13 anos em junho, gosta de escrever poesias e uma das frases que criou virou um cartaz, que entregaria neste domingo à Fabiane. “Mãe eu te amo e sempre vou te amar, como a lua pelo sol e a terra pelo mar”, diz a mensagem. “Eu tinha feito no celular a mensagem aí eu copiei (para o cartaz)”, conta a adolescente em entrevista à TV Tribuna.

Em sua página no Facebook, a adolescente também postou  uma homenagem à mãe, onde está escrito “minha mãe é uma rainha”. “Eu sempre vou amar ela e queria que ela estivesse aqui também”, lamenta. Cerca de 15 dias antes da mãe ser assassinada, a filha chegou em casa com o certificado de melhor aluna do 8º ano. “Minha mãe falou para mim parabéns e foi lá contar para a minha avó”, recorda. Jailson Alves das Neves, marido de Fabiane, conta que esse lado mais estudioso a filha puxou da mãe. A mulher havia se formado há pouco tempo no Ensino Fundamental e tinha feito cursos profissionalizantes.

A filha conta que a mãe queria ser técnica em turismo. “Ela também queria ser aeromoça”, recorda. Eles disseram que Fabiane gostava muito de pintar panos de prato, arte que Yasmin aprendeu com a mãe. “Ela me ensinou a fazer bordado”, completa.

Quatro suspeitos de participar do espancamento de Fabiane já estão presos. A polícia procura ainda Abel Vieira Batalha Junior, 18 anos, apontado como participante do crime.

Boatos e morte

Fabiane foi espancada por moradores do Guarujá, na Baixada Santista, depois de confundida com suspeita de ter sequestrado uma criança no bairro de Morrinhos para praticar rituais de magia negra. O caso foi registrado na noite de 3 de maio deste ano e teria sido motivado por uma publicação no Facebook da página Guarujá Alerta. Na mensagem postada na rede social, uma página mostrava a foto de uma mulher parecida com a que foi agredida.

com agências e TV Tribuna

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Teixeira Postado em 13/May/2014 às 19:58

    É isso que dá essa mania de xeretar ou se intrometer na vida dos outros. Expliquem para essa garota que teve a mãe morta que tudo isso aconteceu pois a atitude dos justiceiros "é até compreensível".

  2. Rodrigo Postado em 14/May/2014 às 09:44

    Poxa, Thiago, muitas vezes concordo contigo, mas associar o linchamento a quem não o incentivou, a quem não divulgou a notícia, carece de correlação necessária. Isso ou poderemos também buscar os culpados pelas mortes do cinegrafista Santiago, da Band (quem tanto dissesse que "manifestantes" deveriam se preparar para o combate com a polícia), de Victor Hugo Derpmann (aquele estudante, "devedor da sociedade", que não reagiu a assalto, mas ainda assim foi morto por pessoa a quem é negada liberdade e autodeterminação, vez que o latrocínio é defendido como um direito-dever de quem não teve oportunidades.) Ainda ontem eu assistia à entrevista da mãe do médico Dárcio Maurício Correia, assinado por ladrõe,s quando chegava a uma academia. A mãe contava que não é rica, mas investiu suas posses na formação do filho - ela idosa, o esposo sendo deficiente visual. E, quando o filho poderia dar retorno à família, melhorar a qualidade de vida, após 5 anos de graduação e 3 de especialização, foi morto por bandido, "menor" que disse ter estádio no "ramo" de roubo de carros pelo lucro fácil. Então, para uns, o crime é justificável, defensável, sempre e indiscriminadamente, mas a fala de uma jornalista, quanto a caso particular, dizendo compreender a revolta de uma população, é logo massacrada - a população pode ser massacrada por quem quem lucro fácil, mas não o pode o autor do massacre (aponto meramente a contradição da distorção da fala da jornalista, não sendo, eu, defensor de linchamentos, da autotutela). P.S.: vi, ainda, a mãe de um "menor", que entregou à polícia filho criminoso contumaz, afirmando que a família é pobre, mas ninguém ali precisa roubar para comer. P.S.2: que todos os linchadores respondam por seus crimes.