Redação Pragmatismo
Compartilhar
Ciência 12/Apr/2014 às 22:05
4
Comentários

Quatro mulheres recebem vagina criada em laboratório

Mulheres que receberam vagina de laboratório relataram níveis normais de "desejo, excitação, lubrificação, orgasmo e satisfação", além de não terem relatado dor durante a relação

vagina criada laboratório
Exames da região pélvica das pacientes foram usados para criar um molde em formato de tubo, em 3D (Divulgação)

Um grupo de médicos americanos conseguiu implantar vaginas criadas em laboratório em quatro mulheres.

Os médicos do Centro Médico do Hospital Wake Forest, no Estado americano da Carolina do Norte, usaram uma tecnologia pioneira retirando amostras de tecido das mulheres e construindo em laboratório a parte implantada a partir de um molde biodegradável.

Depois do implante, as pacientes relataram níveis normais de “desejo, excitação, lubrificação, orgasmo e satisfação”, além de não terem relatado dor durante a relação.

Os especialistas afirmam que o estudo, publicado na revista especializada Lancet, é a última amostra dos avanços em medicina regenerativa.

O tecido artificial foi implantando em pacientes que sofriam de má formação dos órgãos genitais. A formação incompleta se dá, geralmente, ainda durante a gestação, o que pode acarretar outros problemas na vida adulta dessas mulheres, como anormalidades em órgãos reprodutivos. Duas das pacientes, por exemplo, tinham as vaginas conectadas ao útero.

Agora, depois do implante, elas relatam vida sexual normal. Ainda não ocorreram casos de gravidez, mas em teoria isto é possível.

Tratamentos atuais e inovação

Os tratamentos usados atualmente para este tipo de problemas podem envolver cirurgias complicadas para a criação de uma cavidade que é revestida com partes do intestino ou enxertos de pele.

O novo tratamento foi iniciado pelos médicos do Hospital Wake Forest quando as pacientes ainda estavam na adolescência.

O primeiro implante ocorreu há oito anos.

A região pélvica das jovens foi escaneada e as imagens foram usadas para criar um molde em 3D para cada paciente.

Uma pequena amostra de tecido retirada da vulva de cada uma, que não tinha se desenvolvido normalmente, foi então cultivada para a criação de novas células em laboratório.

Células musculares foram implantadas do lado de fora do molde e células da parte interna da vagina na parte de dentro. Os moldes com as células foram mantidos em um reator biológico para alcançar o tamanho desejado e, depois, implantados cirurgicamente em cada uma das pacientes.

Uma das pacientes, que deu entrevista sem revelar o nome, afirmou que se sente “muito feliz, pois agora tenho uma vida normal, completamente normal”.

“Realmente, pela primeira vez criamos um órgão inteiro que nunca esteve lá, foi um desafio”, disse Anthony Atala, diretor do Instituto de Medicina Regenerativa do Wake Forest.

O médico afirmou que ter uma vagina normal era “algo muito importante” para as vidas das pacientes e testemunhar a diferença que o tratamento fez “foi muito gratificante”.

Enquanto os médicos americanos relatavam o sucesso do implante de vaginas criadas em laboratórios, pesquisadores da Universidade de Basel, na Suíça, usaram uma técnica parecida para reconstruir o nariz em vários pacientes que sofriam de câncer de pele.

O implante poderá substituir as cartilagens retiradas das costelas ou das orelhas para reconstruir o dano causado ao tecido depois da retirada de um câncer.

BBC

Recomendados para você

Comentários

  1. Marianne Martins Postado em 12/Apr/2014 às 23:53

    Que matéria interessante. Fico feliz em saber como a ciencia tem contribuido para mudar a vida das pessoas.

  2. Eduardo Abreu Postado em 13/Apr/2014 às 01:15

    quanto a gravidez nada impede, até porque, para não estragar a peça tão importante, faze uma cesariana na hora do parto. Tinham que desenvolver o orgão masculino também, ou pelo menos uma forma de estimulação natural do mesmo, para que se evite os chamados "azulzinhos" e os efeitos nada orgásticos dos mesmos. Ou então, passem a distribuir estes medicamentos consorciado com outro para dor de cabeça.

  3. Diego Postado em 14/Apr/2014 às 09:10

    Que essa descoberta seja útil para mulheres trans também :)

  4. Paulo F Postado em 15/Apr/2014 às 19:15

    Eita,em breve teremos que pedir certidão de nascimento para ver se a pessoa é mulher mesmo ou é transexual.. o.O