Redação Pragmatismo
Compartilhar
Literatura 17/Apr/2014 às 18:03
5
Comentários

Morre o gênio Gabriel Garcia Márquez

Autor de Cem Anos de Solidão, O Amor nos Tempos do Cólera e Crônica de uma Morte Anunciada, Gabriel Garcia Márquez, gênio da literatura, morre aos 87 anos

morre gabriel garcía márquez
Gabriel García Márquez morreu nesta quinta-feira na Cidade do México aos 87 anos (Arquivo)

O escritor colombiano Gabriel García Márquez, criador do realismo mágico latino-americano com seu emblemático livro “Cem Anos de Solidão”, morreu nesta quinta-feira na Cidade do México aos 87 anos. A informação foi prestada por uma jornalista mexicana próxima da família. Ele fora internado num hospital da cidade para tratar de um câncer, mas houve uma regressão no tratamento.

García Márquez, Prêmio Nobel de Literatura em 1982, havia recebido alta recentemente de um hospital na Cidade do México, no qual permaneceu internado por uma semana devido a uma infecção pulmonar.

“Morre Gabriel García Márquez. Mercedes (sua mulher) e seus filhos, Rodrigo e Gonzalo, me autorizam a dar a informação”, disse em sua conta no Twitter Fernanda Familiar, jornalista próxima à família que ajudava o escritor na sua relação com a imprensa.

No dia de seu aniversário, em 6 de março, o autor de “Amor nos Tempos do Cólera” e “Crônica de uma Morte Anunciada” saiu à porta de sua residência em um luxuoso bairro ao sul da capital mexicana para agradecer às pessoas que foram cumprimentá-lo. Essa foi a última vez que foi visto em público.

Nos últimos anos, Gárcia Márquez isolou-se da vida pública. Jornalista, ele é o mais conhecido autor colombiano e um dos maiores expoentes da literatura latino-americana.

Em entrevista à Globo News, o escritor Luís Fernando Veríssimo exaltou as qualidades de Gabo e lembrou que o gênio colombiano se confessara influenciado por seu pai, Érico Veríssimo. “Ele era um escritor latino-americano, desse realismo mágico que existe mesmo por aqui, mas era universal, porque pode ser entendido em qualquer lugar”, disse o colega brasileiro. “Ele disse que foi influenciado pelo meu pai, depois de ler O Tempo e o Vento”.

Reuters

Recomendados para você

Comentários

  1. Ângelo Galvão Postado em 17/Apr/2014 às 18:32

    Eu estou arrasado!!! Eu perdi um ídolo. Sério! Segue um trecho que adoro de Gabriel García Márquez, em Ninguém escreve ao Coronel, numa singela homenagem: - Diga, o que nós vamos comer. O coronel precisou de setenta e cinco anos - os setenta e cinco anos de sua vida, minuto a minuto - para chegar àquele instante. Sentiu-se puro, explícito, invencível, no momento de responder: - Merda.

  2. Cristóvão Ferreira Postado em 17/Apr/2014 às 18:36

    Tristeza! Mais uma grande estrela que se vai, mas com certeza deixará seu brilho para toda a vida. VIVA GABO!

  3. Selton Postado em 17/Apr/2014 às 23:09

    Lastimável! Li muito seus livros e, quando novamente os leio, remontam-se bons momentos em minha mente. Ainda que esteja morto, é como se estivesse vivo!

    • Cícero Postado em 18/Apr/2014 às 10:31

      Com certeza. É eterno!

      • Selton Postado em 18/Apr/2014 às 14:51

        Sem dúvida.