Redação Pragmatismo
Compartilhar
Rio de Janeiro 29/Apr/2014 às 21:21
6
Comentários

Mãe de Douglas Rafael foi ameaçada de morte

Mãe de Douglas Rafael, dançarino assassinado, conta que homem branco com uma tatuagem de dragão se aproximou e mostrou uma pistola para ela. "Cala a sua boca ou eu vou calar"

mãe douglas rafael ameaçada morte
Maria de Fátima da Silva, mãe de Douglas Rafael (DG), conta que foi ameaçada de morte (Divulgação)

A auxiliar de enfermagem Maria de Fátima da Silva, mãe do dançarino Douglas Rafael, o DG, disse ter sido ameaçada de morte na tarde desta segunda-feira, 28, quando caminhava na ciclovia da Lagoa Rodrigo de Freitas.

O governo do Estado ofereceu à Fátima a possibilidade de ingressar no programa de proteção à testemunha.

Fátima contou que caminhava na ciclovia, quando percebeu um carro reduzindo a velocidade e se aproximando dela. Um homem branco, com uma tatuagem de dragão no braço, e olhos castanhos claros mostrou uma pistola para ela. “Cala a sua boca ou eu vou calar”, teria dito o homem.

Leia também: Dançarino Douglas Rafael gravou a própria morte em 2013

Fátima assistiu a uma missa, em memória do seu filho, e em seguida foi à 13ª DP registrar queixa sobre a ameaça.

O advogado Rodrigo Mondego, que acompanha o caso pela Comissão de Direitos Humanos da OAB-RJ, disse que ainda vai conversar com Fátima sobre a oferta do governo do Estado.

A perícia realizada no Morro Pavão-Pavãozinho no dia seguinte à morte do dançarino Douglas Rafael da Silva Pereira, o DG, de 26 anos, apontou que houve tiroteio recente na favela, informou o delegado Gilberto Ribeiro, titular da 13ª Delegacia de Polícia (Ipanema).

Os peritos encontraram marcas de tiros nas paredes dos dois lados de uma quadra esportiva, próximo ao local em que o dançarino participava de um churrasco.

Moradores acusam os policiais da Unidade de Polícia Pacificadora de terem feito os disparos. Para o delegado, a perícia é indício de que houve confronto com traficantes.

O delegado enviou 50 cápsulas de projéteis da PM para análise no Instituto de Criminalística Carlos Éboli, para serem comparadas com uma cápsula deflagrada e a ponta de uma bala recolhida nas proximidades do local em que DG foi encontrado morto.

Ambas são de calibre ponto 40, de uso exclusivo das polícias, mas a munição também é utilizada por criminosos.

Agência Estado

Recomendados para você

Comentários

  1. Carlos Postado em 30/Apr/2014 às 10:48

    Ela podia virar bandeirinha do campeonato carioca, visão ta boa demais. Tadinha, sendo usada dessa maneira.

  2. Rodrigo Postado em 30/Apr/2014 às 13:22

    Rapaz inocente, amigo de traficantes, que ficou de luto pela morte de um e usava gírias de traficantes, aparece um traficante rival e o que acontece? "Já dizia os mais velhos, Me digas com quem anda e eu te direi quem eis." A polícia não foi culpada, apenas ele por andar em mau companhia, ou acha que em um rodinha de bandidos quem chega atirando faz a triagem. Observe o medo dele, não se escondeu, pulou um muro de 7 metros, boa coisa não estava fazendo.

  3. Tammy Postado em 30/Apr/2014 às 17:45

    Na TV ela disse até o calibre da arma. Bem entendida do assunto a tal senhora. Não, mas falando sério, gente... ela perdeu um filho, não vamos nos esquecer disso. Ser amigo de traficante ainda não é crime. Numa favela como essa se você não entra para o crime, com certeza conhece algum amigo que entrou para o crime. Isso eu entendo. O que eu não entendo é, sabendo disso, participar de eventos com esses tipos de criminosos. Ele talvez realmente estivesse nessa festa com o Pitt Bull e houve uma troca de tiros, uma fatalidade para ele. Escolher correr o risco que um traficante. Agora, voltando ao assunto da mãe, essa senhora afirmou taxativamente que o filho dela tinha sido torturado pelos policiais da UPP. Afirmou também que quando ficou o corpo só viu marcas de escoriações e "nenhum tiro". Há muita precipitação nesse caso. Isso prejudica a investigação. Querem tanto que essa investigação descubra a verdade... mas só há uma verdade a ser aceita: ele foi morto por policiais. Qualquer resultado diferente disso será questionando. Nem sempre estamos preparados para a verdade.

  4. Elias Postado em 30/Apr/2014 às 18:49

    Vc acha que esse tipo de coisa vai mudar algo, policiais morrem e não são lembrados, trabalhadores morrem e não são lembrados agora esse barulho todo por um colega de traficante, sinto muito não vão "emocionar" ninguém.

  5. Elias Postado em 01/May/2014 às 17:50

    https://www.facebook.com/photo.php?fbid=765833213450748&set=a.282129561821118.75200.281725565194851&type=1&theater

  6. Eduardo Benatti Postado em 14/Jun/2014 às 15:20

    Me acordem no dia que alguém procurar a mídia pra dedar um traficante. Na boa, o tal dançarino, que era metido com traficantes, provavelmente levou uns balaços de uma gangue rival e a mãe resolveu que queria uns 15 minutos de fama e talvez uma indenização do governo.