Redação Pragmatismo
Compartilhar
Racismo não 21/Mar/2014 às 09:44
17
Comentários

Joaquim Barbosa processa Ricardo Noblat por preconceito racial

Joaquim Barbosa processa o blogueiro de O Globo, Ricardo Noblat, por crimes de injúria, difamação e preconceito racial

barbosa noblat racismo
Barbosa processa Noblat por crime racial (Pragmatismo Politico)

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, acusou o jornalista Ricardo Noblat por crimes de injúria, difamação e preconceito racial, em representação enviada ao Ministério Público Federal. Segundo o ministro, Noblat atacou sua honra e praticou o crime de racismo num texto publicado em seu blog e no jornal “O Globo” em agosto do ano passado.

O MPF concordou com Barbosa e enviou à Justiça Federal do Rio de Janeiro, na quarta-feira (19), uma denúncia criminal contra o jornalista. No processo, o MPF pede que Noblat seja condenado por crimes contra a honra do ministro e pelo delito racial. Somadas, as penas podem chegar a 10 anos e 4 meses de prisão.

O texto de Noblat foi publicado em 19 de agosto, quatro dias depois de Barbosa protagonizar um bate-boca com o ministro Ricardo Lewandowski, durante o julgamento de recursos do processo do mensalão. Na ocasião, Barbosa acusou Lewandowski de estar fazendo chicanas no mensalão –o que, no jargão jurídico, significa uma manobra para atrapalhar o andamento de processos.

Em seu texto, intitulado “Quem o ministro Joaquim Barbosa pensa que é?”, Noblat diz que o presidente do STF, devido a seu cargo e às suas decisões no processo do mensalão, não tem o direito “tratar mal seus semelhantes, a debochar deles” e a “humilhá-los”. Além disso, cita que “para entender melhor Joaquim” é preciso acrescentar “a sua cor”. “Há negros que padecem do complexo de inferioridade. Outros assumem uma postura radicalmente oposta para enfrentar a discriminação”, diz trecho do texto.

Noblat também destacou que Barbosa não teria sido escolhido ministro do STF pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva apenas por seus conhecimentos jurídicos, mas por sua “cor”. “Joaquim foi descoberto por um caça-talentos de Lula, incumbido de caçar um jurista talentoso e… negro”, escreveu o jornalista. Devido a isso, o MPF entendeu que, além de difamar e injuriar especificamente Barbosa, Noblat praticou um crime contra toda a raça negra.

Abaixo o texto de Noblat na íntegra:

Joaquim Barbosa: Fora do eixo, por Ricardo Noblat

Quem o ministro Joaquim Barbosa pensa que é?

Que poderes acredita dispor só por estar sentado na cadeira de presidente do Supremo Tribunal Federal?

Imagina que o país lhe será grato para sempre pelo modo como procedeu no Caso do Mensalão?

Ora, se foi honesto e agiu orientado unicamente por sua consciência, nada mais fez do que deveria. A maioria dos brasileiros o admira por isso. Mas é só, ministro.

Em geral, admiração costuma ser um sentimento de vida curta. Apaga-se com a passagem do tempo.
Mas enquanto sobrevive não autoriza ninguém a tratar mal seus semelhantes, a debochar deles, a humilhá-los, a agir como se a efêmera superioridade que o cargo lhe confere não fosse de fato efêmera. E não decorresse tão somente do cargo que se ocupa por obra e graça do sistema de revezamento.

Joaquim preside a mais alta corte de justiça do país porque chegara sua hora de presidi-la. Porque antes dele outros dos atuais ministros a presidiram. E porque depois dele outros tantos a presidirão.

O mandato é de dois anos. No momento em que uma estrela do mundo jurídico é nomeada ministro de tribunal superior, passa a ter suas virtudes e conhecimentos exaltados para muito além da conta. Ou do razoável.

Compreensível, pois não.

Quem podendo se aproximar de um juiz e conquistar-lhe a simpatia, prefere se distanciar dele?

Por mais inocente que seja quem não receia ser alvo um dia de uma falsa acusação? Ao fim e ao cabo, quem não teme o que emana da autoridade da toga?

Joaquim faz questão de exercê-la na fronteira do autoritarismo. E por causa disso, vez por outra derrapa e ultrapassa a fronteira, provocando barulho.

Não é uma questão de maus modos. Ou da educação que o berço lhe negou, pois não lhe negou. No caso dele, tem a ver com o entendimento jurássico de que para fazer justiça não se pode fazer qualquer concessão à afabilidade.

Para entender melhor Joaquim acrescente-se a cor – sua cor. Há negros que padecem do complexo de inferioridade. Outros assumem uma postura radicalmente oposta para enfrentar a discriminação.

Joaquim é assim se lhe parece. Sua promoção a ministro do STF em nada serviu para suavizar-lhe a soberba. Pelo contrário.

Joaquim foi descoberto por um caça talentos de Lula, incumbido de caçar um jurista talentoso e… negro.

“Jurista é pessoa versada nas ciências jurídicas, com grande conhecimento de assuntos de direito”, segundo o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa.

Falta a Joaquim “grande conhecimento de assuntos de direito”, atesta a opinião quase unânime de juristas de primeira linha que preferem não se identificar. Mas ele é negro.

Havia poucos negros que atendessem às exigências requeridas para vestir a toga de maior prestígio. E entre eles, disparado, Joaquim era o que tinha o melhor currículo.

Não entrou no STF enganado. E não se incomodou por ter entrado como entrou.

Quando Lula bateu o martelo em torno do nome dele, falou meio de brincadeira, meio a sério: “Não vá sair por aí dizendo que deve sua promoção aos seus vastos conhecimentos. Você deve à sua cor”.

Joaquim não se sentiu ofendido. Orgulha-se de sua cor. E sentia-se apto a cumprir a nova função. Não faz um tipo ao destacar-se por sua independência. É um ministro independente. Ninguém ousa cabalar seu voto.

Que não perca a vida por excesso de elegância. (Esse perigo ele não corre.) Mas que também não ponha a perder tudo o que conseguiu até aqui.

Julgue e deixe os outros julgarem.

Brasil 247

Recomendados para você

Comentários

  1. Sandro Canto Postado em 21/Mar/2014 às 09:56

    Mais nessa o blogueiro em questão pediu,pois mesmo que seja verdade essa escolha pela cor da pele, sem ter como provar é o mesmo que escrever no final do artigo me processe.

  2. Denisbaldo Postado em 21/Mar/2014 às 09:58

    que texto repugnante, com a intenção clara de ofender os negros e ainda provocar o ódio contra eles. que este senhor seja punido com o rigor da lei.

  3. thuscott Postado em 21/Mar/2014 às 10:38

    O texto é um lixo. Esse Noblat tem complexo complexo de Capitão -do -mato. Não possui nenhuma formação para avaliar a conduta do ministro JB. RICARDO NOBLATé mulato complexado , malresolvido e invejoso .condições que ferem sua vaidade. "Quem você pensa que é" esse é o jargão desferido sobre pessoas de baixa condição.

  4. José Ferreira Postado em 21/Mar/2014 às 10:40

    A ideia de Lulla era de colocar um ministro talentoso e negro, e ao mesmo tempo aliado do Petê com ideias afrorracistas semelhantes a de Luiza Bairros. O tiro foi pela culatra.

  5. Dayane Postado em 21/Mar/2014 às 10:44

    O pior é que o Noblat falou a verdade. Como negra, discordo da afirmação "que há negros que padecem do complexo de inferioridade" - isso careceria de um longo debate - mas o fato é que JB foi escolhido por sua cor, pelo menos segundo o Frei Betto... (http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/pagina/frei-betto.html )Só que ele tocou em um vespeiro, principalmente com a frase: "Mas ele é negro." Com tantos argumentos para usar, tocou justamente na questão racial, justamente com o senhor que mais gosta de uma polêmica midiática... Se ferrou.

    • Karine Postado em 21/Mar/2014 às 16:17

      10 anos e 4 meses de cadeia por um texto desses? "Quando Lula bateu o martelo em torno do nome dele, falou meio de brincadeira, meio a sério: “Não vá sair por aí dizendo que deve sua promoção aos seus vastos conhecimentos. Você deve à sua cor”. " Desnecessário falar da cor, quando o foco é a atitude imponente e até autoritária de Barbosa (Em quem eu dizia, ao menos até ontem, que votaria para presidente, sem titubear. Agora, até questiono)... Talvez eu esteja anestesiada em relação às críticas que vejo diariamente contra mulheres, negros e vários outros grupos, inclusive economicamente poderosos, mas uma pena tão alta para isso assusta. É desproporcional. Bizarra. São 3.770 dias x 24 horas x 60 minutos (isso porque nem estou considerando os anos bissextos) de cadeia por "isso"??? Posso discordar do blogueiro, mas impedi-lo de expressar ideias, conjecturas, por mais idiotas que sejam, é o que senão ditadura?

      • Denisbaldo Postado em 22/Mar/2014 às 08:37

        independentemente da prepotência do JB, a liberdade de expressão não é absoluta. o jornalista pode falar o que quiser, mas deve ser responsável pelas suas afirmações de acordo com a lei. não há nada de ditatorial em punir alguém por cometer um crime, mesmo que seja de expressão de ideias. caso contrário, os pedófilos do Brasil poderiam fazer una passeata em favor de tal conduta.

    • Carlos Santos Postado em 21/Mar/2014 às 20:32

      O despreparo de Joaquim Barbosa foi mencionado, de uma maneira bem mais polida do que pelo Noblat, pelo presidente do Tribunal Regional Federal da quarta região, desembargador Tadaaqui Hirose. Em entrevista concedida à TVE/RS ele ressalta que Barbosa nunca foi juiz na vida. O video está no Youtube: http://bit.ly/1gH4vUH

  6. Luis Lima Postado em 21/Mar/2014 às 10:48

    Pelo texto, fica claro o apoio do jornalista aos ministros que de tudo fizeram para absolver os politicos do PT na ação penal 470. Direito tem o mesmo de assim proceder, mas atacar de forma covarde um homem integro , culto, profundo conhecedor da materia na qual, com louvor, foi relator e respeitado em todo o mundo e pelo povo brasileiro não se justifica.

  7. Thiago Teixeira Postado em 21/Mar/2014 às 10:51

    O que tem de importância a etnia do Barbosa? Porque esse babaca da Globo quis lembrar que ele é negro. E se fosse nissei, sarará, loiro, índio, alemão? Não importa. Barboza é um jurista, presidente do supremo e a discussão deve prevalecer no seu comportamento, opiniões … não a raça. Lula indicou o ministro pela sua capacidade (por mais que descordo de sua postura, ele tem conhecimento técnico para estar ali), não pela cor. Talvez uma simpatia do presidente …, mas não vamos desqualificar a escolha com analogia a algum tipo de “cota” e muito menos embrenhar neste papo de racismo, Barbosa deve ser tratado como presidente do STF. Esse Noblat viajou.

  8. Vera Postado em 21/Mar/2014 às 11:13

    Uma coisa é fato: JB é um prepotente!! E mesmo que fosse azul, branco, indio, sarará ou cinza, tb o seria!!

  9. Allysson Wandeberg Postado em 21/Mar/2014 às 12:06

    Típico jornalista de fim de feira....

  10. Vitor Postado em 21/Mar/2014 às 12:16

    Globo e Veja: decepção

  11. luiz carlos ubaldo Postado em 21/Mar/2014 às 13:29

    O ex´deputado Roberto Jeferson nas paginas amarelas de veja emporcalhada disse com todas as letras que o ministro Joaquim Barbosa só se tornou ministro por ser negro, beneficiado pelas cotas, e não vi o ministro se posicionar. esta sendo atacado por quem ele tão bem serviu, hoje já não serve mais aqueles que o aplaudiam, esqueceu suas origens, mas nós não esquecemos sua coragem de enfrenatr um Gilmar Mendes, quem sabe ainda é tempo da calçar as sandálias da humildade do povo!

  12. Tammy Postado em 21/Mar/2014 às 16:51

    Quando a cor é ressaltada (para inferiorizar ou enaltecer) já está claro que existe uma visão discriminatória. Estereotipar comportamentos em razão da cor não se justifica. São apenas comportamentos humanos. Mesmo que o jornalista tenha razão em parte de sua análise sobre as condutas de JB, ele "cagou" tudo no final querendo associar aquilo a sua cor de pele. Entretanto, acho 10 anos uma pena grande demais para tamanha ignorância. Sempre me senti mais atraída por penas que atinjam o coração da elite econômica: o bolso.

  13. Carlos Prado Postado em 21/Mar/2014 às 17:32

    Ué? Mas todo o editorial da globo não era à favor de seu Joaquim, um de seus bonecos?

  14. Marcos Postado em 22/Mar/2014 às 09:27

    O texto é ruim e tendencioso. Mas é de um blog. Blogs são tendenciosos. São opiniões. Tem um Q preconceituoso. Mas não é racista e certamente não ofende toda a raça negra. Barbosa realmente entrou no supremo porque o PT sempre perseguiu a idéia de forçar a colorização do Brasil. Estão aí as cotas. Tem negros com complexo de inferioridade e superioridade sim. Pode até ser o caso do ministro. Mas também há brancos, pardos e amarelos q também são assim. Isso é coisa de ser humano. Não está necessariamente vinculada a cor da pele ou a situação econômica. Noblat atacou o ministro e insinuou q ele poderia ser mais arrogante por ser negro. Por ser o único negro do supremo e coisa e tal. É preconceito. Mas estender isso pra toda a raça negra? Deve ser pra aumentar o valor da indenização.