Redação Pragmatismo
Compartilhar
Mundo 26/Mar/2014 às 11:22
1
Comentário

Egito condena 529 pessoas à morte de uma só vez

Tribunal condena à morte 529 membros da Irmandade Muçulmana no Egito. Os condenados haviam participado dos protestos contra o golpe militar que depôs o presidente eleito, Mohammed Mursi, em agosto de 2013

Um tribunal egípcio condenou à morte 529 membros da Irmandade Muçulmana nesta segunda-feira (24/03), sob acusações de homicídio e outros crimes contra o governo. Presidido pelo juiz Said Youssef, o julgamento começou no sábado (22/03) na cidade de Minya, ao sul do Cairo, e absolveu 16 partidários.

O veredicto representa a maior condenação em massa à pena capital na história moderna do Egito, segundo advogados envolvidos no caso, e deve contribuir para um aumento na instabilidade do país. “Este é o processo mais rápido e o número de sentenciados à morte é o maior na história do Judiciário”, afirmou um dos advogados de defesa dos líderes da Irmandade Nabil Abdel Salam, àReuters. Os mais de 500 condenados podem recorrer.

egito condena 529 morte
Apoiadores do ex-presidente egípcio Mohammed Morsi fazem protesto no Cairo nesta segunda-feira. Mais de 500 integrantes da Irmandade Muçulmana foram condenados à morte por acusações que incluem assassinato (Foto: Ahmed Abd El Latef, El Shorouk/AP)

A maioria dos detidos foi acusada de realizar uma série de ataques a edifícios do governo e vandalismo em delegacias – confronto em protesto pela violenta dispersão forçada pelos policiais em dois acampamentos da organização no Cairo no dia 14 de agosto de 2013.  Na ocasião, a maioria dos réus hoje havia sido presa.

Em protesto, simpatizantes dos condenados atearam fogo a uma escola nas proximidades da corte, informou a televisão estatal.  Para grupos de direitos humanos, as autoridades egípcias pretendem pressionar a oposição. “Um estudante de segundo ano na faculdade de direito jamais iria emitir este veredicto”, disse Mohamed Zaree, um dos diretores do Instituto para Estudos de Direitos Humanos do Cairo, à Reuters.

A turbulência no Egito ganhou novas proporções no dia 3 de julho, quando o Exército realizou um golpe militar contra o primeiro presidente democraticamente eleito da história do país, Mohamed Mursi, da Irmandade Muçulmana. Desde então, milhares de seguidores do grupo foram detidos e dezenas deles condenados, mas até agora não a pena de morte não havia sido decretada.

A Irmandade Muçulmana foi fundada no Egito em 1928 com a intenção de defender os ensinamentos e as regras do Corão. É um grupo político e religioso de caráter fundamentalista que luta para estabelecer a sharia (leis islâmicas) na formulação dos estados árabes. Com atuação em cerca de 70 países do Oriente Médio, Ásia e África, a organização também tem como desígnio unificar os países de população muçulmana.

Atualização

Após a indignação pública internacional após a condenação à morte em massa de 529 apoiadores do presidente deposto Mohammed Mursi, a corte egípcia decidiu por adiar o julgamento de outros 683 supostos membros da Irmandade Muçulmana que ajudou a eleger Mursi, em 2013.

Um oficial do Departamento de Estado em Washington questionou a imparcialidade e validade da condenação à morte de mais de 500 pessoas em um julgamento que durou apenas dois dias: “Enquanto as apelações ainda são cabíveis, simplesmente não parece ser possível que um revisão justa das evidências e testemunhos consistentes com os padrões internacionais possam ter sido cumpridos com 529 réus em um julgamento de dois dias”.

Muitos advogados reclamaram não terem sido permitidos à apresentarem seus casos.

Opera Mundi

Recomendados para você

Comentários

  1. Marcos Hilário Postado em 27/Mar/2014 às 17:40

    Cara, tem que protestar mesmo contra a condenação à morte de 529 pessoas, pois afinal isso é um ultraje, mas o alvo dos manifestantes precisava ser uma escola? Foi um ato bastante incoerente.