Redação Pragmatismo
Compartilhar
Eleições 2014 27/Mar/2014 às 17:51
8
Comentários

Avaliação positiva de Dilma recua para 36%

Avaliação positiva de Dilma diminui na comparação com a última pesquisa IBOPE Inteligência, divulgada em fevereiro

O percentual da população que avalia o governo da presidente Dilma Rousseff como ótimo e bom recuou de 39% em fevereiro para 36% em março, como mostra pesquisa do IBOPE Inteligência, realizada a pedido da Confederação Nacional da Indústria (CNI), em todo território nacional.

O percentual dos que avaliam o governo como ruim ou péssimo também oscila três pontos percentuais, saindo de 24% em fevereiro, quando foi realizada a última pesquisa do IBOPE Inteligência sobre o assunto, para 27% neste mês. Já o percentual daqueles que consideram a atual administração federal regular permanece estável, em 36%.

A presidente mantém o patamar de aprovação de mais da metade da população. O percentual dos que aprovam sua maneira de governar é de 51%, enquanto no mês passado eram 55%. O percentual dos que desaprovam a forma de governar de Dilma é de 43%, tecnicamente o mesmo registrado em fevereiro (41%), considerando a margem de erro de 2 pontos percentuais.

O percentual dos eleitores que confiam na presidente também pouco se altera:48%, contra 50% em fevereiro. Os que não confiam na petista agora representam 47% da população, dois pontos percentuais a mais em relação à última pesquisa.

Futuro

A proporção de brasileiros que esperam que o restante do governo seja ótimo ou bom é de 36%, recuo em relação aos 45% registrados em novembro, quando a pergunta foi feita pela última vez, na pesquisa mais recente da parceira CNI/IBOPE. O percentual dos que esperam que o restante do governo será ruim ou péssimo sobe de 21% para 28% no mesmo período.

Áreas de atuação

A pesquisa mostra que prepondera a insatisfação em todas as nove áreas de atuação avaliadas. Isso significa que o percentual dos que aprovam não supera o percentual dos que desaprovam em nenhuma das áreas. O descontentamento aumentou mais notadamente quanto às políticas econômicas, refletindo a maior preocupação em relação à inflação e ao desemprego.

O percentual da população que desaprova as ações do governo no combate à inflação aumenta de 63%, em novembro, para 71% neste mês. E o número dos que desaprovam as políticas de combate ao desemprego subiu de 49% para 57% nesse período.

Saúde e impostos são as áreas com os índices mais altos de desaprovação: 77% cada. Impostos também é a área com o pior saldo: 59 pontos percentuais (diferença entre os que aprovam e desaprovam).

Noticiário

Na comparação com a pesquisa CNI-IBOPE de novembro de 2013, a percepção da população em relação às notícias veiculadas sobre o governo Dilma oscila dentro da margem de erro. Em março deste ano, 34% dos entrevistados consideram as notícias nem favoráveis nem desfavoráveis ao governo Dilma, 2 pontos percentuais acima do apurado em novembro.

O percentual dos que consideram as notícias desfavoráveis oscila de 28% para 32%, no limite da margem de erro de 2 pontos percentuais para cima e para baixo. O percentual dos que consideram as notícias favoráveis varia de 19% para 15%.

As notícias mais lembradas pelos entrevistados em março referem-se as obras para a Copa do Mundo (18%), e manifestações pelo Brasil (11%). Aqueles que declaram não se lembrar de nenhuma são 12%, enquanto 29% não sabem ou não opinam a respeito.

Comparação com o governo Lula

Na comparação com o governo anterior, grande parte dos entrevistados (46%) considera que o governo Dilma é igual ao do ex-presidente Lula (eram 49% em novembro), 42% acham que é pior (34% em novembro) e apenas 11% avaliam como melhor (14% em novembro).

IBOPE

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Teixeira Postado em 27/Mar/2014 às 18:02

    Cuidado com Globope e Datafalha. Eles estão usando a mesma estratégia de 1989. O candidato que eles querem que perde, iniciam disparado lá no topo. Ao longo dos meses, vão gerando "pesquisas" com leves quedas, até meados de setembro isso virar uma grande reta decrescente constante, enquanto o candidato pretendente a vitória, vir subindo. Tá explicito, desde o ano passado a Dilma estava no topo, sempre subindo e agora começa a cair? Tem algum idiota ainda que acredita em pesquisa?

    • Fábio Postado em 28/Mar/2014 às 02:06

      Eu, um dos idiotas. E por alguma razão desconhecida, na maior parte das vezes as pesquisas são confirmadas, permanecendo na margem de erro. Por quê? Vc, q n é idiota, poderia me explicar? Aliás, será q eles queriam q a Dilma ganhasse nas eleições de 2010? Pq, se n me engano, ela começou mal nas pesquisas e o Serra largou na frente.

      • Thiago Teixeira Postado em 28/Mar/2014 às 07:40

        1989. Você sabe ler? Quem está falando de 2010?

  2. José Ferreira Postado em 27/Mar/2014 às 22:33

    Eu achava que o sítio não iria exibir essa notícia.

  3. Carlos Santos Postado em 28/Mar/2014 às 00:01

    OK, mas tem um detalhe: protocolos do TSE, onde as pesquisas têm que ser registradas, mostram que a pesquisa de hoje é mais ANTIGA que a dos 43% conforme relata o Tijolaço: http://bit.ly/1jUZr2V

  4. luiz carlos ubaldo Postado em 28/Mar/2014 às 08:02

    Caso se confirme a queda da presedente Dilma e a impossibilidade de derrotar essa direita de merda, vamos vir com força total co o companheiro LULA. Não tem escapatória pra vcs não!

    • José Ferreira Postado em 28/Mar/2014 às 10:35

      O Lula não vai querer, pois poderá sofrer a Síndrome de Schumacher, que se aposentou, mas quando voltou não foi mais o mesmo.

  5. Pereira Postado em 31/Mar/2014 às 12:07

    É !!!! ta complicando . E com a CPI da Petrobrás vai piorar mais ainda.