Redação Pragmatismo
Compartilhar
opinião 13/Feb/2014 às 12:24
62
Comentários

A verdadeira história do emprego público de Rachel Sheherazade

Licença não remunerada até 2015: a história real do emprego público de Rachel Sheherazade

uma entrevista à coluna de Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, a apresentadora Rachel Sheherazade contou que era funcionária pública concursada do Tribunal de Justiça da Paraíba, mas que não comparecia ao trabalho por se encontrar em São Paulo. A licença estaria próxima de vencer, e ela teria que se desligar da função pública definitivamente.

A declaração repercutiu na internet, e Rachel foi acusada de ser funcionária fantasma. Em sua defesa, publicou no Twitter nota da diretora de comunicação do Tribunal, postada depois no Facebook: Rachel não comparecia ao tribunal, é verdade, mas também não recebia salário. Estava de licença não remunerada.

“Não brinquem com fogo”, ameaçou Rachel Sheherazade, depois de “instruir” jornalistas que “ignoram ou fingem ignorar as leis para tentar difamar quem ‘tá’ quieto.” Ninguém procurou checar as informações e o caso morreu por aí.

A nota da diretora do tribunal, Marcela Xavier Sitônio Lucena, não está mais no Facebook, e Rachel não voltou ao assunto. É fato que a jornalista não recebe salário do tribunal, como atestou a diretora de comunicação — mas desde 27 de fevereiro de 2012, quando estava no SBT em São Paulo havia quase um ano.

Entre 1º de abril de 2011 e 27 de fevereiro de 2012, ela recebeu salário todos os meses, como se estivesse trabalhando, inclusive a gratificação pela função de confiança que ocupava na gerência de comunicação. Seu último salário líquido foi de aproximadamente R$ 5.700,00.

rachel sheherazade funcionária pública tj
A apresentadora Rachel Sheherazade (Reprodução)

Segundo o tribunal, dentro da lei. Na época, o país que Rachel disse à revista Forbes não ser civilizado garantia benefícios extraordinários a funcionários da Justiça. A cada cinco anos de trabalho, três meses extras de férias – o que é chamado de licença prêmio.

Sob a matrícula 4705149, Rachel Sheherazade Barbosa assumiu o cargo de técnica judiciária no dia 11 de março de 1994, antes de se formar em jornalismo (em 1997). Depois de formada, foi comissionada na gerência de comunicação, onde ocupou o cargo de assistente administrativa.

Seu antigo chefe, Genésio de Souza, garante que ela cumpria horário, embora pudesse ser vista, todos os dias, por volta das 13 horas, apresentando o jornal da TV Tambaú, afiliada do SBT, onde já era conhecida por seus comentários, digamos, de tom conservador e moralista.

Em 2011, depois que um vídeo em que ela criticava o Carnaval bombou na internet, Rachel foi convidada para se transferir para o SBT em São Paulo, e assumir a bancada do mais importante jornal da rede.

Na despedida da TV Tambaú, agradeceu aos chefes na TV, aos colegas e à família, sem esquecer de mencionar sogros e sogras e os cunhados e cunhadas. “Agradeço principalmente a Deus, por ter me abençoado ricamente, e eu não sou digna de tantas dádivas”, disse, sem conter as lágrimas.

Rachel é uma crítica contundente do papel do estado na sociedade, entre outras coisas por dificultar o porte de armas ao cidadão e também por não garantir sua segurança. É um país de “valores esquizofrênicos”, escreveu ela num artigo publicado nesta terça-feira.

Se as coisas derem errado no SBT, o que hoje parece improvável, Rachel pode voltar ao emprego público. Ao contrário do que disse, a licença sem vencimentos expira só em 2015. Até lá, Rachel está segura — uma garantia do estado.

Joaquim de Carvalho, DCM

Recomendados para você

Comentários

  1. Guilherme M. Postado em 13/Feb/2014 às 12:31

    as máscaras estão caindo cada vez mais fácil... viva a internet e a difusão da informação e comunicação continuem com o bom trabalho. Abrax.

  2. David Postado em 13/Feb/2014 às 12:31

    Gente, como assim??? A Rachelzinha também tem ficha suja? A RACHEL? Nãopodecê! Criminosinha? Quem quer adotar ela, gente?

    • Jose Carlos Aparecido Postado em 13/Feb/2014 às 15:44

      Horra,daqui a poucoco,ela sera chamada em todos os pragrametos bespertinos sensacionalistas e marqueteiros que infestam e influenciam para o mal para dar explicacoes,e nos intervalos as apresentadoras faturarem vendendo inutilidades,...e ainda,ela sera premiada e exaltada,com seus adeptos e adeptas dizendo que e isto mesmo,sob aplausos.Duvidam ? !

    • Jose Carlos Aparecido Postado em 13/Feb/2014 às 15:51

      Eu tambem quererei meu trabalho que conquistei via concurso publico estadual:fui exonerado do cargo so porque nao aceitei um apelido depreciativo.Levei o caso ao chefe,ao departamento pessoal,pedi transfetencia,e apos um mes me demitiram sem justa causa.Estou pleiteando na justica processo por danos morais,injuria,calunia e difamacao,e minha reintegracao ao cargo de Aux. Operacional no meio ambiente !

    • Ricardo Postado em 13/Feb/2014 às 15:52

      eu quero adotá-la.

      • Thiago Teixeira Postado em 14/Feb/2014 às 11:32

        Dois. Dava comidinha na boquinha dela todo o dia!!!!! Ow mina gata ... supera até os comentários dela.

  3. Pereira Postado em 13/Feb/2014 às 12:47

    Esqueceu de mencionar uma coisa !!!!! Ela passou em concurso público ???? se a resposta for positiva , ela deve ter estudado para isso,é mérito dela as licenças. Se passou ela merece todo o direito de usufruir do pouco que o estado oferece ao cidadão de bem. Escreveram anonimamente ? Se ela passou no concurso pode muito bem processar que escreveu isso.

    • Olavo Azevedo Postado em 13/Feb/2014 às 13:11

      Poder pode, mas não é justamente isso o que ela tanto critica?

    • Luisa Postado em 13/Feb/2014 às 13:51

      Eu sou concursada, tb sou técnica judiciária como ela, tenho direito a licença prêmio de 3 meses a cada 5 anos, mas não tenho o direito de me ausentar por tanto tempo no trabalho e continuar sendo remunerada. Quando ela conseguiu tirar a licença sem vencimentos, já fazia um ano que ela não aparecia no serviço. Receber sem trabalhar é crime, pois traz prejuízo ao erário, cadê os justiceiros para amarrar essa maginalzinha ao poste???

      • Joao Postado em 15/Feb/2014 às 11:22

        "Receber sem trabalhar é crime"... Hahaha, clap clap clap Luisa. Com esse seu raciocínio é difícil compreender como alguma vez na vida vc conseguiu passar em um concurso. Quer dizer que tirar licença prêmio ou férias agora é crime? Vc pode até achar que isso é um pouco de regalia, mas jamais em toda a vida ouvi falar de um colega no TJ de qualquer estado que tenha aberto mão de benefícios que lhe são garantidos por lei. Se vc trabalha mesmo em algum TJ, deve saber também que é super comum as licenças-prêmio serem proteladas indefinidamente, por má vontade dos juízes ou das chefias, e o funcionário acaba tirando todas essas licenças antes de se aposentar, ou como no caso da Rachel, de tirar uma licença não-remunerada (outro direito também previsto em lei). Se vc tem mesmo ao menos uma migalha de cérebro sadio, então faça as contas, se ela tomou posse em 1994, até 2012 é normal que ela tenha acumulado no mínimo 9 meses de direito a licença-prêmio (são 3 meses a cada 5 trabalhados), mais 1 ou 2 meses de férias vencidas, o que justificaria plenamente ela receber "sem trabalhar" durante 11 meses, sem o menor vestígio de ilegalidade ou imoralidade nisso. Ou seja, vc falou merda, mas não é de se esperar que gentinha do seu tipo, ou mesmo esse blog calhorda que defende assassinos e criminosos condenados e até confessos, jamais venha a se retratar diante de um erro. Normal. Para vcs isso aqui é como uma religião... mesmo que se prove por A+B que o jornalista da band foi assassinado por um militante da esquerda (nenhuma pessoal normal ficou surpresa com isso, pois é fato notório o quanto a esquerda é violenta), vcs jamais vão se desculpar por terem acusado a polícia. Vcs são como uma religião, se prendem a seus dogmas e ignoram as evidências. Sem mais.

      • Thaís Postado em 17/Feb/2014 às 08:34

        Luisa, acho que não preciso dizer, mas ignore esse João. Não entendo a presença de comentadores do G1 no pragmatismo político, muito menos o motivo de toda essa hostilidade gratuita.

    • Max Demian Postado em 13/Feb/2014 às 13:52

      As coisas estão começando a ficar interessante.

    • Sandro Postado em 13/Feb/2014 às 14:12

      A questão não é a legalidade da coisa (apesar de haver indícios de que ela não cumpria seus horários de trabalho), mas o fato de uma pessoa criticar tanto o Estado e, ainda assim, não ter vergonha de aproveitar das vantagens que ele oferece.

      • Matheus B. Postado em 13/Feb/2014 às 14:43

        É por isso que a esquerda não exerce a autocrítica? Se faz parte da coisa, não pode criticá-la. Agora entendi!

      • Pereira Postado em 13/Feb/2014 às 14:59

        E daí ??? só porque eu sou funcionário público concursado e legalmente investido, não posso criticar o estado ? E agora o estado virou "amigo da esuqerda" ? Só porque foi a sherazade que teve competencia e intelecto para passar numa prova dificilíma do judiciário ,que milhares de pessoas tentam e não conseguem ?

    • Luiza Postado em 13/Feb/2014 às 14:16

      Pereira, o autor do texto está devidamente informado no final, além da fonte onde se encontra. Não se contesta o fato dela ser funcionária pública licenciada sem-remuneração. O mérito é dela, por concurso como você mesmo falou. Mas o fato de ter recebido o dinheiro, mesmo em licença não-remunerada entre 2011 e 2012, período no qual já estava no sbt; como também ter censurado na revista Forbes a garantia dos benefícios extraordinários. Ou seja, segue a mesma linha do nosso excelentíssimo presidente do STF: a de um peso, duas medidas.

    • David Postado em 13/Feb/2014 às 14:22

      Entendo. Afinal ela recebeu indevidamente 1 ano de salário do Estado mas é uma pessoa muito do bem. Branquinha e lindinha. Muito diferente de roubar um celular na rua, roubar do governo e do contribuinte não é ser bandido. Concordo.

      • Joao Postado em 15/Feb/2014 às 11:27

        Recebeu indevidamente? Quer dizer que funcionário que tira férias e licença-prêmio garantida por lei recebe indevidamente? A gente aprende uma coisa nova a cada dia com esses religiosos fanáticos da esquerda...

    • Ciro Postado em 13/Feb/2014 às 15:33

      Sim, é direito dela tirar as licenças. Se o estatuto que rege o funcionalismo público lhe garante isso, que tire as licenças. No entanto, neste ponto, vejo que ela ocupar um cargo público, sem exercer a função de fato, não é justo, embora legal. Não é justo porque é uma vaga que não pode ser oferecida em um novo concurso. Não é justo porque ela deixou sua função e ninguém a substituiu, o que sobrecarrega os demais colegas de trabalho, embora isso seja contornável. Autocrítica é extremamente válido, independente se ser funcionário do governo. Mas se o jornalista tem compromisso com a isenção na hora de transmitir a notícia, vamos falar das coisas boas que estão sendo realizadas também? Ou a linha editorial não permite?

    • Thiago Teixeira Postado em 13/Feb/2014 às 16:48

      É tudo culpa da esquerda.

    • Franklin Canela Postado em 13/Feb/2014 às 18:24

      Êh, cara vc boiou na maionese, meu!!! Vc só leu o final da história. Já vem com defesa, fracassada, papo de pode processar. Um processo judicial não é fácil assim. Vc talvez devesse conhecer o estatuto do servidor publico federal, que é o norte para o estatuto dos servidores dos estados federados.

    • Francis Postado em 13/Feb/2014 às 19:20

      A licença sim, mas o problema está no "Entre 1º de abril de 2011 e 27 de fevereiro de 2012, ela recebeu salário todos os meses, como se estivesse trabalhando"

      • Joao Postado em 15/Feb/2014 às 11:33

        Já ouviu falar em licença-prêmio? A cada 5 anos trabalhados, o funcionário ganha direito a 3 meses de licença remunerada. Essa licença na maioria dos casos é protelada indefinidamente, e se ela trabalhou de 94 até 2012 é normal que tenha acumulado pelo menos 9 meses de licença-prêmio, mais as férias daquele ano, o que já dá pelo menos 10 meses. E depois, mesmo que quisesse, como um simples técnico judiciário teria condições de dar um golpe no TJ e ficar recebendo ilegalmente? Um técnico é um simples "peão" dentro do judiciário, não é um desembargador ou coisa parecida. Na verdade, a maioria dos técnicos são sobrecarregados de trabalho e não é raro ver pessoas trabalhando muito além da sua jornada de trabalho e até mesmo em fins de semana e férias. Se ausentar do trabalho por 1 dia sem justificativa já acarretaria sérios problemas. 11 meses recebendo ilegalmente, isso jamais um simples técnico conseguiria.

    • Vanderson Postado em 13/Feb/2014 às 19:59

      Lá vem você defendendo essa mulher de novo...Fica difícil admitir que essa pessoa que você admira não passa de uma hipócrita, fora o intelecto bem fraco para uma jornalista, não é? Duvido que ela tenha lido pelo menos meia dúzia de bons livros.

  4. Vinicius Postado em 13/Feb/2014 às 12:49

    Mas quem diria... funcionária fantasma?! Isso é um crime, sabia? Porém, acredito que o Sílvio Santos já a tenha adotado... Mas que isso é uma barbaridade, é! E depois vem pregar moral! ahahahah

  5. Thiago Postado em 13/Feb/2014 às 13:01

    Falsa moralista, tipico de um país hipócrita deus para ela satanás para os outros. Ela deveria falar mais dos políticos traficantes e ricos ladrões só fala de pobre, ela não sabe que essa violência e o resultado do fracasso de uma elite que não passa educação e sim a violência maior que e a corrupção.

  6. Felipe Postado em 13/Feb/2014 às 14:04

    É uma Barbosa!

  7. Leonardo Postado em 13/Feb/2014 às 14:26

    OK, então toda essa roubalheira, essa violência, esse fim de mundo que caminhamos, vamos esquecer, porque Ela tem um emprego garantido por lei? Ta bom , vcs estão pior que o Pelé.

    • Vinicius Postado em 13/Feb/2014 às 18:34

      Não. Não vamos esquecê-los. No entanto, não temos uma "ordem" para resolução de "problemas". Podemos resolvê-los todos aos poucos, ou um de cada vez. Problema é problema e não tem de um ser resolvido antes do outro. Resolver é o que se quer. Ninguém esqueceu, nem esquecerá, nada. Ahhh e a roubalheira citada ela apóia, já que apóia candidatos corruptos, pastores corruptos e pedófilos, bandidos "justiceiros" e afins.

      • Joao Postado em 15/Feb/2014 às 11:36

        Vocês apoiam os comprovadamente corruptos mensaleiros só porque compartilham a mesma ideologia, e apóiam militantes de esquerda violentos e assassinos. Massacram uma funcionária pública que tira a licença-prêmio que ela tem garantida por lei. Ridículo . Fazer vista grossa pra bandidos grandes, e ficar condenando um simples "peão" por usar os benefícios trabalhistas que tem garantido por lei...

  8. Matheus B. Postado em 13/Feb/2014 às 14:41

    Este site está atingindo níveis espantosos de podridão jornalística. Se ela estava de licença-prêmio, pode exercer atividade remunerada em empresas privadas. Inclusive, se houver compatibilidade de horário, pode trabalhar tanto na esfera pública quanto privada ao mesmo tempo. Ela só não poderia exercer outro cargo público. "Aos amigos, tudo, menos a lei; aos inimigos, nada, nem a lei".

    • Pereira Postado em 13/Feb/2014 às 15:01

      É mateus . como disse outro critico do site : "a tentação de sair para bem longe daqui é grande" . Mas deixar esses idiotas falando M aqui não contribuirá em nada. Falta de Coerência aqui é como água no oceano.

      • Matheus B. Postado em 13/Feb/2014 às 15:34

        Realmente, Pereira. Rebater todas as barbaridades que leio aqui é tarefa de tempo integral, mas algumas não dá pra deixar passar.

      • Thiago Teixeira Postado em 13/Feb/2014 às 16:51

        É isso mesmo, tá todo mundo errado. Certo estão vocês, o G1 e a abril.com/veja

    • Eduardo Postado em 13/Feb/2014 às 15:06

      Matheus, ela pode sim exercer atividade remunerada em empresas privadas. Não foi feita crítica a esse ponto na matéria. Apenas foi ressaltado o fato de a própria Rachel ter criticado o Estado acerca dos benefícios dados aos servidores do judiciário, sendo, a mesma, uma servidora do judiciário e estando usufruindo de um benefício. Não se criticou, na matéria, as leis ou benefícios, se criticou o comportamento de alguém que usufrui de algo, mas publicamente, se posiciona como critico ferrenho do mesmo, atitude que pode ser chamada de hipocrisia.

      • Pereira Postado em 13/Feb/2014 às 15:15

        eu sou funcionário do judiciário . Pela lógica então eu não posso criticar o poder para o qual eu presto serviço ? Só posso dizer "ámen" para tudo que o presidente do judiciário diz ? é isso ?

      • Matheus B. Postado em 13/Feb/2014 às 15:31

        Eduardo, no texto há uma construção gramatical muito mal feita (ou mal intencionada) que dá a entender que ela fez uma crítica aos benefícios do serviço público, quando na verdade falou que o Brasil não era um país civilizado: "Na época, o país que Rachel disse à revista Forbes não ser civilizado garantia benefícios extraordinários a funcionários da Justiça". Nota que a afirmação de que os benefícios são extraordinários é do autor do texto, e não dela. Se ela disse isso em outro momento, o texto deveria trazer, e não sugerir maldosamente.

      • Carla Postado em 13/Feb/2014 às 15:40

        Matheus, para se ter direito a uma licença prêmio de três meses são necessários cinco anos de trabalho, e sem faltas. Pelo que entendi, ela trabalha desde 1997, são 17 anos, então, tecnicamente teria direito a 9 meses de licença prêmio... Ainda que seja direito dela receber sem trabalhar durante esse período, três meses já foram pra conta.

      • Matheus B. Postado em 13/Feb/2014 às 19:34

        Sim, Carla, a conta é exatamente essa. Infelizmente o jornalista não fez o seu trabalho direito, e estão os leitores aqui complementando as informações. Os três meses restantes podem ter sido ocupadas com férias vencidas, por exemplo. É trabalho do jornalista investigar a história inteira e trazer todas os dados. A matéria não é completa e muito pouco clara.

      • Joao Postado em 15/Feb/2014 às 11:39

        Sério? Então também podemos criticar todos os militantes da esquerda que trabalham em alguma empresa da iniciativa privada? Conheço até alguns que trabalham no Itaú e no Santander. Cada um ganha a vida como pode. Um técnico judiciário não é nenhum marajá, mas tão somente alguém que estudou pra um concurso e ganha um salário razoável. Se fosse de uma família tão rica assim, provavelmente nem se daria ao trabalho de prestar um concurso desses.

  9. Bruno Postado em 13/Feb/2014 às 15:04

    O argumento é simples e falho. Tendo em vista que ela não fez nada contra a lei, falar que ela não pode usufruir dos direitos do Estado por ser a favor que o mesmo seja mínimo é a mesma coisa que dizer que, por exemplo, um socialista não poderia ter um emprego num banco privado. Antes que alguém aqui comece a falar besteira, como é de costume interpretar as coisas como se fosse a bíblia, cheia de metáforas, estou falando do argumento da matéria, não do contrassenso ideológico.

    • Cícero Postado em 13/Feb/2014 às 16:11

      Mano, mas a reportagem está justamente criticando o contrassenso ideológico do qual ela se diz fazer parte: pessoas de bem e que primam pela moral e bons costumes. Nem tudo que é legal é justo e muito menos é ético. Ela como crítica a toda a corrupção (neste caso se configura tremenda falta de ética) deveria ter pedido exoneração, uma vez que não seria ético da parte dela receber por algo que não está fazendo, inclusive hoje, está até atrapalhando, que é o trabalho da justiça. Afinal, seu comentário sobre o "marginalzinho" não passa de senso comum formador de típicos Hommer Simpsons espalhados por esse país. Ela está apenas copiando de forma mais explícita o que o William Bonner diz fazer no JN. Povo estúpido! É muito mais fácil falar que o sistema não presta, mas fazer parte dele mesmo assim, do que tirar a bunda da cadeira e tentar fazer alguma coisa no seu bairro, por exemplo. Muito fácil falar que hoje precisamos de "justiceiros" do que cobrar do Estado uma solução, afinal, "eu não quero colocar o meu na reta, mas alguém tem que fazer alguma coisa". Afff saco cheio desse tipo de gente!!!!!!

      • Joao Postado em 15/Feb/2014 às 11:44

        Não, a reportagem não está apenas criticando um "contrassenso ideológico". Está acusando ela como se fosse uma espécie de criminosa, por usufruir de um direito trabalhista que ela tem. Isso é imoral e indecente (nenhuma novidade pra esse site que defende bandidos condenados). Se vc não concorda com as idéias dela e o trabalho dela como jornalista, tudo bem. Isso não justifica, porém, acusá-la por erros que ela não cometeu. É assustador o nível que a militância de esquerda chegou no Brasil, que temos que ensinar princípios básicos de moral e ética que as pessoas já deveriam ter aprendido na infância...

  10. Ciro Postado em 13/Feb/2014 às 15:16

    Legal a Rachel ser uma crítica tão ferrenha do Estado, critica o atual governo como se hoje estivéssemos numa profunda crise não só econômica, mas social, etc etc, mas é esse mesmo Estado que lhe garante de forma legal, permanecer numa função que não exerce. O mesmo país que ela diz estar destruído, é benevolente com ela. Podem até falar que isso tudo ela fez de forma legal, mas é justo?

    • Matheus B. Postado em 13/Feb/2014 às 15:43

      Sim, é justo. Os funcionários públicos deveriam se demitir toda vez que um governo que lhes desagrade assume o poder? Quem é funcionário público sabe que, sempre que grupos políticos ruins chegam ao poder, sofremos duplamente: como cidadãos e como empregados.

      • Ciro Postado em 13/Feb/2014 às 16:03

        Acho que você não me entendeu. Inclusive eu sou servidor e não é por causa de mudança de governo que eu saio pulando de emprego em emprego. Quando me referi a justiça quis dizer sobre a vaga que não pode ser oferecida em um novo concurso. E como o cargo está ocioso, e ninguém pode ocupá-lo, não, definitivamente não é justo ocupar essa vaga. E falo isso seja da Rachel ou quem quer que abuse desse "direito" que pra mim deveria acabar. Isso serve para pessoas desinteressadas permanecerem mamando nas tetas dessa vaca gorda que é o governo.

      • Matheus B. Postado em 13/Feb/2014 às 16:15

        Pois é, Ciro, isso é mesmo verdade, porém, na minha opinião, não é o caso de benevolência do país com ela. Também preferiria que desocupasse o cargo por espontânea vontade, mas é um direito que ela tem. Discordo de que ela esteja mamando, já que não recebe remuneração, mas está realmente atrapalhando a ocupação da vaga.

    • Thiago Teixeira Postado em 13/Feb/2014 às 16:49

      Claro que é justo Ciro. Os ladrões estão presos: Genuíno e Dirceu.

    • Vera Alves Postado em 17/Feb/2014 às 14:31

      Eu acho que o João é a Sherazade.

  11. Jonas Postado em 13/Feb/2014 às 15:37

    A grande questão do texto que deve ser investigada e dá margens a dúvidas sobre sua honestidade são: "Entre 1º de abril de 2011 e 27 de fevereiro de 2012, ela recebeu salário todos os meses, como se estivesse trabalhando, inclusive a gratificação pela função de confiança que ocupava na gerência de comunicação. Seu último salário líquido foi de aproximadamente R$ 5.700,00." "Seu antigo chefe, Genésio de Souza, garante que ela cumpria horário, embora pudesse ser vista, todos os dias, por volta das 13 horas, apresentando o jornal da TV Tambaú, afiliada do SBT, onde já era conhecida por seus comentários, digamos, de tom conservador e moralista."

    • Joao Postado em 15/Feb/2014 às 11:48

      A grande questão nesse trecho é "seus comentários de tom conservador e moralista". É por isso que ela está sendo acusada nesse site, e somente isso. Se ela fosse uma jornalista de esquerda, poderia receber 20 anos sem trabalhar e ninguém daria um piu aqui. Já foi mais do que extensamente demonstrado que não houve nada de ilegal nesse caso, mas mesmo assim, ela está sendo "condenada" aqui porque é de direita e conservadora... Se ela fosse de esquerda, poderia ser mensaleira, corrupta ou até matar alguém com artefatos explosivos, e ainda assim, jamais esse site diria um "ai" contra ela.

  12. Pietro Postado em 13/Feb/2014 às 16:16

    Ela continuou recebendo por do estado 1 ano trabalhando no SBT, já é hipocrisia o extremismo dela contra "ladrões".

  13. Roberto Postado em 13/Feb/2014 às 16:27

    Matéria bem infeliz mesmo, gosto do Pragmatismo Político, mas tem hora que parece insistir em assuntos inúteis e sem fundamentos. Não vejo problemas nela ser ex-servidora pública, estar afastada sem salário e falar mal do governo, também sou servidor e nem por isso estou feliz com as esferas do governo, nem mesmo do órgão que trabalho, tenho várias críticas. A licença prêmio (que eu não tenho direito) é válida para quase sempre para funcionários estatutários, que não recebem o FGTS. E trabalhar em outro emprego como já falaram aqui é perfeitamente possível, só não pode claro sobrepor horários, mas se ela quiser sair às 11h apresentar jornal às 13h e voltar às 15h pro trabalho, contanto que cumpra a jornada, não tem nada de ilegal nem imoral.

  14. Aryel Postado em 13/Feb/2014 às 16:45

    Rachel vai nos acorrentar no poste se continuarem assim1

  15. Pereira Postado em 13/Feb/2014 às 17:23

    Ela tinha ponto ??? se tem registro no periodo "denunciado" , não há PAD que condene a moça .

    • Joao Postado em 15/Feb/2014 às 11:51

      Ela era uma simples técnica, "peão" dentro da estrutura do judiciário, e não uma poderosa desembargadora. Mesmo que não tivesse ponto, ninguém conseguiria ficar 11 meses como "funcionário fantasma" sendo técnico. Um dia faltado ao trabalho sem justificativa provavelmente já seria descontado da folha de pagamento. Ou seja, se ela tirou 11 meses de licença, é porque tinha direito mesmo. Técnicos não são marajás, são os "peões" dentro do judiciário, e normalmente trabalham até mais do que a jornada legal lhes exige (inclusive em fins de semana, plantões, etc....). Conheço gente que já tirou férias no papel mas continuava trabalhando porque o serviço tava acumulado e não podia parar. Esse artigo é ridículo e desesperado, como tudo que sai nesse site...

      • Pereira Postado em 18/Feb/2014 às 16:21

        Concordo. Esse site extrapola a forçação de barra.

  16. Pereira Postado em 13/Feb/2014 às 17:25

    O suposto autor dessa "matéria" ta pedindo pra ser processado. muito embora acho que é anônimo.

  17. Pereira Postado em 13/Feb/2014 às 17:26

    Me parece que ele tem muito pouco conhecimento de estatutos de servidores púlbicos também.

  18. renato Postado em 13/Feb/2014 às 19:39

    Parabens....Parabens ....parabens pleo seu aniversário...Parabens... Voces querem que eu diga o que!!!!! Parabens pela então coragem do Pragmatismo de ter assuntado o assunto novamente...sem medo de sofrer represália da Estado de Sherazede. a que contou mil e umas estorias para mil e uma noites no SBT. A casa caiu.... Mas não se preocupe se o BRASIL esuqeceu dos caras que queimaram o indio e trabalham para o ESTADO....até tu...é questão de tempo, aguenta firme, até lá o STF pode te pagar umas viagens a FRANÇA.... Pais de 1º MuNdo.

  19. Paulo Machado Postado em 13/Feb/2014 às 21:53

    A culpa é da DILMA!

  20. Glausiiev Dias Postado em 18/Feb/2014 às 18:42

    Bem típico dos esquerdistas essa tentativa de desqualificar e denegrir a imagem de pessoas que incomodam o estabilishiment marxista. A Rachel é servidora pública afastada de suas funções sem receber remuneração. Isto é fato. É simplesmente deplorável a moral dos esquerdistas. Apelam para toda tentativa sórdida de macular a imagem de pessoas que lhes são inconvenientes. Vasculham, fuçam, fabricam dossiês mentirosos, mentem desavergonhadamente. Não possuem o menor apreço pela ética. Por outro lado, há de se indagar: vocês esquerdistas acham que todo servidor público tem que ser um militante subserviente de esquerda? Acham que todo servidor público obrigatoriamente tem de ser marxista, pra engrossar a militância sindical? Um servidor público não tem o direito de opinião, salvo, é claro, se for para ser um “chapa branca” submisso ao PT? Notem que os esquerdistas jamais se dão ao trabalho de rebater fundamentadamente e respeitosamente os argumentos de Rachel, e sim buscam desqualificá-la. Lamentável.