Redação Pragmatismo
Compartilhar
Meio Ambiente 02/Dec/2013 às 14:56
4
Comentários

Leonardo Boff: Seremos uma célula cancerígena a ser extirpada?

Ou começamos a nos sentir parte da natureza ou então preparemo-nos para as amargas lições que a Mãe Terra nos dará

Por Leonardo Boff

Há negacionistas da Shoah (eliminação de milhões de judeus nos campos nazistas de extermínio) e há negacionistas das mudanças climáticas da Terra. O primeiros recebem o desdém de toda a humanidade. Os segundos, que até há pouco sorriam cinicamente, agora veem dia a dia suas convicções sendo refutadas pelos fatos inegáveis. Só se mantêm coagindo cientistas para não dizerem tudo o que sabem como foi denunciado por diferentes e sérios meios alternativos de comunicação. É a razão ensandecida que busca a acumulação de riqueza sem qualquer outra consideração.

Em tempos recentes temos conhecido eventos extremos da maior gravidade: Katrina e Sandy nos EUA, tufões terríveis no Paquistão e em Bangladesh, o tsunâmi no Sudeste da Ásia e o tufão no Japão que perigosamente danificou as usinas nucleares em Fukushima e ultimamente o avassalador tufão Haiyan nas Filipinas com milhares de vítimas.

Leia também

Sabe-se hoje que a temperatura do Pacífico tropical, de onde nascem os principais tufões, ficava normalmente abaixo de 19,2ºC. As águas marítimas foram aquecendo a ponto de a partir de 1976 ficarem por volta de 25ºC e a partir de 1997-1998 alcançaram 30ºC. Tal fato produz grande evaporação de água. Os eventos extremos ocorrem a partir de 26ªC. Com o aquecimento, os tufões estão acontecendo com cada vez mais frequência e maior velocidade. Em 1951 eram de 240 km/h; em 1960-1980 subiram para 275 km/h; em 2006 chegaram a 306 km/h e em 2013 aos terrificantes 380 km/h.

Nos últimos meses, quatro relatórios oficiais de organismos ligados à ONU lançaram veemente alerta sobre as graves consequência do crescente aquecimento global. Com 90% de certeza é comprovadamente provocado pela atividade irresponsável dos seres humanos e dos países industrializados.

Em setembro, o IPPC que articula mais de mil cientistas o confirmou; o mesmo o fez o Programa do Meio Ambiente da ONU (Pnuma); em seguida, o Relatório Internacional do Estado dos Oceanos denunciando o aumento da acidez que por isso absorve menos C02; finalmente em 13 de novembro, em Genebra, a Organização Meteorológica Mundial. Todos são unânimes em afirmar que não estamos indo ao encontro do aquecimento global: já estamos dentro dele. Se nos inícios da revolução industrial o CO2 era de 280 ppm (parte de um milhão), em 1990 elevou-se a 350 ppm e hoje chega a 450 ppm. Neste ano noticiou-se que em algumas partes do planeta já se rompeu a barreira dos 2ºC, o que pode acarretar danos irreversíveis para os seres vivos.

Poucas semanas atrás, a secretária executiva da Convenção do Clima da ONU, Christina Figueres, em plena entrevista coletiva, desatou em choro incontido ao denunciar que os países quase nada fazem para a adaptação e a mitigação do aquecimento global. Yeb Sano, das Filipinas, na 19ª Convenção do Clima em Varsóvia, ocorrida entre 11-22 de novembro, chorou também diante de representantes de 190 países quando contava o horror do tufão que dizimou seu país, atingindo sua própria família. A maioria não pôde conter as lágrimas.

Mas para muitos eram lágrimas de crocodilo. Os representantes já trazem no bolsoas instruções previamente tomadas por seus governos, e os grandes dificultam por muitos modos qualquer consenso. Lá estão também os donos do poder no mundo, donos das minas de carvão, muitos acionistas de petrolíferas ou de siderurgias movidas a carvão, as montadoras e outros. Todos querem que as coisas continuem como estão. É o que de pior nos pode acontecer, porque então o caminho para o abismo se torna mais direto e fatal. Por que essa irracional oposição?

Vamos direto à questão central: esse caos ecológico é tributado ao nosso modo de produção, que devasta a natureza e alimenta a cultura do consumismo ilimitado. Ou mudamos nosso paradigma de relação para com a Terra e para com os bens e serviços naturais, ou vamos irrefreavelmente ao encontro do pior. O paradigma vigente se rege por esta lógica: quanto posso ganhar com o menor investimento possível, no mais curto lapso de tempo, com inovação tecnológica e com maior potência competitiva? A produção é para o puro e simples consumo que gera a acumulação, este, o objetivo principal. A devastação da natureza e o empobrecimento dos ecossistemas aí implicados são meras externalidades (não entram na contabilidade empresarial). Como a economia neoliberal se rege estritamente pela competição e não pela cooperação, estabelece-se uma guerra de mercados, de todos contra todos. Quem paga a conta são os seres humanos (injustiça social) e a natureza (injustiça ecológica).

Ocorre que a Terra não aguenta mais este tipo de guerra total contra ela. Ela precisa de um ano e meio para repor o que lhe arrancamos durante um ano. O aquecimento global é a febre que denuncia estar doente, e gravemente doente.

Ou começamos a nos sentir parte da natureza, e então a respeitamos como a nós mesmos, ou passamos do paradigma da conquista e da dominação para aquele do cuidado e da convivência e produzimos respeitando os ritmos naturais e dentro dos limites de cada ecossistema, ou então preparemo-nos para as amargas lições que a Mãe Terra no dará. E não está excluída a possibilidade de que ela já não nos queira mais sobre sua face e se liberte de nós como nos libertamos de uma célula cancerígena. Ela continuará, coberta de cadáveres, mas sem nós. Que Deus não permita semelhante e trágico destino.

Recomendados para você

Comentários

  1. Eduardo Abreu Postado em 02/Dec/2013 às 16:18

    Bateu uma analogia do aquecimento global com a febre nos seres humanos, esta mostra que algo está errado assim como o aquecimento global também é evidente que algo esta errado. E concordo com o autor do texto a natureza cumprirá a máxima "aqui nada se cria tudo se transforma", fazendo voltar ao antes o que está sendo mudado a bel prazer do homem sem medir consequencias...

  2. Carlos Prado Postado em 02/Dec/2013 às 17:04

    Não tão inegáveis assim. Ciência não se faz de especulações de tudo que é naturalista e rejeições dogmáticas do que não é. Não se pode afirmar que temos mudanças climáticas invariavelmente provocadas por humanos. Até porque o planeta já passou por mudanças climáticas muito maiores independentemente do ser humano, chegando-se a registar um aquecimento na alta idade média. Porém cautela nunca é de mais e podemos sim maneirar nos desperdícios. Reduzindo o desnecessário e reaproveitando o que for possível vamos no mínimo aumentar a eficiência da exploração humana, mas não fará.

  3. Flávio Loureiro Postado em 02/Dec/2013 às 19:20

    O que mais me assombra é que já possuímos tecnologia para melhorar MUITO a vida de todos, mas por "algum motivo" ela é recusada. Por exemplo, o uso de hidrogênio como combustível. A Alemanha já informou que dará a tecnologia de graça para quem pedir, mas continuamos queimando combustíveis fósseis (não, não acredito que "bicicletas" sejam o futuro). O que será que as gigantes do petróleo têm a dizer sobre isso?

  4. Leandro Postado em 05/Dec/2013 às 23:01

    Mãe terra não existe, o planeta é uma mera pedra gigante, o homem com o avanço cientifico e tecnológico poderá certamente controlar todo o planeta e até outros planetas, a cobiça humana essa sim pode destruir tudo.