Redação Pragmatismo
Compartilhar
Saúde 22/Nov/2013 às 11:42
16
Comentários

Mãe implora por retorno de médico cubano a comunidade

Moradores pedem o retorno de cubano afastado após 'denúncia' de médica brasileira. "Queremos ele de volta. Meu filho melhorou logo graças a ele. Estão com raiva porque os cubanos estão fazendo o trabalho que eles não querem fazer, pois os médicos brasileiros tratam a gente como se fôssemos animais"

médico cubano comunidade mãe bebê
Gilmara pede que médico cubano volte a atender comunidade (Luiz Tito / Agência A Tarde)

A mãe do bebê de 1 ano e dez meses que teria recebido uma alta dosagem de medicação receitada por um médico cubano pede o retorno dele para a Unidade Básica de Saúde do conjunto Viveiros em Feira de Santana. O caso ocorreu na segunda-feira,18, mas só veio a tona na quarta-feira, 20, quando o vereador José Carneiro (PSL) fez a denúncia durante a sessão da Câmara de Vereadores. O médico, identificado como Isoel Gómez Molina, foi afastado das suas funções pela Secretaria Municipal de Saúde, que instaurou sindicância para apurar o fato.

A diarista Gilmara Santos dos Santos informou que o médico apenas errou no momento de preencher a receita, mas que teria orientado a ela a dosagem correta do medicamento. O menino não tomou a dosagem prescrita pelo médico. “Trouxe meu filho aqui com febre alta e ele passou dipirona injetável e a em gotas para eu dar em casa. Ele me disse que eram 10 gotas, já que meu filho pesa 10.200 kg, ou seja, uma gota por cada 1 quilo. Se tivesse alguma coisa errada eu mesma teria denunciado“, disse.

Gilmara conta que, como o filho não melhorou, o levou para a policlínica do Feira X e lá a médica teria solicitado a receita que o cubano teria prescrito. “Ela me pediu a receita para mostrar a uma outra médica, como não desconfiei entreguei depois de um tempo trancada em uma sala ela retornou e me entregou o documento. Foi aí que vi que estava prescrito 40 gotas”, afirmou.

Leia também

Demonstrando revolta, a diarista acusou a médica de ter feito a denúncia e ter prejudicado os moradores do bairro. “Ela não teve ética. Fez algo que não autorizei, o médico me explicou certo, apenas errou. Quem nunca errou? Eles estão com raiva porque os cubanos estão fazendo o trabalho que eles não querem fazer, pois os médicos brasileiros tratam a gente como se fôssemos animais, diferente dos cubanos”, frisou.

A denúncia se espalhou nas redes sociais e virou razão de campanha para a difamação de médicos cubanos no Brasil. Centenas de médicos brasileiros compartilharam fotos e textos com a notícia do suposto erro do cubano.

O médico estava trabalhando na unidade desde o dia 14 de novembro e foi afastado no final da tarde de quarta-feira. Em nota enviada pela Secretaria de Comunicação a secretária de saúde, Denise Mascarenhas, disse que um procedimento investigatório foi instaurado, com prazo de 30 dias para ser concluído e que o médico ficará afastado das atividades até o final do procedimento. “Já comunicamos o caso à Sesab e ao Ministério da Saúde e iremos apurar para adotarmos as medidas legais”, garantiu, na nota.

A nota informa ainda que Feira de Santana recebeu doze profissionais do programa Mais Médicos e que eles passaram por treinamento, no entanto, por conta do ocorrido, os profissionais passarão por um novo treinamento no final de semana com a Assistência Farmacêutica.

RECLAMAÇÃO

A notícia do afastamento do médico levou inúmeros moradores do conjunto Viveiros para a Unidade de Saúde para reclamar da atitude da secretária e solicitar o retorno imediato do profissional que, segundo eles, era atencioso e tratava todos com respeito. Cristiane Araújo Fonseca fiz que levou o filho de 4 anos na quarta-feira para a unidade com febre, vômito e diarréia e que o médico fez todos os exames e o medicou.

“Meu filho melhorou logo graças ao médico. Queremos o médico de volta, passamos mais de 2 meses sem médico e agora inventam coisa para tirar o médico daqui”, afirmou.

Os moradores afirmaram que, caso o médico não retorne para a unidade, eles farão uma manifestação fechando a entrada da unidade. “Se não retornar na próxima semana, iremos impedir o funcionamento do posto de saúde. A secretaria deveria ouvir a comunidade e não acreditar em uma mentira”, ameaçou Maria da Glória Martins.

A Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) enviou nota informando que está acompanhando, em conjunto com o Ministério da Saúde, o caso e que não cabe a ela a fiscalização do exercício da profissão médica e sim ao conselho de classe. E destaca que espera que seja dado ao profissional o mesmo tratamento dado a qualquer outro profissional brasileiro e que seja garantido o amplo direito de defesa.

Alean Rodrigues, A Tarde

Recomendados para você

Comentários

  1. Sandro Postado em 22/Nov/2013 às 12:24

    Não duvido que a médica brasileira tenha adulterado o "10" para ele virar "40". Desse pessoal que hostiliza colega em aeroporto com insultos que beiram o racismo, pode-se esperar tudo.

    • amira Postado em 22/Nov/2013 às 16:12

      realmente. se o um do cubano for um pauzinho, daqueles "um" mais simples, transformar em quatro é coisa que até criança consegue fazer. como essa elite brasileira é nojenta e cínica!

    • Guilherme Augusto Postado em 23/Nov/2013 às 19:06

      Pensei o mesmo. Ainda mais pela conduta anti-ética e até ilegal de reter (ainda que provisoriamente) e expor (o que, diante da situação, pode até configurar crime de difamação) o documento oficial de um outro colega de profissão. É bem possível que ela tenha adulterado o documento, cometendo, ainda, o crime de falsificação de documento particular.

  2. Thiago Teixeira Postado em 22/Nov/2013 às 12:27

    Se o médico tivesse sobrenome italiano, a médica iria bofetear a diarista e dizer que a criança não melhorou porque na receita está escrito 40 gotas.

    • renato Postado em 22/Nov/2013 às 22:28

      Eu ia dizer algo, agora não digo mais!!! Já disse tudo.. Ou melhor.. Conheço um posto de saúde aqui, que querem porque querem um médico Cubano. E pasmem....o Prefeito daqui vai pegar 32 médicos... Tá uma briga dos postinhos para ter um..

  3. lucas Postado em 22/Nov/2013 às 12:30

    Engraçado, aqui na Zona Sul de São Paulo, hospital M'boi Mirim, 3 pessoas da região(somente as que EU conheço) sofrem hoje por causa de erros médicos BRASILEIROS, e são erros graves, onde uma dessa pessoas nunca mais poderá urinar normalmente.Se o motivo da campanha contra os médicos cubanos for erro, erro dos nossos médicos é o que não faltam para usar de exemplo.

  4. Pedro Henrique Leal Postado em 22/Nov/2013 às 12:34

    Absurda e inaceitável a situação. Fica claro como nossa classe médica, tão "ética", não mede esforços para garantir a falta de atendimento no setor público. Alegam que não se faz medicina só com médico, mas esquecem que também não se faz SEM médico. Reclamam de falta de condições - mesmo em municípios em que há condições - e dizem que "médico algum aceitaria trabalhar em rincões do interior", insinuam que os médicos europeus que aceitaram são foragidos, loucos e charlatões, acusam os cubanos de serem "guerrilheiros", e frente a competência dos mesmos, fazem tudo a seu alcance para lhes tirar de serviço. Não duvido que a receita errada tenha sido fraudada pelas médicas citadas. Não vejo motivos para acreditar na classe, quando acham correto apenas bater ponto e ir embora. Quando o presidente do CFM solta uma declaração dessas : “Se essa intenção fosse séria, o governo traria médicos preparados para fazer cirurgias, trabalhar em UTIs e atender casos de alta complexidade. Não há médicos pela metade e é isso que está sendo proposto. Se o médico ‘importado’ sem revalidação receber um caso grave, cruzará os braços.”, como se o atendimento em posto de saúde realmente fosse trabalho de UTI, e se o grosso dos casos não fosse atendimento básico de saúde. Pela lógica do senhor Roberto Luiz d’Avila, presidente do CFM, caso eu precise de uma cirurgia de emergência, meu psiquiatra deve ser capaz de atender. Vou no dermatologista fazer tratamento cardiáco, e quando eu tiver filhos e o pediatra me indicar que eu leve meu filho em um otorrinolaringologista, eu vou dizer "você não é médico? como assim não sabe?" - afinal, não há médico pela metade não é? Não tem atendimento "básico" nem "especialistas". Todo médico é um neurocirurgião, ortopedista, pediatra, ginecologista, cardiologista, psiquiatra e tudo mais. Clinico geral? Grande farsa!. Ou assim a nossa classe médica quer fingir.

  5. Maria Ines Postado em 22/Nov/2013 às 12:40

    Como que pode, aqui no Brasil acontece erro médico todos os dias e fica por isso mesmo, não querem nem saber, mas como foi um médico cubano, a marcação é cerrada, a população carente tem que estar atenta, pois os doutores de jaleco insensatos estão atentos para prejudicar o programa Mais Médicos!

  6. Lucas Postado em 22/Nov/2013 às 12:44

    Pelo que andei lendo, o médico já volta a atender nessa segunda. E não houve o erro médico, ele prescreveu a dose total e não fracionada, porém explicou a mãe como e quando dar para a filho. O revoltante é saber que uma médica brasileira ao ver a receita, tirou foto e postou na internet, em seguida o tal vereador fez a denúncia. Falta de ética e profissionalismo, se ela viu um suposto erro o correto era resolver isso internamente e não tirar foto e postar na internet. E o fato da maioria desses médicos elitistas tratar o povão como lixo é o que faz a população receber de braços abertos os médicos cubanos. A verdade é que sinto orgulho de te-los em nossos hospitais. Eles vieram de lugares carentes sabem como tratar bem o povo esquecido.

  7. Ricardo Postado em 22/Nov/2013 às 13:50

    Não sou fã de Cuba, mas sou fã destes médicos... O Brasil realmente vive num "médicocentrismo" que impede os médicos daqui enxergar no que estão errando. Enfim, corporativismo puro... Lamentável...

  8. José Ferreira Postado em 22/Nov/2013 às 14:09

    Esse açougueiro cubano deveria ser expulso do país. Poderiam colocá-lo para cuidar da Dilmão e do "poste".

    • Príscila Postado em 22/Nov/2013 às 18:33

      não precisa colocar médicos cubanos, basta por os incompetentes brasileiros para com sua cara de má vontade já matá-la

      • José Ferreira Postado em 22/Nov/2013 às 21:55

        Que venham os médicos brasileiros para dar um fim na Dilmão. É o melhor para a nação!!!

  9. luiz carlos ubaldo Postado em 22/Nov/2013 às 15:46

    Quanto odío destilado contra médicos cubanos, quanta superioridade, se julgam Deuses vivendo entre mortais, por tanto não precisam de médicos, não precisam de ninguém, só de um sepaço democrático e aberto a todos, para que possa destilar todo o azemude até então contido a duras penas, sua intolerância atrai uns poucos coxinhas!

  10. Leonardo Postado em 23/Nov/2013 às 02:09

    Claro que choca os brasileiros porque aqui a omissão é mais aceita do que em outros países civilizados, o Brasil é um território vasto ocupado infelizmente da mesma maneira que o resto do planeta, ou seja, com destruição do território, então o que vale é a lei do mais forte !!

  11. Adalberto Postado em 24/Nov/2013 às 11:15

    Aqui em Fortaleza os médicos não ir nem pra região metropolitana, imagina pros cafundós do sertão.