Redação Pragmatismo
Compartilhar
Saúde 25/Nov/2013 às 15:58
13
Comentários

Por que a população brasileira passou a amar os médicos cubanos?

Bastante hostilizados por boa parte da classe médica brasileira quando chegaram ao País, médicos cubanos encantam a população e revelam que têm muito a ensinar

médico cubano feira de santana
População exigiu a volta de Isoel Goméz Molina, médico cubano afastado em Feira de Santana (reprodução)

Paulo Nogueira, DCM

Os médicos brasileiros aprenderam uma coisa rapidamente com a chegada de seus colegas – ou rivais, segundo a visão dominante entre eles – cubano: são detestados.

Exagerei?

Então vou colocar a coisa de forma mais branda: não são amados. Especificamente entre os brasileiros desvalidos, esta é uma verdade doída que nem os médicos brasileiros podem contestar sem enrubescer.

O episódio de Feira Santana é particularmente revelador. A força do tema é tanta que Feira de Santana, pela primeira vez em muitos anos, virou assunto nacional.

Um médico cubano (foto acima) teria escrito no papel uma dose errada para uma criança com febre. Na consulta em si, segundo a mãe da criança, o médico explicou tudo com clareza e acerto.

Leia também

Alguém teve acesso à receita e a usou para denunciar o cubano. Ele foi afastado.

E isso gerou uma revolta entre as pessoas, as humildes pessoas, que tinham sido atendidas pelo cubano.

A primeira da lista da revolta era a própria mãe do garoto. Ela se mobilizou pela reintegração do cubano. Em sua simplicidade, disse o que todos sabemos: os cubanos tratam seus pacientes com carinho e atenção, enquanto os brasileiros, retiradas como de hábito as exceções, sequer os olham.

De certa forma, os mal-amados médicos brasileiros são vítimas. Eles foram e são educados num sistema mercantil em que a saúde é uma mercadoria com finalidades estritamente lucrativas.

São fortemente influenciados por gigantescos laboratórios multinacionais que simplesmente quebrariam se a humanidade, subitamente, se tornasse saudável.

Por viverem da doença, os laboratórios estimulam os médicos – sempre convidados a bocas livres em hotéis e cidades especiais – a receitar remédios sempre.

É raro você sair de uma consulta sobre um colesterol alto sem que o médico indique medicamentos, em vez de uma vida mais saudável com exercícios e uma dieta menos assassina.

A internacionalmente aclamada medicina cubana tem outra visão da saúde.

Para os médicos cubanos, a chave está na prevenção. Tenha bons hábitos. Em Cuba, existe o chamado doutor comunitário. Como um amigo, ele acompanha as pessoas de uma determinada região.

Uma vez por ano, o doutor comunitário faz uma visita de surpresa ao paciente, em sua casa, para ver se seus hábitos estão de acordo com uma vida de saúde.

É por isso que é comum, em Cuba, você ver idosos se exercitando na praia. O resultado é que a expectativa de vida em Cuba, a despeito das limitações econômicas impostas pelo duríssimo embargo americano, é uma das maiores do mundo.

Além de tudo, a medicina, em Cuba, conservou algo do sacerdócio e do idealismo que o império do dinheiro foi destruindo no Ocidente, incluído o Brasil.

A principal motivação de um candidato a médico, no Brasil, é a remuneração. É uma das profissões mais bem pagas.

Dentro dessa lógica pecuniária, o jovem médico vai se estabelecer onde pode ganhar mais dinheiro: São Paulo, por exemplo.

Por isso, e pela inação de tantos governos, milhões de desvalidos em cidades remotas ficaram ao longo dos tempos sem um único médico.

Ou, como no caso de Feira de Santana, com médicos que gostariam de estar em outro lugar, com uma clientela disposta a pagar 400, 500, 600 reais por uma consulta.

Os médicos brasileiros, diante da chegada dos cubanos, têm agora duas alternativas.

Uma é ficar sabotando-os. É a mais fácil.

Outra é, humildemente, aprender com eles. É a mais sábia, tanto para os médicos brasileiros como para a sociedade como um todo.

A não ser que os médicos brasileiros se reinventem, logo as pessoas – e não estou falando apenas das desvalidas – passarão a sonhar em ter um médico cubano para cuidar delas.

Recomendados para você

Comentários

  1. Bruno Pieruccine Postado em 25/Nov/2013 às 16:43

    Só li verdades! Antes mesmos do Governo aprovar o Programa " Mais Médicos", eu já ouvia falar positivamente sobre a Medicina Cubana. Fiquei bem feliz com a vinda deles, imaginei que os nossos médicos iriam aprovar e aproveitar para aprender um pouco mais com eles. Porém esqueci que a Medicina brasileira vive numa "fortaleza" onde só entra quem vem para cooperar com mais poder $$$.

  2. tania Postado em 25/Nov/2013 às 16:49

    Muito fácil de entender. Pessoas que por décadas forma deixadas ao deus dará com seus problemas e doenças, quando percebem que terão uma pessoa que realmente age como um ser humano sensível e tem uma postura totalmente diferente dos médicos brasileiros, o que mais conta nem é a medicação ou o tratamento de saúde, claro que é importante, mas muito antes disso o médico cubano foi preparado para ser um humanista e alguém que não está submetido aos grandes gurpos de fabricantes de remédios os quais interferem inclusive nas faculdades de medicina, mesmo que indiretamente. Eu digo que odeio consultar e só o faço quando é algo bem específico como retirar varizes, ou fazer um eletrocardiograma, mesmo assim outro dia consultei com um médico cardiologista e ele fez os exames que dão resultados pra gente, nos informa como está o nosso coração, entretando ele não passa de um burocrata da medicina, alguém que quando lhe falei que estava com dores no corpo , no joelho, algo que não era da sua especialidade, ele me receitou uma poderosa injeção pra dor. Naturalmente , eu não a tomei. E por minha conta procurei a quiropraxia que logo me deixou muio bem, Mas eu sou uma pessoa que tem condições de pagar um tratamento e também tenho conhecimento e experiência de vida. Isso não quer dizer que o SUS não seja algo importante, uma vez que atende muitas vezes melhor que os planos de saúde particulares e sem cobrar um centavo. Agora o problema são os médicos que estão lá, não todos, mas muitos eu presumo, que não comparecem, atendem mal e como são treinados para ser burocratas da medicina, o que fazem é pedir exames, olhar o paciente como um número, e como exames neste caso podem demorar, a coisa se complica. Penso que o SUS deveria mudar radicalmente para a medicina preventiva que é o que via nos salvar dessa industria farmacêutica gananciosa que no Brasil já tomou conta e interfere até na forma de de fazer medicina.

  3. Rafaela Postado em 25/Nov/2013 às 16:50

    O médico cubano não errou, eles só usam um sistema de notação diferente: as 40 gotas deveriam ser tomadas ao longo do dia: http://revistaforum.com.br/blog/2013/11/defendido-pelos-moradores-medico-cubano-volta-a-atuar-em-feira-de-santana/

  4. Eva Moraes Postado em 25/Nov/2013 às 17:40

    Eu sou uma delas. Detesto ir à hospitais e à consultas. Aprendi, faz tempo, por força da situação econômica que prevenir é melhor que remediar. Mas, agora, bem que gostaria de me consultar com um médico cubano. Nem se for só para agradecer e dar-lhe um abraço fraterno.

  5. braz valentim Postado em 25/Nov/2013 às 17:43

    A concorrência sempre foi algo saudável no mercado, e porque não na saúde, o que se vê é que nossos médico burgueses,com um mercado vasto como o nosso tem todo o direito de escolher , mas em contra partida devem deixar as tetas do governo, pois não querem o serviço público mas quer garantias de lá fazem concurso e não trabalham criticam o sistema mas nada fazem para melhorá-lo, Benvindo os que se dispõe a trabalhar naquilo que se propuseram seja lá de que nacionalidade for. E os que não querem trabalhar dêem espaço pois a população está sofrida, por esta e outras.

  6. Rafael Postado em 25/Nov/2013 às 17:53

    Vocês criticam a revista VEJA, mas são tão imparciais quanto ela. Estão apenas do lado oposto das idéias.

  7. Henrique Santos Postado em 25/Nov/2013 às 18:01

    Ah, é assim que questionamos o porquê de tanto ódio... em toda sociedade capitalista, a indústria farmacêutica ganha muito nesse esquema descrito no texto: "É raro você sair de uma consulta sobre um colesterol alto sem que o médico indique medicamentos, em vez de uma vida mais saudável com exercícios e uma dieta menos assassina." Por exemplo, numa consulta o que acontece é o seguinte: o paciente diz que está com dor de cabeça, o médico tem um leque de opções, medicamento X, Y, Z, A, B, J, K, N, sim, milhares de opções. (as vezes, a melhor orientação do caso seria indicar ao paciente que medicamentos seriam inúteis, já que a dor de cabeça voltaria quando o efeito do remédio passasse e que ele deveria fazer uma investigação mais a fundo para saber qual a real causa dessa dor. Claro, isso numa realidade em que os médicos se importassem...), mas devido ao interesse das grandes farmacêuticas que já "assinaram um contrato" com ele, ele irá escolher o medicamento Y e fará de tudo para que o paciente(cliente?) compre aquele produto Y, como combinado com aquele certo grupo anteriormente. Já o médico cubano, que em seu país não há o interesse dessas mesmas e ele não tem a opção de ganhar mais dinheiro do que seu salário, não tem a mesma mentalidade corrupta. Ele vai buscar auxiliar, apenas. Talvez seja este o grande motivo de ódio. As vezes eu imagino o que deve se passar na cabeça de uma pessoa dessa:"Como esses "negros com cara de empregados domésticos" ousam desafiar a nossa máfia!!!!!!!!!!!!!!!!!!??????????????????? Devemos nos juntar e humilha-los nos aeroportos. Devemos tentar difamá-los dizendo que eles estão querendo dar um golpe comunista em nosso país. Devemos tentar incriminá-los seja mudando o número 1 por número 4 ou seja o que for!!!! Seja como for, devemos manter a nossa hegemonia elitista. Já nos esforçamos tanto para não haver possibilidade de alunos pobres ingressarem nos nossos cursos, acha que iremos deixar esses comunistas quebrarem nosso esquema?? Não, não iremos. "" Antes que encontrem coisas que eu não quis dizer, nenhum momento disse que o sistema socialista é melhor que o capitalista. Apenas apontei coisas óbvias. E desculpem as generalizações sobre os médicos, sei que há gente do bem. Entretanto, sei também que há gente assim, doente.

  8. Mateus Guedes Postado em 25/Nov/2013 às 18:34

    Infelizmente minha cidade não teve a chegada de nenhum médico Cubano. Aqui em Irati, no Paraná, precisamos muito de médicos que sejam humanos e não simples máquinas de caça-níquel.

  9. Maria Ines Postado em 25/Nov/2013 às 19:34

    Eu particularmente gostaria imensamente de fazer uma consulta com um médico cubano!

  10. Heyde Postado em 25/Nov/2013 às 19:53

    Belo texto!. A mais pura verdade!!

  11. Thiago Teixeira Postado em 25/Nov/2013 às 20:21

    Eu acho que seria a identificação. Nada de racismo, mas olhando o profissional da foto e sua paciente com o filho no colo, acho que rola uma aproximação maior. Os profissionais Cubanos, seja homens ou mulheres, não levam consigo essa blindagem do tipo: "Eu sou médico, sou imortal, superior, não me toque, fique ai longe de mim sua nojenta!".

  12. renato Postado em 25/Nov/2013 às 21:52

    Eu nem quero saber!!!! Meu prefeito, que não é do meu querido PT, mas também não é burro. Vai contratar Médicos Cubanos, que chegarão aqui no começo do ano. Eu vou aguardar e tirar fotos com o Médico, e em pequenas bocas bem proximas ao posto de Saúde, o pessoal está ansioso... Isto é esperança aquilo que um médico deve inspirar. Só para lembrar Dilma passou por aqui, uns tres meses atrás...

  13. Maria Amaral (RJ) Postado em 26/Nov/2013 às 09:51

    E viva a Revolução cubana humanista! Eu sou uma coleção de erros médicos graves, inclusive duas cirurgias nos pés e uma na coluna, que foram feitas sem necessidade e que me trouxeram sequelas para o resto da vida. Todos eram médicos conceituados. Anos mais tarde, um dos que me operaram veio a ser o presidente da Associação Médica de Neurocirirgia ou coisa que o valha _ não sei se ainda o é. E no sábado passado, fui ao hospital do SUS da cidade onde moro por causa de dores abdominais. O médico que me atendeu, que se disse cardiologista e gastroenterologista, com 20 segundos de consulta, falou que o meu caso era complicado, que não poderia fazer nada ali e que era para eu ir ao consultório dele!!! Me neguei e fui embora sem ser atendida. Ao procurar pelo currículo dele na internet, decobri que não havia nem uma linha sobre gastroenterologia, ou seja, é apenas cardiologista Eu não tenho dúvidas de que a maioria dos médicos brasileiros é do tipo pilantrão arrogante que se considera superior aos simples mortais; e são justamente estes, os quais cometem as maiores barbaridades no nosso corpo, que combatem a vinda de médicos cubanos para cá.