Redação Pragmatismo
Compartilhar
Eleições 2014 25/Oct/2013 às 16:28
8
Comentários

Reinaldo Azevedo e Demétrio Magnoli são os novos "reforços" da Folha

A Folha de S. Paulo indica uma forte guinada à direita e contrata, para seu quadro de colunistas, Reinaldo Azevedo e Demétrio Magnoli. Prepara-se para a campanha eleitoral de 2014?

A Folha de S. Paulo, o jornal da famiglia Frias traz para suas páginas o blogueiro Reinaldo Azevedo, que fez fama com o combate militante contra o PT e setores progressistas, e com disseminação do ódio no debate político.

Mas a Editora Abril, da família Civita, não abre mão do passe do polemista de direita e, agora, as diatribes antes restritas ao site do panfleto direitista semanal, Veja, agora serão amplificadas no jornalão de Otávio Frias Filho. Reinaldo Azevedo informou que vai para a Folha mas não deixa a Veja, e anuncia mais novidades para breve.

reinaldo azevedo folha
Reinaldo Azevedo (foto), assim como Demétrio Magnoli também é representante do Instituto Millenium (Divulgação)

O novo elenco de colunistas da Folha de S. Paulo tem ainda outro representante do Instituto Millenium: Demétrio Magnoli. Segundo Sergio D’Ávila, diretor de redação do jornal da famiglia Frias, o novo time tem ainda Ricardo Melo (apresentado como ex-trotskista); ele diz o executivo, “reforça o compromisso com o pluralismo e amplia o já variado quadro de colunistas do jornal”.

Pluralismo ou reforço da direita em ano eleitoral?

Reinaldo Azevedo, o fiel escudeiro de José Serra escreverá às sextas-feiras. Foi assim apresentado pela Folha: formado em jornalismo, Reinaldo Azevedo, 52, foi editor-adjunto de Política do caderno “Brasil”, coordenador de Política da Sucursal de Brasília da Folha, redator-chefe da revista Bravo! e diretor de Redação da extinta revista Primeira Leitura”. Desde 2006 mantém um blog no site da revista Veja. Publicou os livros Contra o Consenso (2005) e O País dos Petralhas (2008).

Leia também

Além dele, o time de colunistas foi reforçado também com outra voz dos quadros do Instituto Millenium (um centro que irradia ideias de direita e é apoiado por grupos de mídia como Abril, Globo e, agora, a Folha). Trata-se do controvertido Demétrio Magnoli.

A contratação da dupla, especialmente de Reinaldo Azevedo, caiu como uma bomba no jornal e foi muito mal recebida por diversos profissionais de peso que atuam na Barão de Limeira. Para muitos jornalistas da casa, o leitor da Folha é predominantemente conservador, mas não é um radical de direita, disposto a seguir a linha do colunista de Veja.com.

Numa tentativa de compensar, a Folha resgatou a coluna de um ex-colaborador, o jornalista Ricardo Melo, que no passado foi dirigente do grupo trotskista Liberdade e Luta (“Libelu”), sendo por isso apresentado pela Folha como sinal de um suposto equilíbrio.

O fato é que, polemista profissional, Reinaldo Azevedo é também uma marca registrada do que há de mais estreito e antiquado no debate de ideias que, graças à democracia combatida no passado pela mesma Folha, hoje viceja na sociedade brasileira.

O diretor de redação, Sérgio D’Avila, justificou as contratações alegando o “compromisso com o pluralismo”, mas até as pedras da Alameda Barão de Limeira sabem que não é verdade. Com o peso que tem e seu radicalismo caricatural de direita, Reinaldo Azevedo marca um ponto de inflexão na história da Folha. Será um militante radical contra o PT e a esquerda brasileira, em pleno ano eleitoral.

Camaleão ideológico

Autoclassificada como plural, democrática, apartidária e a serviço do Brasil, a Folha de S. Paulo acaba de atingir mais um ponto de inflexão em seu longo zigue-zague editorial.

A contratação do direitista Reinaldo Azevedo, crítico de uma nota só dos governos de esquerda dos últimos dez anos, aponta opção preferencial do jornal pelo conservadorismo elitista. Leitores que consideravam o jornal liberal e de centro vão gostar da novidade obscurantista?

Como um camaleão ideológico, o jornal Folha de S. Paulo muda de coloração outra vez – e voltando às suas origens na direita da fauna política. Sinaliza, com a contratação de Azevedo, um retorno ao passado que caiu mal (como apurou o portal 247), entre os jornalistas da redação. A chegada do novo vizinho de páginas impactou negativamente o coletivo e lançou no ar uma pergunta: como os leitores que associam o jornal a ideias liberais e centristas irão reagir ao peso à direita representado por Azevedo nos porões daquele grande navio?

Emblemática, a abertura de espaço editorial para Azevedo leva a Folha às suas raízes históricas das quais vem tentando se livrar desde o início da década de 1980. Um típico movimento de meia-volta volver.

O jornal era de propriedade de Nabantino Ramos e foi comprado em 1962 pela dupla Otávio Frias de Oliveira e Carlos Caldeira Filho, numa controversa e polêmica operação comercial. Dois anos depois, apoiava abertamente o golpe militar de 1964.

No auge da repressão política da ditadura, a Folha de S. Paulo tisnou suas páginas de sangue ao emprestar caminhonetes da distribuição do matutino para equipes da repressão usarem na prisão de oponentes políticos, e para transportá-los de diferentes cárceres ao centro de tortura do Doi-Codi, na rua Tutóia, em São Paulo. A própria Folha reconhece o gesto mas hoje o considera uma questão ultrapassada.

Em 1972, quando o governo do general Emílio Médico pregava o ame-o ou deixe-o ao Brasil, a Folha publicou editoriais negando, com veemência, a existência de presos políticos no Brasil. Um dos subprodutos da empresa, o jornal Folha da Tarde, era considerado o jornal de maior “tiragem” de S. Paulo devido ao grande número de “tiras” (policiais) que trabalhavam nele; era uma publicação ligada diretamente à polícia política, com amigos do torturador-mor, Sergio Paranhos Fleury, entre seus redatores e repórteres.

O ocaso da ditadura levou a uma primeira correção de rumo. Em 1979, o jornal destacou em sua primeira página o grande ato pela anistia política ocorrido na Praça da Sé, em São Paulo. Anos depois, quando o público foi às ruas na campanha Diretas-Já, em 1984, a Folha outra vez mostrou reflexo rápido. Dirigida por Otavio Frias Filho, mas com o “seo” Frias na supervisão de tudo, abriu mais de uma dezena de páginas para a cobertura do comício ocorrido na praça da Sé, em São Paulo.

Diante da hesitação do concorrente O Estado de S. Paulo e do boicote à notícia pelo jornal O Globo, a Folha deu grossas pinceladas de verniz democrático em sua fachada. Ato contínuo, Otavinho abriu a redação para jovens que tinham frequentado os bancos da Universidade de São Paulo e traziam ares novos para a publicação. Comunista, ali, é claro, não entrava, mas havia espaço para profissionais que, na pessoa física, combatiam, pela esquerda, as correntes mais comprometidas com a regime militar.

A fórmula deu certo. A circulação do jornal cresceu vertiginosamente, a ponto de fazer dele o mais vendido diariamente nas bancas de São Paulo, batendo nacionalmente, algumas vezes, o consolidado O Globo – e deixando na poeira do conservadorismo o inimigo mortal O Estado de S. Paulo, da família Mesquita.

Essa conformação político-editorial, com uma coloração fingida de compromisso democrático, prevaleceu até o final do governo do presidente Fernando Henrique Cardoso. Antes dele, em novo sopro da sorte, o então presidente Fernando Collor estava no poder quando a Polícia Federal invadiu a sede do jornal em busca de documentos que supostamente seriam usados contra ele. O tiro, é claro, saiu pela culatra – e, como mártir, mais uma vez a Folha teve campo para crescer.

Os conflitos ideológicos aumentaram para o jornal com o início do governo Lula. A Folha nunca compreendeu nem aceitou o movimento sindical do final dos 70, início dos 80, liderado por Lula a partir do ABC paulista. As greves operárias relembravam o jornal da paralisação de jornalistas, logo após sua compra por Frias e Caldeira, que quase fechou as portas da publicação. Em consequência as relações com Lula, que nunca foram amistosas, deterioram-se gradativamente.

Para a FSP, a campanha de 2014 acaba de começar

Na Era Dilma Rousseff, a Folha, em seu noticiário, renova praticamente todos os dias a vã aposta no fracasso econômico. E, agora, de modo inequívoco, aposta na radicalização, graças à chegada do pesado Reinaldo Azevedo, ligado ao ex-governador José Serra.

Sua contratação demostra, inicialmente, que o jornal vê com reticências a candidatura do presidenciável tucano Aécio Neves. Ele e Serra são adversários na mesma trincheira – e inserir Azevedo em seu ninho significa um recado da Folha sobre com quem o jornal vai estar nos momentos decisivos.

Azevedo, como se sabe, é um polemista de direita que vocaliza as forças mais obscuras do espectro político. Ele já chegou a escrever um artigo em que defendia a proibição de o ex-presidente Lula viajar livremente pelo país. Irritadiço, clamou pelo julgamento sumário (isto é, pelo linchamento institucional e midiático) dos réus da Ação Penal 470, o chamado “mensalão”. Primeiro, incensando o decano do STF, Celso de Mello, quando este discursava contra os réus, mas defenestrando-o sumariamente no momento em que deu seu voto histórico de garantismo, ao aceitar os embargos infringentes que alegraram as comunidades jurídica e democrática. Sua contratação mostra ao público que, para a Folha, a campanha eleitoral de 2014 acaba de começar – e já não restam dúvidas, apesar de tão cedo, sobre qual o lado do jornal. Nunca à esquerda e esforçando para manter-se até aqui no centro, a barca do Otavinho avisa que vai mesmo é guinar para a direita. Segure-se quem puder.

José Carlos Ruy, com Brasil 247

Recomendados para você

Comentários

  1. Rafael Postado em 25/Oct/2013 às 16:53

    Eu ainda tinha alguma esperança na FSP, acabou de falecer. Para ver o grau de tacanhice do público, basta ler os comentários das notícias do site, só viúva da ditadura. Com a chegada do "Tio Rei", vão celebrar a existência de um periódico estabelecido e destinado às pessoas de bem [sic].

  2. Dias Postado em 25/Oct/2013 às 17:00

    A folha já nasceu no atoleiro.

  3. Thiago Teixeira Postado em 25/Oct/2013 às 21:15

    Ele compõe a massa cheirosa dos jornalistas golpistas. Só falta o Diogo Mainardi e a Urubóloga Miriam Leitão.

  4. Gabriel Postado em 26/Oct/2013 às 04:45

    Sinceridade? O Reinaldo Azevedo escreve mais para aparecer do que qualquer outra coisa. "Falem mal, mas falem de mim". A coluna dele tem absurdos tão grandes que é impossível não virar notícia. Eu prefiro ignorá-lo, achando que a imbecilidade é por opção, para "se passar", como dizemos aqui no Ceará. Um babaca.

  5. Caio Saldanha Postado em 26/Oct/2013 às 15:46

    O Demétrio Magnoli não é reacionário, tem gente do Pragmatismo Político que tem um problema com visões divergentes não é mesmo? Ser contra as cotas raciais não é ser reacionário, principalmente quando se tem muitos bons argumentos como os dele.

  6. CArlos Postado em 27/Oct/2013 às 22:26

    É o velho PIG

  7. Rodrigo Postado em 28/Oct/2013 às 00:39

    Poderiam então dar uma guinada à esquerda e contratar os jornalistas da"esquerdista" Caros Amigos, que foram demitidos... Após greve... Para exigir respeito a direitos trabalhistas... Como piso salarial, FGTS e INSS... Fiquei confuso... Violação a direitos trabalhistas não era conduta afirmada a porcos capitalistas neoliberais? "Tu quoque, Brutus, fili mi!" - Até tu, Brutus, meu filho ...

  8. Flávio Postado em 29/Oct/2013 às 00:02

    Dois espantalhos acabam de ser mortos aqui