Redação Pragmatismo
Compartilhar
Homofobia 08/Oct/2013 às 09:45
4
Comentários

O País que quer fazer exames médicos para identificar e impedir entrada de gays

Proposta que pretende "identificar" gays a partir de exames médicos será avaliada por comitê central no Kuwait. Objetivo é impedir a entrada de não cidadãos homossexuais

bandeira gay homofobia kuwait
Militantes homofóbicos pisam em bandeira do movimento gay (Reprodução / Reuters)

O Kuwait está desenvolvendo um teste médico para “detectar” homossexuais e preveni-los de entrar em seu território e no dos outros países membros do grupo Cooperação do Golfo – Bahrein, Catar, Arábia Saudita e Emirados Árabes. A medida foi anunciada pelo diretor de saúde pública do Kuwait, Yousouf Mindkar, em entrevista divulgada nesta segunda-feira (07/10) ao jornal local Al Rai.

“Nós vamos tomar medidas mais duras para nos ajudar a detectar gays que vão ser, então, barrados de entrar no Kuwait ou em qualquer outro Estado-membro do GCC”, afirmou, segundo agências internacionais.

Leia também

Mindkar explicou que a ideia é incorporar o novo teste à avaliação médica realizada pelos centros de saúde para conceder o visto para não cidadãos dos países. A proposta será avaliada por um comitê central no dia 11 de novembro, acrescentou.

Atos homossexuais já são proibidos nesses países, com a pena podendo chegar a 10 anos de cadeia caso o réu seja menor de 21 anos, no caso do Kuwait. Na Arábia Saudita, a punição é ainda mais severa: homossexuais podem ser condenados à morte, dependendo das circunstâncias. De acordo com informações do jornal Gulf News, em 2011, o Bahrein prendeu 127 pessoas por participar de uma festa “depravada e decadente”, relacionada a atos homossexuais.

Além da explícita repressão, os governos desses países censuram filmes, artigos e livros que abordem o tema da sexualidade. No início desse mês, um jornal de Oman foi censurado por conter um artigo considerado “simpático” aos homossexuais, informou a BBC. Em 2010, os países do GCC baniram o filme egípcio Beddon Rakaba (“Sem Censura” na tradução em português) com a justificativa de “encorajar a depravação”. O longa tratava da vida de jovens usuários de drogas e que travavam relações homossexuais.

Segundo organizações LGBTs da região, casais homossexuais procuram viajar para legalizar sua união, podendo ter represálias de volta ao país natal.

Opera Mundi

Recomendados para você

Comentários

  1. Alexandre Postado em 08/Oct/2013 às 13:20

    Esses países miseráveis que jogam areia nos olhos de seus cidadãos com falso moralismo.

  2. Carlos Postado em 09/Oct/2013 às 13:52

    Só pela foto já deu pra identificar de onde são os "militantes homofóbicos". Gosto desse jornal, mas essa legenda é deprimente e sectária. Quer dizer, só por que os caras estão pisando na bandeira do MOVIMENTO então é "homofóbico". Por essas e outras é que o movimento jamais deverá ser elevado a sério.

    • wando Postado em 11/Oct/2013 às 17:55

      Nem vc merece ser levado a sério. concordo com o Mateus Matias. queria a foto de gays enforcados como já vimos. ou espancados como na Russia como tb já vimos. Não seja ignorante. é uma representação apenas.

  3. Mateus Matias Postado em 10/Oct/2013 às 11:25

    "Só porque pisou na bandeira é homofóbico"? E você queria o quê, que completassem a cena com o enforcamento de uns sete homossexuais, cada um pintado com uma cor do arco-íris? Ou ainda assim o site seria "sectário" porque não ficou clara a "homofobia"? Esse tipo de comentário não pode mesmo ser levado a sério. O que eles estão perpetrando é uma forma aterradora de violência simbólica. E não é à toa que ela desemboca na matança, perseguição e exclusão de pessoas. A violência está tão naturalizada que é sancionada mesmo pelos ordenamentos jurídicos. Agora quero ver que tipo de "exame médico" é esse que detecta homossexualidade. Os sonhos totalitários estão ficando cada vez mais densos: e eu ardo pelo dia em que rebentarão como a imensa bolha vazia e sufocante que são.