Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Eleições 2014 07/Oct/2013 às 16:26
11
Comentários

"Aécio, Dilma e Campos são iguais", disse Marina ainda em 2013

Marina Silva se filiou ao PSB e deverá ser candidata a vice em chapa encabeçada por Eduardo Campos. Mas a ex-verde, em entrevista realizada este ano, colocou o seu mais novo aliado no mesmo barco de Dilma e Aécio

Marina silva eduardo campos
Marina Silva e Eduardo Campos, recém-aliados, devem dividir palanque em 2014. Meses atrás, no entanto, ex-senadora disse que Campos era igual a Aécio e Dilma (Foto: Divulgação)

Marina Silva não conseguiu viabilizar a criação do partido Rede Sustentabilidade. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) alegou insuficiência de assinaturas e negou, por seis votos a um, o registro ao REDE.

Correndo contra o tempo para decidir o seu futuro político, Marina anunciou no último sábado filiação ao PSB de Eduardo Campos, atual governador de Pernambuco e possível candidato da legenda à Presidência da República.

A ex-senadora já chegou a afirmar que a necessidade do surgimento do REDE se dava em razão de não haver, no sistema político-partidário brasileiro atual, nenhuma agremiação política decente. Não por acaso sua filiação ao partido de Campos tenha surpreendido a todos.

Leia também

Em entrevista realizada em março de 2013 pelo jornal O Estado de S.Paulo, Marina nivelou por baixo todos os principais presidenciáveis. “Dilma, Aécio e Campos estão no mesmo diapasão”, afirmou.

A decisão pelo ingresso no PSB tem gerado polêmica entre os próprios partidários e fundadores do REDE e, certamente, ainda provocará confusão na cabeça do “eleitor apolítico e apartidário”, perfil simpático à Marina, que não aceitará facilmente tamanha discrepância entre teoria e prática.

Confira trechos da entrevista de Marina ao Estadão:

Estamos em março de 2013, mas em plena campanha por 2014. Por quê?

Esse era o momento do intervalo para os partidos, em debate com a sociedade. A gente pode fazer a competição pelo caminho de cima, partir do patamar do ganho da estabilidade econômica, que foi a contribuição do Fernando Henrique. Partir da contribuição do Lula, que foram os ganhos sociais, a estabilidade econômica com distribuição de renda. E criar a agenda estratégica a partir desses ganhos. Algumas pessoas ficam torcendo para que tenha mais desgraça, porque aí cada um vai ser o salvador da pátria. Eu não parto desse princípio. A gente tem uma referência ao Lula, ao Fernando Henrique, mas sinceramente ainda não tenho uma referência ao governo Dilma. Qual é o “delta mais” do governo da presidente Dilma?

O que acha do governo Dilma?

Do ponto de vista negativo é a inflação, sem dúvida. Há uma política de quase extrapolar os limites da meta de inflação e essa flexibilidade toda de manejar a política fiscal. Mas qual é o “delta mais” dessa agenda? Neste momento, é legítimo que a sociedade cobre: qual é mesmo o referencial do atual governo? Obviamente que ainda tem dois anos para dizê-lo, mas a antecipação da eleição leva para uma agenda do imediatismo que não nos dá o tempo para colocar termos de referência claros. Qual a diferença se for Aécio Neves, Eduardo Campos ou a Dilma? Tem diferença em relação ao modelo de desenvolvimento? Me parece que até agora todos estão no mesmo diapasão.

Aécio Neves, Eduardo Campos e Dilma se aproximam de sindicatos. E a Rede?

Prefiro pensar os sindicatos como categoria social, não como votos. Está havendo uma mudança nas forças que mobilizam o ato de fazer política. Estamos saindo do ativismo dirigido pelos partidos, sindicatos, ONGs, academia e pelas corporações, para um ativismo autoral, onde os ativistas não são dirigidos por ninguém, são os protagonistas. A prova desse ativismo autoral é que mais de 1,5 milhão de pessoas assinaram petição dizendo que não querem Renan Calheiros.

Pragmatismo Politico

Recomendados para você

Comentários

  1. Maresia Postado em 07/Oct/2013 às 17:25

    Perdeu meu voto.

  2. Derico Postado em 07/Oct/2013 às 17:45

    Quanta pretensão! Ou seria desespero? Não teria meu voto antes, mas tinha um pouco da minha simpatia. Agora, nem isso.

  3. Ismael Wolf Postado em 07/Oct/2013 às 18:32

    Chamar os simpatizantes da Marina de "apolíticos" foi uma grande safadeza do editor dessa notícia que mais parece uma campanha eleitoral pró-pt. Essa página já foi boa. Hoje é uma vergonha. Imparcialidade zero!

  4. Thiago Teixeira Postado em 07/Oct/2013 às 21:58

    O que esse babaca do Jonas Donizete (prefeito de Campinas-SP) está fazendo no centro da foto? Vai cuidar das nossas escolas municipais pois estou tendo dois turnos: Trabalhar de dia e dar aula a noite para minhas filhas.

  5. Marcelo Postado em 12/Oct/2013 às 00:59

    Aff, pelo visto n tem candidato decente no momento né?! Fazer o q, só tem candidato com alta popularidade nos partidos de esquerda ou com influências de ideias esquerdistas.

  6. Luciana Coelho Postado em 22/Oct/2013 às 13:29

    É que alguns são mais iguais que outros...

    • Guilherme Augusto Postado em 14/Nov/2013 às 17:27

      Precisei escrever aqui, sobre sue comentário: "Like"!

  7. luiz carlos ubaldo Postado em 29/Oct/2013 às 12:50

    O que diria Chico Mendes ao ver sua púpila ao lado de tanta gente "boa assim"?

    • Guilherme Augusto Postado em 14/Nov/2013 às 17:28

      Se ele tivesse sobrevivido não mereceria ver isto. Pois morreria... de desgosto...

    • Guilherme Augusto Postado em 14/Nov/2013 às 17:29

      Então ela encontrou a diferença, ué... a diferença é que ia ficar feio de mais voltar pra de onde ela saiu, e descarado demais coroar a "coxinha" em sua alma ao sair do armário de vez e ir pro PSDB.

  8. Matheus Postado em 19/Dec/2013 às 14:16

    Vejo a decisão dela como uma forma de permanecer no cenário politico eleitoral, somente. Jesus andou e comeu com os publicanos, foi alvo de critica dos Fariseus. Eita mania que esse povo brasileiro tem! Acham que conseguem somente ver um movimento e prever com precisão todo o cenário desse grande jogo de xadrez.