Luis Soares
Colunista
Saúde 11/Jul/2013 às 15:32
83
Comentários

Drauzio Varella: sobre médicos estrangeiros no Brasil

O problema da má distribuição e a chegada de médicos estrangeiros no Brasil

Tainá Madeiras, para drauziovarella.com.br

“As pessoas não têm mais a quem pedir ajuda a não ser a mim. Se tiver mais de três casos urgentes para atender imediatamente, como eu faço?” Em tom de desabafo, o cardiologista Sérgio Perini conta que desde abril de 2012 é o único médico em atividade na cidade de Santa Maria das Barreiras, no interior do Pará. O único para atender uma população carente de 18 mil habitantes.

dráuzio varella médicos brasil

Dr. Drauzio Varella (Divulgação)

Essa situação não é exclusividade de Santa Maria das Barreiras. A cidade divide o problema com milhares de municípios que, como ela, são pequenos e afastados de grandes centros urbanos. Segundo o último levantamento do CFM (Conselho Federal de Medicina), feito em 2012, o Brasil abriga 388.015 médicos, cerca de 1,8 por mil habitantes. A Argentina tem 3,2, Espanha e Portugal têm 4 e Inglaterra, 2,7. Ainda assim, a quantidade de médicos brasileiros é considerada razoável, mas não resolve o problema de saúde do país porque apenas 8% dos profissionais estão em municípios de até 50 mil pessoas. E municípios desse porte representam quase 90% das cidades.

O restante dos profissionais está aglomerado em grandes regiões. Distrito Federal e os estados de Rio de Janeiro e São Paulo têm respectivamente taxas de 4,09, 3,62 e 2,64 médicos por mil habitantes, enquanto outros estados não somam nem um profissional por mil habitante, como é o caso do Amapá (0,95), Pará (0,84) e Maranhão (0,71). Ainda assim, a taxa maior em um estado não significa que cidades pequenas daquela região ofereçam atendimento adequado.

Leia também

Para tentar resolver a questão, o governo federal criou em 2011 o Provab (Programa de Valorização dos Profissionais da Atenção Básica), uma iniciativa para levar médicos recém-formados a regiões carentes oferecendo uma bolsa de R$8 mil. O incentivo, porém, não foi suficiente. O último levantamento, feito com base nos dados de 2012, mostrou que 2.856 prefeituras solicitaram 13 mil médicos. Menos da metade, 1.291, foi atendida por pelo menos um profissional, já que apenas 4.392 médicos se inscreveram e 3.800 assinaram contrato. O número equivale a 29% das vagas abertas.

Nesse cenário, Santa Maria das Barreiras e tantas outras cidades brasileiras tentam lidar com a carência da maneira que podem. “Como faltam profissionais, as ocorrências mais graves não têm como ser atendidas aqui, então encaminhamos para a cidade de Redenção, que fica a 130 km. O trajeto de 2 horas é feito por estrada de terra”, relata o dr. Perini.

Em maio de 2013, o Ministério da Saúde anunciou que havia um ano vinha estudando uma política para trazer médicos estrangeiros até essas regiões a fim de minimizar o déficit de profissionais em áreas carentes. A princípio, a intenção era trazer 6 mil médicos cubanos, além de profissionais de Portugal e Espanha. A estratégia é vista pelo governo como uma alternativa de curto prazo, mas para entidades médicas como o CFM, que questiona a qualidade do atendimento que seria oferecido, trata-se de uma “pseudo-assistência”.

Revalida

O presidente do CFM, Roberto Luiz d’Avila, afirmou em nota que acredita que a população brasileira corre o risco de ser atendida por pessoas com formação médica insuficiente e incompleta. “Se essa intenção fosse séria, o governo traria médicos preparados para fazer cirurgias, trabalhar em UTIs e atender casos de alta complexidade. Não há médicos pela metade e é isso que está sendo proposto. Se o médico ‘importado’ sem revalidação receber um caso grave, cruzará os braços.”

O temor da entidade surgiu devido à possibilidade de que os médicos estrangeiros sejam dispensados de fazer o Revalida, exame nacional para revalidação de diplomas obtidos no exterior. O ministério cogita a alternativa porque quem é aprovado na avaliação recebe registro permanente e pode atuar dentro de sua especialidade em qualquer região do país, mas a ideia do novo programa é que os profissionais de fora tenham permissão temporária de três anos para trabalhar apenas nos campos considerados de prioridade, como o de atenção básica em saúde. Segundo a assessoria do ministério, portanto, a dispensa está sendo pensada justamente para limitar a área de atuação dos estrangeiros, evitando que migrem para postos mais atrativos e compitam com profissionais brasileiros.

“O CFM não abre mão do Revalida. Ele apoia a entrada de médicos, desde que sejam submetidos a esse exame e sejam qualificados para trabalhar no Brasil, independentemente de sua nacionalidade”, afirma o vice-presidente da entidade, Carlos Vital. O Ministério da Saúde enfatiza que a dispensa não significa que os estrangeiros estarão isentos de avaliação. “Ainda não está definido de que maneira eles vão ser avaliados, mas já é sabido que eles vão precisar falar português, serão provenientes de faculdades reconhecidas pelos países de origem e obrigatoriamente haverá triagem, que poderá ser feita por meio de exame prático ou análise curricular.”

O ministério afirmou ainda que confia na qualidade das universidades do exterior e acredita que o governo de cada país tem discernimento para reconhecer como legítimas suas instituições de ensino da mesma maneira que o governo brasileiro tem. O CFM, porém, firma seu argumento nos dados oficiais da subcomissão que acompanha a aplicação do Revalida. No ano de 2011, 536 médicos graduados no exterior se submeteram ao exame, e somente 65 (12%) foram aprovados. Em 2012, o resultado foi pior: de 884 médicos avaliados, 77 (8,7%) foram aprovados.

Na lista de 200 cursos de medicina da QS Top University, organização de referência para rankings de universidades, a Universidade de Barcelona, na Espanha (um dos países cogitados a enviar profissionais), e a Universidade de São Paulo ocupam posição entre a 51a e 100a melhores (o ranking não especifica a posição a partir da 51a colocada). Cuba e Portugal não têm universidades na relação.

Concentração nos grandes centros

O único médico de Santa Maria das Barreiras é graduado pelo ISCM-VC (Instituto Superior de Ciências Médicas de Villa Clara), em Cuba, com o qual a Faculdade de Medicina da UNESP de Botucatu-SP mantém convênio desde 2002. Dr. Perini ressalta que o conceito de priorizar o atendimento às regiões carentes foi uma das coisas que aprendeu no curso. O viés ideológico de sua formação o incentivou a trocar a cidade de São Simão, em Goiás, que tinha cerca de 15 médicos para seus 17 mil habitantes, para viver com a família no interior do Pará, mesmo por um salário menor. “Quando escuto o CFM falando que os médicos estrangeiros podem não ter formação suficiente, fico indignado. Me dá a impressão de que eles não fazem ideia do que aprendemos por lá”, afirma.

No Brasil, existem apenas 2 mil médicos especializados em medicina da família cadastrados na SBMFC (Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade), entidade que congrega médicos atuantes em postos e outros serviços de Atenção Primária em Saúde. Para o presidente da Sociedade, Nulvio Lermen Junior, o Brasil enfrenta dificuldades para formar especialistas na área. “Há mais médicos interessados em especialidades como dermatologia e endocrinologia do que em medicina de família e comunidade ou terapia intensiva, por exemplo. Essas últimas especialidades são menos valorizadas no mercado privado”, explica.

Para Paulo Henrique Gomes, que assumiu a Secretaria de Saúde de Santa Maria das Barreiras no final de 2012, a medida serve como um alívio. “Eu preciso urgentemente de mais médicos na minha cidade, imagino que outros municípios também devam precisar. Eu só tenho um médico no hospital. Os profissionais do Pará não querem o salário que Santa Maria das Barreiras pode pagar, que é de R$ 16 mil. Eles querem R$ 20 mil, R$ 25 mil. Acredito que os profissionais que vão chegar estarão mais dispostos a receber o que temos a oferecer.”

Em nota, a SBMFC afirma acreditar que os sistemas nacionais de saúde possam necessitar do aporte de médicos estrangeiros, mas reforçou que tal política deve fazer parte de estratégias maiores de reestruturação do sistema de saúde.

Para Carlos Vital, vice-presidente do CFM, a má distribuição de profissionais brasileiros não é reflexo do desinteresse dos médicos, e sim um problema muito mais grave. “Os médicos brasileiros até migram para essas regiões, mas se deparam com uma cidade sem infraestrutura. Não há hospitais, não há UPAs (Unidade de Pronto Atendimento) nem UBSs (Unidade Básica de Saúde). Não há transporte, ou seja, não há o mínimo de condições para atender a população. O médico se sente impotente diante de uma situação como essa. Ele vai fazer o quê, sem um local para atender? Só prescrever medicamento? O problema tem uma base complexa que não pode ser resolvida simplesmente com a vinda de médicos estrangeiros. O Brasil precisa, primeiro, melhorar as condições de infraestrutura de saúde.”

Santa Maria das Barreiras conta com apenas uma Unidade Mista de Atendimento (local para atendimento básico com pequeno centro cirúrgico). É lá que o dr. Perini recebe diariamente de 40 a 50 pacientes. Desde janeiro de 2013, o Secretário de Saúde Paulo Henrique conseguiu ampliar de 17 para 22 o número de leitos e comprar mais uma ambulância para o município, totalizando duas, mas o problema com que o município lida há anos permanece: “temos uma unidade para atender, mas não temos médicos”.

Modelo a ser seguido

O Ministério da Saúde ainda não sabe exatamente qual modelo de captação de médicos estrangeiros irá seguir, mas acredita que o brasileiro deva tratar o assunto de maneira positiva. “Eu quero repetir que esse assunto não pode ser um tabu por aqui. O Ministério da Saúde brasileiro estuda uma politica de atração de profissionais estrangeiros baseada na de outros países que fazem isso. No Canadá e Austrália, por exemplo, existe um exame de validação do diploma igual o Revalida, mas também há programas específicos que dão autorização especial para o médico atuar na áreas de maior carência de médicos. Nós estamos estudando como esses países fazem para dar visto de trabalho e registro profissional restrito para atuar naquela área de carência. Descartamos validação automática do diploma e uma política que busque atrair médicos de países que tenham menos profissionais por mil habitantes que o Brasil. Caso da Bolívia e do Paraguai, que têm menos que 1,8 médicos por mil habitantes”, explica o Ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Padilha ressalta que cerca de 37% dos médicos da Inglaterra são formados fora do país, assim como 25% dos médicos que atuam nos EUA, 22% dos médicos do Canadá e 17% dos médicos da Austrália. Mas Carlos Vital, do CFM, reforça que esses dados não podem ser comparados com o Brasil, já que o sistema de saúde daqui é completamente diferente dos países tomados como base. “É diferente você levar um médico estrangeiro para atuar em um hospital da Inglaterra e outro para atuar aqui. Eles têm uma infraestrutura muito melhor que a do Brasil, muito mais equipamento, mais plano de carreira. Simplesmente, não dá.”

O ministro afirmou que apenas os municípios que participarem do Programa de Requalificação da UBS (Unidade Básica de Saúde) vão receber médicos do exterior. Segundo o Ministério da Saúde, cerca de 2.810 municípios devem apresentar propostas de construção de centros médicos em 2013. O Governo Federal dá incentivo financeiro para a construção de postos que variam de acordo com o porte de cada unidade, oscilando entre R$ 408 mil (construção de UBS porte 1 — capacitada para atender até 50 mil habitantes) a R$ 773 mil (construção de UBS porte 4 — capacitada para atender mais de 500 mil). Para reforma, são destinados de R$ 30 mil a R$ 150 mil (porte 1) e de R$30 a R$ 350 mil (porte 2).

Medidas de longo prazo

Diante da polêmica, a OMS (Organização Mundial da Saúde) se pronunciou. Em entrevista concedida à BBC Brasil, Hans Kluge, diretor da Divisão dos Sistemas de Saúde e Saúde Pública da OMS, afirmou que o assunto não deve ser visto como “panaceia” e que a contratação de médicos estrangeiros pelo Brasil é uma solução de curto prazo. A organização defendeu ainda que o país fortaleça seu próprio sistema de saúde para suprir a demanda interna.

O CFM defende que seja programada uma carreira federal dentro do SUS, nos moldes do que já existe para os cargos de juiz e promotor no âmbito do Poder Judiciário. Na carreira proposta, o acesso se daria por concurso público, realizado pelo Ministério da Saúde. Entre as características da proposta consta jornada de trabalho de 40 horas semanais no atendimento exclusivo ao SUS, com plano de cargos, carreira e salários.

A entidade não descarta com isso a necessidade de criar um outro programa para interiorização do médico brasileiro. “Sem uma carreira, os jovens médicos, ‘importados’ ou brasileiros, podem até aceitar o desafio de ir para zonas distantes, mas diante da falta de perspectiva irão abandonar os postos e buscar abrigo nas grandes cidades, acirrando o cenário de desigualdade na distribuição dos profissionais”, afirmou em nota o presidente D’Ávila.

Já a SBMFC acredita que é preciso, também, investir de forma semelhante na área de medicina da família. “Implantar uma carreira e valorizar a contratação de especialistas em medicina de família no setor público, em especial na estratégia de Saúde da Família; regular a formação de especialistas por meio da criação de vagas de residência médica, priorizar o investimento e oferecer condições de trabalho adequadas. Essa estratégia bem estruturada pode resolver de forma mais econômica e eficiente cerca de 90% dos problemas da população”, afirma o presidente Nulvio Lermen Junior.

O governo garante que tem propostas para melhorar as condições de saúde no longo prazo. Independentemente de quais sejam os posicionamentos políticos, a discussão envolve, principalmente, uma população que necessita de atendimento médico imediatamente e que não pode esperar o sistema de saúde se re-estruturar por inteiro para ser atendida. “Como médico, posso afirmar que a vinda de profissionais estrangeiros pode ‘ameaçar’ meu cargo, mas presenciando o dia a dia das pessoas que vivem em Santa Maria das Barreiras e não têm ninguém além de mim para socorrê-las, é um deslize se posicionar contra a vinda desses médicos. Erro é não ter ninguém para atender essa população”, afirma o dr. Perini.

Posts relacionados

Comentários

  1. Jose Luiz Postado em 11/Jul/2013 às 17:12

    o rico paga médico particular o remediado paga um plano de saúde o pobre é tratado por um açougueiro que nem sequer revalidou seu diploma pode, Freud?

  2. Patricia Postado em 11/Jul/2013 às 17:21

    Muito bom o texto.

  3. Mariana Miranda Postado em 11/Jul/2013 às 17:29

    Dr. Drauzio Varella mencionou dados, fatos e comentários dos outros, mas não o seu próprio. Este governo não cria políticas sérias, ao contrário do que pode parecer. Veja o PROVAB ("valorização do profissional") que visava atrair recem formados dando bonificação de 10% na prova de residencia, já começa fadado ao fracasso. Atrairia justamente pessoas que não tem interesse algum em permanecer na assistência básica, atrai aqueles que disputarão vagas nas especialidades mais concorridas e que estão ali meramente pelo bônus. Não valoriza o profissional porque não cria uma carreira de médico de família, deixa na mão do prefeito e ao bel prazer da política contratar ou demitir médicos para estes postos. Quem está disposto a largar seus empregos e se aventurar no interior sem nenhuma garantia?? Amanhã pode estar demitido.

  4. sofia Postado em 11/Jul/2013 às 17:44

    Texto de Tainah Medeiros, acho que você acreditou que fosse do Drauzio, mas não é , mas mesmo assim é um bom texto

  5. Patricia Postado em 11/Jul/2013 às 18:28

    Agora me expliquem por que o Brasil tem tantos municípios que nao conseguem se manter?? Por que nao se mantém como distritos? Quanto mais municípios mais gastos com políticos e funcionários públicos.... Por que existir um município com 4 - 5 mil habitantes e 7- 9 vereadores e prefeito pra receber salário?? Esses pequenos municípios podiam ser distritos ou bairros e esse $$ de políticos e funcionários ser investidos em saúde e infraestrutura, educação, .... Nao da pra aceitar.....

  6. Marco Postado em 11/Jul/2013 às 19:09

    Favor retirar o título Dr. Só é doutor quem tem doutorado.

    • JUlio Postado em 03/Sep/2013 às 16:41

      O tratamento de doutor foi concedido aos médicos e advogados pelo Imperador Dom Pedro II, por isso eles são chamados de doutor , mesmo sem doutorado.

      • Renata Postado em 04/Sep/2013 às 09:40

        Dom Pedro II....akakakakakakakaka

      • Patricia Rosa Postado em 12/Sep/2013 às 13:49

        Meu caro, desculpe mas você está errado. Doutor é título acadêmico e não pronome de tratamento. Essa história de D. Pedro é antiga e há muito desmentida, na verdade era uma expectativa de que os advogados que se formavam no Brasil fossem, após concluir o bacharelado, defender uma tese, como isso não ocorreu e eles continuavam a ser chamados de doutores acabou ficando .... aí médicos, engenheiros e juízes acabaram se achando no direito de usar também o título. Só quem já fez doutorado sabe o quando é injusto chamar um(a) bacharel de DR.(a). Mas o correto é: doutor é quem fez doutorado. Dra. Patricia Rosa

      • wallace Postado em 15/Oct/2013 às 23:44

        Na verdade o Julio está parcialmente certo. Isto é uma LEI de D. Pedro I e NÃO foi revogada até hoje. Bjs para quem nunca ouviu falar de palavras homônimas e fica chorando mimimi de doutorado.

  7. Thiago Teixeira Postado em 11/Jul/2013 às 19:38

    O Brasil é o pais mais Xenófobo do mundo quando o assunto é receber estrangeiros do terceiro mundo. Cubano, Africano, Boliviano, Chinês é tudo escória para a elite branca dos olhos azuis, agora quando vem da Europa ... todos ficam de quatro. Ridículo. E quem disse que o aluno (a) playboy estudante de Medicina vai praticar a profissão no interior do Pará?

  8. Luís Postado em 11/Jul/2013 às 19:40

    Bom senso, coisa que sinto muita falta sobre essa discussão. Por outro lado penso nos interesses da miséria do povo que não tem médicos, ou profissionais que os atendam da forma que deveriam. Para quem interessa pessoas desesperadas querendo salvar a vida de um parente ou a sua, pessoas doentes por falta de prevenção, de atendimento, de diagnósticos, em fim do desespero que se encontra a saúde do brasileiro? As industrias farmacêuticas? Aos planos de saúde? Aos médicos que ficam com medo de ficarem sem pacientes (pensamento absurdo) em seus consultórios particulares? Tenho medo de continuar com meus pensamentos e constatar conspirações, das ganâncias dessas doenças que nos corroem a alma, os valores e a importância da vida... O nosso país está gravemente doente, e são muitas as pestes que parecem que não tem cura, e estão em todos os cantos. Eu vejo, eu sinto, mas continuo acreditando em dias melhores, que venham de onde vier, desde que seja para cuidar do que importa, a vida.

  9. Sonia Postado em 11/Jul/2013 às 20:02

    Meu pai , quando infartou, foi atendido por cinco médicos diferentes e cubanos ou "pero no mucho", como eu chamava e digo uma coisa...NUNCA VI PROFISSIONAIS TÃO COMPETENTES E DEDICADOS e só tenho a agradecer.Detalhe, meu pai tinha um convênio que era uma porcaria e foi parar em um hospital que nem tomografia ou um simples eletrocardiograma( decente) eles tinham e cada vez que precisava de qualquer exame tinha que ser locomovido para outro hospital.

  10. Marianna Postado em 11/Jul/2013 às 20:27

    Erro é o governo vir com essa soluçao "emergencial"diante da "falta de médicos" súbita que aconteceu no país! O governo está aí com o msmo partido há 10 anos e a soluçao deles, ao inves de oferecer uma carreira de estado que valorizasse e permitisse e ESTIMULASSE a interiorizaçao dos seus profissionais, vem com essa medida descabida porque DE REPENTE a saúde virou URGENCIA. Só pq o médico é de Cuba ou da China entao ele é mais santo, mais bonzinho, mais simpático, mais altruísta? Não, o Brasl nao mostra mais uma vez sua "xenofobia", o Brasil mostra mais uma vez seu espirito de cachorro vira-lata que adora importar coisas de outros países ao invés de valorizar o que já tem aqui. Haters e antis aos montes achando que médico agora tem que pagar pelos pecados de anos sem investimento no setor da saúde...

    • marcos Postado em 04/Sep/2013 às 21:34

      da carreira vai fazer nascer médicos prontos? tá maluca? 1,8 médicos por mil habitantes este é o número no Brasil.

  11. Lala Postado em 11/Jul/2013 às 20:32

    Nao e xenofobia... Pelo contrario, se vierem e revalidarem seus diplomas serão muito bem vindos.Quero trabalhar em outro pais e para isso vou revalidar o meu diploma, sem estresse nenhum...Sou medica e trabalho no SUS em um PSF aonde não há nem dipirona... É difícil trabalhar assim... Nao tenho carteira assinada, nao tenho ferias e na hora que o prefeito nao for mais com a minha cara vou embora...

  12. alvaro Postado em 11/Jul/2013 às 20:33

    Sei de uma medica que trabalha 36 HORAS por dia! Um contrato de 12 horas por dia para trabalhar em 3 cidades de interior. Aulinha de matemática: 1 medica tem 1 contrato de trabalho com cada cidade (3) em jornada de 12 horas por dia (24 horas). Ela seria a unica pessoa cujo dia tem 36 horas e que nunca dorme!!!!

  13. Paulo Cesar Postado em 11/Jul/2013 às 20:50

    Temos na área da saúde, que anda doente a séculos, não importa de onde vem o bem, porem estamos precisando de profissionais, o que não podemos é viver na carência. O governo está tentado fazer o melhor, vamos dar essa chance, espero que o objetivo seja alcançado.

  14. José Postado em 11/Jul/2013 às 21:02

    No interior do Brasil não há médicos também, por em vários locais os gestores simplesmente oferecem salários grandiosos mas só paga 2 meses e acaba dando calote nos próximos meses. Além do mais há a questão política envolvida.

  15. Henrique Postado em 11/Jul/2013 às 21:11

    Paradoxalmente, com todas críticas e dificuldades que nós vivemos com a Saúde, o SUS virou uma grande referência para vários desses países. Nós tivemos missões oficiais da China aqui, querendo saber como a experiência brasileira foi capaz de superar a fragmentação pré-existente no sistema de saúde e como ela conseguiu gerar um sistema integrado. No caso chinês, o sistema de saúde tem características bastante retrógradas. Uma das pessoas que os chineses convidaram para estudar o modelo chinês e propor reforma da Saúde naquele país foi o Temporão. Michel Marmot, um dos grandes nomes da saúde mundial, que foi coordenador da Comissão Social de Referências para a Saúde, deu uma declaração, numa reunião com Ministros da Saúde de todo o mundo. Ele disse: "eu dou um conselho a vocês, aprendam o português e vejam o que está acontecendo no Brasil em termos de constituição de um sistema de saúde." ...... Acompanhando as noticias da nossa mídia e de seus amestrados, a linguagem será sempre a mesma, mas a realidade não se ve e nem argumentos se encontra - é só jornalismo declaratório.

  16. Henrique Postado em 11/Jul/2013 às 21:12

    O Programa Mais Médicos Para o Brasil segue os moldes de muito êxito da Inglaterra, Bélgica e Suécia. Adib Jatene - ex-ministro da Saúde - foi um dos primeiros defensores da passagem obrigatória pelo SUS para a formação médica. Na Inglaterra o NHS (National Health Service) é o nome do sistema de saúde público, o equivalente ao SUS do Brasil. Emprega 1.3 milhões de pessoas, atende a 1 milhão de pacientes a cada 36 horas e é considerado a maior estrutura de saúde pública do mundo.

  17. Henrique Postado em 11/Jul/2013 às 21:13

    INFELIZMENTE ATÉ A CLASSE MÉDICA ADERIU AO ATIVISMO DE Facebook. O CARA LÊ A Veja OU o globo, SE REVOLTA COM O GOVERNO, VAI NO FACEBOOK, REPETE MEIA DÚZIA DE CLICHÊS OU FRASES FEITAS E SENTE QUE JÁ EXERCEU SUA CIDADANIA. ENQUANTO ISSO, A POPULAÇÃO CARENTE, QUE NEM SABE O QUE É Facebook MORRE À MINGUA, SEM ATENDIMENTO MÉDICO BRASILEIRO OU CUBANO E/OU ESTRANGEIRO.

  18. Henrique Postado em 11/Jul/2013 às 21:14

    Filhos do presidente do Sindicato dos Médicos do RS formaram-se em Cuba. Se o dr. Argollo tem o direito legítimo de manter em sua casa dois filhos que são formados em Cuba, por que o povo brasileiro não teria o direito de usufruir do atendimento de médicos cubanos? (zero hora)

    • Jane Postado em 22/Nov/2013 às 15:52

      Correto Henrique!!! Quando falei isso em uma conversa ficaram todos chocados! Hipocrisia pura!

  19. Vera Gonzaga Assaife Postado em 11/Jul/2013 às 21:14

    Muito esclarecedor, o texto. Gostei mesmo!!! Parabéns!!!

  20. Henrique Postado em 11/Jul/2013 às 21:15

    O subfinanciamento do SUS começou com a primeira "garfada" na Saúde no gov/FHC . Se fosse mantida a referência CONSTITUCIONAL, de destinação de 30% do Orçamento da Seguridade Social ao setor, a Saúde teria em caixa, já em 2008, R$110 bilhões. Com a queda da CPMF, em 2007 (um verdadeiro golpe da oposição), por sua vez, ocorreu no momento em que se formulava o "MAIS SAÚDE", PROGRAMA QUE SERIA O SEGUNDO MOMENTO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL (o primeiro foi a criação do SUS, em 1988). - Foi uma estratégia para quebrar as pernas do governo.

  21. Celina Piazza Postado em 11/Jul/2013 às 21:15

    Senhor Thiago Teixeira qual é a profissão do Senhor tem filhos pretende ter onde vive?Pois saiba que filho de quem o senhor julga ser playboy não vai deixar seu filho fazer medicina ,pois necessita de muito tempo de estudo dedicação no mínimo 9 anos de curso sem falar até conseguir entrar numa boa universidade.E para rico time is money sabia?Filho de rico vai cuidar dos negócios da família então possivelmente fará uma boa faculdade de administração de empresas ,cursos de idiomas ,um mba no exterior e antes de 9 anos já esta no Brasil trabalhando com seus pais e mantendo a empresa da família,a qual e responsável por boa parte dos empregos com carteira assinada no Brasil e não pode se dar ao luxo de ir a falência. Falo isso pois nada cai do céu e como boa filha de netos de imigrantes italianos analfabetos só na quarta geração que sou eu com muita luta filha da classe que lutou e hoje é chamada classe média burguesa e tão perseguida como se trabalhar fosse vergonha.Hoje aos 44 anos de idade jamais deixaria um filho meu perder esse tempo todo como uma profissão que esta sendo tão humilhada ,tratada como escória sendo que com inteligencia e força de vontade e muito menos esforço é possível tem um salário maior sem ser tratado como um bandido.Com certeza o Senhor não conhece nenhum país onde qualquer profissional chegue e comece a trabalhar no seu campo de atuação sem ser avaliado por uma prova da língua e outra do conselho de atuação e prove sua capacidade de atuação bem como seja aceito sem que seja clandestino.Pense bem no futuro pode ser um filho seu ,ou um neto que será tratado como bandido porque nasceu em uma cidade grande estudou muito passou muitas noites sem dormir ,feriados,varias comemorações familiares onde ele não pode ir e ai chega alguém e ainda diz que ele é um plaboy folgado.Reflita antes de pensar coisas desse tipo.Pois um dia pode acontecer dentro do seu lar e ai vai lembrar o quanto foi injusto em julgar sem conhecimento de causa.Celina Piazza 11 de julho de 2013.

    • marcos Postado em 04/Sep/2013 às 21:42

      nem consegui lè seu texto todo. REVALIDA? prova de avaliação ou barreira protecionista?

  22. magda Postado em 11/Jul/2013 às 21:23

    Não sou médica, mas posso dizer o corpo humano não muda de um país para outro. Sejam bem vindos

  23. Sanny Florzinha Postado em 11/Jul/2013 às 22:51

    A REDE PÚBLICA TEM UMA PÉSSIMA ESTRUTURA E TRAZENDO MÉDICOS FORMADOS EM CUBA CONTARÁ TAMBÉM COM UM PÉSSIMO ATENDIMENTO. NÃO É XENOFOBIA, NEM PRECONCEITO, COMO MUITOS DIZEM, MESMO PORQUE TEM BRASILEIROS QUE SE FORMARAM LÁ E CONHEÇO ALGUNS QUE FORAM E DISSERAM QUE A MEDICINA DO PAÍS É PÉSSIMA. ELES AINDA TRATAM DOENÇAS ERRADICADAS AQUI NO BRASIL. CONHEÇO TAMBÉM DUAS PESSOAS QUE FORAM ATENDIDAS NO MELHOR HOSPITAL DA ILHA E COM OS PÉS INCHADOS POR PROBLEMAS RENAIS, ELES DIAGNOSTICARAM FRATURA NO PÉ. UM ABSURDO! O QUE ACONTECE É QUE A GLOBO (COMO SEMPRE!) PASSOU UMA REPORTAGEM DE CUBA, HÁ MUITO TEMPO, EM QUE FIZERAM UMA CIRURGIA SUUUPER DIFÍCIL, MAS QUE DEU CERTO. A CHANCE DE O PACIENTE SOBREVIVER ERA TÃO BAIXA QUE QUALQUER MÉDICO DECENTE NÃO FARIA. AÍ FALAM QUE A MEDICINA EM CUBA É A MELHOR DO MUNDO. GENTE, É SÓ PENSAR UM POUCO, COMO UM PAÍS DEGRADADO, QUE FALTA TUDO. AS PESSOAS PODEM ATÉ TER DINHEIRO PARA COMPRAR UM SABONETE, MAS ÀS VEZES ESTÁ EM FALTA... OS HOSPITAIS SÃO PRECÁRIOS… COMO PODE SER A MELHOR MEDICINA DO MUNDO???!!! ACORDA! TENHO VÁRIOS CANAIS DE CUBA VIA SATÉLITE, AS CONDIÇÕES HOSPITALARES DELES É PRECÁRIA, ASSIM COMO O ENSINO. SÓ FALO TUDO ISSO PORQUE CONHEÇO QUEM FOI PRA LÁ E VIVEU QUASE DOIS ANOS NESSA ILHA E AINDA ESTUDOU MEDICINA E VOLTOU POR ESSES E OUTROS MOTIVOS.

  24. Antônio Carlos Postado em 11/Jul/2013 às 23:10

    Há MUITO preconceito quando se fala de médicos. Os mesmos que se dizem de esquerda são os primeiros a ser favoráveis pela desvalorização da mão-de-obra deles. Nesse caso ainda sigo o caminho trilhado pelo PSTU: contra a entrada sem revalidação e contra o programa de desvalorização.

    • marcos Postado em 04/Sep/2013 às 21:45

      ótimo

  25. Carlos Postado em 11/Jul/2013 às 23:54

    Já que há uma preocupação tão grande com a formação dos médicos(que deve haver mesmo), o Revalida deveria ser imediatamente estendido para todos os formandos. Seria um exame assim como o da OAB. E seria muito bem aceito pela classe médica já que estão muito preocupados de que médicos incapazes de passar no revalida atendam os brasileiros. E esta é uma profissão de risco muito maior a curto prazo que a de advogado, como pode a prova do revalida não ser obrigatória para os formandos e nem que haja uma reciclagem e um novo exame a cada período?

    • marcos Postado em 04/Sep/2013 às 21:45

      otimo

  26. Armando Guimarães Postado em 12/Jul/2013 às 00:35

    Conhecemos os históricos problemas que passam os usuários de serviços públicos no Brasil. É de fato, uma grande dificuldade. Equipamentos, profissionais de saúde, medicamentos,etc.;há uma grande escassez. Creio que é necessário planejar um serviço de saúde com sustentabilidade, mas hoje, urge atender a população que pena pela falta de profissionais nesse imenso país continente. Temos que deixar de ser corporativistas e aceitar que a vinda de profissionais estrangeiros vai diminuir muito o penar do usuário do SUS no país.

  27. Eloize Dotta Postado em 12/Jul/2013 às 00:51

    Bom dia Dr Drauzio o que será que passa na cabeca dispreparada desses ministros ? Olha sou médica de familia de formaçao tenho 15 anos de formada ( fui da gerecao que iniciou o Programa de Saude de Familia na cidade de São Paulo, na epoca nem existia medico de familia..so medicina comunitaria, fomos nós que brigamos para que existisse uma residencia dessa especilidade) o meu tiulo de especialista foi dado por um convenio entre a Santa Casa de Sao Paulo e a UNIFES e foi entregue pelo entao Ministro da Saude numa cerimonia como uma formatura. Fui a segunda equipe do Qualis II- Fundaçao Zebini de Sao Paulo, ganhamos ate um trofeu das mãos do Senhor Mario Covas ,na epoca governador de Sao Paulo como a melhor equipe da zona norte- Trabalhei durante 4 anos na favela do Boi Malhado num convenio da Fundação Zerbini com o Governo estadual ,projeto apadrinhado pelo Dr Adib Jatene e gerenciada pelo falecido Dr David Capristano. Vi tudo aquilo ser contruido com uma qualidade digna como vi tudo aquilo ser destruido pela briga pelo poder e pelo "desvio de verba" voltei para o interior tentei coordenar de maneira digna o psf em um municipio do interior..Nao aguentei pedi minha demissao pelo mesmo motivo, fui um pouquinho mais para o interior só ser medica de familia, e nunca vi um municipio "municipalizado"com tanta incompetencia para gerenciar sua saude...cansei...tem 6 anos que nao faço mais atencao basica..so faco pronto socorro , ganho mais, volto para a minha casa e nao tenho "vinculo "nenhum mais com o meu paciente. Destruiram muita coisa que me encantava na atencao basica...mas cansei de ver tanta sacanagem...tantas pessoas que gerenciam "achando"que entendem o que é SUS e tendo a velha mentalidade de "coisa publica "que nao funciona... Sei o que as estatisticas falam...porem sei que o problema maior nem é falta de verba muito menos a de médicos ( sera que esse povo que está ai que fala tanto em trabalho em equipe, que briga pelo "nao" ao ato médico nao sabe que uma das coisas basicas do PSF é tentar desmistificar o medicocentrismo ?) O problema da Saúde no Brasil é sim a falta de um gerenciamento e de uma fiscalizacao seria com a verba pública. Penso que o problema do Brasil nao é a corrupcao pq esta existe em qualquer lugar do mundo..o problema do Brasil é a falta de PUNICAO pq quem é corrupto nao é punido e assim cada vez mais se criam coisas SULREAIS com as verbas publicas..PRECISAMOS FAZER ALGUMA COISA..HA DE HAVER UM JETO!!! Olha nunca pensei que tivesse um dia vontade de ir embora do meu país..porém se tudo continuar assim vou contribuir para as estaticas ( da quantidade de medicos / pessoas) abaixarem e vou-me embora fazer o revalida em outro pais - porque com certeza vao me exigir porem, poder fazer o meu trabalho dignamente

  28. Eloize Dotta Postado em 12/Jul/2013 às 01:41

    Bom como citei no comentario anterior quanto ao desvio de verbas eu gostaria que o Senhor entrasse no sit abaixo ( que é publico) para que visse os projetos que o municipio que o senhor citou acima (Santa Maria da barreiras ) está inscrito e que recebe (as irreguraridades) e o que na verdade ele oferece a sua populacao. Esse sit tem uma tabela do PAB fixo e PAB variavel. http://www.saude.ba.gov.br/dab/Tabela_Financiamento_da_AB.pdf para ficar mais facil as contas Esse outro ( do portal saude) que descreve o dinheiro que é repassado mensalmente para o municipio fundo a fundo , no caso de Santa Maria na agencia 025178 Conta 0000240389 do banco do Brasil. Bom pra comecar como vc mesmo citou esse municipio tem 18150 habitantes segundo o censo de 2012 Pela portaria 648 cada Agente comunitario de Saude de ser resposavel por aproximadamente 750 pessoas e ate 12 ACS por equipe de Saude da Familia. Ainda cada equipe deve ser responsavel por aproximadamente 3000 a 4000 mil pessoas. Bom numa cidade de 18000 cabe-se por volta de 6 equipe com 12 ACS cada. Uma vez qualificada a equipe ela tem que alimentar o (SIAB) e tem que se manter completa , inclusive com medica para continuar recebendo verba mensal. Cada equipe ( fora os agentes) recebe como mostra na tabela do PAB que postei recebe 10695 reais/mes pelo dinehiro que é repassado para esse municipio ha 5 equipe. Portanto o municipio ganha do governo federal dinheiro para ter 5 médicos mas so tem um. Uma vez que nao tem medico nao era para receber,mas como ninguem vigia continua recebedno. Outra coisa no municipio poderia ter no maximo 60 agentes comunitarios mas ele recebe por 75. Bom recebe tambem 20 mil reais mes para ter um nasf ( será que la tem o s rofissionais ou será que o municipio dso receb verba do ministerio..bom isso so sao alguns exemplo...mas juro queria muito que isso fosse pelo menos investigado e denunciado pela impressa..porque esses dados todo mundo pode ter...

  29. Stefany Postado em 12/Jul/2013 às 02:06

    Jose Luiz chamar médico formados em universidades como Elam (Cuba) de açougueiros prova que vc precisa ler mais a respeito de uma das melhores universidades de medicina do mundo. Fica a dica.

  30. raimundo Postado em 12/Jul/2013 às 07:43

    Só faltou dizer que médicos brasileiros não fazem exames quando deixam a faculdade, como os advogados, para advogar, se fizessem um valida .... passava 20 porcento.

  31. ARMISTRONG DE ARAUJO SOUTO Postado em 12/Jul/2013 às 09:32

    Alguém, por gentileza, poderia me explicar o que leva um médico a pensar que ele deve receber R$ 20.000,00 (vinte mil reais), como pagamento, por seus serviços? Que tal fecharmos, em R$ 5.000,00 (cinco mil reais), e pronto? Abraços fraternos!

    • marcos Postado em 04/Sep/2013 às 21:48

      fata de concorrencia.

  32. lyza mara Postado em 12/Jul/2013 às 09:51

    sejam be vindos, venham de onde vierem , os carentes agradecem, o resto é teoria de quem nao conhece miseria!1

  33. Marcelo Vieira Postado em 12/Jul/2013 às 10:00

    Sou tão a favor da vinda médicos estrangeiros que acho pouco só importar médicos mais humanos, devíamos também localizar e deportar os médicos públicos FDPs que estão se lixando para o sofrimento dos pobres (que não podem pagar por planos de saúde, caríssimos e ainda assim de péssima qualidade, ou por tratamentos em suas clinicas privadas) e que existem aos montes neste país. O Brasil tem a menor quantidade de médicos por habitantes das Américas, Cuba inclusa, são tão poucos que chegam a cobrar 30 mil reais para ir trabalhar em regiões mais afastadas e os hipócritas ainda têm a cara de pau de dizer que "não faltam médicos no Brasil".

  34. Daniel Postado em 12/Jul/2013 às 10:09

    A vinda de médicos estrangeiros condicionada ao aumento de infra-estrutura para o exercício da medicina faz sentido. A questão é que não faltam médicos brasileiros. Uma política de valorização dos médicos já formados no Brasil me parece uma opção mais lógica. A entrevista do Miguel Srougi vai por esse sentido. Link abaixo. (http://tvuol.uol.com.br/assistir.htm?lista-editor=melhores-do-publico&video=encanador-a-melhor-profissao-do-mundo-04028C9C356EE0A94326&orderBy=mais-recentes&edFilter=all&time=all&#&video=encanador-a-melhor-profissao-do-mundo-04028C9C356EE0A94326)

  35. LED Postado em 12/Jul/2013 às 10:18

    Revalidação? Ok, mas que haja uma 'padronização''. Como no Brasil os médicos não passam por exame quando se formam talvez a solução seja o ENADE. Médicos estrangeiros devem se submeter ao ENADE e obter nota igual ou superior à nota média dos médicos brasileiros. Ou então que nossos formandos obrigatoriamente façam o revalida e que a média deles seja a nota mínima para aprovação dos estrangeiros. Não precisa nem cobrar nota mínima pros brasileiros pq vai ser um choro só da classe médica. O que não dá é submeter os médicos estrangeiros a um exame de revalidação no qual nem os médicos brasileiros conseguiriam passar.

  36. Silvana Postado em 12/Jul/2013 às 11:59

    O texto abordou imparcialmente todos os prós e contras de um programa que efetivamente pode ajudar uma imensa população carente dos redutos mais distantes do país. Eu acredito que, assim como a educação, a saúde precisa de medidas emergenciais, porém com reformas de base também sendo executadas, tipo: enquanto se redistribuem médicos pelo interiorzão, equipam-se e se supervisiona a aplicação dos recursos nas unidades de atendimento de saúde. Quando o governo diz que não sabe ainda como vai fazer tal coisa pode significar que ele está pensando e estudando seriamente o caso ou que está apagando incêndio, mas, quando ele toma uma atitude como a de atrair médicos estrangeiros, com prova mas sem o revalida, para não caracterizar permanência no país, ele mostra iniciativa e creio que os desassistidos crônicos agradecem.

  37. juliopgua Postado em 12/Jul/2013 às 12:41

    Armstrong. O médico tem todo o direito de reaver até mais que isso. O limite da remuneração de um profissional é o limite façais capacidade. Se você é um profissional de R$.5000,00, isso é por que você tem capacidade de ganhar apenas este valor. Não desvalorize as profissões, mesmo porque apenas por cursar medicina, uma pessoa já faz parte da elite profissional.

  38. Renato Postado em 12/Jul/2013 às 14:18

    Eu acho que o revalida deveria ser aplicado a medicos estrangeiros e brasileiros recem-formados. Igual ao exame da OAB. E o exame deveria ser justo. Porque fazer um exame semi-impossivel que nem metade dos proprios medicos brasileiros passaria é a mesma coisa que barrar os estrangeiros de vez.

  39. francinete Perdigao Postado em 12/Jul/2013 às 16:02

    O municipio de Teresina de Goias teve uma vaga e n enhum meidico optou por lá. Triste.3 horas de Brasilia!!!!!

  40. Marcos Postado em 12/Jul/2013 às 17:44

    O Governo brasileiro investe apenas 400 dólares por habitante por ano em Saúde. Isso está abaixo da média mundial e muito abaixo dos países aos quais o Brasil quer ser comparado, como Inglaterra (3000 dólares/ano). Esta é a raiz do problema e o resto é consequencia. A relação médico/habitante não é índice capaz de aferir qualidade de sistema. O Chile tem 1 médico/mil habitante e o Brasil tem 2 médicos /mil habitantes , portanto o dobro . Entratanto nós estamos em 85 lugar no ranking internacional de saúde enquento eles ( Chile) estão em 27 lugar . Portanto tudo está ligado ao item que o Governo não quer debater: O baixo investimento na Saúde. Por isso que a atenção básica sempre estará fadada ao fracasso.

  41. Rodrigo Postado em 12/Jul/2013 às 18:46

    "médico que é médico, não cuida de pobre!" Deve ser isso que os alunos de medicina aprendem na faculdade, além de, é claro, "médico custa caro, cobrem bastante. devem ficar ricos em 1 ano..." Porque nunca vi tão mercenários no serviço público. excetuando-se cargos dos três poderes. Na cidade em que trabalho no interior de PE houve sim concurso para todos os profissionais da saúde e imaginem... só os cargos médicos ficaram em aberto após homologação. Aqui tem sim unidade mista com COb, e um CC em construção, todas as USF tem medicamentos e material pencil de acordo com o MS e RENAME. Mas nenhum médico quis assumir as vagas. Mas a maioria quis sim assumir por contrato temporario para não precisar cumprir o horario integral de 40h, no contrato eles só comparecem 2 ou 3 manhãs. ESSA É A REALIDADE.

  42. Rodrigo Postado em 12/Jul/2013 às 18:50

    eita que a galera só lasca o pau em Cuba. pois leia mais e vejam que Cuba tem um dos melhores sistemas de saúde da américa e que sá do mundo... Assim como muita gente vem ao Brasil atrás de determinadas especialidades, lá isso também ocorre!!!

  43. Paula Postado em 12/Jul/2013 às 19:32

    excelente contribuição para o debate! A forma em que vem se colocando o foco do debate no Revalida não ajuda a esclarecer nada. Em primeiro lugar, médicos formados em universidades mequetrefes no Brasil não fazem revalida. Revalida não é que nem o exame da OAB. Segundo que não se esta falando de uma importação sem avaliação. Terceiro que o modelo centrado em saúde da família deixa o SUS mais eficiente e mais barato. Precisamos de mais clínicos gerais e menos especialistas. O sistema público da Escandinávia é ótimo e é centrado em atenção básica. Mesmo portadores privilegiados de planos de saúde não tem atendimento adequado. Muito exame e total falta de integralidade. Esse debate está sendo ótimo para trazer essas questões a tona.

  44. vicente Postado em 12/Jul/2013 às 20:45

    O problema da saude publica e exclusivamente o negligenciamento do atendimento de prontos socorros e PSFs. que fassem com que meras diarreias virem infegçoes generalisadas. e asim por diante, voce vai a um pronto atendimento com uma dor de cabeça eles te encaminham para uma chapa de pulmao que provalmente levara 1ano para conseguires.diantes deste fatos e tantos outros que a populaçao manifesta com o descauso da Saude.Prcisamos sim de proficionas pelo menos Humanos no rapido atendimento.

  45. Mauro Postado em 12/Jul/2013 às 21:29

    Já que o estado pretende trazer profissionais para a área médica, alegando os inúmeros motivos (o problemas não está nos médicos, tem problemas sim, mas não é com os médicos, ) poderiam também trazer alguns do Irã e da China para ocupar a área do Ministério da justiça, secretarias de seguranças; poderiam trazer alguns da Alemanha para as áreas de tecnologia. Poderiam trazer também alguns profissionais da coreia para atuar na educação...

  46. Thiago Teixeira Postado em 12/Jul/2013 às 21:34

    P/ Celina Piazza, em 11 de julho de 2013 às 21:15 disse: O seu sobrenome diz tudo. Aliás, aqui no Brasil todos se gabam para sobrenomes italiano. O meu, diferente do seu, nem sei a origem, não tem histórico pois meus ancestrais vieram num navio negreiro, e os seus entraram pela porta da frente e ciente para onde estavam indo. Negro e branco pobre se parecem, mas não são iguais. Sou engenheiro, formado em Universidade Estadual (na minha época não tinha cota não) e passei sim muitas noites sem dormir, sem natal e Ano novo para encarar uma segunda fase. Falo de playboy com a boca cheia pois convivi com aqueles escrotos por 7 anos, incluindo a pós graduação. Muitos deles pagaram piloto para fazer o vestibular, e contratavam escritórios de engenharia para fazer o trabalhos deles enquanto se drogavam nas repúblicas. Medicina? Se achavam superiores e não se misturavam com Exatas. Imagina com o povão depois de formados? Caso você seja uma exceção, parabéns.

  47. SMJC Postado em 12/Jul/2013 às 23:30

    Pra mim não está claro qual a relação do Dr. Drauzio Varella com o texto. De qualquer forma, é um belo texto, que engloba vários pontos de vista. Realmente precisamos de médicos mais humanos, mas será que o caminho é forçá-los a ir para cidades do interior, sem nenhuma estabilidade e muitas vezes sem a menor condição de exercerem seu trabalho? Deveriam existir medidas a longo prazo, como mencionado no texto, para que esses profissionais tenham atrativos para trabalhar no SUS e tenha estabilidade e plano de carreira, como qualquer profissão. Mas aí precisamos pensar por partes: não podemos resolver todos os problemas de uma vez. O fato de trazer esses médicos de fora pode ser interessante, desde que não concorram com os médicos brasileiros, estejam focados em regiões que realmente careça de profissionais e que esses profissionais sejam responsáveis pela saúde básica. Mas aí eu me pergunto: Numa cidade pequena como a que eu cresci (que tem pouco mais de 10.000 habitantes), com pessoas simples e na maioria das vezes incapazes de questionar qualquer orientação médica, quem irá fiscalizar o trabalho desses profissionais? Muitas dúvidas e uma certeza: Temos muito a melhorar na saúde pública do Brasil e não faz sentido nos basearmos em países como Reino Unido e Suécia, porque são realidades bem diferentes!

  48. Eduardo Postado em 13/Jul/2013 às 00:47

    Dona Sonia e Dona Magda, parabéns pelas palavras, simples e verdadeira... não podemos menosprezar ninguém. Apesar de não gosta mais do ator, o filme Dr Patch Adans deveria ser visto pela classe médica do Brasil no momento. Esqueceram o que é amor pelo próximo... Se bobear alistam nos MEDICOS SEM FRONTEIRAS, mas não atendem o próprio povo.

  49. Magali Postado em 13/Jul/2013 às 07:17

    A situação é pior pq os médicos simplesmente não vão trabalhar...

  50. Eliana Corso Postado em 13/Jul/2013 às 08:26

    Os médicos brasileiros não querem atender o povo fora dos grandes centros. O prefeitinho do interior manda a ambulância levar seus munícipes doentes. Vincula um voto e ainda lava as mãos para o que ocorrer dalí por diante.Os hospitais dos grandes centros ficam abarrotados de gente pelos corredores e falta material. Pudera ! Há médicos que querem fazer o que os médicos brasileiros se negam a fazer.Mas os médicos brasileiros não aceitam ! Querem que ninguém faça o que eles rejeitam fazer, ou seja, querem que o povo morra,que as crianças em diarréia não tenham um médico para lhes administrar sequer um soro, querem permanecer na área de conforto sendo os semideuses !

  51. Dumitriu Z Saucedo Postado em 13/Jul/2013 às 10:27

    Caro Thiago Teixeira: Me permita sugerir que reflita um pouco sobre seu último comentário. Você traz uma carga de sentimentos muito negativos, e isso certamente não contribui para o debate. Noto inclusive um certo grau de 'racismo às avessas' quando você inicia seu comentário analisando o sobrenome de outrem. Não quero lhe doutrinar nem mudar sua opinião sobre rico/pobre, negro/branco, escravo/imigrante. Só acho que um pouco mais de serenidade lhe cairia bem. Desconstrua suas próprias ideias. Talvez perceba que fora ricos e pobres, brancos e negros, burgueses e operários que vieram antes de você e deram suporte a um país propício às suas conquistas pessoais. Fique em paz. Um cordial abraço.

  52. Doroceli Maddalena Postado em 13/Jul/2013 às 12:39

    Thiago Teixeira, assim como Celina Piazza, sou também descente de imigrantes, italianos - LOIRA DE OLHOS AZUIS - e não considero nenhum ser humano escória, exceto os racistas e os que roubam dinheiro público que deveria ser destinado à saúde, educação e habitação da população. O roubo de dinheiro público que deveria ser destinado à saúde, à educação e à habitação, é o real problema do Brasil. Acrescento ao comentário de Celina Piazza, que o seu, Thiago Teixeira, é racista. E que você está sujeito a ser processado por tal manifestação.

  53. Lauderlandson Postado em 13/Jul/2013 às 13:27

    É só mais um ex: Na USP tem um curso de OBSTRETIS,é um curso de parteiras humanizadas com 5 anos de duração. Mesmo sendo um curso da USP as alunas precisaram entrar na justiça para que o COREN fornecesse a carteirinha e consequentemente a licença para elas trabalharem. O Governo federal tem o programa com Hospitais que fazem parte da Rede Cegonha mas não passa na cabeça dos responsáveis usar as Alunas da USP.Em síntese: Querem usar Enfermeiras Obstretricas treinadas em cesarianas para fazer parto normal e abandonam as profissionais que passaram 5anos estudando parto normal e humanizado.

  54. Marcus Seco Postado em 13/Jul/2013 às 16:13

    Meu caro Teixeira o dia que você pisar em um pronto atendimento e atender 40 pacientes em 12 horas porra falar com alguns propriedade sobre médicos. Mai conheço um só colega de faculdade que não tenha entrado na graduação cheio de subida de ajudar sua pobres e necessitados. Dificil aqueles que nao se emocionaram assistindo a Patch Adams, que sim, todo médico assistiu. Não sou Playboy, nunca pisei em escola particular, nunca tive carro e meus pais não tem casa própria até hoje. Tive outros vários colegas que vendiam o almoço para comprar a janta. Mesmo aqueles que nasceram em berço de ouro, que faziam festas, que se drogaram na faculdade, eram dedicados até se formarem. Agora quando você vai para a realidade, lidar com o descaso dos governos, você endurece, você se protege, você se cansa de sofrer, voce fica deprimido, e foge para uma pratica mais segura. Você sabe quantos paciente o bolsista do mais medicos teram de atender por dia de trabalho? São 32 atendimentos. Pegue a bolsa de 10mil brutos e divida por 32 consultas em 22 dias uteis mes. O valor da consulta fica em r$ 12,00. Some a isso ter paciente grave precisando de UTI, e você ter que atender o pronto Socorro lotado aí invés de cuidar do paciente grave. Se o sistema funcionasse não construiremos dois pronto socorros como o diabo da Cruz. Procure se informar. Passe um dia em um pronto Socorro ou numa unidade básica de saúde e verás o desgaste desumano que é se responsabilizar por estes atendimentos. Passe 24 horas de plantão, do acompanhando. Todos veem a cachaça que eu bebo, mas ninguém corre atrás para ver os tombos que eu levo.

  55. Marcus Seco Postado em 13/Jul/2013 às 16:17

    Perdão pelo texto repleto de erros de português e palavras desconexas, não revisei, estava com pressa, mas acho que considerando o contexto conseguirá entender.

  56. Kiko Postado em 13/Jul/2013 às 20:06

    Poxa pragmatismopolitico.com.br !!! Eu concordo com 100% das coisas que estão colocada nesse texto, mas a colocação da figura do Drauzio Varella nele é oportunismo. Não foi ele quem escreveu isso e vcs de propósito colocaram o nome dele em destaque pra fazer parecer que foi. Isso é sacanagem, desonestidade. Sei que o texto chamou mais atenção por conta disso, mas quem faz esse tipo de coisas é justamente quem mais tem interesse em privar as população em geral da melhoria na qualidade de vida. Bom texto, mas uma tremenda BOLA FORA de vcs!!!

  57. Fernando Postado em 13/Jul/2013 às 21:45

    Médicos de qualquer país para são bem vindos ( apesar de quebrarem a cara, não vão ter infra estrutura para atuarem), mas os cubanos, se vierem serão guerrilheiros que agirão em células no interior do Brasil... Cubanos não!

  58. Maria José Antunes Postado em 13/Jul/2013 às 21:57

    Se os médicos brasileiros forem trabalhar no exterior, terão que fazer uma avaliação rigorosa e muitas vezes refazer a faculdade no país onde quer atuar. Po quê os cubanos e/ou outros médicos estrangeiros não terão que fazer o mesmo? Será porque "pra quem é está bom?"

  59. Gislene Bosnich Postado em 14/Jul/2013 às 13:37

    Médico bom é médico bom. Fim da reserva de mercado. Médico é um profissional. Não é Deus nem semideus. Há profissionais de todos os países em todas as áreas. Por que não haveria na saúde? Oito mil é pouco? Ah, mas eles salvam vidas! Salvam vidas? Há médicos brasileiros que estão procurando os sintomas no google. Faça-me o favor. Que venham rapidamente. pelo SUS passando por prova como qualquer outro.

  60. Marcos Postado em 14/Jul/2013 às 19:29

    O Governo brasieiol investe apenas 400 dólares por habitante por ano em Saúde. . Isso está abaixo da média mundial e muito abaixo dos países aos quais o Brasil quer ser comparado, como Inglaterra (3000 dólares/ano). Esta é a raiz do problema e o resto é consequencia. A relação médico/habitante não é índice capaz de aferir qualidade de sistema.O Chile Tem 1 medico/mil habitantes enquanto o Brasi tem 2 medicos / mil habitantantes, entrtanto eles ( Chile) estao em 27 lugar no ranking internacional de saude enquanto o Brasil esta em 85 lugar. Entra entao a questao que o governo nao quer debater : O baixo investimento na Saúde. Por isso que a atenção básica sempre estará fadada ao fracasso. Desse jeito jamais será decente

  61. Marly Postado em 14/Jul/2013 às 22:34

    Olha sinceramente acho que o problema todo da saúde é uma questão de que a cultura brasileira diz que só o DR. pode resolver tudo e na atenção básica é comum as pessoas consultarem com um médico para esclarecer dúvidas de saúde que outros profissionais(Técnicos de Enfermagem . Enfermeiras) da Unidade de Saúde responderiam de maneira correta pois também tem conhecimento e formação profissional para isso, precisamos reestruturar tudo e começar a educar as pessoas a se alimentar corretamente e cuidar da PREVENÇÃO EM SAÚDE de maneira séria.

  62. Deus Carmo Postado em 15/Jul/2013 às 00:39

    Uma classe privilegiada que não quer perder a mamata. São ´s "doutores" fazem questão de serem chamados de "doutores" para melhor poder humilhar a população. Que venham médicos de todos os países. Um país só se torna forte se vencer as barreiras do corporativismo. A imigração foi a grande fonte de enriquecimento dos Estados Unidos. Não queremos imitar os Estados Unidos? Então aceitemos a importação de médicos. Quem está morrendo não pode esperar a vontade destes senhores da vida e da morte. Também: denunciemos os médicos que faltam ao serviço público. Não tenhamos medo de suas ameaças, como vem fazendo, com ou sem ameaças eles já nos deixam sem socorro, com ou sem ameaças eles já nos deixam à mingua pondo depois a culpa na vontade de Deus.

  63. sandro luiz soeiro de castro Postado em 15/Jul/2013 às 10:30

    Na semana passada tive um problema na coluna e liguei para meu plano de saúde ou melhor "de doença" e descobri que não tinha mais nenhum médico, nenhum pronto socorro e nenhum hospital credenciado a ele por que ele não fazia pagamento. O Plano é o SAÚDE INTERNACIONAL" deve ser da Etiópia só pode. Então fui a um PA do municipio de Vitória. Duas horas de espera e um minuto e 30 segundos de consulta, uma injeção de voltarem e outra na veia não sei qual é e um encaminhamento para um ortopedista na Clinica dos Acidentados de Vitória. aio 3 horas de espera 00:1:30 de consulta e um Raio X. Para adiantar paguei o R x sem o laudo do laboratório, ( com laudo seria 48 horas ) e voltei no dia seguinte. Novamente 3:00 de espera e 00:1:30 de consulta, o médico com o raio x na mão me disse que minha coluna estava melhor que a dele não me disse o que eu tinha, me disse que eu tinha que resolver este problema sozinho e quando eu disse que era professor melhorou um pouco o tom e me deu um atestado de 2 dias. Na semana passada a este episódio minha cachorrinha teve um problema saúde, então levei-a no veterinário esperei 40 minutos, paguei R$80,00 em quase duas horas de consulta, a médica revirou a cachorra pelo avesso depois me pediu um raio x, muito caro por sinal R$180,00 e a doutora do raio X pediu um pouco mais de tempo para dar o diagnóstico, uma atenção e dedicação exemplar. N a semana que passei mal também tive que ir ao cardiologista mais R$160,00 e mais R$40,00 do eletrocardiograma tempo de consulta: 00:04:35 segundos, no médico particular, não era convenio nem plano de saúde. Conclusão, no Brasil é melhor ser tratado pelo médico veterinário.

  64. Adalberto Postado em 15/Jul/2013 às 12:38

    Olá, sou médico do SUS há 20 anos, já trabalhei em Roraima e no Vale do Jequitinhonha, nunca reclamei de rendimentos, sai do interior porque já não aguentava mais assinar atestados de óbito de pessoas que poderiam sobreviver se a saúde fosse levada a sério, ter que me submeter os desmandos de prefeitos corruptos e semianalfabetos e ver meus esforços darem em nada. Espero que os colegas estrangeiros consigam melhores resultados. Uma coisa me incomoda: fiz a prova do REVALIDA (que foi produzida pelo MEC e não pelas entidades de classe ) e achei realmente muito básica. Vou mais além, acho que a prova deveria ser aplicada em todos os formandos, inclusive do Brasil. Quando me formei na UFMG minha turma tinha muitos “plaboys”, mas por favor, fico indignado quando “nos colocam no mesmo saco”, é injusto! Quanto aos cubanos, que venham, só espero que não seja permitido o trabalho escravo no Brasil, os honorários que foram acertados entre Ministros (?????????) devem ser pagos diretamente aos colegas cubanos e seus passaportes permanecerem com os mesmos. Obs.: minha esposa é engenheira senior de uma multinacional e ganha bem mais que eu.

  65. maristela do nascimento Postado em 20/Jul/2013 às 13:35

    O brasileiro já tinha a fama de não ler, agora com as mídias sociais além de não ler não se preocupam nem em saber o que está acontecendo de verdade emitem opiniões em cima de posts variados do facebook, isto é viram especialistas em assuntos aleatórios no momento são a vinda dos médicos estrangeiros, então vemos comentários xenófobos, preconceituosos, desprovidos de qualquer conhecimento, o desmonte do sistema público passa primeiramente pela falta de investimento no SUS, pela vontade de largar a obrigação garantida pela nossa constituição na educação e saúde, criando OSS pra mais desvio de dinheiro e Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares para gerir nossos Hospitais Universitários, sucateados pelo governo por que servem exclusivamente ao SUS, como um dos comentários que revelam que o trabalho dos médicos em cidades do interior ficam a mercê da vontade de prefeitos despreparados, em lugares sem qualquer recurso de atendimento, trabalho num Hospital Universitário Federal um dos maiores do país, e durante a semana toda são centenas de onibus de cidades do interior e até de outros estados, por que acontece isso ? Digo : Os prefeitinhos desviadores de recursos do SUS preferem garantir seu eleitores em comboios de doentes do interior para as capiatais, porque oferecem só o salário para os médicos mas sem condições minimas de um diagnóstico, será que essas pessoas do interior querem médicos que possam pelo menos dar a primeira palavra no diagnóstico ou chamãs ?

  66. canão Postado em 30/Jul/2013 às 20:57

    Esta semana uma sobrinha minha foi internada em um hospital da rede pública de saúde, levou exatamente 48 horas no hospital com um quadro de falta de ar, a médica mandou fazer nebulização no entanto praticamente não se aproximou da paciente, não auscultou, não mediu a pressão arterial, não cogitou algum problema cardíaco e deu alta à paciente sem nem vê-la. Por isso, torço pela vinda de médicos estrangeiros, talvez estes tenham um pouco mais de compaixão com o povo pobre que precisa do SUS.

  67. ALDERIJO BONACHE Postado em 22/Aug/2013 às 19:12

    SENDO O CURSO DE MEDICINA, UM CURSO MUITO CARO, PORTANTO INACESSÍVEL AOS POBRES, ELES JAH CARREGAM CONSIGO UM AR DE GRANDEZA ACIMA DO PACIENTE, MUITAS VEZES GRAVEMENTE ENFERMO E SEM DINHEIRO, DAÍ DEIXA MORRER À MÍNGUA COMO É DO FEÍTIO DA TURMA DO ANDAR DE CIMA! PORTANTO, SENDO FILHOS DE GENTE DO ANDAR DE CIMA, SALVO HONROSAS EXCEÇÕES, O POBRE QUE MORRA!

  68. ALDERIJO BONACHE Postado em 22/Aug/2013 às 19:18

    ALGUNS NÉSCIOS AINDA QUEREM ATRIBUIR O CRÔNICO PROBLEMA DA FALTA DE MÉDICOS NO INTERIOR COMO SE APENAS TIVESSE OCORRIDO DURANTE O GOVERNO PETISTA E O QUE FIZERAM OS ANTIGOS GOVERNANTES QUE ESTÃO A EXPLORAR O BRASIL DESDE CABRAL!

  69. Chico Lobo Postado em 28/Aug/2013 às 18:01

    A máfia de branco brasileira estuda em universidades públicas bancadas pelo imposto do povo. - Quando se formam, esquecem do povo e vai montar seu gabinetezinho nos jardins a serviços das corporações de saude privada. Ah,,, vá pro inferno cambada de filhosdaputa... deixe os cubanos ensinar-lhes o que é medicina.

    • Nelson Postado em 01/Sep/2013 às 16:21

      Cuidado com as generalizações.

    • fabio Postado em 02/Sep/2013 às 09:50

      concordo plenamente!!

  70. Camilla Postado em 12/Sep/2013 às 14:29

    tb concordo!!!!

O e-mail não será publicado.