Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Saúde 30/Jul/2013 às 20:31
21
Comentários

Cidade oferece R$ 10 mil e estrutura, mas faltam médicos

Cidade do RS com segunda melhor distribuição de renda do Brasil oferece estrutura, R$ 10 mil por mês e até faculdade de graça, mas faltam médicos

Localizada na Serra Gaúcha, a cidade de Carlos Barbosa é a segunda melhor no Brasil em distribuição de renda e tem o 23º maior PIB per capita do Rio Grande do Sul. Com 25 mil habitantes, o município tem um centro de saúde, inaugurado em dezembro de 2004, e cinco unidades para atender a população. A prefeitura oferece exames laboratoriais, de raio-X, tomografias, mamografias, ecografias, endoscopias, colonoscopias, eletrocardiogramas, ressonâncias magnéticas, ecocardiogramas. Os médicos recebem salário de R$ 4.630,31 (20 horas semanas) e R$ 9.260,61 (40 horas), além de um adicional de insalubridade de R$ 529,55. Mesmo assim, faltam médicos para atender a população.

mais médicos carlos barbosa

Cidade terminou a construção de um centro radiológico e agora aguarda a compra de equipamentos de exames. (Foto: Prefeitura de Carlos Barbosa / Divulgação)

A cidade gaúcha recentemente encerrou as inscrições para preencher as vagas de médicos. Mesmo com o salário de quase R$ 10 mil e a infraestrutura oferecidos, com quatro vagas ofertadas para contratação imediata, somente uma pessoa se inscreveu.

“Aqui, nós estamos muito bem posicionados. Estamos a 100 quilômetros de Porto Alegre, 40 km de Caxias (do Sul), 15 km de Bento Gonçalves. Nós temos uma boa estrutura física. Nós temos um centro de saúde que o (Fernando) Lucchese (cardiologista famoso por seus livros para o público leigo) esteve aqui e disse que ‘parece mais um apart-hotel do que um centro de saúde’. Temos toda uma infraestrutura aqui”, diz o prefeito Fernando Xavier da Silva (PDT).

Segundo Silva, se não é a estrutura nem qualidade de vida na cidade que afastam os médicos, sobra uma explicação: os salários. Para ele, os médicos na região conseguem mais dinheiro com consultórios privados e planos de saúde e a remuneração não é atraente para esses profissionais da saúde.​

Leia também

“Acredito que o valor-hora oferecido pela cidade não seja atraente para os médicos, pela própria concorrência do mercado ao redor, principalmente de Caxias (do Sul) e Bento (Gonçalves)”, diz Fernando Matos, vice-presidente do Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (Cremers). Para ele, a região da Serra Gaúcha oferece uma remuneração muito alta, principalmente os planos de saúde, e os profissionais da saúde não escolhem trabalhar no setor público.

E para pagar um salário maior? Os cofres públicos aguentariam? “Aí vai depender da capacidade gestora de quem tem a obrigação de fazer a administração pública. Eu acho que nós teremos que fazer algum tipo de corte em algum lugar e repassar para a área da saúde algum recurso para tentar via remuneração melhor (atrair médicos), e eu estou fazendo um estudo para passar para R$ 6 mil para 20 horas e, consequentemente, R$ 12 mil para 40 horas para ver se torno mais atrativo esse serviço aqui no município”, diz o prefeito.

Mais Médicos

Para tentar acabar com o déficit de médicos, a prefeitura de Carlos Barbosa se inscreveu no programa Mais Médicos, do governo federal, que oferece bolsas de R$ 10 mil para esses profissionais de saúde.

mais médicos carlos barbosa

Centro de Saúde de Carlos Barbosa sofre com a falta de médicos (Foto: Prefeitura de Carlos Barbosa / Divulgação)

O prefeito afirma que o programa “tem algum fundamento”, mas precisa de ajustes. Silva defende que o projeto deve se esforçar em trazer médicos brasileiros. “Aí se, não tendo condição (deve-se contratar estrangeiros), e o Revalida é fundamental.”​

Um dos principais pontos de discórdia entre as associações e o governo, o exame de revalidação de diploma do médico que se formou no exterior deve ficar de fora do Mais Médicos (veja detalhes no quadro abaixo).

“Não tem discussão. Médico brasileiro ou estrangeiro que fez curso no exterior tem que seguir as leis brasileiras”, diz Matos, ressaltando que esses profissionais têm que saber falar português para fazer atendimento com qualidade.

“O Mais Médicos teria, a meu ver, apenas um benefício: de conscientizar a todos de que tem que fazer investimento em infraestrutura, criar mais hospitais, mais condições de trabalho e criar também um plano de carreira para os médicos, estabelecendo um valor para o trabalho médico digno”, diz o vice-presidente do Cremers. Matos não diz qual seria esse valor digno, afirma que essa definição deve ser feita com os sindicatos médicos. Ele critica também o pagamento do programa ser feito por bolsa, que devem ser garantidos contrato e direitos trabalhistas aos profissionais.

programa mais médicos

Programa Mais Médicos

Matheus Pessel, Terra

Recomendados para você

Comentários

  1. Gabriel Postado em 30/Jul/2013 às 21:01

    Precisamos de uma política de valorização do médico no interior e provisoriamente importar médicos de qualidade. O Mais Médicos não supre esta demanda. Quer levar médicos ao interior pagando BOLSAS de 10 mil reais. Não é concurso público, contrato CLT ou algo do tipo. É um contrato precário para sair das grandes cidades, deixar seus pacientes e ir para o interior e poder ser demitido por ter brigado com o prefeito. Precisamos de carreira estatal para médicos, só assim haverá uma real fixação do médico no interior. Blumenau, uma das cidades com maior expectativa de vida do país tem apenas 2,09 médicos a cada 1000 habitantes, algo muito próximo da média nacional que o governo insiste em dizer que é absurdamente baixa. Hoje,se contarmos as faculdades que foram abertas antes do "Mais Médicos" o Brasil já dobrará seu número de profissionais até 2040. Se contarmos com a abertura que o governo divulgou, o número de profissionais médicos pode chegar a ser maior que a soma dos outros profissionais da saúde juntos. Exagero? Bom, digamos que Blumenau provou que com a média de médicos que temos no Brasil hoje, aliada a um bom investimento em saúde é possível um atendimento de qualidade. Enquanto o Brasil investir apenas 3,5% do PIB em saúde o governo pode importar 400 mil médicos e nada vai mudar. O país precisa sim distribuir melhor seus médicos e enquanto as faculdades de medicina abertas nos últimos 10 anos ainda não tiverem muitos médicos formados precisaremos sim de ajuda externa. E tirando o fato de que os médicos estrangeiros atenderão a população sem terem sido testados não tenho nada contra a vinda deles, apenas digo que a população está sendo enganada. É infinitamente mais barato importar médicos que investir em saúde.

  2. Walyson Postado em 30/Jul/2013 às 23:07

    Se tens um governo tão bom com uma estrutura tão boa, porque não consegues atrair médicos? Se não tem médico pra atender a população é porque não existe uma gestão minimamente capaz de levar a saúde. Só acompanhe meu raciocínio. Se as instituições privadas, que não ganham nenhum dinheiro além do que sua gestão lhes dá, consegue pagar melhor o médico; por que o governo, que tem todo o dinheiro dos impostos nas mãos, não consegue fazer isso? Pra mim só existe uma resposta: Incompetência administrativa. Num mercado livre, as coisas se equilibrariam. Tá faltando médico por causa de salário? Aumenta o salário. É simples. Agora, quem paga pela incompetência do governo é o profissional de saúde. Só porque o governo não sabe mexer com o dinheiro, ele não consegue prover saúde pra população nem salário pros médicos. Aí em vez de aumentar o salário, ele começa a tomar medidas irresponsáveis, como importar profissionais de segunda mão.

  3. José Carlos Alvarenga Postado em 31/Jul/2013 às 08:34

    O que eu entendo é que o Governo Federal está abrindo contratações para suprir vagas de médicos em várias regiões do país onde não se consegue mão de obra. Porquê a classe médica é contrária a isso? Imagino que se na empresa que eu trabalho eu for contrário a contratação de mais profissionais e ficar insatisfeito... ...serei imediatamente desligado. Esta classe sem vergonha dos médicos que não quer que os atendimentos do SUS melhorem para evitar a migração de seus clientes para o atendimento público. Este ato de desrespeito com a sociedade e com o próprio compromisso de seu juramento, merece o meu desprezo!

  4. jandira Postado em 31/Jul/2013 às 14:26

    Gostaria de saber... entender... contratando esses médicos, eles vao trabalhar só? Vao contratar também enfermeiros?? e outros profissionais de sáude? Acreditamos que médico sozinho... não dará conta e nem fará procedimentos que seja inerente ao profissional de enfermagem!!! Esperamos que também ofereçam bons incentivos os demais profissionais .

  5. Guilherme Saeger Postado em 31/Jul/2013 às 18:34

    Este posto não reflete a realidade dos demais. Neste, falta o menor dos problemas da saúde, profissionais. E o programa "Mais Médicos" se enquadra perfeitamente nele. Porém, será que todos os outros são assim???

  6. Alice Postado em 31/Jul/2013 às 22:54

    Não se iludam com uma bela fachada. Pelo que apurei rapidamente, só há 1 equipe de saúde da família, e as "unidades" são apenas consultórios isolados, com dentista e 1 téc/aux enfermagem. Isso, para 25 mil pessoas!! Isso é estrutura? As vagas para médicos eram para cadastro de reserva.

  7. Augusto Postado em 01/Aug/2013 às 11:50

    Trabalho nesta cidade, apesar de não ser daqui. É uma cidade muito bem estruturada e, como destacado, próxima de grandes centros (distante 100Km de Porto Alegre) e mesmo assim não se consegue preencher a vaga. Imaginem em cidades pequenas do norte e nordeste onde a estrutura não chega perto da existente aqui. Sinceramente..... não entendo como alguém pode ser contra o programa "Mais Médicos".

  8. Eduardo Postado em 25/Aug/2013 às 23:11

    aí cai por terra que o problema é estrutura para atendimento, o negócio mesmo é grana, nem falam em segurança o importante é o dinheiro. E não sei até onde é bom investir em equipamentos públicos se estes profissionais (não todos) juraram na frente do espelho e o juramento é o do espelho... será equipamentos ociosos por falta de quem os opere.

  9. Rafael Postado em 27/Aug/2013 às 18:44

    10mil vc recebe em qualquer centro, fazendo 2 plantões de 24h em emergências, tirando apenas 2 dos seus dias. Com 'apenas' 40h semanais vc compromete 5 dias da semana para ganhar o equivalente (ou menos até) que dois dias trabalhados. Ressaltando que o valor é para contrato ou, no máximo, contratação por regime CLT, salários dos concursos propriamente ditos não chegam a 3mil reais mensais. Vão contar ladainha para outros

  10. Aline Postado em 28/Aug/2013 às 16:58

    Claro, porque esses salários são altíssimos! Um Absurdo mesmo um médico passar 6 anos na faculdade se matando de estudar, sem ter tempo nem pra dormir, fora os anos de residência e não querer ganhar isso, médico é realmente a profissão mais egoísta que existe, é a unica que quer um salario em troca de trabalho, ninguém mais quer! Ninguém mais troca uma oportunidade de emprego por outra em que se ganhe mais. Além disso médico não precisa pagar conta de luz, água, do supermecado, das escolas dos filhos. Médico deveria era trabalhar só por amor, já que isso é suficiente pra pagar todas as contas e é o que qualquer profissional de outra área faz né, ninguém quer dinheiro! Só os medicos que são mercenários! Hipocrisia

  11. Bruna Postado em 29/Aug/2013 às 11:26

    Se tiver precisando de engenheiro tbm,eu vou!

  12. Alfredo Postado em 21/Sep/2013 às 17:14

    Meu nome Alfredo pós graduado na Unifesp em cardiologia e titulado em UTI, salário pouco menos de 5000,00 por 24 horas semanais em uti pública, meus amigos formados na Alemanha ganham perto de 10000,00 euros ou 25000,00 dólares, primeiro detalhe não aceitam latinos para trabalhar no Canadá ou Alemanha por insuficiência técnica, sequer fazem provas de revalidação. Então escolhi o lugar certo para estudar, trabalhar e viver?