Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Rio de Janeiro 18/Jul/2013 às 14:37
7
Comentários

A manifestação no casamento do “rei dos ônibus”

Celebração e festa luxuosa foram ofuscadas pela manifestação contra “rei dos ônibus” carioca. Convidados atiraram objetos e aviõezinhos feitos de notas de R$ 20 nos manifestantes

Luciano Martins Costa, Observatório da Imprensa

casamento barata rio de janeiro

Com ironia, manifestante vestida de noiva protestou na frente do Copacabana Palace (Foto: Mídia Ninja)

Talvez tenha sido um dos menores, em número de participantes, na série de protestos que acontecem em cidades brasileiras desde junho, no rastro da campanha pela redução das tarifas de ônibus. Não mais do que sessenta pessoas se postaram diante da igreja do Carmo, no centro do Rio, para se manifestar durante a cerimônia de casamento de dois herdeiros de empresas de transporte público. No entanto, talvez tenha sido também o evento mais representativo da realidade perversa em que degenerou a democracia brasileira.

Como ocorre normalmente entre cariocas, tudo começou com brincadeiras e ironias, como a manifestante fantasiada de noiva, que distribuía baratas de plástico aos passantes. A noiva de verdade era a neta do empresário Jacob Barata, conhecido como o “rei dos ônibus” no Rio.

O relato dos jornais nesta segunda-feira (15), principalmente do Globo, é rico em detalhes [Aqui, o relato da colunista social Hildegard Angel]. A noiva, seu pai e o avô chegaram à igreja em duas Mercedes, que, segundo o jornal carioca, acumulam nada menos do que 22 multas desde 2010. A recepção aos cerca de mil convidados, realizada no hotel Copacabana Palace, teria custado R$ 2 milhões. A festa, que varou a noite, tinha um cantor famoso no palco, que era adornado por uma bandeira do Brasil.

Leia também

Para qualquer observador, esse é o cenário que explica e justifica a onda de protestos que tem sua origem no problema da mobilidade urbana: de um lado, os usuários de ônibus; de outro, aqueles que acumulam fortunas indecentes com os serviços de má qualidade subsidiados por dinheiro público – e que não cumprem os mais básicos deveres da cidadania, como pagar multas de trânsito. A presença solene de uma bandeira nacional no palco de uma festa particular é a melhor representação de uma elite econômica privilegiada, cujos atos ofendem o senso comum das ruas, e que se sente proprietária do País.

A frase atribuída ao pensador britânico Samuel Johnson não teria melhor colocação: “o patriotismo é o último refúgio de um canalha”. Tanto na Inglaterra de 1775, quando Johnson se referia ao uso de falsos argumentos nacionalistas como justificativa para práticas contrárias ao interesse público, como no Brasil de 2013, a apropriação do patrimônio social é considerada por essa elite como direito sagrado.

As passeatas de protesto querem dizer o contrário.

Aviõezinhos de dinheiro

casamento-barata-1

Manifestante é agredido por convidado em casamento do “rei dos ônibus” (Imagem: Mídia Ninja)

A imprensa cumpre seu papel ao relatar pontualmente os incidentes que se seguiram à cerimônia religiosa, mas não avança na descrição do pano de fundo desse confronto entre duas realidades: a dos controladores do transporte público e a dos usuários de ônibus.

O Globo apresenta, associada ao noticiário sobre o casamento e os protestos, uma reportagem que revela o poder econômico dos donos do transporte urbano no Rio, cuja contabilidade se caracteriza pela falta de transparência. Mas nada, no histórico recente dos jornais, indica que qualquer um deles terá apetite para avançar no esclarecimento do jogo de interesses que liga os empresários de ônibus e as autoridades que deveriam fiscalizar o funcionamento dessas empresas.

Um levantamento de como funciona o complexo sistema dos transportes urbanos explicaria a revolta dos jovens que saem às ruas pedindo o fim das tarifas. Pode-se também afirmar que a perversidade desse sistema justificaria até mesmo alguns atos de violência que simbolizam a revolta contra o cerceamento do direito de ir e vir, produzido pelo alto preço das passagens e pela precariedade dos serviços oferecidos à população.

As manifestações de junho puseram a nu uma realidade que vinha sendo ignorada ou omitida pela imprensa: a de que a maioria da população é refém de meia dúzia de empresários de um setor fundamental para o funcionamento das cidades, cujo poder é assegurado pela legislação que lhes permite financiar campanhas políticas.

casamento-barata

Manifestantes protestaram do lado de fora do Copacabana Palace e foram contidos por forças de segurança pública. Gilmar Mendes, ministro do STF e Tasso Jereissati, ex-presidente do PSDB, eram alguns dos convidados de honra.

A consciência desse poder perverso é que pode explicar a agressividade com que alguns convidados à festa da família Barata reagiram à presença de manifestantes na calçada em frente ao Copacabana Palace, na noite de sábado, 13.

Segundo contam os jornais, um dos convivas – apontado como parente da noiva – atirou do alto do edifício um cinzeiro de vidro, que feriu a cabeça de um jovem manifestante. Outros convidados lançaram sobre a multidão aviõezinhos feitos com notas de R$ 20.

Não poderia haver cena mais representativa da desigualdade que emperra o desenvolvimento da democracia no Brasil. Não faltam motivos para a imprensa e as instituições da República decidirem de uma vez por todas de que lado dessa sociedade fraturada pretendem se colocar.

Recomendados para você

Comentários

  1. Estefferson Torres Postado em 18/Jul/2013 às 14:57

    Às vezes é muito difícil protestar pacificamente. E como já disse o Marquês de LaFayette: "Insurreição é mais sagrado dos direitos e a mais indispensável das tarefas."

  2. Marina diniz Postado em 18/Jul/2013 às 21:30

    Tenho nojo desse tipo de imprensa... ridiculos !!

  3. Marina diniz Postado em 18/Jul/2013 às 21:31

    desculpe ! hahahhah o comentário era pro G1 !! sorry

  4. Petruska Postado em 19/Jul/2013 às 10:29

    Os "protestadores" deixaram as notas de 20 no chão? No dia seguinte, os garis encontraram essas notas lá? Ou alguém da "imprensa" ficou lá para ver se mendigos ou moradores de rua as pegaram? Porque se os "protestadores" as pegaram, perderam completamente a razão de protestar, entraram na festa, estavam fazendo protesto "contra a desigualdade" de M nenhuma.

  5. Cacique Postado em 19/Jul/2013 às 12:36

    Algumas frases célebres que vêm bem a calhar. "O patritosimo é o último refúgio de um canalha". Samuel Johnson "A insurreição é o mais sagrado dos direitos e a mais indispensável das tarefas". Marquês de LaFayette "Do rio que tudo arrasta, se diz que é violento, mas ninguém diz violentas das margens que o oprimem". Bertold Brecht "A burguesia fede". Hermann Hesse.