Redação Pragmatismo
Compartilhar
Saúde 10/Jun/2013 às 15:18
17
Comentários

"Maconha é remédio"

Como o uso da maconha mudou radicalmente a vida e o tortuoso tratamento de Thaís Carvalho, vítima de um agressivo câncer de ovário

Thaís Carvalho viveu, ao mesmo tempo, a melhor e a pior experiências de sua vida. No mesmo dia em que segurou sua filha no colo pela primeira vez, descobriu um câncer no ovário. Duas semanas depois do parto, uma cirurgia retirou todo seu aparelho reprodutivo. Com um bebê recém nascido e uma prescrição para seis meses de quimioterapia, as mudanças abalaram seu jeito de ver o mundo. E lhe levaram a uma descoberta desconhecida para a maior parte dos brasileiros.

Paraense, hoje com 33 anos, Thaís é filha de uma família que classifica como tradicional. Vegetariana, ela não bebe e gosta de passar os finais de semana em casa. Quando voltou do hospital, estava em estado de encantamento com a primeira filha. Ficou triste em saber que não poderia amamenta-la, devido ao medicamento, mas tentou manter-se positiva. Logo descobriu que também não poderia dar banho na menina ou trocar a fralda, pois seus braços perderam a força. Com dores pelo corpo e enjoo, já no primeiro mês de tratamento Thaís parou de comer e perdeu muito peso. Perdeu também os cachos morenos e o sorriso tranquilo. Pela manhã, só levantava da cama para atravessar a rua e buscar ajuda na casa de sua mãe, que mora na mesma vila, em Belém.

Suas roupas ficaram largas, o rosto inchado e pálido. Quando olhava os olhos sem sobrancelhas no espelho, vinha a certeza de que não demoraria para ser abandonada pelo marido, que chegava à noite do trabalho e corria para cuidar dela, da filha e da casa. “Eu me sentia feia, fraca, minha casa estava largada. Estava definhando”.

Foi nesse momento que seu marido lhe chamou para uma conversa. Ele pesquisou sobre como os médicos americanos prescrevem o uso de maconha (Cannabis é o nome científico da planta) para combater os efeitos colaterais da quimioterapia. Thaís teve muitos receios. Ela nunca tinha experimentado a droga. Alguns amigos fumavam, mas ela não sabia qual seria sua reação. “Eu sempre vi a maconha como algo negativo, não queria isso para mim”.

Só quando recebeu a terceira dose de quimio e os efeitos castigaram ainda mais seu corpo frágil, ela resolveu experimentar. “No primeiro dia, senti relaxamento e bem estar, mas não arrisquei fazer nada, não conhecia os efeitos. No segundo dia, senti ânimo e levantei. Tinha uma pilha de louça pra lavar na cozinha e ataquei empolgada. Feliz em dar conta de uma tarefa cotidiana”.

maconha câncer remédio

Para defender sua saúde, Thaís rompeu uma fronteira da ciência que está em reconfiguração no mundo. O uso da maconha em tratamentos médicos está em debate em diversos países e já é autorizado na Holanda, em Israel e na República Tcheca. Nos Estados Unidos, 18 estados permitem o uso terapêutico, número que cresce a cada ano. (Foto: Reportagem 3 por 4)

A partir de então, Thaís passou a fumar um cigarro de maconha pela manhã durante a “semana crítica” (os dias em que os efeitos colaterais da quimioterapia são mais intensos). Para o seu corpo, a mudança mais importante foi o fim da náusea que lhe impedia de comer. Pelo contrário, Thaís tinha mais fome. Ela ganhou peso, o que deu uma nova perspectiva para o seu tratamento.

O ciclo de medicação previsto inicialmente era de 21 dias entre as doses. Devido à perda excessiva de peso já na primeira aplicação, seu médico oncologista adiou a segunda sessão de quimioterapia para 30 dias depois da primeira. Ele também teve que adiar a terceira, que só ocorreu 45 dias depois da segunda. Só quando passou a fumar maconha, e voltou a comer, o corpo de Thaís teve energia para aguentar o intervalo recomendado inicialmente pelo médico: 21 dias entre cada sessão.

Na memória de Thaís, porém, o efeito mais importante foi a mudança no seu bem estar. Antes, com dores constantes e incapaz de realizar tarefas simples, ela colocava um peso negativo em tudo. Até no esforço do marido, como se os cuidados que ela exigia fossem algo insuportável para ele. Com a possibilidade de realizar pequenas tarefas, aos poucos, ela conseguiu mudar essa percepção. “Comecei a ver que meu marido era admirável ao cuidar de mim e da nossa filha tão pequena. A dedicação dele passou a me dar força”.

Leia também

Thaís nunca sentiu “nóia”, nome dado às sensações de paranoia que alguns experimentam ao fumar maconha. A sensação pode levar a um efeito oposto: percepção negativa do mundo. Sem saber como sua frágil saúde poderia ser afetada pela substância, ela tomou coragem para conversar com o médico. “Se te faz bem, quem sou eu pra mandar parar? ”, ouviu. “Vi que ele não concordou, mas preferiu se abster. Ele disse que esse tratamento não existe no Brasil. Mas eu falei que ele deveria se informar, mesmo que não possa recomendar, todo médico deve saber das últimas pesquisas”. E saiu do consultório sem orientação.

Para defender sua saúde, Thaís rompeu uma fronteira da ciência que está em reconfiguração no mundo. O uso da maconha em tratamentos médicos está em debate em diversos países e já é autorizado na Holanda, em Israel e na República Tcheca. Nos Estados Unidos, 18 estados permitem o uso terapêutico, número que cresce a cada ano. Na semana passada em Nova Iorque, onde esse debate está pegando fogo, 600 médicos lançaram um manifesto pedindo autorização para tratar pacientes com doenças como câncer, esclerose múltipla e HIV/Aids. Em seu site, o grupo elenca pesquisas e estudos controlados sobre como os efeitos da maconha podem reduzir a dor, o espasmo muscular, a sensação de náusea e estimular o apetite.

Em português, no livro “Maconha Cérebro e Saúde”, os neurocientistas Renato Malcher-Lopes e Sidarta Ribeiro apresentam os efeitos da substância e fazem um panorama dos estudos internacionais sobre seus potenciais terapêuticos. Cientistas brasileiros também tentam fazer pesquisas com a maconha, mas esbarram em dificuldades legais e acadêmicas. É o caso de um dos maiores especialistas no tema, o professor Elisaldo Carlini, da Universidade Federal de São Paulo. Nessa entrevista para revista da Fapesp, ele explica os efeitos da substância e defende o uso médico.

Thaís sabe da importância da maconha no seu tratamento. E decidiu não ficar calada. Ela já recuperou a saúde e os cachos no cabelo. Enquanto dava entrevista, sua filha, hoje com três anos, não parava de chamar a mãe para brincar. Quando perguntei se não tinha medo de dar o nome e mostrar o rosto para este texto, ela não vacilou. “Seria hipocrisia. Vejo as pessoas na linha de frente lutando pela descriminalização, enquanto tantos fumam e têm medo de mostrar a cara. Não quero ser a maioria silenciosa. Quero ser parte da minoria que contribuiu para a mudança”. Embora não tema falar no assunto, ela prefere usar o termo científico Cannabis, pois considera que maconha é uma palavra carregada de preconceitos.

Thaís é a favor da descriminalização para uso medicinal, mas também para qualquer outro. “Não faço uso recreativo, mas não tenho preconceito”, diz. No ano passado, estava no pequeno grupo que tentou fazer a Marcha da Maconha no centro de Belém. A mesma marcha, que ocorre em mais de 40 cidades no Brasil, vai acontecer em São Paulo nesse sábado dia 8.

Mais difícil que enfrentar as ruas, é reunir forças para ter uma conversa na casa dos pais. Quando contou que estava fumando durante o tratamento, o pai de Thaís ficou em silêncio, a mãe lhe criticou. Depois que viu sua melhora, a mãe não tocou mais no assunto. Mas agora é o pai de Thaís, com 62 anos, que terá de passar por um tratamento de quimioterapia. “Minha família é bastante conservadora, não sei se ele vai querer. Mas vou conversar, acho que as pessoas têm direito a essa escolha”.

Daqui a muitos anos, ela pretende conversar também com a sua filha, explicar que a maconha não deve ser vista com preconceito, mas com respeito e cuidado. Thaís sabe que a menina vai receber lições maniqueístas na escola. Dos adultos, vai ouvir que a maconha é algo ruim e que sempre faz mal. De alguns amigos, o extremo oposto. Dentro de casa, a menina vai conhecer a verdade experimentada por sua mãe: “Cannabis é remédio”.

Ana Aranha, Reportagem 3 por 4

Recomendados para você

Comentários

  1. Leonardo Postado em 10/Jun/2013 às 15:46

    Comovente e esclarecedor!

  2. Luiza Postado em 10/Jun/2013 às 15:55

    Eu sou altamente contra drogas e no meu caso que tenho alguns casos de esquizofrenia é melhor não arriscar. Mas achei louvável o depoimento e se deu certo como ajuda medicinal pq não? O problema seria o bom senso de cada um e a supervisão profissional disso! Bacana essa discussão!

  3. Jean Postado em 10/Jun/2013 às 16:27

    Sinto no meu corpo A dor que angustia A lei ao meu redor A lei que não é minha Estado violencia Estado hipocrisia

  4. rosana lopes faria Postado em 10/Jun/2013 às 17:31

    Tenho certeza que é apenas o inicio de descobertas que irão mudar a visão que hoje a maioria têm sobre a CANNABIS,na verdade a Cannabis é um presente que a mãe natureza nos deixou.Apenas é o uso exagerado que pode prejudicar o comportamento do homem,assim como tudo que está à dispoisção como o álcool que é destruidor,como o carro,e tudo que existe o exagero.Hoje a CANNABIS é um Mito,como tudo aquilo que não conheçemos e só por que alguem falou algo sobre, e alguem acreditoprecisau e saiu por ai repassando até se tornar uma verdade.Temos que mudar muitas crenças ,rever velhos conceitos,pois não devemos atrapalhar,impedir a Ciência de avançar em suas pesquisas para beneficiar a humanidade está na hora de jogar a hipocresia no lixo!

  5. Carlos Postado em 10/Jun/2013 às 19:01

    Com a uso medicinal e controlado não há problema nenhum. Medicam-se remédios que são muitas vezes piores que a maconha.

  6. Diego Postado em 11/Jun/2013 às 06:54

    Quanto mais informação, menos preconceito! Parabéns ao site!

  7. Silas Postado em 11/Jun/2013 às 08:27

    Remédio se usa quando está doente,como todo remédio também possui contra indicações... quero ver a maconheirada entender isso

  8. Mauro Postado em 11/Jun/2013 às 11:43

    Só neste país de maioria idiota chamado BRAZIL, é que assuntos sérios e de grande valia para a sociedade não são debatidos, o povo cheio de preconceito, as religiões alienando a todos, a mídia trabalhando para os donos do país, ou seja, essa porra será eternamente o país do "futuro"!

  9. Alfredo Postado em 11/Jun/2013 às 11:50

    Belo texto e belíssima história! O debate deve vencer sempre! Que caia esta nuvem de hipocrisia e que o Estado pare de intervir na privacidade das pessoas. O lobby das farmacêuticas é que deve se coçar muito com este debate...

  10. angela maria Postado em 11/Jun/2013 às 12:30

    achei muito interessante! minha mãe tratou de um câncer de mama e passou muito mal durante. me lembro de seu desânimo até mesmo p/ abrir os olhos. tudo era dado em suas mãos. a quimio é um período crítico.

  11. luiz carlo ubaldo gonçalves Postado em 14/Aug/2013 às 09:39

    Só os santos de toda hora são contra o uso medicinal da maconha, quem usa maconha é bem humorado, dorme bem, come bem e ri pra caralho, qual o mal que há nisso? só os hipócritas não são capazes de ver além de sua falsa moralidade contida em sesus dogmas pessoais. a quem enteressa manter os usúarios na ilegalidade como se bandidos fossem? talvez as forças de repressão do estado autoritário? é chegada a hora do debate sério, chega de mentiras!

  12. Marcos Postado em 15/Aug/2013 às 02:35

    Diante de um muito provável cenário de regulamentação da maconha então que o estado controle tudo, e que quando o cenário mudar propagandas contra as drogas sejam feitas a todo tempo, as desvantagens existem mas são apagadas diante do poderio comercial da planta e do tamanho do vicio dos usuários.

  13. PaJor Postado em 02/Sep/2013 às 11:22

    Se ela fumasse uma pedra de crack a recuperação seria mais rápida!!! (baseando-se que a maconha é medicinal)