Luis Soares
Colunista
Barbárie 14/May/2013 às 14:25
11
Comentários

Vídeo que mostra rebelde sírio comendo coração de rival gera protestos

O vídeo mostrando o rebelde Abu Sakkar comendo o que parece ser um pedaço do coração de um soldado foi postado no último domingo e é um dos mais chocantes já divulgados em mais de dois anos de guerra na Síria

Um vídeo que parece mostrar um rebelde sírio comendo um pedaço do coração de um soldado morto foi duramente criticado.

O grupo americano de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch identificou o rebelde como Abu Sakkar, um conhecido insurgente da cidade de Homs. De acordo com a organização, o ato de Sakkar constitui um crime de guerra.

rebelde sírio come coração soldado

Rebelde Sírio arranca e morde coração de soldado (Foto: Reprodução / Vídeo)

A principal coalizão de oposição síria informou que Sakkar será levado a julgamento.

O vídeo, que não pode ter sua veracidade confirmada de forma independente, parece mostrar o rebelde cortar o coração do soldado.

“Juro por Deus que vou comer seus corações e seus fígados, soldados de Bashar, o cão”, afirma o homem no vídeo junto ao corpo do soldado, se referindo ao presidente sírio, Bashar al-Assad.

Líder rebelde

O Human Rights Watch (HRW) diz que Abu Sakkar é o líder do grupo chamado Brigada Independente Omar al-Farouq.

“A mutilação de corpos de inimigos é um crime de guerra. Mas, uma questão ainda mais séria, é o agravamento da retórica sectária e da violência (na Síria)”, disse Peter Bouckaert, da HRW, à agência de notícias Reuters.

Leia também

Segundo o grupo, não importa qual dos lados na Síria esteja envolvido em crimes de guerra, todos precisam saber que não existe impunidade e que serão levados à Justiça.

O HRW diz que Abu Sakkar já tinha sido filmado disparando foguetes contra áreas xiitas do Líbano e posando ao lado de corpos de combatentes do grupo militante libanês Hezbollah – que estão ajudando forças do governo sírio.

VEJA TAMBÉM: REBELDE QUE MORDEU CORAÇÃO DE INIMIGO DIZ QUE NÃO SE ARREPENDE

O vídeo mostrando Sakkar comendo o que parece ser um pedaço do coração de um soldado foi postado no domingo e é, segundo o correspondente da BBC em Beirute, Jim Muir, um dos mais chocantes já divulgados em mais de dois anos de guerra na Síria.

A ONU diz que 70 mil pessoas foram mortas desde o início da rebelião contra o governo de Bashar al-Assad em março de 2011.
Já o Observatório Sírio para Direitos Humanos, grupo com base na Grã-Bretanha, afirma que o número de mortos chega a um total de 80 mil.

Muitos sírios já fugiram do país e mais de um milhão de pessoas foram registradas como refugiados, segundo a ONU. Destes, pelo menos 300 mil estariam na Turquia.

com Reuters e BBC

Posts relacionados

Comentários

  1. Tulio Postado em 14/May/2013 às 18:14

    Porque é crime de guerra comer o coração dele se ele ja estava morto?

    • Felicio Postado em 24/Jul/2014 às 04:50

      Economize suas palavras e seu raciocínio vão, numa guerra sempre há mortos e não poderia ser diferente já que um povo tem o direito de se defender de seus agressores, mas uma vez morto, é desnecessário tal ato de barbárie.

  2. Adelly Silva Postado em 14/May/2013 às 21:19

    “A mutilação de corpos de inimigos é um crime de guerra." Matar tá de boa, então. Fuck logic

  3. Fernado Postado em 15/May/2013 às 11:32

    Isso a globo não vai mostrar. Se fosse um soldado sírio, seria o mundo se acabando.

  4. Eu Postado em 10/Jun/2013 às 14:47

    Queria ver se depois de morto, comessem o coração do seu pai ou seu irmão.

  5. amilton Postado em 27/Jul/2013 às 18:17

    Quem está armando os rebeldes??? Seria a ONU? Vergonha para o mundo!

  6. Eu Postado em 02/Aug/2013 às 11:45

    Isso a globo não vai mostrar. Se fosse um soldado sírio, seria o mundo se acabando. 2

  7. Marcos Postado em 02/Aug/2013 às 23:29

    Marx apóia a revolução.

  8. Marcos Postado em 09/Aug/2013 às 17:43

    Estão construindo esse caminho.

  9. BRASIL Postado em 14/Jul/2014 às 09:28

    A democracia dos norte americanos e cometer crimes barbaros e espalha terrorismo.

O e-mail não será publicado.