Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Palestina 07/May/2013 às 00:59
11
Comentários

Google reconhece Palestina sob protestos de Israel

Reconhecimento da Palestina pelo Google pode ameaçar paz, diz Israel. Na última semana, o Google trocou o nome de sua página inicial dirigida a usuários palestinos de “Territórios palestinos” para “Palestina”

google palestina

Onde antes aparecia a frase ‘territórios palestinos’, na página inicial do Google.ps, agora é exibido simplesmente o nome ‘Palestina’, o que indica um reconhecimento, por parte do Google, de que a Palestina é um país independente.

O governo de Israel pediu ao Google que reconsidere sua decisão de adotar o nome “Palestina” para seu buscador no lugar de “territórios palestinos”. Em uma carta enviada ao CEO do Google, Larry Page, o vice-ministro das Relações Exteriores de Israel, Ze’ev Elkin, afirmou que a medida pode minar os esforços para a paz na região. As informações são do site The Verge.

“Essa decisão é, na minha opinião, não só equivocada, mas também poderia interferir negativamente nos esforços de meu governo para trazer negociações diretas entre Israel e a Autoridade Palestina”, afirmou o ministro, dizendo que a medida iria encorajar os palestinos a “continuarem com suas intenções políticas por meio de ações unilaterais e não através de negociação e acordo mútuo”. Elkin pediu ao Google para reconsiderar a sua decisão.

?Na última semana, o Google trocou o nome de sua página inicial dirigida a usuários palestinos de “Territórios palestinos” para “Palestina”. Um porta-voz da empresa afirmou que a decisão foi baseada após consulta a uma série de fontes e autoridades. A Autoridade Palestina saudou a mudança de nome do Google, descrevendo-a como “um passo na direção certa”.

Leia também

O status oficial dos territórios palestinos é um assunto polêmico e ainda sem definição. Em novembro de 2012, a Organização das Nações Unidas (ONU) elevou o status da Palestina de “entidade” para “Estado observador não-membro” – medida que teve amplo apoio dos membros da organização, mas sofreu forte oposição dos Estados Unidos e de Israel. Os dois países defendem que a criação do Estado palestino só pode ocorrer mediante um acordo com os israelenses.

com Jornal do Brasil

Recomendados para você

Comentários

  1. Altair Ahad Postado em 07/May/2013 às 01:34

    o Google está correto! Palestina livre!

  2. Edson Postado em 07/May/2013 às 08:30

    E eu que achava que o Google era reaça...

  3. RODRIGO GONÇALVES DE SOUZA Postado em 07/May/2013 às 10:53

    A lógica dos governos de Israel é ilógica. Qualquer reconhecimento da Palestina por parte dos outros ameaça que eles reconheçam. Contudo, não dão um passo no sentido de reconhecer, antes, solapam mais e mais casas e comunidades rurais para seus assentamentos e projetos econômicos.

  4. Jéssica Postado em 07/May/2013 às 10:56

    E eu que achava que o Google era reaça…[2] Surpresaboa!! Hahaha

  5. luiggi Postado em 07/May/2013 às 10:59

    Parabéns ao Google. Os Palestinos tem direito ao território que sempre foi seu e de viver em paz também, sem os campos de concentração que Israel construiu para calá-los e contê-los.

  6. Igor Postado em 07/May/2013 às 11:15

    Parabéns ao Google! Espero que mantenha sua posição e não volte atrás!!

  7. Lee Postado em 07/May/2013 às 17:00

    Parabéns ao Google e foda-se Israel!

  8. Conrado Postado em 07/May/2013 às 20:38

    "Pode ameaçar a paz" Olha a falta de vergonha na cara desses caras...

  9. luiz carlos ubaldo gonçalves Postado em 08/May/2013 às 10:14

    Viva o povo Palestino tão sofrido e que não se curva diante dos assassinos de israel!

  10. Julio Alan Postado em 09/May/2013 às 19:24

    "... o vice-ministro das Relações Exteriores de Israel, Ze’ev Elkin, afirmou que a medida pode minar os esforços para a paz na região." Na cabeça dele, "paz" é a aceitação dos palestinos da escravidão que sofrem.