Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Direita 29/Apr/2013 às 23:42
10
Comentários

Nordestino agredido por neonazistas revela: 'se fosse à noite, estaria morto'

‘Se fosse à noite, estaria morto’, diz nordestino agredido por neonazistas. Ele teme uma possível vingança de amigos dos presos

O nordestino de 33 anos agredido por um grupo neonazista, em Niterói, na Região Metropolitana do Rio, na sábado (27), diz que está com medo de sofrer novas agressões e teme virar alvo fácil nas mãos dos amigos de um dos integrantes do grupo, preso pouco depois das agressões. Ele acha que os amigos de Thiago Borges Pita vão querer vingá-lo e ele teme morrer.

“Estou com medo de sair às ruas. Fui agredido (no sábado), do nada, quando estava olhando uma banca de jornais, na Praça Arariboia, em Niterói. Não percebi a aproximação deles, que gritaram ‘nordestino de merda’, me deram um soco e fizeram uma saudação nazista. Isso, às 10h, na frente de todo mundo, quando havia uma umas oito pessoas na banca. Se fosse à noite, eles poderiam ter me sequestrado, torturado e matado. Só não foram adiante porque as pessoas começaram a gritar, chamando atenção dos guardas municipais, que fecharam o carro deles para que eles não fugissem. Foi tudo muito rápido”, relembrou a vítima.

Ele conta que, por causa do alarme das pessoas, levou apenas um soco, que acabou quebrando os óculos escuros que usava, mas que não chegou a se ferir. A vítima conta que foi reconhecido por Thiago, que, como ele, é morador de São Gonçalo, também Região Metropolitana do Rio.

neonazistas nordestino niterói

Neonazistas foram detidos neste sábado em Niterói (Foto: Ana Paula Santos / TV Globo)

“Eles estão presos, mas nem por isso estou mais tranquilo. O grupo é grande, tem mais gente em São Gonçalo, em Niterói e no Rio. Deve ter mais uns 18 deles em São Gonçalo e agem há muito tempo. Há uns três anos uma menina foi agredida na Praça Zé Garoto. E em 2010, eles espancaram até a morte o adolescente de 14 anos (Alexandre Thomé Ivo Rajão). Alguns foram presos, mas outros continuam aí agredindo as pessoas”, afirmou o jovem nascido em Natal, no Rio Grande do Norte.

Leia também

Para sua proteção, a vítima diz que vai mudar seus hábitos. Admirador de jazz, ska e outros tipos de música negra e frequentador de bares que tocam essas músicas na Lapa, no Centro do Rio, ele diz que vai buscar novos lugares para se divertir.

“Esses neonazistas são pessoas de classe média, que frequentam bons lugares. Agora, não vou andar mais sozinho e vou frequentar lugares mais populares, mais povão. Vou deixar de frequentar a Lapa, onde sempre tem alguns deles rondando e vou ficar de pé atrás. Não quero arriscar minha segurança, minha vida. Eles são perigosos e podem matar”, disse o agredido.

No sábado (27), segundo um guarda municipal, após impedirem que o rapaz continuasse a ser agredido, testemunhas acusaram o grupo neonazista detido de outras agressões em Niterói.

Crime de racismo e apologia ao nazismo

De acordo com a delegada adjunta da 77ª DP (Icaraí), Helen Sardenberg, que registrou o caso, os presos Thiago Borges Pita, 28 anos, Carlos Luiz Bastos Neto, de 33, Caio Souza Prado, 23, Davi Ribeiro Morais, 39, e Philipe Ferreira Ferro Lima, 21, vão responder pelos crimes de intolerância de cor, raça, etnia, religião e origem; fabricação, comercialização ou veiculação de símbolos, ornamentos, distintivos ou propaganda que utilizem a cruz suástica ou a gamada para fins de divulgação do nazismo; lesão corporal; formação de quadrilha; e corrupção de menores. Segundo a delegada, a junção de todos os crimes os torna inafiançáveis.

O crime ocorreu na Praça Araribóia, nas proximidades da estação das barcas, uma das regiões mais movimentadas do município fluminense. O grupo neonazista foi preso por guardas municipais, que foram chamados por pedestres quando viram o grupo indo em direção à vítima com facas e um taco de beisebol. Uma multidão se formou em volta dos jovens para impedir que a agressão continuasse. A delegada que registrou o caso, informou que os jovens vestiam camisas com inscrições de um grupo neonazista e tinham tatuagens com o símbolo da suástica.

“Só não espancaram a vítima por que era de dia. A população agiu rapidamente chamando a guarda municipal”, disse a delegada.

Alba Valéria, G1-RJ

Recomendados para você

Comentários

  1. Fabiano Postado em 30/Apr/2013 às 00:38

    o

  2. Fabiano Postado em 30/Apr/2013 às 00:41

    o que mais me espanta é que pelo menos 3 deles parecem ser bem morenos, quer dizer, mistura de etnias... isso é muita burrice...

  3. Marcelo Postado em 30/Apr/2013 às 00:46

    Agora quero ver o quanto Neonazistas eles são na cadeia. Vão virar todos bonecas

  4. Vinícius Postado em 30/Apr/2013 às 02:06

    As pessoas formam esses tipos de grupos pra que? Busca de identidade? Afirmação de alguma coisa? Falta de ocupação, como trabalho e estudo? Qual a razão pra esse tipo de retrocesso? E outra... ter pele clara não quer dizer nada. É totalmente possível ter ascendência de negro e índio por exemplo e nem saber disso. Nascer com pele clara é mera ''roleta russa'', tendo em vista a forma como o povo brasileiro se deu. Enfim.. só lamento ter que ler esse tipo de coisa.

  5. Everton Postado em 30/Apr/2013 às 09:55

    neonazismo tupiniquim?! desse bando de mestiços acima do peso? tem 1 branco magro e 1 gordo (ambos de cabelos pretos!) que poderiam se candidatar à juventude nazista depois de um água oxigenada nos pelos! são ridículos! o melhor é colocar eles separados, cada um em uma cela, cheia de negros nordestinos! vamos ver quais são os argumentos que eles vão usar para defender a pureza de suas raças (?!). gente muito burra, sem noção...

  6. Vitor Postado em 30/Apr/2013 às 13:04

    Me assustei foi com o tamanho do policial na direita oO

  7. Thiago Teixeira Postado em 30/Apr/2013 às 17:45

    P/ Vitor, em 30 de abril de 2013 às 13:04 disse: Cassete!!!!!!! kkkkkkkkkkkkkkkkkk Se fosse ditador condenaria cada um desses Neonazistas e levar só um pé-do-ouvido desse policial.

  8. Luciano Postado em 01/Nov/2013 às 18:40

    Tomar vergonha na cara, cuidar da própria vida que é bom nada, ficam enchendo o saco e espancando pessoas nas ruas, e o cidadão agredido tem que escolher a dedo os lugares que vai frequentar abrindo mão do seu direito de ir e vir. Era só o que faltava, neonazismo no Rio de janeiro uma cidade solar com um povo maravilhoso e de bem com a vida, O Rio de janeiro não merece ser invadido por essa porcaria, parabens aos guardas que efetuaram a prisão.

  9. eu daqui Postado em 27/May/2014 às 11:35

    Nunca vi um neonazi ao menos remediado. Todos proleta e suburbanos. Onde está a injustiça mesmo?