Redação Pragmatismo
Compartilhar
Aborto 04/Apr/2013 às 14:40
6
Comentários

Mãe de Feliciano conta como praticava abortos clandestinos nos anos 70

À espera de perdão: Mãe do pastor Marco Feliciano relata como praticava abortos clandestinos no interior de SP, nos anos 70

Lúcia Maria Feliciano era uma doméstica de 20 anos, mãe solteira de um filho pequeno, e, segundo seu relato, realizava nos anos 70 abortos em mulheres mais novas em Orlândia (a 365 km de São Paulo).

Na época, mães levavam as filhas grávidas, a maioria adolescentes de 15 ou 16 anos, até sua casa, conta Lúcia, hoje com 59 anos e moradora da mesma cidade.

Seu passado de 40 anos atrás foi trazido a público pelo filho, o deputado Marco Feliciano (PSC-SP), atual presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara.

marco feliciano mãe aborto

Pator Marco Feliciano revelou que é contra o aborto porque mãe era dona de clínica clandestina (Foto: Agência Câmara)

Criticado por declarações consideradas racistas e homofóbicas, o pastor Feliciano contou que a mãe tinha uma pequena clínica de abortos. “Eu vi fetos serem arrancados de dentro de mulheres.” O pastor é contra a interrupção da gravidez até mesmo de vítimas de estupro, como permite a lei.

Lúcia disse que o filho jamais viu um aborto feito por ela. Na época em que ela diz ter recebido as adolescentes, Feliciano era um recém-nascido.

Ela afirma que só atendeu casos de gravidez inicial, com 15 ou 20 dias de gestação. “Não tinha nada [de fetos].”

Longe de um ambiente esterilizado, como o de um hospital, a gravidez era interrompida com a ajuda de uma sonda, introduzida até o útero, e de uma mistura de pinga com arruda dada às jovens.

Em sua casa, em Orlândia, Lúcia em vários momentos interrompeu a entrevista para se dizer arrependida e que espera “o perdão de Deus”. Hoje ela é evangélica. Não permitiu que fosse fotografada nem falou sobre as polêmicas atuais do filho.

Leia também

Antes de ficar grávida de Feliciano, seu único filho, Lúcia afirma ter se submetido a um aborto, aos 17 anos.

Ela estava com dois meses de gestação quando decidiu procurar “essas benzedeiras antigas”. Essa mulher, conta, lhe ensinou como interromper a gestação com uso de uma sonda, mais fina do que uma caneta, que era introduzida pela vagina até o útero.

Também tomou um “queimado”, como chama a bebida de pinga e folhas de arruda.

Lúcia começou ajudar outras mulheres a praticar abortos após ter sido procurada por mães de adolescentes grávidas, conforme relata. Diz ter interrompido a gestação de cinco ou seis jovens.

O aborto, que não era cobrado, segundo ela, demorava cerca de meia hora e não teria resultado em nenhuma complicação às jovens.

“Achei que estava ajudando alguém, mas estava é destruindo uma vida”, disse.

O filho só soube dos abortos, conta a aposentada, quando ele tinha dez anos. Quando perguntada se entende como é a realidade do aborto hoje no Brasil, Lúcia volta a dizer ser contra o ato.

“Não peço perdão a você ou ao Marquinho [como chama o filho], peço perdão a Deus e espero que ele me perdoe pelo o que eu fiz.”

Segundo estimativa de organizações feministas, são realizados anualmente cerca de 1 milhão de abortos clandestinos no país, que resultam na morte de duas centenas de mulheres, em média.

Pela lei atual, o aborto só é permitido no Brasil em casos de estupro ou de risco para a vida da mãe.

Juliana Coissi, jornal Folha de S.Paulo

Recomendados para você

Comentários

  1. anônimo Postado em 04/Apr/2013 às 15:09

    podia ter abortado o feliciano. :/

  2. Oscar Postado em 05/Apr/2013 às 20:12

    "Antes de ficar grávida de Feliciano, seu único filho, Lúcia afirma ter se submetido a um aborto, aos 17 anos." Aposto que essa coitada deve se arrepender amargamente de não haver abortado essa aberração que está aí, vomitando asneiras por todos os poros!

  3. Oscar Postado em 05/Apr/2013 às 20:19

    Xiiii, prestem atenção no "anelzinho" que a moçoila usa na mão esquerda!

  4. APARECIDA DA SILVA Postado em 19/Apr/2013 às 09:29

    Vejam só, a posição dele, que altivez, parece se achar o maior de todos,se assim se sentir, ele tem toda a razão, maior na falta de amor,falta de sabedoria Divina, falta de discernimento e de postura de um ser humano q se diz ser servo de Deus, vamos pedir a Deus por ele, p/ q tenha humildade e respeito em geral, ele receberá de Deus a recompensa que couber a ele, pois colhemos aquilo q plantamos( sabe o que me vem à ideia?) se nós causamos dissabores e raiva nas pessoas é porque estamos do lado do incardido) o inimigo de Deus, estamos sendo usados por ele( somos secretário dele) imagine a alegria desse tal, por estar colaborando com toda essas polêmicas. Senhor me perdoe, e a ele também, ele está cego em suas convicções.

  5. Homo Sacer Postado em 19/Apr/2013 às 13:55

    Sinceramente, me parece que o site pode evitar utilizar as mesmas falácias argumentativas dos adversários evangélicos para sustentar sua posição. O que tenha feito a mãe de Feliciano não é da incumbência dele. De certo que nenhum progressista que acesse este site julgará que um cidadão filho de um ladrão deverá ser olhado com desconfiança em função da sua ascendência biológica. Reitero, não há nada que afete Feliciano aqui. O nosso esforço deveria ser para trazer o debate para o lado da racionalidade, e não partir para maquiavelismos do tipo "o fim justifica os meios".

  6. Sergio Postado em 01/May/2013 às 05:31

    Concordo com vc Homo Sacer, Mas, esse individuo que se julga ser um SER SUPERIOR e possuir Á SABEDORIA DIVINA e UNIVERSAL, deveria ser mais humilde e não atropelas aquilo que prega em seus cultos, e querendo fazer do palanque politico algo religioso. Se sua doutrina religiosa não permite união entre pessoas do mesmo sexo, que isso fique dentro de suas igrejas. Nao se deve misturar coisas distintas. Se diz ser uma pessoa esclarecida. Mas, vai contra o seus ensinamentos teológicos (se é que tem) onde diz que NINGUÉM TEM PODER DE JULGAR (a menos que seja Deus - não to bem certo mas, acho que Feliciano ainda não é Deus) e, também que todas as pessoas tem livre arbítrio. Se ele é contra algo, basta não praticar. Mas, ele não tem o poder de impedir que outra pessoas o façam. Pessoas essas: maiores de idade, intruidas, esclarecidas. Se a homossexualidade o afeta tanto (dá a impressão que tem algo não resolvido internamente). Que vá fazer terapia/analises. Mas, não queria espalhar a discórdia entre as pessoas por algo que de alguma maneira o afeta. RESPEITE PARA SER RESPEITADO. Pois homossexuais antes de serem cristão ou não, são seres humanos e MERECE RESPEITO. Muitas pessoas no mundo já morreram em nome de Deus.(judeus, índios, incas, maias.. basta olhar á historia) E todas as pessoas que usaram dessa pratica. Só queria uma unica coisa.. P O D E R. Claro, o passado de sua mãe, mada tem haver com ele. Mas, tendo teto de vidro. Nao se joga pedras para o alto.