Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Direita 27/Sep/2012 às 22:00
14
Comentários

Líder de direita reclama de "racismo contra brancos"

A polêmica frase do líder direitista provocou a ira de diversas correntes políticas do país, inclusive da extrema-direita, que o acusou de “cinismo” para ganhar adeptos entre os próprios extremistas conservadores

direita frança racismo brancos

No lançamento de seu livro, Copé destacou o raciscmo contra os brancos, diferentemente do que é defendido por seu partido.

O secretário-geral da UMP (União Por um Movimento Popular), Jean-François Copé, líder do maior partido de oposição da França e braço-direito do ex-presidente Nicolas Sarkozy, afirmou nesta quarta-feira (26/09), que existe “racismo contra os brancos” em seu país.

“Devemos combater o racismo de maneira implacável. Eu mesmo sempre me coloquei na luta contra toda forma de xenofobia, islamofobia, homofobia, anitssemitismo, de todas as formas de racismo. Mas penso que existe um racismo de que não se fala, e que é um grande sofrimento para muitos de nossos compatriotas, cuja pele é branca e que se sentem apontados com o dedo”, disse o deputado aos jornalistas, ao falar de seu livro, no qual afirma querer quebrar um tabu.

A polêmica frase, que foi dita durante lançamento do livro “Manifeste pour une Droite Décomplexée” (Manifesto por uma Direita Descomplexada), da Editora Fayard, provocou a ira de diversas correntes políticas do país, inclusive da extrema-direita, que o acusou de “cinismo”.

Leia também

Perguntado se suas frases não refletiriam um desejo de ganhar adeptos entre a extrema-direita, Copé disse que não havia qualquer relação, e que nenhum homem ou partido é “dono de palavras nem de ideias”. “Não vou me desculpar por dizer uma realidade”.

“Nós nos opomos e sempre nos oporemos à uma alainça eleitoral com a Frente Nacional. No entanto, isso não nos impedirá de tratar temas que envolvem, indignam, exasperam e inquietam os franceses”, disse ele no lançamento.

Copé, deputado federal e atual prefeito da luxuosa cidade de Meaux, nos arredores de Paris, disputa a presidência da direita francesa com o ex-primeiro-ministro François Fillon, de perfil mais moderado. É considerado um dos principais aliados do ex-presidente François Sarkozy, cujo grupo político luta por sua eleição, que ocorrerá no dia 18 de novembro. Segundo todas as pesquisas realizadas entre franceses que se dizem simpatizantes do partido ou da direita, Fillon venceria com mais do dobro de votos.

“Gauleses”

“Um racismo anti-brancos se desenvolveu em bairros de nossas cidades onde algumas pessoas – algumas delas com nacionalidade francesa – desprezam os franceses classificados de ‘gauleses’, sob o pretexto que não serem da mesma região, não possuírem a mesma cor de pele nem as mesmas origens”, diz Copé em seu livro.

“Esses fenômenos são impossíveis de serem vistos de dentro de Paris, nas esferas midiáticas e política onde a maioria dos dirigentes é de origem francesa, brancos de pele, filhos de pais franceses. Nesse microcosmo, a falta de diversidade limita a presença de pessoas de cor ou de origem estrangeira. (…) Mas temos de ver a realidade: em muitos bairros, essa situação ocorre ao inverso”.

Repercussões

O termo “racismo anti-brancos”, dito literalmente dessa forma, faz parte há anos dos programas eleitorais da Frente Nacional, principal partido de extrema-direita do país, e nos discursos de sua líder, Marine Le Pen.

Em comunicado, Marine acusou Copé de cinismo: “Durante cinco anos, a UMP e Copé negaram totalmente a existência desse racismo, uivando com os lobos contra a Frente Nacional, que, isolada, teve a coragem de denunciar e reclamar que estas pessoas são perseguidas. O cinismo desse homem não tem limites e, em matéria de mudanças de opinião por motivos eleitorais, ele aprendeu muito bem com Nicolas Sarkozy”.

Seu adversário na disputa pela Presidência do partido, François Fillon, não se disse surpreso, mas defendeu o colega do partido. “Ele descreveu uma situação real, não tenho problemas com isso. (…) É verdade que em esses fenômenos evocados por Copé em seu livro ocorrem em muitos bairros nos últimos anos. Mas esses comportamentos devem ser combatidos coma mesma determinação que todas as outras formas de racismo”. No entanto, Fillon disse que prefere “dar respostas a simplesmente denunciar” esse comportamento.

Já o Partido Socialista, que venceu a UMP nas últimas eleições presidenciais e legislativas, denunciou as propostas do adversário como “muito graves”.

“É muito grave reproduzir essas palavras em determinados contextos quando se é um líder político”, disse Anne Hidalgo, vice-prefeita de Paris à TV5 mundo. O líder do PS (Partido Socialista) no Senado, François Rebsamen, disse estar surpreso como fato do líder da UMP se u8tilizar de tal artifício, o que ele considerou como uma “derrapagem”. “Essas propostas que procuram insuflar os antagonismos tem um objetivo individual, diretamente ligado à eleição interna da UMP”, disse.

As reações reticentes na direita e na centro-esquerda não foram seguidas por Jean-Luc Mélenchon, líder do PG (Partido de Esquerda): “Esse homem é um reacionário! Demonstra uma mudança da mentalidade à direita em que não devemos nos repugnar em responder de tão estúpidos que são esses argumentos, nascidos na extrema-direita. (…) Copé é muito perigoso, um cara desses no comando da direita seria garantia de um incêndio!”, protestou Jean-Luc Mélénchon, principal adversário político da extrema-direita e quarto colocado na última eleição presidencial.

Opera Mundi

Recomendados para você

Comentários

  1. Realismo Postado em 01/Oct/2012 às 17:13

    Parece brincadeira o que ele diz, mas também existe racismo contra brancos. Aqui mesmo no Brasil, a primeira coisa que as pessoas pensam ao ver pernas brancas é "que coisa feia, toda branquela." Ou: "Essa pessoa deve ser doente, é tão pálida. Parece que vive em casa, não se expõe ao sol".

  2. Luiza Postado em 01/Nov/2012 às 12:26

    Tenho a pele muito clara e não é raro escutar alguém me chamar de "branquela azeda", ou desbotada. Usar roupas que mostrem as pernas, nem se fale. Muitas pessoas dizem que os brancos são "transparentes" e, independente da história do país, que valoriza o branco, ofende ser tachada, assim como se ofendem os negros, os índios, os japoneses... Não é cinismo afirmar que existe racismo anti-branco: somos todos seres humanos e,como tal, temos sentimentos.

    • Luciano Postado em 21/Oct/2013 às 22:51

      Não ligue para isso, você é linda do jeito que è.

  3. Carol Postado em 15/Nov/2012 às 12:59

    Podem até achar que é 'cinismo', mais só quem passa por este fato sabe como é. Usar shorts e saia?! Penso duas vezes antes. Ir a praia então, é uma barreira, pois muitos fazem a tipica brincadeira de falar que estamos 'dando ar' em seus rostos. Como já dizia Bob Marley... "Enquanto a cor da pele for mais importante que o brilho dos olhos, haverá guerra." Isto vale também pra qualquer tipo de preconceito.

  4. Chris Postado em 06/Dec/2012 às 21:40

    Até entendo o comentário das moças que reclamaram de algumas situações específicas, mas chamar isso de racismo contra brancos já é demais, será que algum segurança de loja já revistou ma delas pelo simples fato de elas terem a pele branca? Será que já foram barradas em alguma entrevista de empregos por não estarem de acordo com a "boa aparência" exigida por algumas empresas? Será que já foram segregadas em algum restaurante de elite por serem brancas? Será que realmente já foram vítimas de racismo? Ou foram vítimas "apenas" (não estou minimizando reparem nas aspas) da futilidade imposta pela mídia que valoriza o visual praia/academia? Racismo é bem mais do que isso!

  5. Carlos Postado em 09/Dec/2012 às 01:24

    Existe uma crescente cultura de racismo contra brancos sim que é alimentada pela extrema esquerda em diversos países sob o pretexto de estar querendo quebrar preconceitos contra minorias.

  6. Homem-Man Postado em 17/Dec/2012 às 17:50

    Chris, você tem razão. Mas a reação do pessoal é de sempre ver o que está ao seu alcance. Realmente o racismo contra brancos é uma ilusão fútil de quem só vive de moda e mídia. Os não-brancos apanham e morrem todos os dias nas mãos do Estado e da sociedade civil. Mas nada de extremismos. Brancos, negros, amarelos, vermelhos e mestiços são todos iguais.

  7. Felipe Silva Postado em 07/Jan/2013 às 15:32

    Concordo com Chris em todas as palavras, e que esse ataque que vocês sofrem/sofreram, que não menosprezo e tão agressor a nossa sociedade(que de extrema importância a nossas crianças) mas não mais que o pior racismo existe, o disfarçado. Esses ataques midiáticos não mais do que o mais puro esteriótipo digerido e imposto a gente.

  8. Bahia Postado em 13/Feb/2013 às 11:39

    Sou de Salvador/Bahia, cidade mais negra do país. Aqui os negros são maioria e os brancos, muitas vezes, sofrem racismo pesado dos negros. Muitas vezes os brancos são ironizados sendo chamandos de "branquelo otário, Parmalat, queijo coalho, etc.. muitas vezes até agressão física. Muitos movimentos negros aqui são ligados à politica e suas campanhas bem racistas, como uma ex-vereadora em que o slogan é "vote na negona". Branco sofre na Bahia, se vacilar, apanha.

    • Edcarlos Postado em 01/Oct/2014 às 05:23

      Kkkkkkkkkkkkkkk Você deve ser louco ou conhece a Bahia apenas pela tv meu caro, também sou de Salvador e você tem razão quando diz que por aqui negros são maioria, mas no quesito discriminação o negro aqui sofre o mesmo que o negro paulista, carioca ou de qualquer lugar. Morava em pernambues, um bairro de maioria negra, tinha amigos brancos e negros, e nunca vi branco nenhum ameaçado por causa de sua cor, nunca vi ser seguido no shoping por ser branco, nunca vi ser reprovado numa entrevista de emprego por ter as pernas demasiadamente branca, nunca vi ninguém apanhar da polícia na frente de seus pais por ser branco e nem ouvir de sua professora aos doze anos de idade, que mesmo estudando vocês não iriam passar de garis, porque não terem o sangue azul. Pois é amigo, eu passei por tudo isso morando aqui na Bahia.

  9. Neto Postado em 13/Apr/2013 às 23:54

    Mais uma vez este site, que prefere a ideologia à realidade, nos mostra uma matéria tendenciosa. Negando os fatos, manipulando as informações e sobrepondo seu viés político ao dever de informar, apresenta um texto deplorável - como é de costume seu -, chegando ao ponto de não contradizer o senhor Jean-François Copé por meio de argumentos, mas, sim, promovendo contra ele uma espécie de "vaia". Como exemplo de racismo contra brancos, envio-lhes o seguinte link: http://www.youtube.com/watch?v=lZOavU3RSiU No link aqui postado, vemos que uma branca, pela simples razão da cor de sua pele, é agredida covardemente por negros. Ora, isto não é racismo? Sendo assim, proponho aos senhores - contribuintes do site - que se alfabetizem (para terem condições de produzir melhores textos) e se internem num hospital psiquiátrico. Depois desse longo processo, talvez vocês possam adquirir saúde mental, o que talvez lhes possibilite, com não pouco esforço, uma certa honestidade de intelecto.

  10. leonardo Postado em 17/Aug/2013 às 11:06

    acredito que os negros enxergam os brancos como uma espécie de inimigos para eles, é muito fácil xingar uma pessoa, uma vez que todo mundo tem preconceito de alguma coisa, eles sabem que sairão impunes ao praticar o racismo anti branco, e utilizam da estratégia de que ao agredir ou humilhar um branco, a vítima muito possivelmente irá soltar uma palavra pejorativa, sendo que qualquer coisa o agressor irá interpretar como racismo e utilizará uma ação penal contra o branco. Não sei como funciona a nossa lei quando é o agressor que provoca o racismo. Provavelmente se o juiz for negro e se no juri popular tiver bastante negro irá ser muito difícil a vítima da agressão ser absolvida.

  11. eu daqui Postado em 24/Feb/2014 às 15:44

    Branco não é alvo de racismo e sim de invejismo mesmo.

  12. Wilson Postado em 01/May/2014 às 21:41

    O que as pessoas querem não é racismo, é guerra, esse povo tolo que são os racistas, só querem motivo de briga, só querem ter orgulho de algo totalmente ilógico, a cor de uma pessoa é como as barbatanas ou as asas de um animal, é somente um fator de ambiente. Eu acho que ninguém devia ter orgulho de algo a ponto de querer desprezar outra coisa, não só em racismo, mas também em rir quando se fala que falta água na caatinga e muitas outras coisas. Todos contra a violência o/