Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Direita 10/Jul/2012 às 18:32
13
Comentários

'Nova direita' sofre de envelhecimento relâmpago e faz apologia ao golpismo

“Pensadores” como Reinaldo Azevedo (revista Veja), o astrólogo Olavo de Carvalho e o Filósofo Luiz Felipe Pondé (Folha) arrebanham seguidores para suas teses contra políticas sociais, ou a favor do ‘anti-esquerdismo’. Agora com a companhia do Senador Álvaro Dias (PSDB), eles recuperam um antigo vício da direita brasileira: o apoio a golpes na América Latina

álvaro dias direita golpe paraguai

Álvaro Dias (foto) se junta à Reinaldo Azevedo, Olavo de Carvalho e Luiz Felipe Pondé. Foto: Arquivo

Há seis anos, o jornal Folha de S. Paulo publicou uma reportagem na qual mostrava a curva ascendente da chamada “nova direita” sobre o pensamento brasileiro. As palavras iniciais do texto, intitulado “Direita, volver!”, foram felizes ao resumir o zeitgeist daquele início de 2006 no Brasil:

“De repente passou a ser bacana o sujeito, numa festa ou numa mesa de bar, rodopiar a taça de vinho e desfilar frases do tipo ‘essa canalha bolchevique do PT não sabe nem falar português’, seguidas de elogios à atuação de George W. Bush no Iraque ou de incursões ‘teóricas’ das quais a principal lição a ser retirada é que só é pobre quem quer.”

O clima cultural favorecia esse grupo, logo apelidado de “nova direita” na própria matéria da Folha. Dele faziam parte o blogueiro da revista Veja, Reinaldo Azevedo; o astrólogo (autointitulado filósofo) Olavo de Carvalho; o poeta e jornalista Nelson Ascher, entre outros.

De lá para cá, passaram-se mais de seis anos. Alguns nomes de maior ou menor qualidade poderiam ser acrescentados à lista, como o filósofo Luiz Felipe Pondé, o jornalista Augusto Nunes e alguns políticos que, antes envergonhados do rótulo, hoje não se esquivam em reivindicar-se “de direita”.

Leia mais

Não que isso seja necessariamente ruim, pelo contrário. O que impressiona é como o “novo” rapidamente se tornou “velho”. Não foi necessária mais do que uma dezena de anos para logo essa “direita” confundir-se com o retrógrado, com a defesa de golpes, com o anti-reformismo, com o flerte perigoso com tendências chauvinistas, com o desprezo a minorias, com a religião “anti-politicamente-correta”, com as teorias conspiratórias e, nos casos extremos, até com opiniões grotescamente folclóricas

E logo a “nova” direita se tornou tão velha quanto a esquerda pueril que ela tanto criticava e que reduzia realidades complexas a uma mera equação da luta de classes, da luta do bem contra o mal. Surgiram pensadores inteligentes e perspicazes nesse campo, gente como os economistas reformistas Paulo Rabello de Castro ou José Alexandre Scheinkman, mas eram apenas exceções a confirmar a regra.

O astrólogo e “filósofo” Olavo de Carvalho é um dos mais “adorados” pelos “novos” direitistas – não poucos, de fato, são novos cronologicamente falando. A turma de adoradores acompanha tudo o que Carvalho diz nas redes sociais. Dos Estados Unidos, onde mora atualmente, o astrólogo defende teses campeãs como a de que a multinacional Pepsi-Cola seria um dos instrumentos usados pelos defensores do aborto. “Tome Pepsi-Cola e se torne um abortista terceirizado”, diz o pensador da “nova-velha” direita brasileira, para quem a fabricante de bebidas está usando “células de fetos abortados como adoçante nos refrigerantes”.

Outra arma da “nova-velha” direita é ser contra qualquer tipo de política afirmativa. Se alguém defende cotas para mulheres nos partidos políticos, ela contra-argumenta ameaçando o indefeso interlocutor: “Daqui a pouco vão defender cota para gordos, para canhotos, para “loiras-burras”, para “ex-BBBs”… A “nova-velha” direita também não gosta muito de políticas de transferência de rendas (também afirmativas, pois focalizadas) como o Bolsa Família, pois “estimuladoras da preguiça e da acomodação” – ok, alguns argumentos são mais sofisticados, mas na prática se reduzem a isso. Inútil lembrá-la que essas políticas foram defendidas pelos liberais de Chicago, ainda nos anos 1980, como uma forma de compensar os mais pobres pelos desvios da política chamada neoliberal.

Na economia, por sinal, a “nova-velha” direita nunca foi tão velha, com o problema de, agora, abusar da repetição de clichês e bordões. No ano passado, por exemplo, quando o Banco Central reduziu a taxa básica de juros (Selic), o coro da “nova-velha” direita ganhou novas vozes, como a do jornalista Carlos Alberto Sardenberg ou a do economista e articulista de Veja Maílson da Nóbrega. Aos juros menores, eles brandiam o argumento de que a inflação voltaria. À manutenção da inflação sob controle nos meses seguintes, silêncio.

Em 2009, na gênese da crise mundial que dura até hoje, o governo Lula decidiu usar os bancos públicos – Caixa e Banco do Brasil – para forçar a concorrência a reduzir as taxas na ponta. A “nova-velha” direita voltou-se contra a medida, sob o argumento de que a contabilidade das duas instituições não teria como sustentar a intervenção política de Lula. Na época – como agora -, a chamada “intervenção” realmente levou os juros bancários para baixo – inclusive entre os bancos privados. No fim daquele ano, os balanços do BB e da Caixa ficaram no azul, com recorde de lucro. A “nova-velha” direita silenciou novamente…

A última da “nova-velha” direita brasileira é aplaudir golpes em países latino-americanos. À guisa de não repetirem antigos chavões de pouca credibilidade atual, seus representantes inauguraram novas modalidades golpistas. Em Honduras, ainda que a prisão do então presidente Manuel Zelaya, em 2009, tenha sido classificada como “golpe” pela ONU, para a “nova-velha” direita brasileira não foi mais do que o cumprimento de uma decisão do Poder Judiciário. No Paraguai, teria sido legítimo o impeachment de Fernando Lugo pelo simples fato de ter sido obra do Congresso – transformaram um instrumento democrático legítimo (o impeachment) em fetiche.

Leia também

Não deixa de ser ridículo – para não dizer vexatório – assistir a um senador da República, de passado contrário ao regime militar no Brasil, como é o caso do senador tucano Álvaro Dias, postar-se como maior defensor mundial do golpe à paraguaia. “Lugo teve oportunidade de defesa”, disse o senador, referindo-se às 18 horas concedidas a um presidente eleito para defender-se das acusações. Levantou a bola para seu rival, ex-companheiro de MDB nos tempos da ditadura militar e também senador pelo Paraná, o polêmico Roberto Requião: “Num processo de multa de trânsito, o cidadão paraguaio tem dez dias para apresentar sua defesa e mais cinco para um recurso”.

Heberth Xavier, Brasil 247

Recomendados para você

Comentários

  1. Beto Postado em 10/Jul/2012 às 20:31

    De novo esse senador de peito raspado "enrustido" vem encher o saco e defender os golpes nos paises latinos.

  2. Marcel Postado em 10/Jul/2012 às 21:45

    Texto retirado de outro blog Deve ser votada hoje pelo Senado, em segundo turno, a PEC obrigando as empresas de comunicação a contratar somente jornalistas com diploma. A exigência havia caído – em boa hora – há três anos quando o STF decidiu sobre sua falta de necessidade. O lobby dos sindicatos atuou e conseguiu que o senador sergipano Antonio Carlos Valadares apresentasse um projeto para a volta da obrigatoriedade do diploma para exercer o jornalismo. Nos EUA e na Inglaterra, os dois países que possuem os mais respeitados veículos de comunicação do mundo, não se exige diploma. Na França, também não. Já a Síria, Equador e Tunísia, exigem. Embora muitos não tenham percebido, na primeira tentativa de controlar quem deveria escrever em jornais, e sob a fiscalização da Fenaj (dominada pelo petismo), ainda germinavam as ditaduras de esquerda na América Latina. Hoje sabemos a “paz” que os jornalistas encontram nos países vizinhos já dominados pelo bolivarianismo. Mas nestes anos que me aventurei neste meio, passei a ter diversos amigos jornalistas diplomados, e boa parte deles defendem a exigência do diploma – fora os que militam no petismo e que consideram o controle da mídia aos moldes ‘chavistas’ essencial para a causa – mesmo que não saibam que causa é essa, alguns defendem a exigência do diploma por corporativismo ou por receio de perderem a importância, sem se atentarem para o fato de que o exercício da profissão por si só, é vital para um país democrático. Acho mesmo que o jornalista não tem noção da importância que tem e por isso quer que ela seja estabelecida em lei. Para esses, recomendo uma reflexão sobre o último parágrafo do texto do Lauro Jardim. Lembrando que os mesmos que defendem a exigência do diploma e com ela o controle da imprensa, são os que aplaudem a ‘democracia’ venezuelana, equatoriana e argentina, com fechamentos de veículos de comunicação, prisões de jornalistas, multas extorsivas e inviabilizadoras ou o controle da venda do papel jornal.

  3. marcilio leão Postado em 20/Oct/2012 às 17:17

    Realmente, esses senhores de "direita" insistem nas teses políticas que já desapareceram do mundo, quem pode hoje em dia, acreditar que a "esquerda" quer privatizar aeroportos e estradas? quem pode acreditar que os impolutos petistas estariam comprando votos parlamentares para manipular a democracia em seu proveito? quem poderia ser tão ignorante ao ponto de achar que a "esquerda" apoia o aborto a qualquer título? ou o mais fantasioso ainda, a esquerda tentaria controlar a mídia com censura via "conselho" de jornalismo?, logo eles que dominavam Pasquim, Folha, etc...só um idiota acreditaria nisso!Além disso, depois de se legitimar pela teologia da libertação, quem pode supor que eles esfaqueriam pelas costas a igreja de D. Heldér, Frei Beto, Leonardo Boff, apoiando casamento gay , células tronco embrionárias, fim do ensino religioso e retirada do símbolos do cristianismo em repartições e até espaços públicos? seria a prova cabal de que são crápulas e o que falam é mentira! marcilio leão

  4. Rafael Postado em 01/Dec/2012 às 20:03

    Por que quando a esquerda fala da direita é sempre de forma caricata? Isso é muito feio.

  5. Elke Maravilha Postado em 18/Jan/2013 às 13:41

    Essa aqui foi a maior "Realmente, esses senhores de “direita” insistem nas teses políticas que já desapareceram do mundo". Cacete... você não se enxerga mesmo não, né? Só alguém completamente fora da realidade pode falar uma coisa dessas. Já ouviu falar da queda do Muro de Berlim? Em tempo, acho o Reinaldo Azedo, o astrólogo e o filósofo ridículos.

    • marcilio leão Postado em 23/May/2014 às 13:00

      você não ja tinha morrido? ou continua falando do inferno, as mesmas imbecilidades? Que é você pra sequer emitir opinião sobre um mestre como Olavo? sua idiota!

  6. Mauro Sérgio Penedo Postado em 08/Apr/2013 às 13:33

    Pelo que pude ler nos textos desse blog, pude perceber que é de esquerda, o que já inviabiliza uma pesquisa coerente por ser tendenciosa. Durante quase vinte anos fui da esquerda, sem contudo participar ativamente dos "Movimentos Sociais" e sequer ser um militante formiguinha , mas não a ponto de ter uma mente medíocre a ponto de não observar com olhar clínico ou holístico, para ser mais correto, os defeitos e incoerências socialistas e/ou comunistas. Parece, por exemplo, que quando o assunto é mensalão todo mundo faz como o Lula: "Não ví nada, não sei de nada". Eu gostaria muito que me respondessem porque o socialismo e/ou comunismo não deu certo em nenhum lugar do planeta e, nos países onde foram implantadas, se tornaram ditaduras, como essa da Coreia do Norte que pretende bombadear a Coreia do e os Estados Unidos. Quero ressaltar que não sou de direita, pois para mim é outro grande embuste. Sou defensor, sim, de um Estado laico independente e cumpridor da Constituição Federal de 1988.

  7. marcilio leão Postado em 16/Aug/2013 às 10:44

    Porra, Elke Maravilha, você é incapaz de reconhecer uma ironia? o meu post (anti comuna), PROVA que eles fazem o oposto do que prometeram!. Reinaldo, Olavo, Roberto campos (in memorian) são intelectuais de 1ª linha, se você não gosta deles, é um direito seu, já pra dizer que eles são ridículos fica mais difícil, pois não tem como apontar o ridículo de suas teses!

  8. Tony Montana Postado em 19/Aug/2013 às 11:43

    esse marcilio leão é um dos piores fanaticos religiosos que já yive contato, ora pq não seria um reaça fanático, pois uma pessoa que acredita num astrólogo que diz que a pepsi cola usa fetos abortados como adoçante não é digno de confiança.

    • Marcilio Leão Postado em 17/Sep/2016 às 23:34

      o que disser de um sujeito babaca, que acredita num sistema globalmente falido e genocida? Tony você é um ignorante, um manipulado sem capacidade alguma de raciocinar. Não conhece e nunca leu NADA de Olavo, muito menos de Scruton ou Misses, deve conhecer muito bem os mantras alucinantes de Marilena Chauí e de intelectuais como Lula e Dilma, vai à merda seu babaca!

  9. Douglas Postado em 24/Oct/2013 às 18:01

    Ao ler um pouco sobre a vida desses seres tidos como de direita, dá para usar como simblo deles com um objeto muito conhecido, um anzol .

  10. edson Postado em 28/Nov/2013 às 00:27

    Cara sou de direita e não vou parar de tomar pepsi, não sei de onde partiu tal fonte de informação sobre a pepsi!! Quanto a velha direita é questão de ponto de vista politico! cada qual ve pelo seu angulo! Agora o senador álvaro é um centrista a meu ver, direita deveria defender o conservadorismo politico e so atuar politicamente com competência nas áreas sociais como educação, saúde, e segurança publicas, porém com uma politica economica pendendo pelo neo liberalismo! porém seriamente administrado favorecendo o empreendedorismo, incentivando a criatividade das empresas! fazendo as reformas trabalhistas e diminuindo impostos e corrupção no brasil

  11. lázaro Postado em 04/May/2014 às 00:11

    Olavo de carvalho é antes de astrólogo, ou qualquer coisa , filósofo, escritor e pessoa de sabedoria ímpar. Nos mostra a verdade, embora a maioria seja tão cega a ponto de não enxergar. Autointitulado filósofo, claro . Pois não precisou se submeter a um ensino ridículo com aquele dado no País. Se o cara é reconhecido no exterior, conseguiu um visto permanente nos USA devido a sua obra filosófica, por que ficar se submetendo a insultos ridículos como esses de vocês.