Redação Pragmatismo
Compartilhar
América Latina 13/Jul/2012 às 13:58
0
Comentários

Eduardo Galeano: Golpe no Paraguai foi muito mal disfarçado

Eduardo Galeano explica que golpes como os de Honduras e Paraguai ocorrem cada vez que há tentativas de mudar as coisas, porque mudanças são vistas como ameaças pelos donos da ordem estabelecida, que não querem que nada mude

eduardo galeano golpe paraguai

Escritor uruguaio Eduardo Galeano. Imagem: Arquivo

O escritor uruguaio Eduardo Galeano, autor de “As veias abertas da América Latina”, afirmou que o impeachment do ex-presidente paraguaio Fernando Lugo foi um golpe de Estado muito mal disfarçado.

Para ele, até a sentença que declara Lugo culpado termina evidenciando que não há provas, mas estas não são necessárias porque se trata de domínio público.

Em entrevista à revista La Garganta Poderosa, Galeano ressaltou que o Paraguai foi arrasado por crimes de independência por ser o único país de fato livre, de fato independente, que não nasceu da dívida externa como nasceram outros países da América Latina.

“Paraguai tinha uma organização interna do trabalho e dos direitos dos trabalhadores, que era inviável para o resto dos latino-americanos”.

Leia mais

No Paraguai, “não havia fome, nem analfabetismo e o que havia era um sentido de dignidade nacional. Depois da derrota, quando a Tríplice Aliança arrasou o país, perderam isso (…) os poucos sobreviventes do extermínio do Paraguai receberam o país mais heroico de todos. E os invasores (…) desenvolveram uma enorme dívida com os banqueiros que financiaram o extermínio”.

Sobre o porquê do acontecido no Paraguai agora, ele esclarece: “porque houve um governo que quis recuperar essa tradição de dignidade, que como dissemos, não estava morta. (…) Então Lugo tentou, muito timidamente, iniciar algumas mudanças para que o Paraguai voltasse a ser o país mais independente de todos, o mais justo, e isso foi um pecado imperdoável, do ponto de vista dos donos do poder”.

Na comparação entre o golpe no Paraguai e o ocorrido em Honduras em 2009, o escritor declarou que “simplesmente ocorre algo similar cada vez que há tentativas de mudar as coisas, porque isso se vive como uma ameaça sob o enfoque dos donos da ordem estabelecida, que não querem que nada mude. Eles vêem como um perigo, uma ameaça, ainda que na realidade não fosse um perigo grave, porque nem em Honduras, nem no Paraguai havia presidentes envolvidos em revoluções muito profundas. Apenas anunciaram que começavam a fazer, ou que tinham a intenção de fazer alguma reforma. Se isso bastou para derrubá-los, o que quer dizer é que é um veto, que suponho que vem de cima, que está para além dos governos, ou que há quem governe esses governos, governados do exterior e de cima. Os golpes vão se incubando aos poucos e com o apoio dos meios dominantes de comunicação”, afirmou Galeano.

Pagina/12

Recomendados para você

Comentários