Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Contra o Preconceito 06/Jun/2012 às 20:25
23
Comentários

Escola que expulsou aluna que namorava outra é processada por homofobia

Ariane Pacheco informou que decidiu recorrer à Justiça para evitar que outras pessoas sejam vítimas das torturas da escola, as quais são “dignas da Idade Média, da época da Inquisição”. O Conselho Estadual de Educação também decidiu processar a escola

homofobia escola adventista

Ata da expulsão desmente escola e diz: "postura homossexual reincidente"

Arianne Pacheco Rodrigues, 19, está acusando o Instituto Adventista Brasil Central — uma escola interna em Planalmira (GO) — de tê-la expulsado por motivo homofóbico.

Marilda Pacheco, a mãe da estudante, está processando a escola com o pedido de indenização de R$ 50 mil por danos morais. A primeira audiência na Justiça ocorreu na semana passada.

A jovem contou que a punição foi decidida por uma comissão disciplinar que analisou a troca de cartas entre ela e outra garota, sua namorada na época. Na ata da reunião da comissão consta que a causa da expulsão das duas alunas foi “postura homossexual reincidente”.

O pastor Weslei Zukowski, diretor da escola, negou ter havido homofobia e disse que a expulsão ocorreu em consequência de “intimidade sexual” (contato físico), o que, disse, é expressamente proibido pelo regulamento do estabelecimento.

Leia mais

Arianne disse que é mentira porque ela não teve com a namorada qualquer contato físico dentro da escola. Zukowski afirmou que as provas da escola estão baseadas no relato de colegas das duas expulsas.

A jovem contou que na época pediu uma nova chance para a escola, que se manteve inflexível. Abalada, ela foi morar com sua mãe em Orlando, nos Estados Unidos. Disse que não quer voltar para o Brasil.

Marilda afirmou que tentou evitar a expulsão da filha, mas ela ouviu de responsáveis pela escola que, para eles, o homossexualismo “é um crime tão sério como roubar ou matar”.

Ela informou que decidiu recorrer à Justiça para evitar que outras pessoas sejam vítimas das torturas da escola, as quais são “dignas da Idade Média, da época da Inquisição”.

Conselho vai processar escola religiosa acusada de homofobia

O CEE (Conselho Estadual de Educação) de Goiás vai abrir um processo administrativo contra o Instituto Adventista Brasil Central, que está sendo acusado de homofobia por uma ex-aluna — ela diz que foi expulsa porque estava namorando uma colega.

Independentemente do que de fato tenha ocorrido, a situação da escola é complicada porque a legislação proíbe a expulsão de estudante, seja de estabelecimento público ou privado, exceto no caso em que houver uma condenação que exige prisão. O conselho vai processá-la por isso.

A conselheira Maria do Rosário Cassimiro disse que a escola foi prepotente e arbitrária porque não deu o direito de defesa às estudantes. “A expulsão não é permitida”, disse. “Se no regimento da escola está escrito que é possível haver expulsão, então esse regimento está contra a Constituição”.

Henrique Tibúrcio, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, seção Goiás, também disse que as regras da escola adventista não estão acima da Constituição. Além disso, afirmou, é preciso “entender também que, independente da orientação sexual das pessoas, elas merecem um tratamento idêntico ao que as outras recebem”.

Hoje pela manhã — antes, portanto, de o Conselho de Educação afirmar que o estabelecimento tem de se submeter à Constituição —, a direção do instituto emitiu uma nota transcrevendo a norma na qual há um quesito que desrespeitado pelas alunas.

“De acordo com o item 8 das Normas Internas da Instituição Adventista, são vedadas ao aluno, entre outras condutas: “Furto; uso ou porte de cigarro, bebida alcoólica, droga ou armas; ato sexual; certos tipos de agressões físicas, verbais e outras, conforme considere a Comissão para Desenvolvimento Estudantil”, diz a nota (o grifo é deste site).

E acrescentou: A letra “h” do subitem 1.1, do item 1 dos Itens Gerais, determina que: “h. Lembre-se de que em seu namoro (que só ocorrerá com a permissão dos pais) não é permitido contato físico, seja nas dependências da escola ou em atividades externas em que você a esteja representando.”

Já corre na Justiça uma ação movida por Marilda Pacheco, mãe de Arianne, que exige da escola uma indenização de R$ 50 mil por danos morais.

Paulopes, com informações do G1

Recomendados para você

Comentários

  1. Ayrton Postado em 06/Jun/2012 às 23:26

    A perseguição religiosa anti-cristã é um dos assuntos favoritos deste blog. Por que você não fala também do islamismo da Maçonaria.

  2. Nublado Postado em 07/Jun/2012 às 05:19

    Não deixar 2 gays transarem na escola (onde não é lugar para isso) agora é "Homofobia" é?!

  3. Gabriel A. Boscariol Postado em 07/Jun/2012 às 11:14

    Nublado, de qualquer forma isso não deveria resultar em expulsão. Se teve ou não sexo o fato que causou a expulsão é devido as duas estudantes serem homossexuais, isso que não poderia ser feita, pois como diz na matéria expulsão da escola só é justificada em atitude que resulta em prisão e no Brasil, ainda bem, ser homossexual não é crime.

  4. Jack Postado em 07/Jun/2012 às 13:41

    Nublado, você por acaso leu direito a matéria? Não ouve contato comprovado entre as meninas, apenas relatos de outras alunas e cartas! Reacionarismo causa cegueira e também dislexia pelo jeito...

  5. Walter Postado em 07/Jun/2012 às 16:58

    Vejam a materia no blog a seguir, creio que ajudara a tomar uma posição mais esclarecida.

  6. Walter Postado em 07/Jun/2012 às 17:00

    Faltou o link, ai vai!!! Vejam a materia no blog a seguir, creio que ajudara a tomar uma posição mais esclarecida. http://jadesousa.blogspot.com.br/2012/06/postura-da-iasd-diante-do-caso-da-ex.html

  7. val Postado em 08/Jun/2012 às 10:37

    Realmente o link postado por Walter é bastante esclarecedor. Não acredito que era essa sua intenção Walter, mas o artigo que vc indicou não deixa duvidas que foi um caso de homofobia!!!!! "Entretanto, quando a direção da Instituição tomou conhecimento que a autora se envolvia homossexualmente com outra aluna do colégio não pôde mais quedar-se silente, pois, segundo o seu próprio estatuto, tratava-se de falta de caráter grave, ainda mais se levando em consideração o cuidado que a Instituição devia aos demais alunos externos e internos." A instituição assume que considera homossexualidade falta de carater. Sem mais.

  8. Wellington Gabriel de Borba Postado em 08/Jun/2012 às 13:09

    As alunas foram expulsas por transarem na escola? Enfim, cada um escolhe em que acreditar.

  9. Diogo Postado em 08/Jun/2012 às 14:29

    "A instituição assume que considera homossexualidade falta de carater. Sem mais". Mas é pecado grave atos homossexuais sim. E a instituição é cristã. Logo, se não acredita em Deus e na Revelação Cristã, que não estude numa escola assim, simples. Agora se escolheu uma instituição cristã de ensino, cumpra com as normas e regras. Incrível isso, todo mundo tem que aceitar o homossexualismo algo normal, lindo e maravilhoso agora. Na boa, acordem, caiam na realidade.

  10. Diogo Postado em 08/Jun/2012 às 14:43

    "Não deixar 2 gays transarem na escola (onde não é lugar para isso) agora é “Homofobia” é?!" Nublado, na verdade sim. As escolas brasileiras sob a administração do governo de esquerda é para isso sim. Para transar, fumar maconha, se prostituir, aprender muito bem o marxismo cultural, ser ateu, blasfemar contra Deus, aprender como se faz sexo desde os 14 anos etc, tudo isso e mais um pouco. Menos, é claro, estudar. Quão diferente é uma escola tradicional católica desse lixo que existe hoje em dia. Só cego ou alienado não vê isso.

  11. agenilson Postado em 08/Jun/2012 às 22:54

    concordo com a instituição pois sei que se o ocorrido fosse entre um rapaz e uma moça a espulssão ocorreria da mesma forma ,por ser uma instituição cristã tem regras e principio e tenho certeza que não houve preconceito e sim normas que foram compridaspela instituição, pois ja houvi falar de expulção de um casal de namorados rapaz e uma moça por terem tido relação dentro do colégio

  12. agenilson Postado em 08/Jun/2012 às 23:11

    o colégio ao qual me referi comentando que houvi sobre a espulsão do casal de namorados um rapaz e uma moça por haverem tido contatos intimos foi em outro estado e não esta instituição que frequentavam as duas moças . mas espero que as normas não mudem na instituiçao pois me preocuparei aonde irei por meus filhos no futuro para estudar pois a escolas muito liberais e acho que a educação coméça em casa mas é importante escolhermos onde nóssos filhos irão estudar pois sera um complemento da educação que eles começaram em casa.

  13. val Postado em 11/Jun/2012 às 16:33

    Mas quem garante que elas transaram na escola? Pelo que consta elas apenas escreviam cartas. E eu conheço diversos pecados muito mais graves do que o "pecado de amar alguem do mesmo sexo". Quem se preocupa com isso não passa de um falso moralistra de mente muito limitada.

  14. isaque Postado em 14/Jun/2012 às 23:06

    E claro que ela seria expulsa afinal o colegio e cristao, e tem normas de comportamento paltado na etica crista Essa ditadura gay e fogo, vai chegar o dia que nao cumprimentar um gay na rua sera considerado homofobia

  15. André Postado em 15/Jun/2012 às 09:57

    Esta matéria foi pra lá de tendenciosa. Se alguém quer estudar em uma escola confessional, que se adapte às regras e às crenças de cada local, ou pelo menos, que as respeite. Caso não queira assim agir, que procure outra instituição. Os pais dessa garota são uns espertalhões, pois não aceitam a verdade bíblica cristã de que a homossexualidade é pecado - a qual ela chama de conceito inquisitorial e medieval -, e no entanto, quiseram matricular sua filha em uma instituição cristã. Por quê? Por quê?

  16. julio Postado em 17/Jun/2012 às 01:18

    isaque e andre , não distorçam os fatos. graças a deus o brasil não é irã,mauritania,etc. a religião , seja ela qual for não esta acima da constituição , pois graças a deus esse é um pais como todos deveriam ser LAICO .VEJAM BEM TODOS TEM O DIREITO DE PAUTAREM A SUA VIDA EM CONCEITOS FILOSOFICOS, RELIGIOSOS , ETC . DESDE QUE NÃO FEREM A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA , E PELO QUE ENTENDI HOUVE UMA PERSEGUIÇÃO PELO SIMPLES FATO DA SEXUALIDADE DA ALUNA .

  17. anônimo Postado em 21/Jun/2012 às 23:58

    A escola Adventista é preconceituosa sim. fui demitida da escola como professora porque a escola Adventista estava desbalanceada de professores Adventista e colocaram em meu lugar uma Adventista que nem ainda era formada, eu apenas era uma peça a mais na balança deles, voces imagina a minha situação como estou? eles abusa dos professores que não sõ Adventista até o momenta que aparece um Adventista manda a gente embora e ainda fala o motiva, perante o tribunal mentem ainda, além de preconceituosos e ainda mentirosos, não assumem o que falam...

  18. Professora Nina Postado em 04/Sep/2012 às 14:07

    Eu nao entendo para que a garota foi estudar numa escola adventista????? Ela é que foi ridícula em querer estudar numa escola religiosa e conservadora e dar uma de Rê Bordosa... Por que nao procurou uma escola laica??? Gente maluca, afe!

  19. Odete M. Cunha Postado em 21/Dec/2012 às 15:19

    Concordo com a pessoa acima,não só maluca como me leva a entender que é mercenária também. Pois acredito que ela sabia muito bem o estatuto do colégio antes de entrar. Eu chamo esses tipos de pessoas de má fé.

  20. Leonardo Postado em 16/Mar/2013 às 18:56

    Não interessa se a escola é adventista ou catolica ou cristã ou islamica ou o que for, todos devemos respeitar a orientação sexual das pessoas seja onde for!!!!! gente alienada

  21. M.s Postado em 20/Mar/2013 às 12:39

    O homossexual pode estudar ou continuar estudando em uma escola religiosa ou outras em geral, desde que suas ações estejam entre as normas da escola. Nenhuma escola pode proibir a entrada ou permanência de alunos simplesmente pelo fato de sexualidade ''diferenciada'', caso o contrario será considerado crime (homofobia) pela lei. E pelo que entendi as alunas foram expulsas pela orientação sexual e não pela prática homossexual, pois não à provas que houveram relações físicas dentro de escola. ''Marilda afirmou que tentou evitar a expulsão da filha, mas ela ouviu de responsáveis pela escola que, para eles, o homossexualismo “é um crime tão sério como roubar ou matar”.''

  22. marcia marques Postado em 06/Dec/2013 às 17:33

    Estes mesmos pais que querem a melhor educação, o melhor ambiente, que zelam por princípios que consideram de valor,que procuram estabelecimentos de ensino com mais qualidade, com valores éticos e morais, que tem seus valores religiosos apresentados aos pais no ato da matrícula.Estes colégios são bem quistos a princípio, no entanto, basta que seu filho seja confrontado pelas suas ações,que não corresponda ao que foi combinado e explicitado no regimento interno, para que os pais saiam em defesa de seus filhos e contra as escolas.As pessoas precisam saver analisar o que quuerem, agora falam em arbitrariedade.É muito interessante ver a reação das pessoas.m

  23. Marcia marques bezerra Postado em 06/Dec/2013 às 17:39

    Estamos vivendo em tempo de pressão para que todos aceitem como natural a prática do homossexualismo, defendo o respeito, o direito de livre arbítrio que as pessoas possuem e que o próprio Deus outorgou ao homem, no entanto, lembremos que as implicações das escolhas virão com certeza e, que em nenhuma parte da palavra da Sagrada Escritura Deus planejou para Adão um parceiro.Não nos deixemos iludir, não é Deus que tem que se ajustar aos desejos humanos e sim, nós é que temos que buscar nossa santificação em todas as coisas e isso é tarefa de uma vida, além do mais não fosse a misericórdia e a graça de Deus nenhum de nós teria chance de salvação.