Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Corrupção 13/Apr/2012 às 11:10
1
Comentário

Mulher de Cachoeira gasta R$ 60 mil por viagem para visitá-lo em presídio

Da mordomia à solitária: Cachoeira experimenta sensação térmica de 40 graus e companhia de grandes criminosos do Brasil em sua nova morada. Um deles, o traficante Fernandinho Beira-Mar

cachoeira andressa mossoró cpi

Andressa Alves é ex-mulher do suplente do senador Demóstenes Torres

Dentro da cela número 17 – grupo do macaco no jogo do bicho –, no presídio federal de Mossoró, no Rio Grande Norte, o contraventor Carlinhos Cachoeira tem experimentado, todos os dias, uma sensação térmica de 40 graus. Entre seus vizinhos de xadrez está o traficante mais famoso do Brasil, Fernando Beira Mar. Para sair do sufoco de seu cárcere de sete metros quadrados, Cachoeira pode tomar banho de sol, no pátio, durante duas horas ao dia. Para aplacar a solidão, tem direito à companhia de até cinco livros por semana, a serem retirados da biblioteca da cadeia. Às quintas-feiras, porém, desde seu encarceramento, em 29 de fevereiro, ele recebe ao menos um bálsamo: a visita de sua atual companheira Andressa Alves Mendonça. Ex-mulher do suplente do senador Demóstenes Torres, Wilder Moraes, Andressa chega à cidade num jatinho fretado, ao custo estimado de R$ 60 mil pela viagem de ida e volta com origem em Goiânia. A rotina de Cachoeira em Mossoró é em tudo diferente da que ele desfrutava quando estava em liberdade e era reconhecido como o homem mais poderoso de Goiás.

Leia mais

O segundo mais entre 14 irmãos, Carlinhos Cachoeira é o líder de uma grande família. A mesma família, com dezenas de primos, sobrinhos e agregados, que ele gostava de reunir, aos sábados, em sua chácara de dez alqueires, em Anápolis, para torneios de futebol. “Craque”, define um dos frequentadores dessas reuniões, a respeito das qualidades futebolísticas do contraventor, que gosta de jogar no meio-de-campo. Sua paixão pelo futebol o levou a organizar diversos jogos amistosos, em estádios das cidades de Goiânia e Anápolis, dos quais participavam artistas conhecidos nacionalmente, como o sertanejo Daniel. Era costume da turma de Cachoeira jogar em estádios vazios, cedidos pelas municipalidades. Depois dos jogos, o chefão gostava de ouvir, ao vivo, duplas sertanejas que ele mesmo patrocinava.

Afeito à uma vida social intensa, Cachoeira tem entre os seus muitos sobrinhos o colunista Marcos Bakura, titular da coluna Resumo, publicada regularmente no Jornal do Estado. Com circulação às quartas e sábados, o veículo é de propriedade de Cachoeira. A Operação Monte Carlo da Polícia Federal deu uma blitz e recolheu, ali, uma série de documentos. Bacura, a exemplo de vários outros parentes de Cachoeira, tem cargo remunerado na Secretaria da Indústria e Comércio de Goiás.

Na casa em que foi preso pela Monte Carlo, no condomínio Alphaville Ipês, em Goiânia, Cachoeira gostava de reunir amigos, à noite, para rodadas de vinho tinto. Com piscina, churrasqueira e ambientes amplos, a residência pertenceu ao governador Marconi Perillo, que a vendeu, no ano passado, para o empresário Walter Paulo Santiago, dono da Faculdade Padrão.

Santiago tem uma interessante ligação com Cachoeira, além da circunstância de, oficialmente, emprestar a casa para o contraventor viver. A Faculdade Padrão funciona nas dependências do Jockey Club de Goiás. Cachoeira, desde 2007, passou a comprar títulos de associados do clube, de modo a tornar-se um dos majoritários. O mesmo movimento foi feito pelo associado Ibrahim Arantes, irmão do deputado federal Jovair Arantes (PTB), citado em grampos realizados pela Operação Monte Carlo. O que se acredita em Goiânia é que Cachoeira e Arantes determinam os destinos do Jockey. Tanto assim que o contrato de cessão de espaço para a Faculdade Padrão ter sido considerado, pelos demais associados, lesivo aos interesses do clube. Um inquérito foi aberto pela polícia civil de Goiás para descobrir o que pode estar por detrás de um acordo pelo qual a Faculdade Padrão fechou num contrato de uso de suas instalação por 20 anos renováveis por mais 20. A escola assumiu uma dívida de R$ 6,6 milhões do clube, mas, para quitá-la, tem a obrigação, apenas, de pagar dez salários mínimo a cada mês. O terreno do Jockey, numa área nobre de Goiânia, teve seu preço estimado no mercado em R$ 200 milhões. O Ministério Público de Goiás também está investigando o caso.

Recomendados para você

Comentários

  1. george Postado em 22/Apr/2012 às 20:46

    O Jornal o popular de goiania, mostrou recentemente uma reportagem que mostra a inteferencia de Cachoeira em processos judiciais para favorecer a Faculdade Padrao, logo chamo o grupo de Cachoria/padrao (um unico grupo). Mas o popular "se esqueceu"de dar informacoes cruciais: Alem do proprio Cachoeira ter ligado para seus comparsas e solicitado interferir no processo judicial da 9. vara civil, ate entao conduzido pelo juiz Sandro Fagundes, o contato da quadrilha de Cachoeira era junto ao Sr. Joao Batista Fagundes Filho, irmao do entao juiz. alem disso esse Joao batista fagundes filho, juntamente com seu pai (mesmo nome) sao advogados do Deuselino Valadares, socio de Cachoeira na Ideal seguranca. Incrivel como o Jornal o popular esqueceu de dizer tambem que que o irmao do Juiz Sandro Fagundes, intermediador das decisoes no processo a favor de Cachoeira/Padrao, tambem e advogado da empresa Vitapan - propriedade de Cachoeira. O Juiz Sandro Fagundes passou o processo para frente, assim que a reportagem dos jornais o procuraram, mas suas digitais estáo la. Deu 03 liminares seguidas a favor do grupo padrao no mesmo processo.