Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Palestina 01/Oct/2011 às 14:01
12
Comentários

Cobaias humanas: Israel testa suas novas armas em crianças palestinas

Médicos denunciam que Israel testa suas novas armas na população da Faixa de Gaza, provocando mutilações, queimaduras e ferimentos

crianças palestinas

"As vítimas, em sua maior parte, são mulheres e crianças", explica o médico Al Sahbani. “Vítimas civis”, ressalta. “Chegam aos pedaços, alguns queimados de tal modo que se tornam irreconhecíveis. Há 20 crianças aqui, com ferimentos que nunca vi, nem na Operação Chumbo Fundido”

O garoto de 13 anos joga futebol com os amigos na tarde ensolarada. De repente, aviões israelenses surgem no céu. Os meninos não têm tempo nem de correr: um míssil cai sobre eles.

A ambulância chega rapidamente e os leva ao hospital Al-Shifa, o maior da Cidade de Gaza, a capital da Faixa de Gaza. Alguns dos garotos estão inconscientes. Outros estão mortos.

Dias depois, o médico Ayman Al Sahbani, diretor do departamento de emergências do hospital, mostra o menino de 13 anos na cama de um cubículo cheio de aparelhos médicos. Vários pontos do corpo, todo coberto por faixas brancas, estão plugados nos aparelhos (foto abaixo). Uma perna apoia-se numa espécie de mesinha de ferro. Os braços estendem-se ao lado do corpo. Só os braços. As mãos foram perdidas no ataque israelense.

“Quando o pessoal do socorro o trouxe, pensei que ele estivesse morto. Então o ouvi gritar: ‘Ai, mamãe!’. Levei-o de imediato para a sala de cirurgia e o operei. Várias vezes. Já faz cinco dias, e ele continua vivo. Tem queimaduras terríveis e estilhaços de metal por todo o corpo. Será que vai poder jogar futebol de novo? Não tenho ideia.”

Leia mais

Ninguém sabe quem é o garoto. E essa é uma situação comum nos hospitais. Os feridos chegam, queimados, mutilados, os corpos perfurados por pedaços de metal, e são atendidos por médicos e enfermeiros exaustos, angustiados, tentando fazer com que o pouco material de que dispõem seja suficiente para todos.

Novas armas

Ali, no setor de emergência cheirando a antisséptico, o ruído dos ventiladores mistura-se ao bipe dos monitores e aos passos apressados dos profissionais cuja tarefa é salvar as vidas daqueles que chegam. A identidade dos feridos é o que menos importa nessa hora.

“As vítimas, em sua maior parte, são mulheres e crianças”, explica o médico Al Sahbani. “Vítimas civis”, ressalta. “Chegam aos pedaços, alguns queimados de tal modo que se tornam irreconhecíveis. Há 20 crianças aqui, com ferimentos que nunca vi, nem na Operação Chumbo Fundido, quando observei pela primeira vez as queimaduras provocadas pelo fósforo branco. As armas de agora são piores, causam lesões terríveis, despedaçam pés, pernas, mãos, enchem os corpos com centenas de pequenas peças de metal.”

Operação Chumbo Fundido foi o nome dado aos ataques israelenses contra a Faixa de Gaza entre dezembro de 2008 e janeiro de 2009, que causaram cerca de 1.500 mortes, em sua grande maioria, de civis.

Al Sahbani continua, depois de uma pausa: “Meu filho de 11 anos me pergunta por que isso acontece, por que Israel nos ataca assim. O que posso responder a ele?”.

Uma das respostas possíveis seria cruel demais para uma criança: Israel está testando, mais uma vez, suas novas armas em alvos vivos. Em seres humanos que há mais de 60 anos vivem sob ocupação israelense, e que antes disso sofreram massacres e expulsões, e viram suas casas e cidades serem destruídas ou tomadas por grupos paramilitares sionistas.

Como lembrou o diretor do departamento de emergências do hospital Al-Shifa, não é a primeira vez que essas substâncias são experimentadas na população de Gaza. Israel admitiu o uso do fósforo branco em 2006 e em 2008- 2009, na Operação Chumbo Fundido. O que os sionistas não contaram, porém, foi a adição de metais tóxicos ao fósforo branco.

Metais cancerígenos

Mas o New Weapons Committee (NWRG), grupo de pesquisadores, acadêmicos e profissionais de mídia que estuda os efeitos das novas tecnologias de guerra, descobriu e divulgou. Embora a mídia corporativa não tenha dito uma única palavra sobre isso, o relatório do NWRG foi publicado em maio de 2010 e está à disposição de quem quiser consultá-lo: confira aqui

crianças cobaias

"Alguns dos elementos encontrados são cancerígenos (mercúrio, arsênio, cádmio, cromo, níquel e urânio); outros são potencialmente carcinogênicos (cobalto e vanádio); e há também substâncias que contaminam fetos", alerta o documento.

De acordo com o informe, análises em tecidos humanos enviados ao comitê por médicos de Gaza, retirados de “ferimentos provocados por armas que não deixam fragmentos nos corpos das vítimas”, encontraram “metais tóxicos e cancerígenos, capazes de produzir mutações genéticas. […] Isso mostra que foram utilizadas armas experimentais, cujos efeitos ainda são desconhecidos”.

A pesquisa seguiu dois estudos anteriores do NWRG. O primeiro, publicado em 17 de dezembro de 2009, estabeleceu a presença de metais tóxicos em áreas ao redor das crateras provocadas pelo bombardeio israelense na Faixa de Gaza. O último, publicado em 17 de março de 2010, apontou a presença de metais tóxicos em amostras de cabelo de crianças da região.

Ambos indicam contaminação ambiental, agravada pelas condições de vida naquele território, que propiciam o contato direto com o solo. Os abrigos expostos ao vento e à poeira, devido à impossibilidade de reconstrução das moradias – Israel não permite a entrada de materiais de construção e ferramentas necessárias – também facilitam o contato com as substâncias tóxicas espalhadas no ambiente.

Danos à saúde

O trabalho, realizado pelos laboratórios das universidades Sapienza de Roma (Itália), Chalmers (Suécia) e Beirute (Líbano), foi coordenado pelo NWRG e comparou 32 elementos encontrados nos tecidos das vítimas. “A presença de substâncias tóxicas e cancerígenas nos metais detectados nos ferimentos é relevante e indica riscos diretos para os sobreviventes, além da possibilidade de contaminação ambiental”, diz o relatório.

“Alguns dos elementos encontrados são cancerígenos (mercúrio, arsênio, cádmio, cromo, níquel e urânio); outros são potencialmente carcinogênicos (cobalto e vanádio); e há também substâncias que contaminam fetos (alumínio, cobre, bário, chumbo e manganês). Os primeiros podem produzir mutações genéticas, os segundos podem ter o mesmo efeito em animais (ainda não há comprovação em seres humanos), os terceiros têm efeitos tóxicos sobre pessoas e podem afetar também o embrião ou o feto em mulheres grávidas”, alerta o documento.

Há mais, segundo o relatório de 2010: “Todos os metais, encontrados em quantidades elevadas, têm efeitos patogênicos em humanos, danificando os órgãos respiratórios, o rim, a pele, o desenvolvimento e as funções sexuais e neurológicas”.

Paola Manduca, professora e pesquisadora de genética da Universidade de Gênova e porta-voz do NWRG, comentou, referindo-se às análises do material recolhido em 2006 e 2008-2009: “Concentramos nossos estudos nos ferimentos provocados por armas que, segundo os médicos de Gaza, não deixavam fragmentos. Queríamos verificar a presença de metais na pele e na derme. Suspeitava- se que esses metais estivessem presentes nesse tipo de armas [que não deixam fragmentos], mas isso nunca tinha sido demonstrado. Para nossa surpresa, mesmo as queimaduras provocadas por fósforo branco contêm alta quantidade de metais. Além disso, a presença desses metais nas armas implica que eles se dispersaram no ambiente, em quantidades e com alcance desconhecidos, e foram inalados pelas vítimas e por aqueles que testemunharam os ataques. Portanto, constituem um risco para os sobreviventes e para as pessoas que não foram diretamente atingidas pelo bombardeio”.

Testes bélicos

Um risco de longo alcance: um dos metais utilizados, o urânio, radioativo, é utilizado em usinas nucleares e na produção de bombas atômicas. Ele tem vida útil de aproximadamente 4,5 bilhões de anos (urânio 238) e 700 milhões de anos (urânio 235).

Em relação aos ataques atuais, de agosto de 2011, pesquisadores do NWRG comentaram, ao ver imagens de feridos, transmitidas por uma estação de TV de Gaza, que o exército israelense parecia utilizar as mesmas armas da Operação Chumbo Fundido. Engano. As de agora são mais devastadoras, segundo o médico Ayman Al Sahbani, do hospital Al-Shifa.

E permitem concluir que a nova investida contra Gaza não está ligada apenas à tentativa de tirar os indignados israelenses dos noticiários ou de deter os foguetes que brigadas como a Jihad Islâmica atiram no sul de Israel. Os ataques também servem ao propósito de observar os efeitos da mistura de novas substâncias, às quais se acrescentou a tecnologia das bombas de fragmentação.

O médico Al-Sahbani deplora a situação, pedindo que o mundo todo conheça o drama de Gaza e faça algo para detê-lo. “Somos humanos e só queremos viver com liberdade, trabalhar corretamente, ver nossos filhos crescerem livres, como em outros países”, declara. “Em outros países, as crianças jogam futebol, nadam em piscinas sem o risco de ser bombardeadas, amputadas e mortas, como acontece em Gaza. Que tipo de vida é esse para uma criança?” (com informações de Julie Webb- Pullman, do portal Scoop Independent News, diretamente de Gaza).

Baby Siqueira Abrão de Ramallah (Palestina) – Brasil de Fato

Recomendados para você

Comentários

  1. cala Postado em 02/Dec/2011 às 12:32

    sao tao crueis,q sao piores que nazistas.
    assassionistas ´´e o que sao

  2. Igo Roddiger Postado em 15/Jun/2012 às 17:01

    http://www.youtube.com/watch?v=yNZXm4c65kM Eu Sou Israel. Eu nasci milênios antes de ser chamada de Palestina pelos romanos, e antes dos britânicos decidiram transformar minhas terras orientais na Jordânia, o meu povo, os judeus, tem se mantido aqui há três mil anos. Eu sou Israel - eu fui atacado quatro vezes por cinco exércitos árabes. Eu sou um sobrevivente! Eu venci todas as guerras que travaram contra mim. Eu disse aos árabes que viviam na minha terra que eles eram bem-vindos para ficar. Tenho oferecido uma mensagem de paz desde o dia em que nasci. Mas os meus inimigos respondem somente com bombas, balas e sangue - o nosso e o deles. Eu sou Israel - meus inimigos continuam a reclamar que eu estou cometendo "genocídio". Diga-me, oferecer oportunidades educacionais para os árabes palestinos é "genocídio"? 20% dos alunos na Universidade de Haifa são árabes. 20% dos meus eleitores são cidadãos árabes. Eu sou Israel - em combate, eu arrisco a vida dos meus filhos adolescentes para minimizar as baixas civis. Faço todos os esforços para atingir apenas combatentes, muitas vezes colocando meus soldados em perigo. Na guerra, lanço panfletos sobre as áreas a serem atacadas, alertando para evacuar os civis - Tem algum outro exército na história da humanidade que fez isso para seu inimigo? Eu sou Israel - eu descobrir novos medicamentos para tratar doenças devastadoras. Eu desenvolvi tecnologia para a criação da Intel, anti-vírus, e celulares. Eu envio missões humanitárias a países em desenvolvimento, incluindo os países muçulmanos.Tenho absorvido centenas de refugiados muçulmanos que enfrentaram o genocídio em Darfur - refugiados que não foram aceitos em nenhum país muçulmano. Eu sou Israel - um dos menores países do mundo, e provavelmente o mais teimoso - Eu me recuso a desistir da esperança pela paz. Meu profeta disse: "Uma nação não levantará a espada contra outra nação", e eu vou tentar ... E tentar ... E tentar, até que essas palavras sejam realidade. Porque, Eu Sou Israel

    • Paulo Postado em 15/Jul/2014 às 01:33

      Você não é Israel, é apenas um arrogante que justifica o genocídio palestino sob o pretexto de se defender. Vocês controlam a mídia e o dinheiro no mundo. Milhões de vidas padecem por causa disso.Você não é Israel.

    • Marcelo Marcelino Postado em 17/Jul/2014 às 12:00

      Ilusao de otica e história de faz de conta não entra como justificativa, se é israel aprenda a Licao que o holocausto levou ao povo Judeu, triste página da história

  3. JOÃO CARUSO Postado em 20/Jun/2012 às 14:13

    CUSTO A CRER QUE ISRAEL ESTEJA USANDO OS ATAQUES PARA TESTAR NOVAS ARMAS. O QUE ELES PASSARAM NOS CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO NAZISTAS, IMAGINO QUE ELES NÃO REPETIRIAM ISTO.

  4. Anon Postado em 22/Jun/2012 às 20:11

    João, você acha que aqueles judeus europeus são os que moram agora em Israel?

  5. Gabriel Postado em 23/Jun/2012 às 03:24

    Sr. Sou Israel, um erro não justifica outro, e mesmo que no passado tenham existido muitos conflitos entre judeus e árabes, nada justifica essa guerra, guerra que aliás, foi causada pelo desrespeito de Israel as fronteiras demarcadas pela onu. Não seria nada mais justo do que um estado palestino, mas agora o estrago já foi feito, pq Israel foi criado sem que junto, se criasse o estado palestino, que apenas agora está no processo de criação, mas sempre com a ameaça de Israel na jogada, que detém todos os pontos estratégicos de nascentes de rios, e que comete um verdadeiro genocídio em gaza, bloqueando até a entrada de ajuda humanitária. Não desmereço as muitas pessoas de bem de israel, mas a ignorância e intolerância das pessoas de bem, abre espaço para as ações das pessoas de mal. Como que o povo alemão se deixou ser governado pelo nazismo? O povo israelense não pode permitir essa guerra estúpida,pq qdo israel acordar e combater o conservadorismo que causa essas medidas de guerra radicais, dará o exemplo para o povo palestino que também apoia medidas radicais dentro do potencial de estrago de seus grupos governantes, que é muito menor que o de israel.

  6. Daniel M Moreira Postado em 08/Jul/2012 às 01:40

    Qualquer país do mundo que compactuar com guerras e interesses americanos, que são os unicos que guerreiam atualmente, desde o Vietnâ, não podem ser considerados isentos, são lacaios e por decisão própria. Lamneto que os israelenses depois de tanto levar no rabo, não tenham aprendido. Sigam os EUA e vão levar de novo. Em israel hoje não existem pessoas de bem, lá só existem soldados vingativos prontos para guerra, o que sobrou de bom nos israelenses, são aqueles que residem e exploram suas vidas fora de Israel, tal como aqui no Brasil, que vivem em paz com os Palestinos, porém se sairem fora daqui, imediatamente, se modificarão e sairão em guerras e assassinatos e retornarão ao espírito de vingança e de lamentação.

  7. joao bento Postado em 29/Aug/2012 às 08:22

    ouvireis falar de guerras e rumores de guerras... Ta na Biblia,isso nem me surpreende mais e é apenas o começo.

  8. Fátima Ali Postado em 15/Nov/2012 às 12:17

    MATAR CRIANÇAS, MATAR AS NOVAS GERAÇÕES É GENOCÍDIO, "SR. ISRAEL"!!! SEU PAÍS É GOVERNADO POR ASSASSINOS!!!

  9. Geovanne Otávio Ursulino Postado em 23/Nov/2012 às 14:52

    ainda tem um (joão bento) que justifica: "Ta na Biblia,isso nem me surpreende mais...". faz um favor, diz a estas crianças q são mutiladas e/ou mortas q o "santo de israel", como chamaria o profeta isaías, é quem está "financiando" esta guerra. diz a elas também q todo o seu sofrimento é por causa do "plano salvífico" q o bondoso deus de israel tem para seu "povo escolhido". honestamente... eu me enojo com esse tipo de comentário! você diz isso porq não são teus familiares, teus amigos, teus vizinhos, teus "irmãos em cristo" q estão sendo massacrados! e se fosse com você? você diria q é "apenas o começo"?

  10. Gisele Postado em 16/Mar/2013 às 17:58

    “apenas o começo”? Malditos cristãos conformados, como sempre, só sabem justificar tudo com a frasezinha pronta "tá na bíblia". É por isso que o mundo está do jeito que está. Cada dia tenho mais certeza, cristianismo é uma alienação coletiva guiada por um conto de fadas (bíblia). Pronto falei!