Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Política 28/Sep/2011 às 16:05
1
Comentário

Novo aplicativo do Google ajuda pais a descobrirem se filho é homossexual

Associações que lutam pelos direitos de homossexuais reagiram indignadas ao aplicativo e o classificaram como “ridículo e horrendo”
Um novo aplicativo para smartphones da Google está gerando polêmica na França. O programa, desenvolvido para sistemas Android, promete “ajudar” os pais a descobrirem se o filho é gay ou não por meio de um “quizz”. O Google ainda não se pronunciou sobre o caso, e não se sabe se a empresa norte-americana pretende bloquear a venda do aplicativo.
Quem utiliza o “Is your son gay?” (Seu filho é gay?), criado na França, deve responder 20 perguntas sobre o próprio filho. “Ele gosta de futebol?”, “Ele lê revistas e jornais esportivos?”, “Ele gosta de Madonna?” ou “Ele passa muito tempo penteando os cabelos?” são algumas das questões do aplicativo. 
Leia mais:

Bispo justifica pedofilia: “tem criança que provoca”
Carrefour obriga funcionária a tirar a roupa em público
Clínicas oferecem “desomossexualização” de lésbicas

Ao final do questionário, o aplicativo gera duas opções de resposta: “Você não tem com o que se preocupar, seu filho não é gay. Você tem ótimas chances de ser uma vovó com todas as alegrias que isso traz” ou “Seu filho é gay. Aceite isso e entenda que a escolha não é dele”. 
Associações que lutam pelos direitos de homossexuais nos Estados Unidos reagiram indignadas ao aplicativo e o classificaram como “ridículo e horrendo”. “Esse aplicativo traz estereótipos horríveis, que são perigosos”, afirmou Eliza Byard, diretora executiva da Rede Educacional para Gays, Lésbicas e Heterossexuais, em entrevista à CBS
Leia também:
Para o psicólogo Alan Hilfer, o aplicativo não deve substituir a tradicional conversa entre pais e filhos. “[Usar o aplicativo] É como se você agisse pelas costas de alguém para descobrir coisas sobre a pessoa”, afirmou ao Daily Mail.

_

Agências Internacionais & Opera Mundi

Comentários

  1. Pedro de Medeiros Postado em 29/Sep/2011 às 11:49

    A chamada do artigo faz parecer que o google desenvolveu o aplicativo, o que não é o caso.

O e-mail não será publicado.