Racismo não

Mulher imita macaco em camarote na final da Copa do Brasil e revolta torcedores

VÍDEO: Mulher se diverte ao imitar macaco em camarote da Arena na final do Copa do Brasil e revolta torcedores, que tentaram invadir o local. Polícia afirma que abriu inquérito para investigar o caso

Share

Um vídeo gravado pelo celular por um torcedor mostra uma mulher imitando um macaco em um camarote da Arena da Baixada, durante a final da Copa do Brasil entre Athletico-PR x Atlético-MG, na noite dessa quarta-feira (15/12), em Curitiba. A cena racista revoltou alguns torcedores, que tentaram invadir o camarote.

“O povo estava estressado porque tinham anulado um gol nosso e começaram a jogar cerveja em um camarote. Então teve início um bate-boca porque o pessoal do camarote não gostou. E aí eles começaram a discutir. De repente, essa menina, que não sei o nome, começou a fazer gesto de macaco para a torcida. Eu filmei, eu subi na ponta do camarote, chamei o namorado dela e falei para ele tirar a menina dali. Ele não tinha visto o que ela estava fazendo, ele não tinha percebido”, disse Jones Mendes, que registrou o vídeo.

Segundo ele, o dono do camarote viu o vídeo e teria repudiado a atitude da moça. “Depois disso, ela deixou o camarote conduzida por seguranças, depois não sei o que aconteceu”, relatou o torcedor.

Outro torcedor, Vinícius Cabral e Silva também estava próximo ao local da confusão. “Começou uma confusão entre a torcida e o pessoal do camarote e esse menina entrou e ficou fazendo aquela dança por muito tempo até gerar a revolta de todo mundo e o pessoal começou a xingar ela. Quanto mais xingava, mais ela fazia. Foi bem ridícula a cena. Tem muita gente que diz que racismo não existe mais, mas está muito enraizado”, lamentou o torcedor.

Ainda não há informações sobre quem seria a moça e se houve registro policial da ocorrência. A Polícia Civil informou que os vídeos serão analisados para saber se as ‘tentativas de invasão do camarote têm relação com os os casos de racismo cometidos ao longo do jogo’.

“Nós vamos analisar as imagens do gesto como se fosse um macaco no camarote, os outros dois athleticanos fazendo da mesmo da arquibancada. Precisamos entender para quem esses gestos foram dirigidos e porque foram feitos. Todas as imagens serão anexadas ao inquérito”, afirmou o delegado Luiz Carlos de Oliveira.

Em nota, o Athletico afirmou que tomou conhecimento dos atos de racismo por meio dos vídeos publicados nas redes sociais e disse que vai “investigar os acontecimentos, identificar os responsáveis e repassar todas as informações às autoridades competentes”.

Um relatório produzido pelo Observatório da Discriminação Racial no Futebol aponta que nos últimos 3 anos houve um crescimento de 70% nos casos de racismo, machismo e homofobia nos estádios brasileiros.

VÍDEO: