Barbárie

Homem que matou a mãe e a tia não para de ‘miar’ e é expulso de julgamento

Israelense que usa nome de Hitler ao contrário não para de miar e é expulso de corte. Acusado de duplo homicídio, Gil Pereg é ex-militar e engenheiro eletrônico

Share
Nicolás Gil Pereg

O israelense Nicolás Gil Pereg, de 40 anos, teve que ser expulso de um julgamento realizado ontem em Mendonza, na Argentina, porque não parava de miar, segundo o jornal La Nación.

Apelidado de “homem gato”, Gil Pereg é acusado de um duplo homicídio de sua mãe Phyria Saroussy, e sua tia, Lily Pere, que deixaram Israel para visitá-lo em 2019.

Gil Pereg é ex-militar e engenheiro eletrônico, e chegou à Argentina em 2009 para abrir um restaurante em Mendoza. Ele se dizia norueguês e se autodenominava Floda Reltih – Adolf Hitler ao contrário. Os corpos das vítimas foram encontrados mutilados e cobertas por terra com pedras.

De acordo com a publicação, a juíza que dirigia o debate, Laura Guajardo, questionou o seu nome e foi respondida com um “miau”, que acabou sendo ininterrupto.

A magistrada já havia alertado ao acusado para se comportar durante o julgamento, mas ainda assim Gil Pereg não mudou a postura e não respondia a nenhuma pergunta na audiência. A polícia então interveio e o tirou da sala.

Segundo a imprensa local, o episódio deve ser aproveitado pela defesa do réu, que já anunciou que alegará no júri popular que ele sofre de graves transtornos mentais.

O procurador Fernando Guzzo expressou: “Peço ao júri que não se deixe enganar e latir mais alto.” E sua colega Claudia Ríos exigia veredicto “unânime” para que Pereg fosse declarado “culpado” e para sua mãe e tia “fazerem justiça”.

“Não temos nada contra o senhor [Pereg]. Seguimos um interesse social dessas duas pessoas que não podem falar porque suas vidas foram tiradas”, explicou a promotora Ríos em parte de sua declaração de abertura ao debate.

Uol

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook