Redação Pragmatismo
Eleições 2018 04/Oct/2018 às 19:42 COMENTÁRIOS

Haddad, Ciro e Alckmin vão ao TSE para barrar entrevista de Bolsonaro na Record

Entrevista de Bolsonaro que Record pretende veicular na hora do debate da Globo é classificada por adversários como absurda: “Bolsonaro se nega a debater com os concorrentes, mas pretende se utilizar do tempo de uma concessão pública para, de forma privilegiada, expor ao público tudo aquilo que pensa”

Record Bolsonaro entrevista Edir Macedo
Edir Macedo, dono da Record e da Igreja Universal, declarou voto a Jair Bolsonaro

As campanhas de Fernando Haddad (PT), Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB) decidiram recorrer ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para impedir que a Record transmita a entrevista de Jair Bolsonaro (PSL) no mesmo horário do debate presidencial da Globo, informam Thais Arbex e Julia Chaib.

Na petição encaminhada ao TSE, o PT classifica a transmissão da entrevista como desproporcional e absurda.

“Ou seja, apesar de Jair Bolsonaro se negar a debater com seus adversários, pretende se utilizar do tempo de uma empresa concessionária de serviços públicos para, de forma privilegiada, expor ao público tudo aquilo que pensa”.

O partido diz que, caso a emissora leve a entrevista ao ar, estará caracterizado a existência de abuso de poder econômico e poder religioso, “uma vez que o proprietário dono de 90% da emissora, que também é um líder religioso internacional, utilizará de seu meio de comunicação para conferir tratamento privilegiado ao seu candidato”.

No domingo (30), o bispo Edir Macedo afirmou no Facebook que está apoiando Bolsonaro na campanha presidencial. Macedo, que é dono da TV Record e líder da Igreja Universal do Reino de Deus,

Bolsonaro concedeu entrevista à TV Record nesta quinta (4).

A previsão é a de que ela vá ao ar na noite desta quinta, no Jornal da Record, que começa 21:45. A ideia do presidenciável é estar no ar enquanto a concorrente transmite o embate entre presidenciáveis.

Painel, Folhapress

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários