Redação Pragmatismo
Saúde 16/Jul/2018 às 21:29 COMENTÁRIOS

Pais agridem médica pediatra no RJ e alegam omissão de socorro

Pediatra é agredida por pai e mãe de criança e câmeras flagram momento da violência. Médica registrou Boletim de Ocorrência. Casal alega que a pediatra desdenhou da saúde do filho e fala em omissão de socorro

pediatra agredida niterói
Câmeras registraram momento em que pediatra foi agredida por pais de criança em hospital de Niterói (RJ)

Foram divulgadas nesta semana as imagens de um crime que aconteceu em abril, na cidade de Niterói (RJ). Na época, a médica pediatra Lyse Soares, de 34 anos, foi agredida pelos pais de uma criança no Hospital Icaraí.

Lyse Soares registrou um boletim de ocorrência por agressão, mas casal agressor também foi à delegacia por entender que houve omissão de socorro.

As imagens mostram a médica sendo agredida por uma mulher ao sair de sua sala. A agressora é Natália Jesus da Silva, que lhe dá um tapa e um puxa seu cabelo. Em seguida, um homem aparece e dá socos em Lyse. Ele é Paulo Ricardo Rodigues, o pai da criança.

Segundo o pai, o filho estava com febre, foi medicado pela pediatra e foi liberado para voltar para casa. A situação da criança piorou em casa e a febre chegou a 42 graus. Por isso, eles decidiram voltar ao hospital de madrugada. A discussão começou porque os médicos disseram que a internação da criança não era necessária.

“Ela disse à minha esposa que nós éramos barraqueiros, que não havia necessidade de nós estármos às 3 horas da manhã no hospital fazendo barraco e que o problema da febre do meu filho não era dela, o problema era nosso”, relatou Paulo.

“No momento que o meu filho corre risco, a atitude de um pai é de proteção. O que eu fiz foi proteger o meu filho”, justificou.

Os pais da criança procuraram a polícia acusando a médica Lyse Soares de omissão de socorro. Eles também entraram na Justiça contra a médica e contra o hospital cobrando indenização por danos morais.

Trauma

A pediatra afirma que ainda está traumatizada e que ficou afastada do trabalho durante dois meses por causa do estresse pós-traumático e agora tenta retomar a rotina de trabalho.

“Quando eu acordei, o pessoal da enfermagem estava me segurando no corredor, onde a agressão tinha acontecido. Eu não sabia de nada. Minha colega falou ‘sua boca está sangrando’. Foi aí que eu vi que não era só um puxão de cabelo”, explicou a médica.

“O próprio pai chamou a polícia dizendo para a polícia como se eu tivesse batido neles. Quando o polícia chegou, ficou assustado e falou: ‘quem foi a médica que agrediu os pais?’. Eu falei: ‘ninguém agrediu os pais, eu que fui agredida’. Eu não consigo ainda voltar para a emergência. Eu saí do meu trabalho, fiquei totalmente perdida. Eu não esperava nunca ser vítima de uma agressão física. Fico muito magoada porque essas coisas são cada vez mais comuns na nossa realidade”, lamentou a pediatra.

Cremerj

O Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj) abriu uma sindicância para apurar os fatos relacionados ao caso e informou que repudia qualquer tipo de agressão contra médicos e profissionais de saúde.

O Cremerj informou que a médica esteve na sede do Conselho para denunciar o ocorrido. As sindicâncias abertas pelo Cremerj correm em sigilo.

A Sociedade de Pediatria do Rio disse que a médica foi “covardemente agredida no ato de sua profissão ao tentar cumprir o dever de cuidar, proteger e zelar pelo bem estar de crianças e adolescentes”.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários