Redação Pragmatismo
Governo 30/Mai/2018 às 20:36 COMENTÁRIOS
Governo

Bolsonaro se diz contra intervenção militar e critica caminhoneiros

Publicado em 30 Mai, 2018 às 20h36

"A paralisação dos caminhoneiros precisa acabar. Não interessa a mim, ao Brasil". Bolsonaro critica manifestantes e se diz contra possibilidade de intervenção militar no Brasil

bolsonaro caminhoneiros

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, Jair Bolsonaro afirmou que a paralisação dos caminhoneiros precisa acabar.

O presidenciável do PSL disse ainda que não tem ligação com as lideranças do movimento, especulação que surgiu devido à presença frequente de apoiadores de sua candidatura entre os manifestantes.

Confira os principais trechos da entrevista:

Como o sr. vê o movimento dos caminhoneiros?

Caso eu fosse presidente, isso não teria acontecido, pois há dois anos eu acompanho o movimento dos caminhoneiros. Estive com eles em Gramado, no Rio e em Brasília.

Nos últimos dias, o sr. foi o personagem político mais associado ao movimento. Como se deu isso?

Eu não participei da eclosão do movimento. O Temer resolve agora isentar o pedágio por eixo levantado por MP, isso é uma reivindicação antiga deles, que eu conhecia. Eu vejo críticas na mídia de que o Temer está passando por cima de um contrato, mas não é um ato jurídico perfeito. Se é uma cláusula leonina, ela pode ser questionada na Justiça.

O que faltou?

Faltou bom senso por parte do governo e por parte das empresas que exploram o governo. Há a questão do preço extorsivo do pedágio. A lombada eletrônica é outro problema. Deve ter mais de mil lombadas na BR-116, e isso vai para o frete, e acaba no preço do feijão que compramos no mercado.

Outro problema deles é a condição das estradas. E, em especial no Sudeste, roubo de carga. O prejuízo anual está na casa do R$ 1,5 bilhão, eu ouvi em reuniões em Brasília. E o governo não manda um representante nessas reuniões.

E como o sr. vê o pedido de intervenção militar?

Isso vem de um grupo pequeno. No desespero, cara, você pede qualquer coisa. Na minha opinião, dos meus amigos generais, se tiver de voltar um dia, que volte pelo voto. Aí chega com legitimidade, não dá essa bandeira para o PT dizer “Abaixo a ditadura” ou “Foi golpe”, porque aí foi golpe mesmo.

Não passa pela minha cabeça e eu não vi isso passar pela cabeça de nenhum general.

O que o pessoal tem saudade é dos valores, era uma época diferente. Hoje tem um desgaste de valores. Aí o [ex-governador paulista e presidenciável tucano Geraldo] Alckmin aceitou a questão de que qualquer pessoa que se sinta mulher vai para banheiro feminino [resolução de 2014 garante o uso de sanitários em escolas públicas baseado na declaração de gênero].

Que porra é essa, pô? Eu tenho uma filha, ela vai no banheiro e vai ter um cara balançando o peru lá dentro? Querem que eu aceite? A mulher que se sente homem não vai no banheiro dos homens. Duvido que uma mulher gay, bonita, vá no banheiro dos homens na rodoviária.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendações

Comentários

  1. Rodrigo Postado em 06/Jul/2019 às 13:08

    Claro, mesmo ele amando a Ditadura Militar, se hoje tivesse a intervenção, até ele não poderia dar opinião dele....kkkk

  2. Justiceiro Postado em 06/Jul/2019 às 13:08

    O cara não consegue ficar 5 minutos sem falar de gay gay gênero bicha ... Até em entrevistas sobre greve dos caminhoneiros e intervenção militar..

  3. Roberto Pedroso Postado em 06/Jul/2019 às 13:08

    Quando se trata deste sujeito oportunismo pouco é bobagem........

  4. Araújo Postado em 06/Jul/2019 às 13:08

    É um candidato fraco! No entanto, só temos candidatos fracos neste ano.

  5. Eduardo Ribeiro Postado em 06/Jul/2019 às 13:08

    Se vê que até uma mula mongoloide sem sinapse feito Bozonazi tem lapsos de racionalidade vez ou outra. Defensor explícito da ditadura, tem tesão no Ustra (que está no colo do capeta neste instante)....mas....ele quer ser Presidente, supostamente vivemos ainda uma democracia, e diz a lenda que teremos eleição ainda esse ano.....e ele SABE que se baixa uma intervenção militar, se esses caras entrarem hoje, não vão entregar voluntariamente no fim do ano. Bota aí 40 anos pra ter eleição de novo.

  6. Emmanuel Ferro Postado em 06/Jul/2019 às 13:08

    Fala de peru com a boca cheia.

  7. Pedro Accioli Postado em 06/Jul/2019 às 13:17

    Ele recuou pois em uma intervenção militar ele vai dançar pois serão generais que irão governar e ai a possibilidade de eleição dele irá por água abaixo!!!

    • Mone Postado em 06/Jul/2019 às 13:17

      Essa é uma das peculiaridades de um país que nunca fez uma educação igual e para todos ,tendo como fim a CONSCIENTIAÇÃO de toda sociedade. O resultado é esse que vemos ,onde se corre sempre ATRÁS, de vários , inúmeros paises ,num atraso galopante,sem educação qualitativa,não há dsenvolvimento.